Abrir menu principal

Reserva da Biosfera Maia

reserva natural na Guatemala administrada pelo Conselho Nacional de Áreas Protegidas
El Mirador, na Reserva da Biosfera Maia.

Reserva da Biosfera Maia (em castelhano: Reserva de la Biosfera Maya) é uma reserva natural na Guatemala administrada pelo Conselho Nacional de Áreas Protegidas (CONAP) do país. A reserva abrange uma área de 21.602 km².[1]

O parque é o lar de um grande número de espécies de fauna, incluindo o crocodilo-de-morelet e o peru ocelado. Também é rico em flora, incluindo nozes, mogno, Swietenia humilis, Bloma prisca, Vitex gaumeri, cedro, Bucida buceras, Haematoxylum campechianum, Rhizophora mangle e Pimenta dioica. A área varia desde zonas úmidas até baixas montanhas e tem vários corpos de água, como lagos, rios, córregos e cenotes.[2]

A reserva foi criada em 1990 para proteger a maior área de floresta tropical da América ao norte da Amazônia. O modelo de reserva da biosfera, implementado pela UNESCO, busca promover um equilíbrio entre as atividades humanas e a biosfera, incluindo o desenvolvimento econômico sustentável no planejamento de conservação.[2]

ArqueologiaEditar

 
Praça de Tikal em dezembro de 2010

A Reserva da Biosfera Maya é o lar de uma grande concentração de antigas cidades maias, muitas das quais estão sob escavações. Tikal é a mais famosa destas, atraindo cerca de 120.000[3] a 180.000[4] visitantes por ano.

A Bacia do Mirador, na parte norte da Reserva, contém inúmeras cidades maias interconectadas. O projeto é dirigido por Richard Hansen, um arqueólogo em El Mirador, o maior dos sites, datado do período préclássico do Maya. Outras cidades da região incluem El Tintal, Nakbe e Wakna.[5]

Em 1 de fevereiro de 2018, arqueólogos guatemaltecos, estadunidenses e europeus anunciaram que usaram LIDAR para descobrir cerca de 60 mil estruturas maias individuais adicionais na reserva.[6] As estruturas, escondidas sob a densa folhagem, incluem quatro grandes centros cerimoniais maias, com praças e pirâmides.[6] Outras estruturas incluem rodovias elevadas, sistemas complexos de irrigação, terraços, muros defensivos, muralhas e fortalezas. Também foram encontrados sinais de saques.[7] A imagem de LIDAR também mostrou que os maias alteraram a paisagem de forma mais significativa do que se pensava anteriormente; em algumas áreas, 95% da terra disponível foi cultivada.[6][7] Mais de 2.100 km² da reserva foram pesquisados, produzindo o maior conjunto de dados LIDAR já feito para pesquisas arqueológicas.[6]

Referências

  1. CONAP. «Listado de Áreas Protegidas (enero, 2011)» (em Spanish). conap.gob.gt. Consultado em 14 de junho de 2011. Arquivado do original (xls) em 8 de outubro de 2011 
  2. a b «Biosphere Reserve Information». www.unesco.org. UNESCO. 8 de março de 2011. Consultado em 4 de fevereiro de 2018 
  3. «Tourism as an Ally in the fight to save Peten». Inter-American Development Bank 
  4. UNESCO. «MAB Biospheres Reserves Directory: Guatemala – Maya» 
  5. «Mirador Basin Project». www.miradorbasin.com. Mirador Basin Project. 2010. Consultado em 4 de fevereiro de 2018 
  6. a b c d «Scientists find massive Mayan society under Guatemala jungle». Associated Press. Consultado em 4 de fevereiro de 2018 
  7. a b «Exclusive: Laser Scans Reveal Maya "Megalopolis" Below Guatemalan Jungle». National Geographic. Consultado em 4 de fevereiro de 2018 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre a Guatemala é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.