Calcário

rocha sedimentar

O calcário (carbonato de cálcio, CaCO
3
) é um tipo de rocha sedimentar carbonática que é a principal fonte do material cal. É composto principalmente pelos minerais calcita e aragonita, que são diferentes formas cristalinas de CaCO
3
. O calcário se forma quando esses minerais precipitam da água contendo cálcio dissolvido. Isso pode ocorrer por meio de processos biológicos e não biológicos, embora processos biológicos, como o acúmulo de corais e conchas no mar, tenham sido mais importantes nos últimos 540 milhões de anos.[1][2] O calcário geralmente contém fósseis que fornecem aos cientistas informações sobre ambientes antigos e sobre a evolução da vida.[3]

Cerca de 20% a 25% das rochas sedimentares são rochas carbonáticas, e a maior parte é calcário.[4][3] A rocha carbonática remanescente é principalmente dolomito, uma rocha intimamente relacionada, que contém uma alta porcentagem do mineral dolomita, CaMg(CO
3
)
2
. Calcário magnesiano é um termo obsoleto e mal definido usado de forma variada para dolomita, para calcário contendo dolomita significativa (calcário dolomítico) ou para qualquer outro calcário contendo uma porcentagem significativa de magnésio.[5] A maior parte do calcário foi formada em ambientes marinhos rasos, como plataformas continentaisou plataformas, embora quantidades menores tenham sido formadas em muitos outros ambientes. Grande parte da dolomita é secundária, formada pela alteração química do calcário.[6][7] O calcário é exposto em grandes regiões da superfície da Terra e, como o calcário é ligeiramente solúvel na água da chuva, essas exposições geralmente são erodidas para se tornarem paisagens cársticas. A maioria dos sistemas de cavernas são encontrados em rochas calcárias.

O calcário tem vários usos: como matéria-prima química para a produção de cal usada para cimento (um componente essencial do concreto), como agregado para a base de estradas, como pigmento branco ou enchimento em produtos como pasta de dente ou tintas, como condicionador de solo, e como uma adição decorativa popular para jardins de pedra. As formações calcárias contêm cerca de 30% dos reservatórios de petróleo do mundo.[3]

Paisagem de calcárioEditar

 
O Porrete de Hércules, uma rocha alta de calcário na Polônia (Castelo Pieskowa Skała ao fundo)
 
Nas formações Zaplaz nas montanhas Piatra Craiului, Romênia

O calcário é parcialmente solúvel, especialmente em ácido e, portanto, forma muitas formas de relevo erosivas. Estes incluem pavimentos de calcário, buracos, cenotes, cavernas e desfiladeiros. Tais paisagens de erosão são conhecidas como carstes. O calcário é menos resistente à erosão do que a maioria das rochas ígneas, mas mais resistente do que a maioria das outras rochas sedimentares. É, portanto, geralmente associado a colinas e terras baixas, e ocorre em regiões com outras rochas sedimentares, tipicamente argilas.[8][9]

As regiões cársticas sobrepostas ao leito rochoso calcário tendem a ter menos fontes visíveis acima do solo (lagoas e riachos), pois a água da superfície drena facilmente para baixo através das juntas no calcário. Ao drenar, a água e o ácido orgânico do solo lentamente (ao longo de milhares ou milhões de anos) aumentam essas rachaduras, dissolvendo o carbonato de cálcio e levando-o em solução. A maioria dos sistemas de cavernas são através de rocha calcária. O resfriamento das águas subterrâneas ou a mistura de diferentes águas subterrâneas também criará condições adequadas para a formação de cavernas.[8]

Os calcários costeiros são frequentemente erodidos por organismos que perfuram a rocha por vários meios. Este processo é conhecido como bioerosão. É mais comum nos trópicos e é conhecido em todo o registro fóssil.[10]

Faixas de calcário emergem da superfície da Terra em afloramentos rochosos e ilhas muitas vezes espetaculares. Exemplos incluem o Rochedo de Gibraltar,[11] o Burren no Condado de Clare, Irlanda;[12] Malham Cove em North Yorkshire e na Ilha de Wight,[13] Inglaterra; o Great Orme no País de Gales;[14] em Fårö perto da ilha sueca de Gotland,[15] a escarpa do Niágara no Canadá/Estados Unidos;[16] Pico Notch em Utah;[17] o Parque Nacional da Baía de Ha Long no Vietnã;[18] e as colinas ao redor do rio Lijiang e da cidade de Guilin na China.[19]

As Florida Keys, ilhas ao largo da costa sul da Flórida, são compostas principalmente de calcário oolítico (as Lower Keys) e os esqueletos de carbonato de recifes de coral (as Upper Keys), que prosperaram na área durante os períodos interglaciais quando o nível do mar era mais alto do que atualmente.[20]

Habitats únicos são encontrados em alvares, extensões extremamente planas de calcário com mantos de solo finos. A maior extensão desse tipo na Europa é a Stora Alvaret na ilha de Olândia, na Suécia.[21] Outra área com grandes quantidades de calcário é a ilha de Gotlândia, na Suécia.[22] Grandes pedreiras no noroeste da Europa, como as do Monte São Pedro (Bélgica/Holanda), se estendem por mais de cem quilômetros.[23]

Referências

  1. Boggs, Sam (2006). Principles of sedimentology and stratigraphy 4th ed. Upper Saddle River, N.J.: Pearson Prentice Hall. pp. 177, 181. ISBN 0131547283 
  2. Leong, Goh Cheng (27 de outubro de 1995). Certificate Physics And Human Geography; Indian Edition (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. 62 páginas. ISBN 978-0-19-562816-6 
  3. a b c Boggs 2006, p. 159.
  4. Blatt, Harvey; Tracy, Robert J. (1996). Petrology : igneous, sedimentary, and metamorphic. 2nd ed. New York: W.H. Freeman. pp. 295–300. ISBN 0716724383 
  5. Jackson, Julia A., ed. (1997). «Magnesian limestone». Glossary of geology. Fourth ed. Alexandria, Virginia: American Geological Institute. ISBN 0922152349 
  6. Blatt, Harvey; Middleton, Gerard; Murray, Raymond (1980). Origin of sedimentary rocks 2d ed. Englewood Cliffs, N.J.: Prentice-Hall. pp. 446, 510–531. ISBN 0136427103 
  7. Boggs 2006, p. 182-194.
  8. a b Thornbury, William D. (1969). Principles of geomorphology 2d ed. New York: Wiley. pp. 303–344. ISBN 0471861979 
  9. «Karst Landscapes of Illinois: Dissolving Bedrock and Collapsing Soil». Prairie Research Institute. Illinois State Geological Survey. Consultado em 26 de dezembro de 2020 
  10. Taylor, P. D.; Wilson, M. A. (2003). «Palaeoecology and evolution of marine hard substrate communities» (PDF). Earth-Science Reviews. 62 (1–2): 1–103. Bibcode:2003ESRv...62....1T. doi:10.1016/S0012-8252(02)00131-9. Arquivado do original (PDF) em 25 de março de 2009 
  11. Rodrı́guez-Vidal, J.; Cáceres, L.M.; Finlayson, J.C.; Gracia, F.J.; Martı́nez-Aguirre, A. (outubro de 2004). «Neotectonics and shoreline history of the Rock of Gibraltar, southern Iberia». Elsevier (2004). Quaternary Science Reviews. 23 (18–19): 2017–2029. Bibcode:2004QSRv...23.2017R. doi:10.1016/j.quascirev.2004.02.008. Consultado em 23 de junho de 2016 
  12. McNamara, M.; Hennessy, R. (2010). «The geology of the Burren region, Co. Clare, Ireland» (PDF). Project NEEDN, The Burren Connect Project. Ennistymon: Clare County Council. Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  13. «Isle of Wight, Minerals» (PDF). Consultado em 8 de outubro de 2006. Arquivado do original (PDF) em 2 de novembro de 2006 
  14. Juerges, A.; Hollis, C. E.; Marshall, J.; Crowley, S. (maio de 2016). «The control of basin evolution on patterns of sedimentation and diagenesis: an example from the Mississippian Great Orme, North Wales». Journal of the Geological Society. 173 (3): 438–456. Bibcode:2016JGSoc.173..438J. doi:10.1144/jgs2014-149  
  15. Cruslock, Eva M.; Naylor, Larissa A.; Foote, Yolanda L.; Swantesson, Jan O.H. (janeiro de 2010). «Geomorphologic equifinality: A comparison between shore platforms in Höga Kusten and Fårö, Sweden and the Vale of Glamorgan, South Wales, UK». Geomorphology. 114 (1–2): 78–88. Bibcode:2010Geomo.114...78C. doi:10.1016/j.geomorph.2009.02.019 
  16. Luczaj, John A. (2013). «Geology of the Niagara Escarpment in Wisconsin». Geoscience Wisconsin. 22 (1): 1–34. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 
  17. Miller, James F. (1969). «Conodont Fauna of the Notch Peak Limestone (Cambro-Ordovician), House Range, Utah». Journal of Paleontology. 43 (2): 413–439. JSTOR 1302317 
  18. Tran Duc Thanh; Waltham Tony (1 de setembro de 2001). «The outstanding value of the geology of Ha Long Bay». Advances in Natural Sciences. 2 (3). ISSN 0866-708X 
  19. Waltham, Tony (2010). Migon, Piotr, ed. Guangxi Karst: The Fenglin and Fengcong Karst of Guilin and Yangshuo, in Geomorphological Landscapes of the World. [S.l.]: Springer. pp. 293–302. ISBN 9789048130542 
  20. Mitchell-Tapping, Hugh J. (primavera de 1980). «Depositional History of the Oolite of the Miami Limestone Formation». Florida Scientist. 43 (2): 116–125. JSTOR 24319647 
  21. Thorsten Jansson, Stora Alvaret, Lenanders Tryckeri, Kalmar, 1999
  22. Laufeld, S. (1974). Silurian Chitinozoa from Gotland. Col: Fossils and Strata, 5. [S.l.]: Universitetsforlaget 
  23. Pereira, Dolores; Tourneur, Francis; Bernáldez, Lorenzo; Blázquez, Ana García (2014). «Petit Granit: A Belgian limestone used in heritage, construction and sculpture» (PDF). Episodes. 38 (2): 30. Bibcode:2014EGUGA..16...30P. Consultado em 5 de fevereiro de 2021 

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Calcário