S&P 500,[1] abreviação de Standard & Poor's 500, ou simplesmente S&P, trata-se de um índice composto por quinhentos ativos (ações) cotados nas bolsas de NYSE ou NASDAQ, qualificados devido ao seu tamanho de mercado, sua liquidez e sua representação de grupo industrial. É (S&P 500) um índice ponderado de valor de mercado (valor do ativo multiplicado pelo número de ações em circulação) com o peso de cada ativo no índice proporcional ao seu preço de mercado. S&P faz referência a Standard & Poor's, uma empresa de consultoria financeira.

Índice S&P 500.

O ticker do S&P 500 é ^GSPC.

Critério de seleçãoEditar

Os componentes do S&P 500 são selecionados por um comitê. Isso é semelhante ao Dow Jones Industrial Average, mas diferente de outros, como o Russell 1 000, que são estritamente baseados em regras. Ao considerar a elegibilidade de uma nova adição, o comitê avalia o mérito da empresa usando oito critérios principais: Capitalização de mercado, liquidez, domicílio, flutuação pública, classificação setorial, viabilidade financeira e período de tempo negociado publicamente e bolsa de valores.[2] Cada um desses critérios principais possui requisitos específicos que devem ser atendidos.

Propriamente dito, o S&P 500 não deve receber modificações, ou seja, deve-se manter a expressão original, pois trata-se das 500 ações mais importantes para o mercado, ações que medem mudanças, situações, cenários em que a economia está exposta.

HistóriaEditar

Em 1860, Henry Varnum Pobre formado Publishing Poor , que publicou um guia do investidor para o setor ferroviário.[3]

Em 1923, a Standard Statistics Company (fundada em 1906 como Standard Statistics Bureau) começou a avaliar títulos hipotecários[3] e desenvolveu seu primeiro índice do mercado de ações consistindo em ações de 233 empresas americanas, calculado semanalmente.[4]

Em 1926, desenvolveu um índice de 90 ações, calculado diariamente.

Em 1941, a Poor's Publishing fundiu-se com a Standard Statistics Company para formar a Standard & Poor's.[3][5]

Em 4 de março de 1957, o índice foi expandido para suas atuais 500 empresas e foi renomeado para S&P 500 Stock Composite Index.[4]

Em 1962, a Ultronic Systems tornou-se o compilador dos índices S&P, incluindo o S&P 500 Stock Composite Index, o 425 Stock Industrial Index, o 50 Stock Utility Index e o 25 Stock Rail Index.[6]

Em 31 de agosto de 1976, o The Vanguard Group ofereceu o primeiro fundo mútuo para investidores de varejo que rastreavam o índice.[4]

Em 21 de abril de 1982, a Chicago Mercantile Exchange começou a negociar futuros com base no índice.[4]

Em 1o de julho de 1983, a Chicago Board Options Exchange começou a negociar opções com base no índice.[4]

Em 22 de janeiro de 1993, o fundo negociado em bolsa Standard & Poor's Depositary Receipts emitido pela State Street Corporation começou a ser negociado.[4]

Em 9 de setembro de 1997, o CME Group lançou o contrato futuro S&P E-mini.[4]

Em 2005, o índice fez a transição para uma ponderação de capitalização ajustada ao float público.[7]

Ligações externasEditar

Referências

  1. magazin, manager. «Siemens: Wie die Sparten in der Holding-Struktur dastehen». www.manager-magazin.de (em alemão). Consultado em 4 de março de 2021 
  2. «S&P Dow Jones indices» (PDF). S&P Dow Jones Indices: Index Methodology. Dow Jones. Consultado em 25 de junho de 2018 
  3. a b c «Our History». S&P Global 
  4. a b c d e f g Valetkevitch, Caroline (6 de maio de 2013). «Key dates and milestones in the S&P 500's history». Reuters 
  5. Riggs, Thomas, ed. (2015). «Standard & Poor's». Gale Encyclopedia of U.S. Economic History. 3 2nd ed. Gale. p. 1256 
  6. «Vast stock wire network being extended to coast». The New York Times. 4 de junho de 1962 
  7. «Standard & Poor's Announces Changes to U.S. Investable Weight Factors and Final Float Transition Schedule». 9 de março de 2005 
  Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.