Kiruna

Cidade do norte da Suécia
(Redirecionado de Quiruna)

Kiruna[1][2] (em sueco: Kiruna; Nuvola apps arts.svg ouça a pronúncia) ou Quiruna[3] é uma cidade da Suécia na província da Lapônia no norte do país. É a sede da comuna de Kiruna, pertencente ao condado de Norrbotten. Possui 9,71 quilômetros quadrados. Segundo censo de 2018, tinha 17 798 habitantes. Tem um caráter marcadamente influenciado pelas duas grandes minas de ferro de Luossavaara e Kiirunavaara, localizadas nas montanhas de Luossavaara e Kirunavaara, na proximidade da cidade.[4][5][6][7][8]

Suécia Kiruna

Quiruna

Kiruna

 
  Cidade  
No sentido horário, de cima: horizonte de Kiruna de noite, Igreja de Kiruna, Hotel de Gelo em Jukkasjärvi, lançamento do foguete em Esrange, torre sineira na Igreja de Kiruna.
No sentido horário, de cima: horizonte de Kiruna de noite, Igreja de Kiruna, Hotel de Gelo em Jukkasjärvi, lançamento do foguete em Esrange, torre sineira na Igreja de Kiruna.
Símbolos
Brasão de armas de Kiruna
Brasão de armas
Localização
Kiruna está localizado em: Suécia
Kiruna
Localização de Kiruna
Coordenadas 67° 51' N 20° 13' E
Região Norlândia
Província Lapônia
Condado Norrbotten
Comuna Kiruna
Características geográficas
Área total 9,71 km²
Sítio kiruna.se

Etimologia e usoEditar

O nome geográfico Kiruna foi introduzido em 1900, substituindo Luossavaara. A palavra sueca Kiruna, é uma suequização do finlandês Kiiruna, por sua vez uma finlandização do lapão Giron, uma abreviação do termo Gironvárri ("montanha da perdiz branca"). No brasão da cidade, esta ave está representada junto ao símbolo do ferro. O ferro simboliza a indústria mineira, de vital importância para a economia da cidade.[9]

Em textos em português é usada a forma original Kiruna. [10][11][12]

HistóriaEditar

 
O primeiro habitante nascido em Kiruna, ao colo de seu pai.

A região de Kiruna foi habitada desde longa data por lapões e kväner (povo minoritário de língua finlandesa). A existência de ferro era já conhecida na altura, e foi confirmada no século XVIII pelas autoridades suecas. Com a construção de uma linha férrea em 1899, pôde começar a exploração mineira do ferro em escala industrial nas minas de Kirunavaara e Luossavaara. Uma nova cidade foi então delineada pelo gerente de minas Hjalmar Lundbohm – autor de um plano de urbanização incluindo habitações, instituições sociais e obras de arte. Em 1900 a nova urbe recebeu o nome de Kiruna, um vocábulo prático e de fácil pronúncia. [13][14]

ComunicaçõesEditar

A cidade de Kiruna é atravessada pela estrada europeia E10, ligando Luleå a Narvik e pela Linha do Minério (Malmbanan), ligando Luleå a Narvik. O Aeroporto de Kiruna fica a 9 km da cidade, e tem ligações com Umeå e Estocolmo. [15]

EconomiaEditar

A estação espacial de lançamento de foguetes de Esrange - integrante da rede de contacto com satélites ESTRACK da Agência Espacial Europeia - está localizada a 45 km a leste da cidade de Kiruna, no norte da Suécia. [16]

Referências

  1. Godinho 1964, p. 448.
  2. Lello 1981, p. 1375.
  3. Séguier 1966.
  4. Enciclopédia Norstedts 2008, p. 640.
  5. Magnusson 2004, p. 211.
  6. Ernby 2001, p. 306.
  7. Kinder 2014.
  8. CP 2018.
  9. Wahlberg 2003, p. 176.
  10. «Jazigos minerais ortomagmáticos». Infopédia. Consultado em 12 de janeiro de 2023. Entre os exemplos deste tipo de concentração está o dique de magnetite titanífera de Cumberland e o maior depósito do mundo de magnetite em Kiruna, na Suécia. 
  11. Aline Pereira Leite Nunes. «Flotação de fosfatos presentes em minérios de ferro brasileiros». Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 12 de janeiro de 2023. Em Kiruna, na Suécia, o minério é magnetítico de origem magmática, com o fósforo associado a apatitas primárias.  line feed character character in |citacao= at position 81 (ajuda)
  12. Inês Santinha. «Gestão Internacional - Trabalho Individual – Suécia». Lisbon School of Economics & Mangement. Consultado em 11 de fevereiro de 2020. A Suécia é geralmente plana a sul e leste, e o seu ponto mais alto é o monte Kebnekaise, no município de Kiruna (2117 m de altitude). 
  13. Svensson, Lars (2001). «Kiruna». Värt att se i Sverige [Para ver na Suécia]. En reseguide (em sueco). Estocolmo: Bonnier. p. 137. 383 páginas. ISBN 9100571903 
  14. «Kiruna» (em sueco). Nationalencyklopedin (Enciclopédia Nacional Sueca). Consultado em 21 de fevereiro de 2020 
  15. Lidman Production AB (texto) e Matton (fotografia) (2011). «Lappland». Libers stora junioratlas (em sueco). Estocolmo: Liber. p. 37. 144 páginas. ISBN 9789147809028 
  16. ESA 2018.

BibliografiaEditar

  • Ernby, Birgitta; Gellerstam, Martin; Malmgren, Sven-Göran; Axelsson, Per; Fehrm, Thomas (2001). «Luleå». Norstedts första svenska ordbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts ordbok. p. 767. ISBN 91-7227-186-8 
  • Lello, José; Lello, Edgar (1981). «Kiruna». Lello Universal. 1. Porto: Lello & Irmão. p. 1375. ISBN 9789724800059 
  • Séguier, Jaime de (1966). «Quiruna». Dicionário prático ilustrado: novo dicionário enciclopédico luso-brasileiro. Porto: Lello & Irmão 
  • Wahlberg, Mats (2003). «Kiruna». Svenskt ortnamnslexikon (Dicionário das localidades suecas) (em sueco). Upsália: Språk- och folkminnesinstitutet e Institutionen för nordiska språk vid Uppsala universitet. ISBN 91-7229-020-X 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Kiruna