Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rio Paroeira
uma ilustração licenciada gratuita seria bem-vinda
Localização
País
Hidrografia
Tipo
Nascente
Não há (é um canal natural)
Afluente
principal
Não há
O manguezal do Paroeira está sob constante ameaça da tensão urbana no perímetro urbano de Bayeux

O rio Paroeira é um dos canais do estuário do baixo rio Paraíba no município de Bayeux, estado brasileiro da Paraíba.[1][2]

Índice

HistóriaEditar

Antes da conquista da Paraíba, toda região estuaria e a costa centro–norte paraibana, fazia parte do território de caça e coleta dos índios potiguaras.[3] Paroeira é corruptela do tupi Paraigoera, que na grafia arcaizante era escrito Parueira.[4][5]

No IV Congresso de História Nacional, de 1950, houve a seguinte menção ao rio:

Toda essa região [da capital paraibana] é densamente povoada. Entre o Jaraguá e o Paraíba ficam Paraigoera (Parueira), Buraco de Santo′Iago, rio da Garça, Iabiru (Jaburu), e rio do Portinho. Não encontrei o Sanhauá, talvez confundido com o rio das Marés.[6][nota 1]

CaracterísticasEditar

Dos dois braços do rio Paraíba nessa região estuaria, o Paroeira e o único com águas durante todo o ano (o outro, mais ao norte, que desemboca na ilha do Eixo, enche-se apenas em cheias ocasionais). Anteriormente o rio era o curso final do rio Preto, que com as constantes enchentes do rio Paraíba sofreu a invasão das águas deste, tornando-se um de seus canais. Atualmente o rio Preto desemboca suas águas mais acima no Paraíba.

Caudaloso, o Paroeira é composto de águas salobras de manguezal, que são responsáveis pelo sustento de várias famílias ribeirinhas, por ser fonte de peixes e várias espécies de crustáceos (caranguejos, camarões etc.). Tanto ele, como os canais da região estuaria, tem suas margens parcialmente cobertas de florestas de manguezal, o que sugere um potencial turístico (ecoturismo) ainda inexplorado, embora e o desmatamento e a poluição por lixo doméstico e industrial tenham tomado proporções preocupantes, principalmente na área urbana bayeuxense.

Na margem direita do Paroeira há várias ocupações irregulares em áreas de margens, teoricamente protegidas pela legislação.[2] Mais da metade de todos os esgotos da maior parte da área urbana dessa área é jogada direto no rio.[2]

Notas

  1. O Jaraguá se refere ao rio Mamanguape ou, mais precisamente, a um porto que outrora houve sobre esse rio, lugar onde se situa a atual aldeia Jaraguá.

Referências

  1. Biblioteca Nacional (Brazil) (1908). Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro, Volumes 28-30. [S.l.]: Tipográfica. G. Leuzinger & Filhos 
  2. a b c Chárliton F. Costa (2013). «Análise Geoespacial dos problemas socioambientais urbanos da zona de manguezal de Bayeux» (PDF). UFPB. Consultado em 12 de julho de 2017 [ligação inativa]
  3. AQUINO, Aécio Villar de (1988). Filipéia, Frederica, Paraíba: os cem primeiros anos de vida social de uma cidade. [S.l.]: Fundação Casa de José Américo. 119 páginas 
  4. Levy Pereira (2015). «Paraigoera». Coleção Levy Pereira – Histórias do Brasil Holandês. Consultado em 2 de julho de 2017 
  5. Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1950). IV Congreso de história nacional [21-28 abril de 1949] Anais, Volume 4. [S.l.]: Imprensa Nacional 
  6. Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1950). IV Congresso de História Nacional (21–28 de abril de 1949), volume 4. [S.l.]: Imprensa Nacional 
  Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.