Abrir menu principal

Rússia de Quieve

Rússia de Quieve

Rus' de Quieve • Rússia Quievana • Rússia de Kiev

Confederação

882 — 1240 
Kievan-rus-1015-1113-(en).png
Rússia de Quieve no século XI
Coordenadas 50° 27' N 30° 31' 24" E
Continente Europa
Capital Quieve
País atual  Rússia
 Ucrânia
 Bielorrússia

Línguas oficiais Antigo eslavo oriental
nórdico antigo
Religiões Religião eslava
Religião nórdica
Igreja Ortodoxa
Moeda Grívnia

Príncipe de Quieve
• 882–912  Olegue
• 1238–1239  Miguel II
Legislatura
•    Veche
Conselho de Liubeche

Período histórico Idade Média
• 882  Fundação
• 1240  Dissolução

A Rússia de Quieve[1] ou Rússia de Kiev em latim: Russia Kioviensis; em russo: Киевская Русь; transl.: Kievskaya Rus, em ucraniano: Київська Русь; transl.: Kyyivs’ka Rus’, em bielorrusso: Кіеўская Русь; translit.: Kijeŭskaja Ruś), também conhecida como Rússia Quievana ou os Rus' de Quieve, foi uma frouxa confederação[2] de tribos eslavas do Leste Europeu dos séculos IX ao XIII,[3] sob os ruríquidas. Bielorrússia, Ucrânia e Rússia reivindicam a Rússia de Quieve como seu ancestral cultural.[4] Em sua maior extensão em meados do século XI, o Estado se estendia do mar Báltico no norte ao mar Negro no sul e das cabeceiras do Vístula no oeste à península de Taman no leste,[5] unindo a maioria das tribos eslavas do leste.[2]

Segundo a historiografia russa, o primeiro líder a começar a unir as terras eslavas do leste no que se tornou conhecido como Rússia de Quieve foi Olegue (r. 882–912). Estendeu seu controle de Novogárdia Magna ao sul ao longo do vale do rio Dniepre para proteger o comércio das incursões de cazares do leste[2] e moveu sua capital à mais estratégica Quieve. Esvetoslau I (r. 945–972) conseguiu a primeira grande expansão do controle territorial, lutando uma guerra de conquista contra os cazares. Vladimir I (r. 980–1015) introduziu o cristianismo com seu próprio batismo e, por decreto, estendeu-o a todos os habitantes de Quieve e além. A Rússia alcançou sua maior extensão sob Jaroslau I, o Sábio (r. 1019–1054); seus filhos reuniram e emitiram seu primeiro código legal escrito, pouco depois de sua morte.[6]

O Estado declinou o começo no final do século XI e durante o XII, desintegrando em várias potências regionais rivais. Foi ainda mais enfraquecido por fatores econômicos, como o colapso dos laços comerciais com o Império Bizantino devido ao declínio de Constantinopla[7] e a diminuição de rotas comerciais que o acompanhavam por seu território. Finalmente caiu à invasão mongol da década de 1240.

Ver tambémEditar

 Ver artigo principal: Lista de governantes de Quieve

Referências

BibliografiaEditar