Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura a cidade baiana, veja Rio do Antônio (Bahia).
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rio do Antônio
Rio do Antônio.jpg

Rio do Antônio, trecho Brumado.

Localização
País
Dimensões
Comprimento
180 km
Hidrografia
Tipo
Bacia hidrográfica
Área da bacia
6 540 km²
Nascente
Afluente
principal
Riacho do Quirino
Rio do Salto
Rio do Paiol
Foz

O Rio do Antônio é um dos afluentes do Rio Brumado, no estado brasileiro da Bahia. É um rio temporário (corrente apenas no período das águas). Nasce no município de Licínio de Almeida, na Serra Geral. Sua microbacia pertence à bacia do Rio de Contas, ou Rio das Contas. Compreende 6.540 km² de área de drenagem e banha seis municípios do Sertão da Bahia. Seus principais afluentes são o Rio do Salto, o Rio do Paiol e o Riacho do Quirino. Deságua no Rio Brumado e este, por sua vez, no Rio das Contas.[1][2]

HistóriaEditar

Segundo o estudioso Tranquilino L. Torres, na obra Memória Descritiva do Município de Condeúba, mapas antigos do século XVIII indicam que o rio se chamava "Santo Antônio". A denominação do Antônio proveio de, assim chamar, um antigo morador da margem direita do mesmo.

Em época de enchentes esse morador oferecia aos viajantes recursos para atravessá-lo. Reza a lenda que era comum o grito dos viajantes: “Vamos para o rio do Antônio!” Devido a isso o rio passou a ter esse nome e o mesmo conserva-se até os dias atuais.

Abastecimento humano e uso agrícolaEditar

O Rio do Antônio, embora muito pequeno, tem grande importância para a população das cidades banhadas por suas águas. Com exceção de Brumado, que é abastecida pela Barragem Brumado, as outras cinco cidades da bacia são abastecidas pelas barragens no rio. Ao todo são 52 barragens abastecendo Licínio de Almeida, Caculé, Rio do Antônio, Guajeru, e Malhada de Pedras, além dos distritos de Ibitira e Umbaúba.[3]

O desenvolvimento da agricultura familiar dessa região se deve, principalmente, ao uso da água desse rio, que tem sido uma importante fonte de recursos hídricos para a população do meio rural daquele sertão local.[1]

Impactos ambientaisEditar

Como acontece em praticamente todos os rios brasileiros, o Rio do Antônio também sofre com impactos ambientais, que têm contribuído para a diminuição e destruição das matas ciliares; contaminação intensiva da água (através do escoamento de resíduos industriais, provindas principalmente das indústrias de mineração); lançamento de agrotóxicos em seu leito; esgotamento sanitário sem tratamento (à medida que o rio vai atravessando as cidades banhadas por ele), que são drenados para o rio, etc. Apesar das negativas, há esforços, infelizmente sem muitos resultados, de movimentos a favor da revitalização do rio.[1]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DA MICRO- BACIA DO RIO DO ANTÔNIO-Carina Gomes Messias - Universidade de Brasília, acessado em 6 de agosto de 2015 
  2. Cleide Aparecida Freitas Farias, Márcio Lima Rios; Altemar Amaral Rocha (8 de novembro de 2013). «USO DA TERRA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NA SUB-BACIA DO RIACHO DO QUIRINO – CACULÉ, BA» (PDF). Goiânia: Centro Científico Conhecer. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA. v. 9 (n. 16): 215-233. Consultado em 9 de Setembro de 2015 
  3. «Tribuna da Bahia»  acessado em 06 de Agosto de 2015

Ligações externasEditar