Abrir menu principal
Pyotr Tkachev
Nome completo Pyotr Nikitich Tkachev
Nascimento 29 de junho de 1844 (174 anos)
Sivtsovo, Governadoria de Pskov, Império Russo
Morte 4 de janeiro de 1888 (43 anos)
Paris, França
Nacionalidade russo
Ocupação Escritor, crítico, teórico revolucionário[1]

Pyotr Nikitich Tkachev, também escrito Tkachyov (em russo: Петр Никитич Ткачев; 29 de junho de 1844 — 4 de janeiro de 1886) foi um escritor, crítico e teórico revolucionário[1] russo que formulou muitos dos princípios revolucionários que mais tarde seriam desenvolvidos e postos em prática por Vladimir Lenin.

Embora às vezes tenha sido conhecido como "o Primeiro Bolchevique",[2] ele não figurava de forma proeminente na mitologia da União Soviética, pois isso teria prejudicado a reivindicação bolchevique à originalidade do pensamento revolucionário de Lenin.

Índice

BiografiaEditar

Início de vidaEditar

Tkachev nasceu em 1844 em uma família da pequena aristocracia.[3] Veio da aldeia de Sivistov, que estava localizada no Governorado de Pskov.[4] Sua irmã, Alexandra Nikitichna Annenskaya, foi escritora feminista para jovens.[5]

Começou a frequentar a Universidade de São Petersburgo em 1861 e participou de uma série de violentos protestos estudantis naquele ano. Preso pela polícia durante um tumulto em 11 de outubro, Tkachev provavelmente entrou em contato com a filosofia política russa radical através de outros presos durante os meses em que ficou encadeado em uma prisão de Kronstadt.[6] Após ter sido preso por participar das greves estudantis de 1861, passou vários anos na Fortaleza de São Pedro e São Paulo.[3][7]

Carreira políticaEditar

Tkachev elogiou o romance Que Fazer? de Tchernichevski, chamando-o de "evangelho do movimento".[8]

Populistas como ele argumentaram contra a espera indefinida pela revolução social, enquanto, entretanto, condenaram a revolta e o terrorismo pela vanguarda; acreditava que se arriscava permitindo que o governo czarista se estabilizasse pelo avanço do capitalismo. Somente o estabelecimento de uma ditadura revolucionária através da tomada do poder possibilitaria assegurar as condições políticas corretas para uma transição para o socialismo.[9] Isso se tornaria o "princípio orientador" da teoria da revolução de Lenin.[9]

Os populistas voltaram aos métodos jacobinos de golpes, conspiração e terrorismo "em nome do povo" na década de 1870, depois de trocá-lo pela revolução social. Nesse sentido, os escritos de Tkachev marcaram um "divisor de águas crucial", estabelecendo uma ponte entre o jacobinismo de Nechayev, a "tradição clássica" dos Populistas de Terra e Liberdade e a tradição marxista de Lenin.[3]

Encontro com Nechayev e exílioEditar

Em meados de 1870, Tkachev ficou hipnotizado pelas obras de Sergey Nechayev, o que o levaria a passar mais uma vez na prisão, antes de ir para o exílio na Suíça.[3] Foi lá que adotou (grosseiramente) a sociologia de Marx, o que resultou em sua separação com o Populismo.[3]

Ele formulou uma crítica violenta ao movimento "Para o Povo", que consistia em vários estudantes e populistas que viajavam para aldeias camponesas. Nela formulou sua convicção de que a propaganda não poderia iniciar uma revolução porque "as leis do progresso social" faziam com que o regime sempre tivesse o apoio de camponeses mais ricos. Em vez disso, ele defendeu a realização de um golpe, uma tomada de poder, pela vanguarda revolucionária, que então prosseguiria com o estabelecimento de uma ditadura e iniciaria a transição para o socialismo.[3] Tkachev acreditava que o momento era perfeito para a tomada do poder, e que deveria ser feito o mais rápido possível, enquanto não existia uma força social que estivesse preparada para se unir ao governo, algo que viria com o desenvolvimento da burguesia e do capitalismo.[3] Um grito de guerra em uma de suas passagens críticas — que mais tarde seria copiado por Lenin em outubro de 1917 — diz: "É por isso que não podemos esperar. É por isso que afirmamos que uma revolução é indispensável e indispensável agora, neste exato momento, não podemos permitir o adiamento. É agora ou — talvez muito em breve — nunca." Escreveu ainda que um partido conspirador e elitista, disciplinado e centralizado semelhante a um exército, era essencial para que isso fosse bem sucedido — algo também ecoado mais tarde por Lenin.[3]

Vida posterior e morteEditar

No final de 1882, ele ficou gravemente doente e passou os últimos anos num hospital psiquiátrico. Morreu em 4 de janeiro de 1886 em Paris, aos 41 anos.[10]

Ideias políticasEditar

Suas atitudes autoritárias, como a de Bakunin, Speshnev, Plekhanov e Lenin, podem ser explicadas por suas origens nobres.[11]

Seria enganoso caracterizar Tkachev como um marxista doutrinário. O historiador Andrzej Walicki argumentou que a forma de determinismo econômico defendida por Tkachev diferia significativamente do materialismo histórico desenvolvido por Karl Marx e Friedrich Engels: "Esse 'materialismo econômico' específico de Tkachev não equivalia ao marxismo; constituía antes uma mistura peculiar de alguns elementos do marxismo com um utilitarismo primitivo, exagerando grosseiramente o papel da motivação econômica direta no comportamento individual."[12]

Impacto e seguimentoEditar

Um grupo terrorista radical chamado "Vontade do Povo" (Narodnaya Volya) fundado em 1879, influenciado pelos ensinamentos de Tkachev, assassinaria o czar Alexandre II em 1 de março de 1881.

Lenin e o TkachevismoEditar

Lenin devia mais a Tkachev do que qualquer outro teórico russo.[3] A principal ideia que defendia e que influenciava o desenvolvimento da filosofia política do futuro líder bolchevique era a de uma vanguarda revolucionária. Embora não explicitamente usando esse termo leninista, Tkachev argumentou que – na ausência de uma revolução popular, baseada no campesinato – revolucionários devem se levantar e derrotar um governo tirânico.[3][13] A abordagem leninista do marxismo estava enraizada em suas origens no movimento revolucionário russo, com os escritos e ideias de Tchernichevski, Tkachev, Nechayev e do Vontade do Povo injetados no marxismo passivo para dar-lhe uma "dose russa de política conspiratória". Isso permitiu a precipitação de uma revolução pela ação política.[14] Tkachev era um proponente de um partido revolucionário estreitamente organizado,[3] seguindo as ideias de Nechayev, e também foi influenciado pelo movimento revolucionário francês blanquismo.[15][16] Em sua opinião, o principal dever dos partidos revolucionários não era envolver-se em esforços de propaganda, mas derrubar o governo e tomar o poder em nome do proletariado.

Referências

  1. a b Figes, p. 130
  2. Hodges, Donald Clark (2003). Deep Republicanism: Prelude to Professionalism. Lanham, MD: Lexington Books. p. 124. ISBN 978-0-7391-0553-5 
  3. a b c d e f g h i j k Figes, p. 137
  4. Hardy, Deborah (1977). Petr Tkachev — The Critic as Jacobin. Seattle: University of Washington Press. p. 17. ISBN 0-295-95547-3 
  5. Ledkovskai͡a-Astman, Marina; Rosenthal, Charlotte; Zirin, Mary Fleming (1994). Dictionary of Russian Women Writers (em inglês). Westport, CT: Greenwood Publishing Group. p. 30–31. ISBN 978-0-313-26265-4 
  6. Hardy, Deborah (1977). Petr Tkachev — The Critic as Jacobin. Seattle: University of Washington Press. p. 24. ISBN 0-295-95547-3 
  7. Figes, p. 122
  8. Figes, p. 130
  9. a b Figes, p. 136
  10. Parry, Albert (2013). Terrorism: From Robespierre to the Weather Underground (em inglês). Mineola, NI: Dover Publications. p. 33. ISBN 0-486-44417-1 
  11. Figes, p. 128
  12. Walicki, Andrzej (1969). The Controversy over Capitalism. Oxford: Oxford University Press. p. 141. ISBN 0-19-821474-X 
  13. Riasanovsky, Nicholas (2000). A History of Russia (sixth edition). Oxford: Oxford University Press. p. 383. ISBN 0-19-512179-1 
  14. Figes, p. 145–6
  15. Bookchin, Murray (1998). The Third Revolution: Popular Movements in the Revolutionary Era (em inglês). 2. Londres: Cassell. p. 68. ISBN 0-304-33595-9 
  16. Zimmermann, Ekkart (2013). Political Violence, Crises and Revolutions (Routledge Revivals): Theories and Research (em inglês). Abingdon, Oxon: Routledge. p. 314. ISBN 978-0-415-68785-0 

BibliografiaEditar

  • Figes, Orlando (2014). A People's Tragedy: The Russian Revolution 1891–1924. Londres: The Bodley Head. ISBN 9781847922915 

Leitura adicionalEditar

  • Hardy, Deborah. Petr Tkachev: The Critic as Jacobin. Seattle: University of Washington Press, 1977.
  • Pipes, Richard A. "Russian Marxism and its Populist Background." Russian Review 19:4 (1960), 316-37.
  • Riasanovsky, Nicholas. A History of Russia (sixth edition). Nova Iorque: Oxford University Press, 2000.
  • Weeks, Albert L. The First Bolshevik: A Political Biography of Peter Tkachev. Nova Iorque: New York University Press, 1968.