Reinaldo de Roucy

Reinaldo de Roucy ou Renaud ou também Ragenold[1] (926 - 10 de maio de 967) foi o 1º conde de Roucy e de Reims.

Reinaldo de Roucy
1º conde de Roucy e de Reims
Escudo do Brasão com as Armas da Casa de Roucy.
Nascimento 926
Morte 10 de maio de 967 (41 anos)
Pai Reinaldo da Noruega

Personagem de origem viquingue, como o próprio nome sugere, ele aparece em 943[2] o lado do rei Luís IV de França e do filho deste Lotário de França (941986), auxiliando-os na luta que este trava contra o conde de Herberto II de Vermandois (c. 880-23 de Fevereiro de 943). Após a morte deste conde Reinaldo continua ao serviço do rei de França e em 945 novamente presta-lhe serviço na conquista da cidade de Sens.

Em 945, o rei Luís IV de França, como uma recompensa pelos serviços prestados dá-lhe em casamento uma filha de Gilberto de Lotaríngia (c. 8902 de outubro de 939), duque da Lotaríngia: Alberade da Lotaríngia e dá-lhe ainda a terra de Roucy, entre Reims e Laon, obrigando-o no entanto a construir uma fortaleza na referida cidade de Roucy, o que ele faz entre 947 e 953. Durante esse tempo ele assinou uma carta de doação para a Abadia Beneditina de Charlieu fundada em 875.

Reinaldo de Roucy foi enterrado na igreja da Abadia de Saint-Remi, em Reims.

Relações familiaresEditar

Foi tido como filho de Reinaldo da Noruega e casado com Alberada da Lotaríngia, filha de Gilberto de Lotaríngia, duque da Lotaríngia, e de Gerberga da Saxônia, de quem teve:

  1. Ermentrude de Roucy (? - c. 1004), que foi casada por duas vezes, a primeira com Aubrey II de Mâcon (? - 982), conde de Macon e a segunda com o conde Otão Guilherme de Borgonha (c. 962 - 21 de Setembro de 1026), Conde da Borgonha,
  2. Gilberto I de Roucy (951 - 991 ou 1000), Conde de Roucy e Visconde de Reims,
  3. Bruno de Roucy (c. 956 - 1016), Bispo de Langres.
  4. Uma filha de nome desconhecido,[3] casada com o conde Fromond II (? - 1012), Conde de senadores.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Foundation for Medieval Genealogy, Ragenold, comte de Roucy
  2. Jean-Noël Mathieu, «La Succession au comté de Roucy aux environs de l'an mil», dans Onomastique et Parenté dans l'Occident médiéval, Oxford, Prosopographica et genealogica, 2000, 310 p. (ISBN 1-900934-01-9), p. 75-84
  3. La Genealogia Comitum Flandriæ la mentionne sans la nommer, Édouard de Saint-Phalle et Jean Noël Mathieu proposent le prénom de Giselberte en s'appuyant sur la base d'une charte de 1058 (mais peut-être mal datée) reprise et publiée sous la direction Mathieu Maximilien Quantin dans le Cartulaire Général de l'Yonne, 1854-1860