Abrir menu principal

VidaEditar

Era filha de Godofredo de Brindisi, Conde de Conversano (e uma sobrinha neta de Roberto Guiscard) e de Sichelgaita de Molise.[3][4] Durante o inverno de 1096 e 1097, enquanto Roberto Curthose estava em Apúlia aguardando transporte na Primeira Cruzada, provavelmente iniciou as negociações para se casar com a herdeira, Sibila de Conversano.[5] Orderico Vital afirma que Roberto "se apaixonou" por Síbila e promoveu o que o cronista chamou de "caráter verdadeiramente bom" e também escreveu que era "dotada de muitas virtudes e amável com todos que a conheciam".[nota 1][5] No retorno de Roberto da Cruzada, ambos se casaram em Apúlia[6] em 1100.[3]

Pouco depois de retornar à Normandia, empreenderam uma peregrinação ao Monte Saint-Michel para dar graças por seu retorno seguro da Cruzada.[7] É claro que os escritores da época foram completamente tomados por Síbila, elogiando tanto sua beleza e inteligência.[8] Durante a ausência de seu marido, Roberto de Torigni observou que a nova duquesa administrava a Normandia melhor do que o duque.[8] Em 25 de outubro de 1102, seu filho nasceu.[9] Foi nomeado Guilherme pelo Arcebispo Guilherme de Ruão que presidiu seu batismo, isto de acordo com Orderico.[9] Guilherme de Malmesbury sugeriu que foi nomeado em honra ao seu avô, Guilherme, o Conquistador.[9] Em 18 de março de 1103,[10] menos de seis meses após o nascimento de seu único filho, ela morreu em Ruão, Caux, e foi enterrada, em meio a tristeza universal, na igreja catedral. O Arcebispo Guilherme Bonne-Ame realizou os ritos funerários. Foi admirada e frequentemente elogiada pelos cronistas da época; Guilherme de Malmesbury afirma que ela morreu como resultado da ligação de seus seios com muita força, enquanto ambos Roberto de Torigni e Orderico Vital sugerem que foi assassinada por um grupo de nobres liderados pela amante do marido, Inês de Ribemont.[nota 2][11]

FamíliaEditar

Roberto e Síbila tiveram um filho:

Notas

  1. É um pouco atípico de Orderico falar em louvor de uma mulher aristocrática desta maneira. Veja: Marjorie Chibnall, "Women in Orderic Vitalis', The Haskins Society Journal Studies in Medieval History, Volume 2 (1990), pp. 105-21.
  2. Inês de Ribemont era a viúva de Valter Giffard, 1.° Conde de Buckingham, e irmã de Anselmo de Ribemont, falecido em Cruzada. Ainda não está claro se ou até mesmo quando ela e Roberto tiveram um caso, mas a história diz que ela prometeu que, caso ele se casasse com ela, teria o apoio de sua poderosa família. Guilherme de Malmesbury amava uma boa história, mesmo que falsa; e em uma versão de sua Gesta Regum, credita a morte de Síbila à "dona" de Roberto, e em uma versão posterior, ele afirmou: "parteira". Contudo a possibilidade de que ela pudesse ter sido a amante de Roberto, continua a ser menos plausível que o duque permitir que sua nova esposa, a mãe de seu filho recém-nascido, fosse envenenada quando estava sentado de braços cruzados. Orderico pode ter visto tal história como mais uma prova de que Roberto Curthose era incapaz de governar a Normandia. Veja: William M. Aird, Robert Curthose Duke of Normandy (Woodbridge: The Boydell Press, 2008), pp. 213-14. A misteriosa história também tem um problema cronológico no qual Inês de Ribemont não poderia sequer ter sido uma viúva no momento da morte de Síbila. Veja: Charles Wendell David, Robert Curthose (1920) pp. 146-7. De acordo com Europäische Stammtäfeln, III/4, Tafel 695, Valter morreu em 15 de julho de 1102.

Referências

  1. Find a Grave
  2. Foundation for Medieval Genealogy
  3. a b c Detlev Schwennicke, Europäische Stammtafeln: Stammtafeln zur Geschichte der Europäischen Staaten, Neue Folge, Band II (Marburg, Alemanha: Verlag von J. A. Stargardt, 1984), Tafel 81
  4. Charles Wendell David, Robert Curthose, Duke of Normandy (Cambridge, MA: Harvard University Press, 1920), p. 146 ISBN 1-4326-9296-8
  5. a b William M. Aird, Robert Curthose Duke of Normandy (Woodbridge: The Boydell Press, 2008), pp. 191-2
  6. François Neveux, The Normans, Trans. Howard Curtis (Londres: Constable & Robinson, Ltd., 2008), p. 174
  7. Ordericus Vitalis, The Ecclesiastical History of England and Normandy, Trans. Thomas Forester, Vol. III (Londres: Henry G. Bohn, 1854), p. 272
  8. a b C. Warren Hollister, Henry I (Yale University Press, New Haven & Londres, 2003), p. 180
  9. a b c William M. Aird, Robert Curthose Duke of Normandy (Woodbridge: The Boydell Press, 2008), p. 212
  10. William M. Aird, Robert Curthose Duke of Normandy (Woodbridge: The Boydell Press, 2008), p. 213
  11. Katherine Lack, Conqueror's Son: Duke Robert Curthose, Thwarted King (Sutton Publishing, 2007), p. 153 ISBN 978-0-7509-4566-0
Precedido por
Matilde de Flandres
Duquesa consorte da Normandia
11001102
Sucedido por
Edite da Escócia