Saint-Étienne-des-Grès, Paris

igreja em França

Saint-Étienne-des-Grès era uma igreja e paróquia em Paris, França,[1] anteriormente localizada no Quartier Latin na Rue Saint-Jacques.

Uma vista externa de Saint-Étienne-des-Grès como ela apareceu antes da Revolução Francesa, tirada do Livro Três do Tableau historique et pittoresque de Paris por Jacques Bins, conde de Saint-Victor.

HistóriaEditar

Saint-Étienne-des-Grès localizava-se na rua Saint-Jacques, no local da atual Faculdade de Direito. Foi um dos primeiros centros do Cristianismo em Paris; ficava em um local considerado o de um oratório que foi erguido por São Dinis a Santo Estêvão.[2] A sua fundação data de cerca do século VI.[3] Saint-Étienne foi uma das cinco igrejas merovíngias que marcam a estrada de Paris a Orleans.

A igreja original foi destruída pelos vikings, mas reconstruída no século XI. Cânones foram instalados em 1045 para servir a igreja e orar pelo rei. Tornou-se paróquia antes de 1080, mas a paróquia foi absorvida por São Bento entre 1195 e 1205. O Capítulo existiu até 1790. A igreja colegiada foi demolida em 1792.[4]

Notre Dame de Bonne DélivranceEditar

A igreja continha notavelmente uma Virgem Negra, a Notre Dame de Bonne Délivrance (Nossa Senhora do Bom Livramento), também conhecida como a "Madona Negra de Paris". A estátua data do século XIV, substituindo uma versão do século XI. Tem 150 cm (59 in) alto e feito de calcário pintado.[4] A Virgem usa um véu branco e manto azul escuro ornamentado com flor-de-lis sobre um manto vermelho.

A Real Confraria de Notre Dame de Bonne Délivrance foi fundada em 1533. Luís XIII e Ana da Áustria eram membros.

Em 1703, um jovem seminarista chamado Claude Poullart des Places reuniu uma dúzia de seus companheiros em Saint-Étienne-des-Grès e consagrou o grupo à Virgem; aquele ato foi o início da Congregação do Espírito Santo.[5] Outros peregrinos notáveis à estátua - alguns antes da Revolução, alguns depois - incluem Claude Bernard, Jean-Jacques Olier, Dom Bosco, Prosper Guéranger e Madeleine Sophie Barat.[6]

Quando a igreja foi destruída durante a Revolução, todo o seu conteúdo foi vendido; a estátua foi salva por uma mulher rica e piedosa chamada Madame de Carignan. De Carignan foi presa durante o Reinado do Terror, e ela orava a Nossa Senhora na prisão com outros que haviam sido presos por seu catolicismo. Quando de Carignan foi libertada em 1806, ela deu a estátua às Irmãs de São Tomás de Villeneuve, que haviam sido presas com ela.[4] A estátua ainda está localizada na capela da Congregação das Irmãs de São Tomás de Villeneuve em Neuilly-sur-Seine. A festa de Nossa Senhora do Bom Livramento é dia 18 de julho.

Referências

  1. «Nossa Senhora do Bom Parto». Arquidiocese São Paulo. 30 de junho de 2015. Consultado em 24 de março de 2021 
  2. Georges Goyau (1911). «Paris». The Catholic Encyclopedia. XI. Robert Appleton Company. Consultado em 14 de junho de 2010 
  3. "Merovingian city sixth - eighth centuries", Atlas Historique de Paris
  4. a b c Rozett, Ella. «Paris: Our Lady of Good Deliverance». Interfaith Mary Page. Consultado em 14 de junho de 2010 
  5. «The Spiritan Association with Mary». TransCanada Province of the Spiritans. Consultado em 14 de junho de 2010 
  6. «Pèlerins au cours des âges». Hospitalières de Saint Thomas de Villeneuve. Consultado em 14 de junho de 2010. Cópia arquivada em 25 de julho de 2011 

Ligações externasEditar