Revoluções burguesas

As revoluções burguesas são movimentos sociopolíticos ocorridos entre 1640 e 1850 nos quais a sociedade aristocrática, caracterizada pela monarquia absoluta e pelos títulos de nobreza, foi transformada em uma sociedade capitalista dominada pela produção mercantil liberal. Os exemplos clássicos de revoluções burguesas são a Revolução Inglesa (1640/88) e a Revolução Francesa (1789), nas quais "os mecanismos políticos, jurídicos e ideológicos de ambas garantiam, à burguesia, o desenvolvimento das relações capitalistas de produção e o exercício da dominação social e da hegemonia política sobre os demais segmentos da sociedade contemporânea".[1]

Concepção da burguesiaEditar

A concepção da burguesia de "revoluções burguesas" se baseava no Iluminismo, que pregava a liberdade, os direitos do homem e o livre mercado, em oposição ao absolutismo. O conceito é geralmente, ainda que de modo equivocado, restrito à onda revolucionária que ocorreu desde o final do século XVIII. Na sua definição política simplista, é conhecido como Revolução Liberal.

Seu principal exemplo foi a Revolução Francesa (1789), à qual se seguiram outras revoluções, na Europa (Revolução de 1820, Revolução de 1830, Revolução de 1848) e nas colônias americanas (Independência da América Espanhola). O Antigo Regime termina de vez na Rússia por meio da Revolução de Fevereiro de 1917 e da Revolução de Outubro, classificadas como revolução socialista e proletária. Alguns dos méritos da Revolução Francesa foram: abolir as corporações de ofício e o tabelamento de preços; remover restrições à indústria, finanças e bancos; encerrar os direitos e deveres feudais dos camponeses; e confiscar as terras da Igreja Católica para, depois, vendê-las para a iniciativa privada.[2]

A ideologia burguesa não se restringiu no entanto a essa classe, mas se estendeu a todo o corpo social, abrangendo a população não privilegiada, elementos proprietários individuais da nobreza e do clero e, em alguns casos, o próprio cerne do poder da monarquia absoluta.

Símbolo de alternativas sociais e políticas, o Dia da Bastilha (com maior impacto do que a anterior Declaração da Independência dos Estados Unidos) demonstrou a possibilidade de uma emancipação vista com medo em toda a aristocracia europeia, enquanto partidários das mudanças revolucionárias esperavam remover as barreiras que tolhiam a burguesia e o livre desenvolvimento das forças produtivas do capital.

Após o longo processo histórico da revolução burguesa, a classe burguesa assumiu o papel de classe dominante, gerando uma nova elite social que incluía a nobreza como classe alta. Simultaneamente, ocorria o processo de industrialização e de transformação de sociedade pré-industrial em sociedade industrial, uma mudança verdadeiramente revolucionária, que recebeu o nome de Revolução Industrial.

Revoluções burguesas na Idade MédiaEditar

Embora com difusão muito menor, também têm sido chamadas Revoluções Burguesas aos movimentos sociais da Idade Média na Europa, quando a burguesia começou a se definir nas emergentes cidades como classe social dentro do Terceiro Estado em oposição aos privilegiados (nobreza e clero). É discutido se estes episódios podem ser qualificados como revolta ou revolução. Em qualquer caso, a predominância do modo de produção feudal não estava em discussão, embora o mercantilismo e o artesanato fossem claramente contra o predomínio esmagador das atividades agrícolas.[3]

A burguesia em transiçãoEditar

O delicado papel social da burguesia na transição do feudalismo para o capitalismo e sua relação com ascendente monarquia tem sido particularmente o tema do debate historiográfico dentro da escola materialista, especialmente o Grupo de historiadores do Partido Comunista da Grã-Bretanha e a Escola dos Annales, a partir dos anos quarenta e cinquenta do século XX.

Na verdade, a burguesia estava longe de ser uma classe revolucionária para além do papel que as atividades econômicas tiveram como solventes do modo de produção feudal. Em vez disso, foi um fator-chave no surgimento das monarquias, das quais ele era o principal apoio financeiro através dos impostos, além de ser uma das principais fontes de recrutamento (juntamente com a baixa nobreza) para a burocracia. Em grande parte da Europa, houve um grande beneficiamento da burguesia no desenvolvimento econômico, social e político do Antigo Regime, que viria a redundar na chamada traição da burguesia (uma expressão que deve ser entendida a partir de um modelo historiográfico que espera um papel histórico por padrão).[4]

Revoluções burguesas na Idade ModernaEditar

Os movimentos sociais da época moderna, especialmente aqueles relacionados à Reforma Protestante, podem ser entendidos como um início da revolução burguesa. É óbvio que, no caso da revolta holandesa contra os espanhóis, que acrescentou o componente nacionalista religioso, o componente social foi claramente visível. Da mesma forma, ela pode ser entendida na Revolução Inglesa. Outros casos, como o Guerra das Comunidades de Castela ou a Fronda francesa (ambos falharam), têm interpretações muito diferentes quanto à sua componente social.[5]

As revoluções que envolveram uma coalizão de classes são mais adequadas para o modelo marxista clássico, mas este deve incluir muitos conflitos em que tomaram parte importantes elementos das classes dominantes. Neste modelo, devem ser incluídos a Fronda, a Revolta Holandesa contra a Espanha e as grandes revoluções: Revolução Inglesa, Revolução Francesa e Revolução Russa. analise

Charles Tilly; As revoluções europeias, 1492-1992 [6]

Revoluções burguesas na época contemporâneaEditar

Os princípios da liberdade, igualdade e fraternidade foram os conceitos utilizados pelos liberais para justificar teoricamente o desenvolvimento do capitalismo na Europa. A forma como essas ideias vieram para o solo americano também são indispensáveis para a compreensão da estrutura piramidal social que ainda é majoritária hoje.[7] A Revolução Francesa aniquilou qualquer posse que não fosse a propriedade privada.[8][9]

BibliografiaEditar

  • ISRAEL, Jonathan. Iluminismo radical. A filosofia e a construção da modernidade, 1650-1750. São Paulo: Madras, 2009. p. 284-300
  • CASSIRER, Ernst. A Filosofia do Iluminismo. Campinas: Ed. da Unicamp, 1992. p. 19-50 e 28) * KANT, I. Resposta à pergunta: O que é o Esclarecimento?
  • KOSELLECK, Reinhart. “A estrutura política do Absolutismo como pressuposto do Iluminismo”. In: Crítica e Crise. Uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: EDUERJ, Contraponto, 1999. p. 56-75.
  • SRAEL, Jonathan. A Revolução das Luzes. O Iluminismo radical e as origens intelectuais da Democracia moderna. São Paulo: EDIPRO, 2013. Cap. I, p. 15-43; 45-92; Cap. VI. 187-205.
  • ROUSSEAU, Jean-Jacques. O Contrato Social. São Paulo: M. Fontes, 1996. Livro I, p. 7-30
  • ROUSSEAU, J.-J. Discurso sobre a origem e o fundamento da desigualdade entre os homens
  • MONTESQUIEU. O Espírito das Leis. Livros I, II e III; Livro XI (caps. 1 a 4).
  • BIGNOTTO, Newton. As aventuras da virtude. As ideias republicanas na França do século XVIII. São Paulo: Cia. das Letras, 2010. p. 28-55; 137-175.
  • MARQUES, José Oscar de Almeida. Forçar-nos a ser livres? O paradoxo da liberdade no Contrato Social de Jean-Jacques Rousseau.
  • Discurso sobre a Origem e o Fundamento da Desigualdade entre os Homens.
  • MARQUES, José Oscar de Almeida. Forçar-nos a ser livres? O paradoxo da liberdade no Contrato Social de Jean-Jacques Rousseau.
  • ROUSSEAU. O Contrato Social. Livro I, caps. 1 a 9.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Sandroni, Paulo; Dicionário de Economia, Verbete: Revoluções Burguesas; pag 275; 5° Edição, 1989, Editora Best Seller; ISBN 85-7123-100-1
  2. Alexis de Tocqueville, The Old Regime and the French Revolution, trans. Stuart Gilbert, (N.Y.C., New York: Anchor Books, [1856] 1955).
  3. Arquivado em 20 de fevereiro de 2012, no Wayback Machine. Artehistoria.
  4. HILTON, Rodney (ed.) (1976, 1977, em espanhol) A transição do feudalismo para o capitalismo, Barcelona, Crítica, ISBN 84-7423-017-9; Anderson, Perry, O estado absoluto
  5. Para. Fronde, o famoso debate entre Roland Mousnier e Boris Porchnev. Para as comunidades, Maravall, José Antonio (1979), Las Comunidades de Castilla, Alianza Editorial, Madrid. ISBN 84-206-2227-3; Perez, José (1977), A Revolução das comunidades de Castela (1520-1521), Madrid: Siglo XXI, Espanha. originalmente: a revolução La des "Comunidades" de Castilla (1520-1521), Bordeaux: Institut d'Etudes Ibériques Ibero-américain et de l'Université de 1970, Gutiérrez Nieto, Juan Ignacio (1973) A comunidade como um movimento contra a nobreza: a formação o lado realista na Guerra Civil de 1520-1521 Castellana Barcelona: Planeta
  6. (1993) Barcelona : ISBN 84-7423-685-1
  7. Alexis de Tocqueville, The Old Regime and the French Revolution, trans. Stuart Gilbert, (N.Y.C., New York: Anchor Books, [1856] 1955).
  8. Frank Maloy Anderson, ed., The Constitution and Other Select Documents Illustrative of the History of France, 1789-1907 (N.Y.C., New York: Russell and Russell, 1908), pp. 59-61.
  9. Alexis de Tocqueville, The Old Regime and the French Revolution, trans. Stuart Gilbert, (N.Y.C., New York: Anchor Books, [1856] 1955).