Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com a República Popular Democrática da Coreia, também conhecida como Coreia do Norte


조선인민공화국
朝鮮人民共和國

República Popular da Coreia

Governo provisório

Flag of Japan (1870–1999).svg
1945 – 1946  
Flag of the United States (1912-1959).svg
 
Flag of the Soviet Union (1924–1955).svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de República Popular da Coreia
Continente Ásia
Capital Pyongyang
Língua oficial Coreano
Governo Governo provisório
Presidente da Conferência Representativa Nacional Popular
 • 1945-1946 Lyuh Woon-hyung
Período histórico Guerra Fria
 • 6 de setembro de 1945 Estabelecido
 • 9 de setembro de 1945 As forças norte-americanas se estabelecem na Coreia do Sul
 • fevereiro de 1946 Desestabelecido
Moeda Won sul-coreano
República Popular da Coreia
Nome em coreano
Hangul 조선인민공화국
Hanja 朝鮮人民共和國
Romanização revisada Joseon Inmin Gonghwaguk
McCune-Reischauer Chosŏn Inmin Konghwaguk

A República Popular da Coreia (PRK) foi um governo provisório de curta duração, que foi organizado com o objetivo de assumir o controle da Coreia pouco depois da rendição do Império do Japão no final da Segunda Guerra Mundial. Funcionou como um governo no final de agosto ao início de setembro de 1945 até o estabelecimento do Governo Militar do Exército dos Estados Unidos na Coreia na parte sul da Península da Coreia pelos Estados Unidos. Depois que funcionou não oficialmente, e em oposição ao Governo Militar do Exército dos Estados Unidos, e foi forçado a se dissolver em janeiro de 1946.

HistóriaEditar

EstabelecimentoEditar

As autoridades coloniais do Império do Japão solicitaram que fosse estabelecido um governo para garantir a segurança de suas pessoas e bens após a ocupação terminar. Sob a liderança de Yeo Un-hyeong, o recém-formado Comitê para a Preparação da Independência da Coreia (CPKI), comitês populares organizados em todo o país para coordenar a transição para a independência. Em 28 de agosto de 1945 a CPKI anunciou que iria funcionar como o governo nacional temporário na Coreia.[1] Em 12 de setembro, ativistas do CPKI se reuniram em Seul e estabeleceram o PRK.

ProgramaEditar

O programa do PRK foi apresentado em 14 de setembro e tinha vinte e sete pontos. O programa incluía: "o confisco sem indenização de terras ocupadas pelos japoneses e colaboradores; distribuição gratuita de terras aos camponeses; aluguel de limites sobre a terra não redistribuída; nacionalização de grandes indústrias como mineração, transporte, serviços bancários, e comunicação; supervisão estatal das empresas de pequeno e médio porte; ... garantindo os direitos humanos e as liberdades fundamentais, incluindo os de expressão, de imprensa, de reunião e fé; sufrágio universal para adultos com mais de dezoito anos de idade; igualdade para as mulheres; reformas no direito do trabalho, incluindo uma jornada de oito horas, um salário mínimo, e a proibição do trabalho infantil; e "estabelecimento das relações com os Estados Unidos, União Soviética, Inglaterra e China, e da oposição positiva a quaisquer influências estrangeiras de interferência nos assuntos internos do Estado".[2][3]

Desenvolvimento no NorteEditar

Ao norte do paralelo 38 N, a estrutura local do PRK foi mantido sob ocupação soviética para se tornar a base da estrutura partidária moderna norte-coreana (ver as origens do Partido dos Trabalhadores da Coreia).

Desenvolvimento no SulEditar

Logo após o desembarque norte-americano em setembro de 1945, o novo Governo Militar do Exército dos Estados Unidos na Coreia, que controlava a península ao sul do paralelo 38 N, aboliu o governo PRK por decreto militar, principalmente por causa de suspeitas de que era comunista. Algumas unidades locais da República Popular permaneceram ativas na região de Jeolla e, especialmente, na Ilha Jeju, onde a sua presença, juntamente com gangues de jovens anti-comunistas,[4] que contribuiu para as tensões que iniciou o evento conhecido como Massacre de Jeju.

Desenvolvimentos a nível nacionalEditar

No início de novembro foi criado o Conselho Nacional de Sindicatos da Coreia (NCKLU) e seu endosso do PRK e seu programa. Em dezembro criaram a Liga Nacional de Sindicatos Camponeses, a Liga da Juventude Democrática da Coreia e a Liga das Mulheres, e seu apoio ao PRK.[5]

Referências

  1. Hart-Landsberg, Martin (1998). Korea: Division, Reunification, & U.S. Foreign Policy. [S.l.]: Monthly Review Press. p. 65 
  2. Hart-Landsberg, Martin (1998). Korea: Division, Reunification, & U.S. Foreign Policy. [S.l.]: Monthly Review Press. pp. 65–6 
  3. Cumings, Bruce (1981). The Origins of the Korean War, Liberation and the Emergence of Separate Regimes, 1945–1947. [S.l.]: Princeton University Press. p. 88 
  4. Kim, Ik Ruhl (1997), «The Truth about Cheju 4.3», Kimsoft, Korea Web Weekly, consultado em 27 de dezembro de 2014, cópia arquivada em 27 de setembro de 2007  |capítulo= ignorado (ajuda); |title= e |título= redundantes (ajuda); |archiveurl= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  5. Hart-Landsberg, Martin (1998). Korea: Division, Reunification, & U.S. Foreign Policy. [S.l.]: Monthly Review Press. p. 75