Abrir menu principal

Reserva Extrativista do Quilombo do Frechal

Reserva Extrativista do Quilombo do Flexal
Localização Maranhão, Brasil
Dados
Área 9.542 hectares
Criação 20 de maio de 1992
Gestão ICMBio
Coordenadas 2° 0' 35" S 44° 52' 11" O

A Reserva Extrativista do Quilombo do Frechal é uma unidade de conservação federal do Brasil categorizada como reserva extrativista e criada por Decreto Presidencial em 20 de maio de 1992 numa área de 9.542 hectares no estado do Maranhão.

Fica localizada no município de Mirinzal, na região da Baixada Maranhense, a 450 km de São Luís.

A criação da reserva está ligada à luta das comunidades remanescentes de quilombos pelo reconhecimento do direito às terras ocupadas tradicionalmente na região desde o século XVIII.[1][2]

Tem como cobertura Florestal predominante a Floresta Secundária Latifoliada, onde áreas devastadas favorecem o aumento do número de palmeiras de babaçu, além da floresta ciliar ao longo dos cursos d'água. A reserva pertence à bacia hidrográfica do Rio Uru, onde se encontram áreas de campos inundáveis, típicos da Baixada Ocidental Maranhense.[1][3]

Três pequenas comunidades (Frechal, Rumo e Deserto) vivem na RESEX, praticando a agricultura de subsistência, pecuária e a pesca (espécies como traíra, pacu, aracu, piranha, piau, piaba, etc.); além da extração do coco babaçu pelas quebradeiras de coco babaçu, utilizado para a produção de óleo e leite, suas folhas para confecção de cestos e construção de casas e a sua casca para a produção de carvão vegetal. Outras plantas também têm grande importância para a comunidade: o buriti, a juçara (ou açaí) o tucum, a bacaba.[1]

Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

ReferênciasEditar

  1. a b c «Quilombo Frechal | Unidades de Conservação». uc.socioambiental.org. Consultado em 27 de outubro de 2018 
  2. «A historia da minha comunidade, o Quilombo Frechal». Pororoca. 25 de março de 2016 
  3. «Quilombo de Frechal | Museu Afro Digital – UFMA». www.museuafro.ufma.br. Consultado em 27 de outubro de 2018