Real Serviço Aeronaval

(Redirecionado de Royal Naval Air Service)

O Real Serviço Aeronaval (Royal Naval Air Service - RNAS) foi a componente aérea da Real Marinha Britânica, sob a direcção do Departamento Aéreo do Almirantado, e existiu formalmente de 1 de Julho de 1914[1] a 1 de Abril de 1918, quando foi fundido com o Real Corpo Aéreo do Exército Britânico para formar a Real Força Aérea, a primeira força aérea independente do mundo.

Militares do 1º Esquadrão RNAS no final de 1914

AntecedentesEditar

Em 1908, o governo britânico reconheceu o potencial militar das aeronaves. Nesta altura, o Primeiro-Ministro, HH Asquith aprovou a formação de um "Comité Consultivo para Aeronáutica" e um "Sub-comité Aéreo do Comité de Defesa Imperial ". Ambos os comités eram compostos por políticos, oficiais do exército e oficiais da marinha. Em 21 de julho de 1908, o capitão Reginald Bacon, que era membro do sub-comité de Navegação Aérea, submeteu ao Primeiro Lorde Sir John Fisher que um dirigível rígido baseado no Zeppelin alemão fosse projectado e construído pela empresa Vickers. Após muita discussão no Comité de Defesa Imperial, a sugestão foi aprovada em 7 de maio de 1909. O dirigível, chamado Mayfly, nunca voou e partiu ao meio em 24 de setembro de 1911. O então primeiro lorde do mar, Sir Arthur Wilson, recomendou que a construção do dirigível rígido fosse abandonada. [2]

Em 21 de junho de 1910, o tenente George Cyril Colmore tornou-se o primeiro piloto qualificado na Real Marinha. Depois de completar o treino, que Colmore pagou do próprio bolso, ele recebeu o Certificado do Royal Aero Club com o número 15. [3]

Em novembro de 1910, o Royal Aero Club, graças a um de seus membros, Francis McClean, ofereceu à marinha duas aeronaves para treinar os seus primeiros pilotos. O clube também ofereceu os seus membros como instrutores e o uso do seu aeródromo em Eastchurch, na ilha de Sheppey, e o Almirantado aceitou. O aeródromo tornou-se na Escola Naval de Voo de Eastchurch. [4] Duzentas candidaturas foram recebidas e quatro foram aceites: o Tenente CR Samson, o Tenente AM Longmore, o Tenente A. Gregory e o Capitão EL Gerrard, RMLI . [5]

Primeira Guerra MundialEditar

 
Triplanos Sopwith do Esquadrão Naval N.º 1, em Bailleul, França. A aeronave mais próxima da câmera (N5454) foi pilotada principalmente pelo ás Richard Minifie
 
Charles Rumney Samson do RNAS, descola do HMS Hibernia no seu "hidroavião" Shorts S.38 modificado para ser o primeiro piloto a descolar de um navio em movimento no mar.

No início da Primeira Guerra Mundial, em agosto de 1914, o RNAS possuía 93 aeronaves, seis dirigíveis, dois balões e 727 funcionários. [6][7] A Marinha mantinha doze estações de dirigíveis ao redor da costa da Grã-Bretanha, desde Longside, Aberdeenshire, no nordeste, até Anglesey, no oeste. Em 1 de agosto de 1915, o Real Serviço Aeronaval ficou oficialmente sob o controle da Marinha Real Marinha. [8] Além de hidroaviões, aeronaves transportadas por porta-aviões e outras aeronaves com uma aplicação "naval" legítima, o RNAS também manteve vários esquadrões de combate na Frente Ocidental, além de alocar recursos escassos a uma força de bombardeamento estratégico independente num momento em que essas operações eram altamente especulativas. A rivalidade entre serviços afectou até as compras de aeronaves. Urgentemente necessário, o Sopwith 1½ Strutter de dois lugares teve que ser transferido da força estratégica de bombardeio do RNAS para esquadrões do RFC na Frente Ocidental, porque a empresa Sopwith foi contratada para fornecer exclusivamente o RNAS. Essa situação continuou, embora a maioria dos produtos da Sopwith após 1915 não tenha sido projectada especificamente para missões navais. Assim, os esquadrões de caças do RNAS obtiveram caças Sopwith Pup meses antes do RFC e depois os substituíram primeiro por Sopwith Triplanes e depois Camels, enquanto os esquadrões de RFC pressionados continuavam com seus aviões Sopwith Pup obsoletos.[9]

 
Oficial do RNAS lançando uma bomba de um dirigível da classe SSZ durante a Primeira Guerra Mundial

Em 23 de junho de 1917, após a Segunda Batalha de Gaza, as aeronaves da RNAS atacaram Tulkarm nas Colinas da Judéia . [10]

Em 1 de abril de 1918, o RNAS foi fundido com o Royal Flying Corps para formar a Real Força Aérea.

No momento da fusão, o serviço aéreo da Marinha tinha 55.566 oficiais e homens, 2.949 aeronaves, [11] 103 aeronaves e 126 estações costeiras.

Os esquadrões do RNAS foram absorvidos pela nova estrutura; os esquadrões individuais receberam novos números de esquadrão, adicionando efectivamente 200 ao número, de modo que o Esquadrão Nº 1 do RNAS (um famoso esquadrão de combate) se tornou o Esquadrão N.º 201 da RAF .

A Marinha Real recuperou o seu próprio serviço aéreo em 1937, quando o braço naval de frota aérea da Real Força Aérea (cobrindo aeronaves transportadas por navios, mas não os aviões e aviões de reconhecimento marítimo do Comando Costeiro ) foi devolvido ao controle do Almirantado que renomeou como Naval Air Branch . Em 1952, o serviço retornou o seu nome anterior 1937.

Bases e estaçõesEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. Admiralty Circular CW.13963/14, 1 July 1914: "Royal Naval Air Service – Organisation"
  2. Roskill 1969, p. 6.
  3. Barber 2010, p. 5.
  4. Gollin 1989, p. 168.
  5. Roskill 1969, p. 33.
  6. Layman 2002, p. 206.
  7. In the biography of his father, Winston Churchill, Randolph S. Churchill gives the following breakdown: "At the outbreak of war ... there were 39 aeroplanes, 52 seaplanes, a few small airships and about 120 pilots" Churchill, Randolph. Winston S. Churchill, Vol. II. [S.l.: s.n.] 
  8. Roskill 1969, pp. 212–213.
  9. Lee, Arthur Gould. No Parachute. [S.l.: s.n.] 
  10. Cutlack 1941, pp. 65–66.
  11. Roskill 1969, p. 747.

BibliografiaEditar

  • Bartholemew, E. (1988), Early Armoured Cars, Shire Publications 
  • Cutlack, F. M. (1941), The Australian Flying Corps in the Western and Eastern Theatres of War, 1914–1918, Official History of Australia in the War of 1914–1918, Volume VIII 11th ed. , Canberra: Australian War Memorial, OCLC 220899617 
  • Gollin, Alfred (1989), The Impact of Air Power on the British People and Their Government, 1909–14, ISBN 0-8047-1591-2, Stanford: Stanford University Press 
  • Layman, R.D. (2002), Naval Aviation and the First World War: Its Impact and Influence, ISBN 1-84067-314-1, London: Caxton Editions 
  • Popham, Hugh (1969), Into Wind, London: Hamish Hamilton 
  • Roskill, Stephen Wentworth (1969), Documents Relating to the Naval Air Service: 1908–1918, I, London: Navy Records Society 
  • Barber, Mark (2010), Royal Naval Air Service Pilot 1914-18, ISBN 9781846039492, Osprey Publishing 
  • Lardas, Mark (2016), World War I Seaplane and Aircraft Carriers, New Vanguard 238, ISBN 9781472813787, Osprey Publishing 

Ligações externasEditar