Riding in Cars with Boys

Riding in Cars with Boys (bra: Os Garotos da Minha Vida[2]; prt: Os Rapazes da Minha Vida[3]) é um filme estadunidense de 2001, do gênero comédia dramático-biográfica, dirigido por Penny Marshall, com roteiro de Morgan Upton Ward baseado no livro Riding in Cars with Boys: Confessions of a Bad Girl Who Makes Good, de Beverly Donofrio sobre uma mulher que superou dificuldades, incluindo ser mãe adolescente, e que mais tarde fez mestrado. A narrativa do filme abrange os anos de 1961 a 1985. É estrelado por Drew Barrymore, Steve Zahn, Brittany Murphy e James Woods. Foi o último filme dirigido por Penny Marshall. Embora o filme seja co-produzido por Beverly Donofrio, muitos de seus detalhes diferem do livro.[4]

Riding in Cars with Boys
No Brasil Os Garotos da Minha Vida
Em Portugal Os Rapazes da Minha Vida
 Estados Unidos
2001 •  cor •  132 min 
Direção Penny Marshall
Produção James L. Brooks
Laurence Mark
Sara Colleton
Richard Sakai
Julie Ansell
Roteiro Morgan Upton Ward
Baseado em Riding in Cars with Boys: Confessions of a Bad Girl Who Makes Good, de Beverly Donofrio
Elenco Drew Barrymore
Steve Zahn
Brittany Murphy
Adam Garcia
Lorraine Bracco
James Woods
Gênero comédia dramático-biográfica
Música Hans Zimmer
Heitor Pereira
Cinematografia Miroslav Ondříček
Edição Richard Marks
Companhia(s) produtora(s) Columbia Pictures
Gracie Films
Distribuição Sony Pictures Releasing
Lançamento Estados Unidos 19 de outubro de 2001
Idioma inglês
Orçamento $47 milhões[1]
Receita $29.8 milhões

SinopseEditar

Beverly nasceu em 1950 e cresceu num bairro operário em Connecticut. Seu grande sonho é estudar em Nova York e tornar-se uma escritora. No entanto, apesar dos cuidados de seus pais Leonard e Teresa, aos quinze anos Beverly fica grávida do namorado Ray Hasek, de dezoito anos. Mesmo aos trancos e barrancos, ela toca sua nova vida e não desiste do sonho de estudar. Mas tudo fica ainda mais difícil quando descobre que o marido é viciado em heroína e seu casamento acaba. Anos mais tarde, Beverly e seu filho Jason, agora um rapaz, viajam através do país para reencontrar Ray.[carece de fontes?]

ElencoEditar

RecepçãoEditar

Riding in Cars with Boys recebeu críticas mistas. Ele possui uma classificação de 49% no Rotten Tomatoes com base em 109 comentários com uma classificação média de 5.3/10. O consenso crítico do site diz: "Riding in Cars with Boys sofre de mistura de coragem e emoção com fofura e comédia. Ironicamente, muitos críticos acharam o personagem de Zahn mais atraente e tridimensional do que o de Barrymore".[5] Roger Ebert deu ao filme três de quatro estrelas e escreveu: "Um filme como este é refrescante e surpreendente na maneira como se desprende da fórmula e nos mostra vidas confusas que reconhecemos ... Este filme está mais perto da verdade: Muito depende do que acontece com você, e muito depende de como você deixa que isso o afete". [6] Em sua crítica para o The New York Times, Stephen Holden elogiou o desempenho de Steve Zahn: "É difícil imaginar o que Riding in Cars With Boys teria sido sem o retrato brilhante e simpático de Zahn de Ray, que passa por mais mudanças do que Beverly"[7] USA Today deu ao filme três de quatro estrelas e descobriu que "a força do filme está nessas performances e no humor situacional, embora no final das contas o final seja decepcionante, tentando resolver as pontas soltas de maneira muito organizada"..[8]

Lisa Schwarzbaum, da Entertainment Weekly, deu ao filme uma classificação "C+" e escreveu: "... cada cena está repleta de detalhes de produção e negócios de ator que dizem mais sobre a nostalgia da cultura pop das primeiras décadas americanas do que sobre as duras verdades socioeconômicas de ser um pai pobre, jovem e com pouca educação".[9] Em sua crítica para o The Washington Post, Rita Kempley criticou o desempenho de Barrymore: "Barrymore, uma atriz cômica encantadora, tem coragem para o papel, mas não consegue fazer justiça às complexidades da personalidade conflituosa de Beverly. Então ela sai fora tão abrasivo e negligente em oposição a obstinado e ambicioso, não ganhando empatia por esta mãe solteira azeda".[10] Edward Guthmann também teve problemas com o desempenho de Barrymore em sua crítica para o San Francisco Chronicle: "Ela nunca relaxa, nunca se entrega ao personagem, mas, em vez disso, tenta justificá-la e nos fazer gostar dela, apesar de seu egoísmo e pobre maternal. Atores americanos como uma regra tem medo de interpretar personagens antipáticos, especialmente quando eles ganharam o apelo de celebridade e bilheteria que Barrymore tem".[11] Oferecendo 2 de 4 estrelas, Ron Weiskind do Pittsburgh Post-Gazette chamou-a de "uma viagem preocupante" e "é um passeio acidentado".[12]

BilheteriaEditar

Riding in Cars with Boys arrecadou $29.781.453 milhões nos Estados Unidos.[1]

Referências

  1. a b «Riding in Cars with Boys (2001)». The Numbers. Consultado em 24 de agosto de 2021 
  2. «Garotos da Minha Vida». Brasil: CinePlayers. Consultado em 1 de junho de 2019 
  3. «Os Rapazes da Minha Vida». Portugal: CineCartaz. Consultado em 1 de junho de 2019 
  4. «Riding in Cars with Boys (2001)». American Film Institute. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  5. Riding in Cars With Boys (2001), Rotten Tomatoes, consultado em 24 de agosto de 2021 
  6. Ebert, Roger (19 de outubro de 2001). «Riding in Cars with Boys». Chicago Sun-Times. Chicago, Illinois. Consultado em 24 de agosto de 2021 
  7. Holden, Stephen (19 de outubro de 2001). «A Girl's Charmed Life Detours Down a Bumpy Road». The New York Times. p. 22 
  8. Puig, Claudia (18 de outubro de 2001). «Charming Barrymore lightens Boys journey». USA Today. Consultado em 24 de agosto de 2021 
  9. Schwarzbaum, Lisa (18 de outubro de 2001). «Riding in Cars with Boys». Entertainment Weekly 
  10. Kempley, Rita (19 de outubro de 2001). «Riding in Cars: Gimme a Brake». The Washington Post. p. 37 
  11. Guthmann, Edward (19 de outubro de 2001). «'Riding in Cars' makes a bumpy, irritating trip». San Francisco Chronicle. Consultado em 24 de agosto de 2021 
  12. Weiskind, Ron (19 de outubro de 2001). «'Riding in Cars with Boys'». Pittsburgh Post-Gazette. Consultado em 24 de agosto de 2021 

Ligações externasEditar