Abrir menu principal

Reichsbund jüdischer Frontsoldaten

Reichsbund jüdischer Frontsoldaten
Panfleto da RJF, publicado em 1920.
No topo:
Para as mães alemãs!
No túmulo:
12.000 soldados judeus caíram no campo de batalha pela honra da pátria.
E, abaixo:
Os heróis cristãos e judeus lutaram lado a lado e repousam lado a lado em terras estrangeiras. 12.000 judeus foram mortos em ação! Ódio do partido furioso não pára nas sepulturas dos mortos. As mulheres alemãs não toleram que uma mãe judia seja desprezada em sua dor.
Fundação Fevereiro de 1919
Extinção 1938
Línguas oficiais alemão
Organização Leo Löwenstein

Reichsbund jüdischer Frontsoldaten - ("federação do reich dos soldados judeus da linha de frente - RjF) foi uma associação de soldados alemães judeus veteranos da I Guerra Mundial. Fundada em 1919,[1] a partir de 1933, a RjF posicionou-se como uma ala não-sionista do movimento esportivo judaico na Alemanha Nazista.

HistóriaEditar

A RjF foi fundada em Fevereiro de 1919 por iniciativa de Leo Löwenstein.[1] Seus objetivos eram provar a lealdade judaica ao Reich (ver: Dolchstoßlegende - "Lenda da punhalada pelas costas") e afastar o antissemitismo da Alemanha, citando o fato de que, na Primeira Guerra Mundial, cerca de 85.000 alemães judeus haviam lutado, dos quais cerca de 12.000 morreram.[2]

A RjF vê a base de seu trabalho como uma aliança completa com a pátria alemã. Não tem nenhum objetivo ou desejo fora desta pátria alemã e rejeita firmemente qualquer movimento que deseje trazer os judeus alemães para uma posição de forasteiros em relação a esta pátria alemã.[3]

A RjF rapidamente alcançou mais de 30.000 membros, e seu número aumentou temporariamente para cerca de 55.000. Ele era, portanto, a maior organização de membros da comunidade judaica alemã na República de Weimar. Quase metade dos combatentes judeus sobreviventes tornou-se membro dos cerca de 500 grupos locais. Junto a RjF havia o "escudo" da federação esportiva judaica, o departamento de vítimas da guerra, bem como um trabalho de assentamento. De 1921 a 1938 apareceu como um jornal sindical Der Schild ("O escudo"). A primeira fundação dos grupos de esportes RjF "escudo", integrava os planos de autoproteção da RjF a partir do verão de 1923. A razão para isso foram os tumultos de Scheunenviertel (Berlim), em Novembro de 1923, dirigidos quase exclusivamente contra os judeus. O Reichsbund formou suas próprias patrulhas armadas depois que a polícia não conseguiu controlar os tumultos de um dia. A tarefa era proteger seus companheiros até que a polícia interviesse.

Além do livro comemorativo Die jüdischen Gefallenen des deutschen Heeres, der deutschen Marine und der deutschen Schutztruppen 1914–1918 ("aos soldados judeus caídos do exército alemão, da marinha alemã e do Schutztruppen 1914-1918") com os nomes dos 12.000 judeus mortos, 1924 a RjF lançou uma nova edição do livro Jüdische Flieger im Weltkrieg ("aviadores judeus na Guerra Mundial") por Felix Aaron Theilhaber, sobre o título, a imagem do piloto de bombardeiro Fritz Beckhardt, decorada com uma suástica.

Em contraste com os sionistas, a RjF procurou assimilar culturalmente a maioria dos judeus na sociedade alemã. Entre outras coisas, esse objetivo deveria ser promovido dando aos judeus treinamento em profissões que foram proibidas a estes durante séculos, sobretudo na agricultura, mas também no artesanato. Com o aumento da pressão sobre os judeus após a tomada do poder do NSDAP (Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães), surgiu uma comunhão com os sionistas como o objetivo de dar treinamento, realizado pelos círculos sionistas no contexto da Hachschara ("preparação/qualificação" para a emigração até Israel), foi facilitado após a partida da Alemanha o estabelecimento de novas comunidades nos países de emigração.

Em 1936, a RjF foi banida de quaisquer atividades políticas e, em 1938, foi completamente dissolvida.

Federação dos soldados judeusEditar

 
Integrantes da confederação dos soldados judeus com estudantes num projeto educacional (19 de Novembro de 2008).
 
Homenagem aos soldados judeus caídos e as vítimas do Shoa envolvendo o Conselho Central de judeus na Alemanha, comunidade Judaica de Frankfurt am Main, exército dos EUA, adido militar de Israel, Forças Armadas da Áustria e Forças Armadas Alemãs no cemitério de Frankfurt am Main (Antigo Cemitétio Judaico de Frankfurt, 7 de Novembro de 2010).

A Bund jüdischer Soldaten (RjF) e.V [4] ("confederação dos soldados judeus), fundada em 8 de Novembro de 2006 por soldados judeus da Bundeswehr em Gerolstein/Eifel, difere em particular na recusa de um curso antissionista, assimilatório, devido às experiências históricas da RjF. Em vez disso, a integração de cidadãos judeus na Bundeswehr como uma expressão de uma democracia multi-étnica e multireligiosa é bem-vinda. Além da tarefa de "preservar a memória dos soldados judeus que serviram nos exércitos dos estados alemães, o exército do Império Alemão e a República de Weimar, que lutaram pela Alemanha nas guerras do século XIX e especialmente na Primeira Guerra Mundial dando suas vidas pela nação". Representa os interesses de soldados judeus na Bundeswehr, incluindo a defesa contra os esforços anti-semitas dentro e fora das forças armadas. Para isso, projetos educacionais, projetos de pesquisa e eventos comemorativos são realizados. Os resultados do trabalho são publicados no periódico Der Schild, sem periodicidade regular, ou pelos autores em seu próprios nomes. Com a medalha Bernhard Weiss raramente concedida, a associação honra seus serviços à luta contra o antissemitismo, aos soldados judeus e à manutenção da memória dos judeus soldados da linha de frente e, também, os que morreram na resistência alemã e no Holocausto.

A Bund jüdischer Soldaten tem um modesto número de membros (2008: 19, 2013: 40) e mais judeus encontram na Bundeswehr um empregador interessante. Este desenvolvimento deve-se em particular ao fato de a geração mais jovem de imigrantes de ex-repúblicas soviéticas verem-se menos como vítimas do que como descendentes de vencedores na guerra contra o nazismo. Ao mesmo tempo, o Bundesministerium der Verteidigung - BMVg (Ministério da Defesa da Alemanha) e o Sozialwissenschaftliches Institut der Bundeswehr (Instituto de Ciências Sociais do Bundeswehr) estimam que cerca de 200 judeus atuam na Bundeswehr em 2012, a maioria deles imigrantes da Europa Oriental.

Referências

  1. a b Jürgen Matthäus, Mark Roseman (2009). Jewish Responses to Persecution: 1933–1938. [S.l.]: Rowman & Littlefield. pp. 427 (em inglês). ISBN 9780759119109  Adicionado em 27 de junho de 2019.
  2. Tim Grady (2012). The German-Jewish Soldiers of the First World War in History and Memory. [S.l.]: Liverpool University Press (em inglês). ISBN 9781781388839  Adicionado em 27 de junho de 2019.
  3. Wetzet, Juliane (31 de março de 2004). «Auswanderung und jüdisches Selbstverständnis ("Emigração e auto-imagem judaica")». Förderverein Jüdische Geschichte und Kultur (em alemão). Consultado em 27 de junho de 2019 
  4. Michael Berger, Gideon Römer-Hillebrecht (2009). Juden und Militär in Deutschland: zwischen Integration, Assimilation, Ausgrenzung und Vernichtung. [S.l.]: Nomos. pp. 253 (em alemão). ISBN 9783832944711  Adicionado em 27 de junho de 2019.

BibliografiaEditar

Em alemão
  • Michael Berger: Eisernes Kreuz und Davidstern. Die Geschichte Jüdischer Soldaten in Deutschen Armeen. trafo verlag, Berlin 2006, ISBN 3-89626-476-1.
  • Michael Berger: Eisernes Kreuz – Doppeladler – Davidstern. Juden in deutschen und österreichisch-ungarischen Armeen. Der Militärdienst jüdischer Soldaten durch zwei Jahrhunderte. trafo verlag, Berlin 2010, ISBN 978-3-89626-962-1.
  • Michael Berger, Gideon Roemer-Hillebrecht: Juden und Militär in Deutschland: Zwischen Integration, Assimilation, Ausgrenzung und Vernichtung. Nomos Verlag, Baden-Baden 2009, ISBN 978-3-8329-4471-1.
  • Michael Berger, Gideon Roemer-Hillebrecht: Jüdische Soldaten - Jüdischer Widerstand in Deutschland und Frankreich. Schöningh Verlag, Berlin 2012, ISBN 978-3-506-77177-3.
  • Ulrich Dunker: Der Reichsbund jüdischer Frontsoldaten 1919–1938. Geschichte eines jüdischen Abwehrvereins. Droste, Düsseldorf 1977, ISBN 3-7700-0479-5.
  • Hans-Christian Kokalj: „Kampf um die Erinnerung“. Jüdische Frontkämpfer des Ersten Weltkriegs und ihr Widerstand gegen die rechtspopulistische Propaganda in der Weimarer Republik. In: Tobias Arand (Hrsg.): Die „Urkatastrophe“ als Erinnerung. Geschichtskultur des Ersten Weltkriegs. Münster 2006, ISBN 3-934064-67-1, S. 81–98.
  • Der Schild (Universidade de Frankfurt) - Zeitschrift des Reichsbundes jüdischer Frontsoldaten. Berlim, 1921–1938.
  • Der Schild. hrsg. vom Bund jüdischer Soldaten (RjF) durch den Vorsitzenden, Berlin (seit 2007), ISSN 1865-6595.

Ligações externasEditar


  Este artigo sobre história da Alemanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.