Abrir menu principal

Hemorragia gastrointestinal

(Redirecionado de Sangramento gastrointestinal)
Hemorragia gastrointestinal
Exame positivo para sangue oculto nas fezes
Especialidade Gastroenterology
Sintomas Vómitos com sangue vivo ou sangue escurecido, sangue nas fezes, fezes escuras, fadiga[1]
Complicações Anemia por deficiência de ferro, angina de peito[1]
Tipos Superior e inferior[2]
Causas Superior: úlcera péptica, varizes esofágicas causadas por cirrose do fígado, cancro[3]
Inferior: hemorroidas, cancro, doença inflamatória intestinal[2]
Método de diagnóstico Antecedentes médicos e exame físico, análises ao sangue, exames de sangue oculto nas fezes[1]
Tratamento Terapia intravenosa, transfusão de sangue, endoscopia[4][5]
Medicação Inibidores da bomba de protões, octreotida, antibióticos[6][5]
Prognóstico Risco de morte ~15%[1][7]
Frequência Superior: 100 em 100 000 adultos por ano[8]
Inferior: 25 em 100 000 por ano[2]
Classificação e recursos externos
CID-10 K92.2
CID-9 578.9
DiseasesDB 19317
MedlinePlus 003133
eMedicine radio/301 radio/302 emerg/381
MeSH D006471
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Hemorragia gastrointestinal é qualquer forma de hemorragia no trato digestivo, desde a boca até ao ânus.[9] Quando existe perda de sangue durante um curto período de tempo, os sintomas podem incluir vómitos com sangue vivo ou sangue escurecido, sangue nas fezes ou fezes escuras.[1] Pequenas perdas de sangue durante um período de tempo maior podem causar anemia por deficiência de ferro, o que causa fadiga ou angina de peito.[1] Outros possíveis sintomas são dor abdominal, falta de ar, palidez da pele, ou desmaio.[9][1] Algumas pessoas com micro-hemorragias não manifestam sintomas.[1]

A hemorragia gastrointestinal divide-se em dois tipos principais: do trato superior e do trato inferior.[2] As causas mais comuns de hemorragias do trato superior são úlcera péptica, varizes esofágicas causadas por cirrose do fígado ou cancro.[3] As causas mais comuns de hemorragias do trato inferior são hemorroidas, cancro e doença inflamatória intestinal.[2] O diagnóstico tem geralmente início com os antecedentes médicos da pessoa e um exame físico, acompanhados por análises ao sangue.[1] O sangue em pequenas quantidades pode ser detectado por um exame ao sangue oculto nas fezes.[1] Uma endoscopia, tanto dos tratos superior como inferior pode permitir localizar a área onde a hemorragia tem origem.[1] Em casos pouco evidentes, pode ser necessária imagiologia médica.[1]

O tratamento inicial foca-se na reanimação, podendo incluir terapia intravenosa e transfusões de sangue.[4] Geralmente não se recomenda transfusões de sangue, a não ser que a hemoglobina seja inferior a 70 ou 80  g/L.[7][10] Em alguns casos pode ser considerado o tratamento com inibidores da bomba de protões, octreotida ou antibióticos.[6][11][5] Quando estas medidas não são eficazes, pode ser tentado um balão esofágico nas pessoas cuja causa se presume serem varizes esofágicas.[2] Geralmente recomenda-se a realização de uma endoscopia do esófago, estômago e duodeno ou colonoscopia no prazo de 24 hoas, as quais permitem simultaneamente o diagnóstico e tratamento.[4]

As hemorragias do trato gastrointestinal superior são mais comuns que as do trato inferior.[2] Entre 50–150 em cada 100 000 adultos por ano são afetados por uma hemorragia do trato superior,[8] enquanto as do trato inferior ocorrem em apenas 20–30 em cada 100 000 adultos por ano.[2] Nos Estados Unidos, as hemorragias gastrointestinais estão na origem de 300 000 admissões hospitalares por ano.[1] O risco de morte por uma hemorragia gastrointestinal é de 5–30%.[1][7] O risco de desenvolver hemorragias é mais comum entre homens e aumenta conforme a idade.[2]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n Kim, BS; Li, BT; Engel, A; Samra, JS; Clarke, S; Norton, ID; Li, AE (15 de novembro de 2014). «Diagnosis of gastrointestinal bleeding: A practical guide for clinicians.». World journal of gastrointestinal pathophysiology. 5 (4): 467–78. PMC 4231512 . PMID 25400991. doi:10.4291/wjgp.v5.i4.467 
  2. a b c d e f g h i Westhoff, John (março de 2004). «Gastrointestinal Bleeding: An Evidence-Based ED Approach To Risk Stratification». Emergency Medicine Practice. 6 (3). Cópia arquivada em 22 de julho de 2013 
  3. a b van Leerdam, ME (2008). «Epidemiology of acute upper gastrointestinal bleeding.». Best practice & research. Clinical gastroenterology. 22 (2): 209–24. PMID 18346679. doi:10.1016/j.bpg.2007.10.011 
  4. a b c Jairath, V; Barkun, AN (outubro de 2011). «The overall approach to the management of upper gastrointestinal bleeding». Gastrointestinal endoscopy clinics of North America. 21 (4): 657–70. PMID 21944416. doi:10.1016/j.giec.2011.07.001 
  5. a b c Chavez-Tapia, NC; Barrientos-Gutierrez, T; Tellez-Avila, F; Soares-Weiser, K; Mendez-Sanchez, N; Gluud, C; Uribe, M (setembro de 2011). «Meta-analysis: antibiotic prophylaxis for cirrhotic patients with upper gastrointestinal bleeding – an updated Cochrane review». Alimentary pharmacology & therapeutics. 34 (5): 509–18. PMID 21707680. doi:10.1111/j.1365-2036.2011.04746.x 
  6. a b Leontiadis, GI; Sreedharan, A; Dorward, S; Barton, P; Delaney, B; Howden, CW; Orhewere, M; Gisbert, J; Sharma, VK; Rostom, A; Moayyedi, P; Forman, D (dezembro de 2007). «Systematic reviews of the clinical effectiveness and cost-effectiveness of proton pump inhibitors in acute upper gastrointestinal bleeding». Health technology assessment (Winchester, England). 11 (51): iii–iv, 1–164. PMID 18021578. doi:10.3310/hta11510 
  7. a b c Wang, J; Bao, YX; Bai, M; Zhang, YG; Xu, WD; Qi, XS (28 de outubro de 2013). «Restrictive vs liberal transfusion for upper gastrointestinal bleeding: a meta-analysis of randomized controlled trials.». World Journal of Gastroenterology. 19 (40): 6919–27. PMC 3812494 . PMID 24187470. doi:10.3748/wjg.v19.i40.6919 
  8. a b Jairath, V; Hearnshaw, S; Brunskill, SJ; Doree, C; Hopewell, S; Hyde, C; Travis, S; Murphy, MF (8 de setembro de 2010). Jairath, Vipul, ed. «Red cell transfusion for the management of upper gastrointestinal haemorrhage». Cochrane Database of Systematic Reviews (9): CD006613. PMID 20824851. doi:10.1002/14651858.CD006613.pub3 
  9. a b «Bleeding in the Digestive Tract». The National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. 17 de setembro de 2014. Consultado em 6 de março de 2015. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2015 
  10. Salpeter, SR; Buckley, JS; Chatterjee, S (fevereiro de 2014). «Impact of more restrictive blood transfusion strategies on clinical outcomes: a meta-analysis and systematic review.». The American Journal of Medicine. 127 (2): 124–131.e3. PMID 24331453. doi:10.1016/j.amjmed.2013.09.017 
  11. Cat, TB; Liu-DeRyke, X (setembro de 2010). «Medical management of variceal hemorrhage». Critical care nursing clinics of North America. 22 (3): 381–93. PMID 20691388. doi:10.1016/j.ccell.2010.02.004