Robert Delaunay

Robert Delaunay
Nascimento 12 de abril de 1885
Paris
Morte 25 de outubro de 1941 (56 anos)
Paris, Montpellier
Cidadania França
Cônjuge Sonia Delaunay
Filho(s) Charles Delaunay
Ocupação pintor, artista, designer
Movimento estético Orfismo, simultanismo, Neoimpressionismo
Causa da morte câncer
Assinatura
Signature of Robert Delaunay, 1914.jpg

Robert Delaunay (12 de abril de 1885 - 25 de outubro de 1941) foi um artista francês que, com sua esposa Sonia Delaunay e outros, co-fundou o movimento de arte Orfismo, conhecido por seu uso de cores fortes e formas geométricas. Seus trabalhos posteriores foram mais abstratos. Sua influência principal relacionou-se ao uso ousado da cor e um claro amor pela experimentação com profundidade e tom.

Vida e ObraEditar

Anos espanhóis e portugueses (1914–1920)Editar

Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914, Sonia e Robert estavam hospedados em Fontarabie, na Espanha. Eles decidiram não voltar para a França e se estabeleceram em Madrid. Em agosto de 1915 mudaram-se para Portugal, onde moraram com Samuel Halpert e Eduardo Viana.[1] Com Viana e os seus amigos Amadeo de Souza Cardoso (que os Delaunay já tinham conhecido em Paris) e José de Almada Negreiros discutiram uma parceria artística.[2] Primeiro declarado desertor, Robert foi declarado inapto para o serviço militar no consulado francês em Vigo em 23 de junho de 1916.

A Revolução Russa pôs fim ao apoio financeiro que Sonia recebia de sua família na Rússia, e uma fonte diferente de renda foi necessária. Em 1917, os Delaunay encontraram-se com Sergei Diaghilev em Madrid. Robert desenhou o palco para sua produção de Cleópatra (figurino de Sonia Delaunay). Robert Delaunay ilustra o Tour Eiffel para Vicente Huidobro.

Paul Poiret recusou uma parceria comercial com Sonia em 1920, citando como um dos motivos o seu casamento com um desertor.[3] A galeria Der Sturm em Berlim mostrou obras de Sonia e Robert do período português no mesmo ano.[4]

Retorno a Paris e vida posterior (1921-1941)Editar

Após a guerra, em 1921, eles voltaram para Paris. Delaunay continuou a trabalhar em temas figurativos e abstratos, com uma breve passagem pelo surrealismo. Delaunay conheceu André Breton e Tristan Tzara, que o apresentou aos dadaístas e surrealistas.[5] Durante a Feira Mundial de 1937 em Paris, Delaunay participou do projeto dos pavilhões ferroviários e aéreos. Quando a Segunda Guerra Mundial estourou, os Delaunay se mudaram para Auvergne, em um esforço para evitar a invasão das forças alemãs. Sofrendo de câncer, Delaunay não conseguiu suportar a mudança e sua saúde piorou. Ele morreu de câncer em 25 de outubro de 1941 em Montpellier, aos 56 anos. Seu corpo foi enterrado novamente em 1952 em Gambais.[6]

GaleriaEditar

Coleções do museuEditar

As obras de Robert Delaunay podem ser encontradas em museus e emprestadas de coleções particulares em todo o mundo:

EuropaEditar

O Musée National d'Art Moderne em Paris, o Musée d'Art Moderne de Paris, o Neue Nationalgalerie em Berlim, o Museu de Belas Artes de Bilbao (Espanha), Kunstmuseum Basel (Suíça), as Galerias Nacionais da Escócia, a New Art Gallery (Walsall, Inglaterra), Palazzo Cavour (Torino, Itália), a Coleção Peggy Guggenheim (Veneza), Museu Nacional da Sérvia, Van Abbemuseum (Eindhoven, Holanda), Palais des Beaux-Arts de Lille (França).

Estados UnidosEditar

A Albright-Knox Art Gallery (Buffalo, Nova York), o Art Institute of Chicago, o Columbus Museum of Art, o Berkeley Art Museum, o Minneapolis Institute of Arts, os Fine Arts Museums de São Francisco, o Frances Lehman Loeb Art Center no Vassar College (Poughkeepsie, Nova York), no Museu Guggenheim (na cidade de Nova York), no Museu de Arte de Honolulu, no Museu de Arte Moderna (na cidade de Nova York), na Galeria Nacional de Arte (Washington, DC), no Museu de Dallas of Art (Dallas, TX), oMuseu San Diego de Arte, o Museu de Arte de Filadélfia, ea Louis Museu de Arte de Saint (Saint Louis, MO)

Resto do mundoEditar

A Galeria Nacional de Victoria (Austrália), o Museu de Arte da Prefeitura de Aichi (Japão).

PublicaçõesEditar

ReferênciasEditar

  1. Some sources mention an Eduardo Vianna
  2. Düchting: p51
  3. Valérie Guillaume: Sonia und Tissus Delaunay. In Robert Delaunay – Sonia Delaunay, 1999, ISBN 3-7701-5216-6, p 31
  4. Düchting: p91
  5. «Delaunay, Robert». Museo Nacional Thyssen-Bornemisza (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2021 
  6. Robert Delaunay - Sonia Delaunay, 1999,ISBN3-7701-5216-6

Ligações externasEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Citações no Wikiquote
  Imagens e media no Commons