República de Ancona (república marítima)

antiga república marítima italiana (1000-1532)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja República Anconitana.

A República de Ancona era uma comuna medieval notável e república marítima, por seu desenvolvimento econômico e seu comércio marítimo, particularmente com o Império Bizantino e o Mediterrâneo Oriental, embora um pouco confinado pela supremacia veneziana no mar.[1] Desfrutava de excelentes relações com o Reino da Hungria[2] e era um aliado da República de Ragusa.[3] Também manteve boas relações com os turcos. Todas essas relações permitiram que ela servisse como porta de entrada da Itália central para o Oriente.

República de Ancona
Iron crown of Lombardia (icon).svg
século XI — 1532 
Flag of the Papal States (1825-1870).svg
Bandeira
 
Escudo
Bandeira Escudo
Repubblica di Ancona nel XV secolo - confini e castelli.png
Ancona no século XV, mapa indicando castelos, fronteiras e florestas
Região Península Itálica
Capital Ancona
Países atuais Itália

Línguas oficiais
Religião Cristianismo
Moeda Agontano

Período histórico Idade Média/Renascimento
• século XI  Gradual aumento da autonomia
• 1532  Golpe de estado pelo Papa Clemente III

Incluída nos Estados papais desde 774, Ancona ficou sob a influência do Sacro Império Romano-Germânico por volta do ano 1000, mas gradualmente ganhou independência para se tornar totalmente independente com a vinda das comunas no século XI.[4][5] Seu lema era Ancon dorica civitas fidei (Ancona dórica, cidade da fé); lembra a fundação grega da cidade .

Ancona era uma república oligárquica, governada por seis anciãos, eleitos pelos três terzieri nos quais a cidade estava dividida: S. Pietro, Porto e Capodimonte. Tinha uma série de leis marítimas conhecidas como Statuti del mare e del Terzenale (Estatutos do mar e do arsenal) e Statuti della Dogana (Estatutos da Alfândega).[6]

Relações marítimas e armazénsEditar

 
Rotas comerciais e armazéns da república marítima de Ancona

Os fondachi (colônias com armazéns e edifícios de acomodação[7]) da República de Ancona estavam continuamente ativos em Constantinopla, Alexandria e outros portos bizantinos, enquanto a triagem de mercadorias importadas por terra (principalmente têxteis e especiarias) caía para os comerciantes de Lucca e Florença.[8]

Em Constantinopla havia talvez o fondaco mais importante, onde os habitantes de Ancona tinham sua própria igreja, Santo Stefano; em 1261, eles receberam o privilégio de ter uma capela na Santa Sofia.[9][10] Outros fondachi de Ancona estavam localizados na Síria (em Laiazzo e Laodicea), na Romênia (em Constança), no Egito (em Alexandria), em Chipre (em Famagusta), na Palestina (em San Giovanni d'Acri), na Grécia (em Quíos.), na Ásia Menor (em Trebizond). Movendo-se para o oeste, os armazéns da Ancona estavam presentes no Adriático em Ragusa e Segna, na Sicília em Siracusa e Messina, na Espanha em Barcelona e Valência, na África em Trípoli.[8]

MoedasEditar

 
Agontano

Os primeiros relatos da cunhagem medieval de Ancona começam no século XII, quando a independência da cidade cresceu e começou a cunhar suas moedas sem supervisão imperial ou papal.[11] O agontano foi a moeda usada pela República de Ancona, durante sua idade de ouro. Era uma grande moeda de prata de 18 a 22 mm de diâmetro e um peso de 2,04 a 2,42 gramas,[12]

Mais tarde e menos famosa, Ancona começou a cunhar uma moeda Agnoto em ouro, também conhecida como Ancona Ducat. Os espécimes dessa moeda sobreviveram os séculos 15 e 16, até a perda da independência das cidades em 1532.[13]

ArteEditar

A história artística da república de Ancona sempre foi influenciada pelas relações marítimas com a Dalmácia e o Levante.[14][15]

Seus principais monumentos medievais mostram uma união entre as artes bizantina e românica. Entre os mais notáveis estão o Duomo, com uma cruz grega e esculturas bizantinas; e a igreja de Santa Maria di Portonovo.[14]

No século XIV, Ancona era um dos centros da chamada "Renascença Adriática", esse tipo particular de Renascença que se espalhava entre a Dalmácia, Veneza e as Marcas, caracterizada por uma redescoberta da arte clássica e uma certa continuidade da Arte gótica. O maior arquiteto e escultor dessa corrente artística foi Giorgio da Sebenico; o maior pintor foi Carlo Crivelli.[15]

NavegadoresEditar

 
Grazioso Benincasa, mapa portulano do mar Mediterrâneo
 
Retrato de Ciríaco de Ancona, o navegador-arqueólogo (1459).

O navegador-arqueólogo Ciríaco de Ancona era um navegador e humanista italiano inquieto e itinerante, originário de uma família de comerciantes de destaque. Ele foi chamado de Pai da Arqueologia : "Ciríaco de Ancona foi o registrador mais empreendedor e prolífico das antiguidades gregas e romanas, particularmente inscrições, no século XV, e a precisão geral de seus registros permite que ele seja chamado o pai fundador da arqueologia clássica moderna ". .[16] Ele foi nomeado por seus colegas humanistas "pai das antiguidades", que conscientizou seus contemporâneos da existência do Partenão, Delfos, Pirâmides, Esfinge e outros famosos monumentos antigos que se acreditava serem destruídos[17]

O navegador Grazioso Benincasa nasceu em Ancona; ele foi o cartógrafo marítimo italiano mais conhecido do século XV, autor de várias cartas portolanas do Mediterrâneo.[18]

HistóriaEditar

Depois de 1000, Ancona tornou-se cada vez mais independente, eventualmente se transformando em uma importante república marítima, muitas vezes confrontando contra o poder próximo de Veneza. Ancona sempre teve que se proteger contra os desígnios do Sacro Império Romano e do papado. Nunca atacou outras cidades marítimas, mas sempre foi forçada a se defender.[19] Apesar de uma série de expedições, guerras comerciais e bloqueios navais, Veneza nunca conseguiu subjugar Ancona.[20]

Foi forte o suficiente para afastar as forças do Sacro Império Romano-Germânico três vezes; a intenção do império era reafirmar sua autoridade não apenas sobre Ancona, mas em todas as comunas italianas: em 1137 a cidade foi sitiada pelo imperador Lotário II, em 1167 pelo imperador Frederico Barbarossa e em 1174 o império tentou novamente. Naquele ano, Christian I, arcebispo de Mainz, arqui-chanceler de Barbarossa, aliado a Veneza, sitiou Ancona, mas foi forçado a recuar.[2] Os venezianos mobilizaram inúmeras galés e o galeão Totus Mundus no porto de Ancona, enquanto as tropas imperiais sitiaram a terra. Após alguns meses de resistência dramática, os anconitanos puderam enviar um pequeno contingente a Emília-Romanha para pedir ajuda. Tropas de Ferrara e Bertinoro chegaram para salvar a cidade e repeliram as tropas imperiais e os venezianos na batalha.[19] Um dos protagonistas do cerco de 1174 foi a viúva Stamira, que teve grande coragem ao incendiar as máquinas de guerra do sitiante com um machado e uma tocha.[21]

Na luta entre os papas e os imperadores que perturbaram a Itália a partir do século XII, Ancona ficou do lado dos guelfos.[19]

 
Francesco Podesti, Cerco de Ancona de 1174

Originalmente chamado Communitas Anconitana (Em latim para "comunidade anconitana"), Ancona tinha uma independência de fato : o Papa Alexandre III (por volta de 1100 - 1181) declarou-a uma cidade livre dentro do Estado da Igreja ; O papa Eugênio IV confirmou a posição legal definida por seu antecessor e em 2 de setembro de 1443 a declarou oficialmente uma república, com o nome de Respublica Anconitana ;[19][22] quase simultaneamente Ragusa foi oficialmente chamada de "república";[23] confirmando o vínculo fraterno que unia os dois portos do Adriático.

Diferentemente de outras cidades do centro e norte da Itália, Ancona nunca se tornou uma senhoria . Os Malatesta tomaram a cidade em 1348, aproveitando a peste negra e um incêndio que destruiu muitos de seus edifícios importantes. Os Malatesta foram expulsos em 1383.[2]

Em 1532, Ancona perdeu definitivamente a liberdade e tornou-se parte dos Estados papais, sob o papa Clemente VII; ele tomou posse por meios políticos. Símbolo da autoridade papal era a cidadela maciça, usada por Clemente VII como um cavalo de Tróia, para conquistar a cidade.[2]

Comunidades presentes na RepúblicaEditar

 
Porto de Ancona no século XVI
 
Benvenuto Stracca, De mercatura

Na república de Ancona havia uma comunidade grega, albanesa, dálmata, armênia, turca e judaica.[24]

Ancona, assim como Veneza, se tornou um destino muito importante para os comerciantes do Império Otomano durante o século XVI. Os gregos formaram a maior das comunidades de comerciantes estrangeiros. Eles eram refugiados de antigos territórios bizantinos ou venezianos que foram ocupados pelos otomanos no final dos séculos XV e XVI. A primeira comunidade grega foi estabelecida em Ancona no início do século XVI. No início do XVI, havia 200 famílias gregas em Ancona.[25] A maioria deles veio do noroeste da Grécia, ou seja, das Ilhas Jónicas e do Epiro. Em 1514, Dimitri Caloiri, de Janina obteve direitos aduaneiros reduzidos para os comerciantes gregos vindos das cidades de Janina, Arta e Avlona, em Epiro. Em 1518, um comerciante judeu de Avlona conseguiu reduzir os impostos pagos em Ancona para todos os "comerciantes levantinos, sujeitos aos turcos".[26]

Em 1531, foi fundada a Confraternidade dos Gregos ( Confraternita dei Greci), que incluía gregos católicos, ortodoxos e católicos romanos. Eles garantiram o uso da Igreja de Santa Anna dei Greci e receberam permissão para realizar serviços de acordo com o rito grego e latino. A igreja de Santa Ana existia desde o século XIII, inicialmente como "Santa Maria em Porta Cipriana", nas ruínas das antigas muralhas gregas de Ancona.[26]

Em 1534, uma decisão do Papa Paulo III favoreceu a atividade de comerciantes de todas as nacionalidades e religiões do Levante e permitiu que se instalassem em Ancona com suas famílias. Um veneziano que viajava por Ancona em 1535 registrou que a cidade estava "cheia de comerciantes de todas as nações e principalmente gregos e turcos". Na segunda metade do século XVI, a presença de gregos e outros comerciantes do Império Otomano declinou após uma série de medidas restritivas adotadas pelas autoridades italianas e pelo papa.[26]

As disputas entre os gregos ortodoxos e católicos romanos da comunidade foram frequentes e persistiram até 1797, quando a cidade foi ocupada pela França, que fechou todas as confraternidades religiosas e confiscou o arquivo da comunidade grega. Os franceses retornariam à região para reocupá-la em 1805-1806. A igreja de Santa Anna dei Greci foi reaberta aos cultos em 1822. Em 1835, na ausência de uma comunidade grega em Ancona, passou para a Igreja Latina.[27][28]

Lei comercialEditar

O comércio de Ancona no Levante foi o promotor do nascimento do direito comercial: o jurista Benvenuto Stracca (Ancona, 1509 - 1579) publicou em 1553 o tratado De mercatura seu mercatore tractats; foi uma das primeiras, se não a primeira, impressão legal que lida especificamente com o direito comercial. Este tratado se concentrava em comerciantes e contratos, práticas e direitos marítimos, aos quais ele logo acrescentou extensas discussões sobre falência, fatores e comissões, transferências de terceiros e seguros. Por esse motivo, Stracca é frequentemente considerado o pai do direito comercial e autor do primeiro tratado italiano sobre o contrato de seguro, além do comércio.[29]

A aliança entre Ancona e RagusaEditar

 
Carlo Crivelli, Madonna com Bambino, Galeria de Arte Cívica de Ancona

A concorrência comercial entre Veneza, Ancona e Ragusa foi muito forte porque todos elas faziam fronteira com o Mar Adriático. Elas travaram batalhas abertas em mais de uma ocasião. Veneza, ciente de seu grande poder econômico e militar, não gostava da concorrência de outras cidades marítimas do Adriático. Vários portos do Adriático estavam sob o domínio veneziano, mas Ancona e Ragusa mantiveram sua independência. Para evitar sucumbir ao domínio veneziano, essas duas repúblicas fizeram múltiplas e duradouras alianças.

Veneza conquistou Ragusa em 1205 e a manteve até 1382, quando Ragusa recuperou a liberdade de fato, pagando tributos primeiro aos húngaros e, depois da Batalha de Mohács, ao Império Otomano. Durante esse período, Ragusa reconfirmou sua antiga aliança com Ancona.

BibliografiaEditar

Referências

  1. a b c d Guida rossa (red guide) of Touring Club Italiano (page 88).
    • Francis F. Carter, Dubrovnik (Ragusa): A Classical City-state, publisher: Seminar Press, London-New York, 1972 ISBN 978-0-12-812950-0;
    • Robin Harris, Dubrovnik: A History, publisher: Saqi Books, 2006. p. 127, ISBN 978-0-86356-959-3
  2. Armando Lodolini, Le repubbliche del mare, publisher: Biblioteca di storia patria, Rome, 1967 (chapter Ancona)
  3. World Vexilology and Heraldry: Italy – Centre
  4. James Reddie, Historical View of the Law of Maritime Commerce, W. Blackwood and sons, 1841.
  5. These were small gated enclaves within a city, often just a single street, where the laws of the city were administered by a governor appointed from home, and there would be a church under home jurisdiction and shops with Italian styles of food.
  6. a b Guglielmo Heyd, Le colonie commerciali degli Italiani in Oriente nel Medioevo, volume 1; Antonelli, 1868.
  7. [1]
  8. Antonio Leoni, Historia of Ancona of 1812 .
  9. Marco Dubbini e Giancarlo Mancinelli Storia delle monete di Ancona, edizioni Il lavoro editoriale, Ancona 2009, ISBN 978-88-7663-451-2
  10. Lucia Travaini, L'Agontano: una moneta d'argento per l'Italia medievale, Societa' Numismatica Italiana, 2003.
  11. Ducato aureo emesso dalla zecca di Ancona nel XV secolo
  12. a b Michele Polverari, Ancona e Bisanzio, pinacoteca comunale di Ancona, 1993
  13. a b
    • Pietro Zampetti, Pittura nelle Marche, Nardini, Firenze, 1988 (página 333);
    • Fabio Mariano, La Loggia dei Mercanti in Ancona e l'opera di Giorgio di Matteo da Sebenico, Il lavoro editoriale, 2003 ISBN 88-7663-346-4.
  14. Edward W. Bodnar, Later travels, with Clive Foss
  15. Gianfranco Paci, Sergio Sconocchia, Ciriaco d'Ancona e la cultura antiquaria dell'umanesimo, Diabasis, 1998; Diana Gilliland Wright. «To Tell You Something Special» .
    • Enciclopedia Treccani, Grazioso Benincasa;
    • The Italian cartographers of the Benincasa and Freducci Families and the so-called Borgiana Map of the Vatican Library, in Imago Mundi, X (1953), pp. 23–45
  16. a b c d Mario Natalucci, Ancona attraverso i secoli – Dalle origini alla fine del Quattrocento, Unione arti grafiche, 1961.
  17. Frederic Chapin Lane. Venice, A Maritime Republic, JHU Press, 1973 (p. 63)
  18. Justine Firnhaber-Baker, Dirk Schoenaers, The Routledge History Handbook of Medieval Revolt, Taylor & Francis, 2016 (p. 143).
  19. The act, with the name of Liber croceus magnus, is preserved at Ancona State Archive
  20. (em croata) Josip Vrandečić, Miroslav Bertoša, Dalmacija, Dubrovnik i Istra u ranome novom vijeku , Barbat, 2007 (page 17); James Stewart, Croatia , New Holland Publishers, 2006 (page 285)
  21. Marina Massa, Il patrimonio disperso: il "caso" esemplare di Carlo Crivelli, Regione Marche, 1999 (page 214).
  22. Mario Natralucci, Ancona durante i secoli, 1960.
  23. a b c Jan W. Woś, La comunità greca di Ancona alla fine del secolo XVI, Tipografia Sonciniana, 1979
  24. Greene Molly (2010) Catholic pirates and Greek merchants: a maritime history of the Mediterranean. Princeton University Press, Britain, pp. 15–51.
  25. Rentetzi Efthalia (2007) La chiesa di Sant' Anna dei Greci di Ancona. Thesaurismata (Instituto Ellenico di Studi Bizantini e Postbizantini di Venezia), vol. 37.
    • Modernisation, National Identity and Legal Instrumentalism (Vol. I: Private Law): Studies in Comparative Legal History, Brill, 2019 (p. 118);
    • Vito Piergiovanni, The Courts and the Development of Commercial Law, Duncker & Humblot, 1987 (p. 14);
    • Encyclopedia Treccani, Benvenuto Stracca