Pride Fighting Championships

(Redirecionado de Pride FC)
Disambig grey.svg Nota: ""PRIDE"" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Pride.

PRIDE Fighting Championships, Pride FC ou simplesmente Pride foi um evento internacional de artes marciais mistas (MMA), organizado pela empresa DSE (Dream Stage Entertainment), tendo Nobuyuki Sakakibara como presidente e Nobuhiko Takada como diretor técnico.

PRIDE Fighting Championships
Privada
Atividade Promoção de Artes Marciais Mistas
Fundação 11 de outubro de 1997 (24 anos)
Fundador(es) Nobuyuki Sakakibara
Destino Comprado pela Zuffa
Encerramento 4 de outubro de 2007 (14 anos)
Sede Japão Tokyo, Japão
Empresa-mãe Dream Stage Entreteniment (1997-2007)
Zuffa/WME-IMG
Sucessora(s) DREAM
RIZIN Fighting Federation
Website oficial http://www.pridefc.com/

Os seus eventos eram realizados no Japão, sendo considerado o maior e mais popular evento de MMA do mundo durante os seus 10 anos de existência. O Pride realizou o evento de MMA com maior público ao vivo em 2002, em uma coprodução com a K-1 chamada Pride/Shockwave, com público recorde de 91.107 pagantes.[1] Seus eventos eram transmitidos para milhões na TV Aberta no Japão e em mais de 40 países. Em 2006, o Pride saiu pela primeira vez do Japão, realizando um evento nos Estados Unidos.[2]

O evento contava com os melhores lutadores de todos os cantos do mundo, com grande participação brasileira. Alguns lutadores lendários que passaram pelo PRIDE incluem Fiódor Emelianenko, Wanderlei Silva, Quinton "Rampage" Jackson, Mirko "Cro-cop", Kazushi Sakuraba, Antônio "Minotauro" Nogueira, entre outros.

Em 2006, a revelação das ligações entre a Yakuza e os executivos da DSE levaram ao fim dos lucrativos contratos com a TV Fuji e a uma crise financeira na DSE.[2] O Pride foi comprado pela Zuffa, Empresa-mãe do Ultimate Fighting Championship (UFC) dos Estados Unidos, o objetivo inicial era continuar o evento separadamente e fazer disputas entre as duas promoções, mas isso não se materializou e foi decretado o fim do evento em outubro de 2007.[3]

Em 13 de novembro de 2008, seus antigos organizadores criaram o DREAM, evento que é considerado um "renascimento" do PRIDE.[4] Em 2015 o co-fundador do Pride, Nobuyuki Sakakibara criou o RIZIN Fighting Federation após a falência do DREAM em 2012.

As regrasEditar

 
Cerimônia de abertura do evento.

A organização do Pride da Dream Stage Entertainment (DSE) mudou algumas regras do evento para o Pride USA. As alterações foram necessárias para que a competição pudesse ser realizada em tatames norte-americanos. Exemplos: Chutes e joelhadas não poderiam ser desferidos se o lutador estivesse na posição de três ou quatro apoios. Também não seriam permitidos cotoveladas em hipótese alguma.

Os rounds do Pride — um deles de 10 minutos e dois de 5 minutos — também foram alterados. No Pride USA, eram três rounds, com cinco minutos cada. O Presidente da organização do DSE, Nobuyuki Sakakibara, declarou que algumas das mudanças visavam proteger a integridade física dos lutadores.

Campeões em cada categoriaEditar

No inicio o Pride não era divido em categorias tendo como primeiro torneio na categoria Absoluto(Sem limite de Peso) Tendo como Vencedor o americano Mark Coleman. Posteriormente o Pride foi dividio em 4 categorias (Pesado, Médio, Meio-Médio e leve) cada uma com um campeão. Além dos cinturões de cada uma das categorias existia também os campeões dos GP's (Gran Prix), que eram torneios realizados anualmente.

Quando Zuffa, LLC comprou o Pride, ele mudou-o para unificar os títulos dos Médios e Meio-Medios com os seus próprios títulos dos Meio-Pesados (205 libras) e dos Médios (185lbs). Dan Henderson, que segurou os Cinturões dos Médios do Pride e os Meio-Medios no momento que a Zuffa LLC comprou, foi batido em duas Defesas de unificação, a Primeira Defesa foi contra o Quinton Jackson em setembro de 2007 e depois Contra Anderson Silva em março de 2008.

Os titulares abaixo foram aqueles que detinham os títulos em 8 de abril de 2007, data do último evento promovido pelo Pride FC.

Divisão dos pesosEditar

Divisão Peso limite Campeão Desde Defesas de títulos
Pesos-pesados Acima 93 kg (205 lbs)   Fedor Emelianenko Pride 25 3
Pesos-médios 93 kg (205 lbs)   Dan Henderson Pride 33 0
Pesos meio-médios 83 kg (183 lbs)   Dan Henderson Pride Shockwave 2005 0
Pesos-leves 73 kg (161 lbs)   Takanori Gomi Pride Shockwave 2005 1

TorneiosEditar

Um asterisco (*) indica que o torneio foi também uma luta pelo título.

Ano/Divisão do Peso Campeão Evento
2000 Absoluto   Mark Coleman Pride Grand Prix 2000 Finals
2003 Medios   Wanderlei Silva Pride Final Conflict 2003
2004 Peso Pesado   Fedor Emelianenko Pride Shockwave 2004*
2005 Medios   Mauricio "Shogun" Rua Pride Final Conflict 2005
2005 Meio-Medios   Dan Henderson Pride Shockwave 2005*
2005 Pesos Leves   Takanori Gomi Pride Shockwave 2005*
2006 Absoluto   Mirko "Cro Cop" Filipović Pride Final Conflict Absolute
2006 Meio-Medios   Kazuo Misaki Pride Bushido 13
  • *No UFC 75, Quinton Jackson unificou os cinturões do PRIDE FC e do UFC dos Pesos Médios que no UFC é a categoria dos meio-pesados, ao derrotar Dan Henderson; Atualmente o Cinturão unificado pertence a Glover Teixeira
  • **No UFC 82, Anderson Silva unificou os cinturões do PRIDE FC e do UFC Pesos Meio-Médios que no UFC é a categoria dos Médios, ao derrotar Dan Henderson; Atualmente o Cinturão unificado pertence a Israel Adesanya[5]..

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Total Attendance». Tapology (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2021 
  2. a b Snowden, Jonathan. «Sex, Drugs, Gangsters and MMA: Remembering Pride, UFC's Wild Predecessor». Bleacher Report (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2021 
  3. «– PRIDE WORLDWIDE JAPAN OFFICE OFFICIALLY CLOSED | MMAWeekly.com» (em inglês). 5 de outubro de 2007. Consultado em 14 de dezembro de 2021 
  4. Gazeta do Povo - acessado em 3/2/2012.
  5. Doyle, Dave (6 de outubro de 2019). «Israel Adesanya destroys Robert Whittaker to become undisputed UFC middleweight champ». USA today. https://www.usatoday.com/. Consultado em 4 de março de 2022 

Ligações externasEditar