Seiça

freguesia do município de Ourém, Portugal

Seiça é uma freguesia portuguesa do município de Ourém, com 25,14 km² de área[1] e 1879 habitantes (censo de 2021)[2]. A sua densidade populacional é 74,7 hab./km².

Portugal Portugal Seiça 
  Freguesia  
Estação ferroviária de Chão de Maçãs
Estação ferroviária de Chão de Maçãs
Estação ferroviária de Chão de Maçãs
Símbolos
Brasão de armas de Seiça
Brasão de armas
Localização
Seiça está localizado em: Portugal Continental
Seiça
Localização de Seiça em Portugal
Coordenadas 39° 40' 30" N 8° 31' 27" O
Região Centro
Sub-região Médio Tejo
Província Beira Litoral
Distrito Santarém
Município Ourém
Código 142113
Administração
Tipo Junta de freguesia
Características geográficas
Área total 25,14 km²
População total (2021) 1 879 hab.
Densidade 74,7 hab./km²
Outras informações
Orago Nossa Senhora da Purificação

Demografia

editar

Nota: Com lugares desta freguesia foi criada em 1928 a freguesia de Alburitel e em 1947 a freguesia de Caxarias.

A população registada nos censos foi:[2]

População da freguesia de Seiça[3]
AnoPop.±%
1864 2 342—    
1878 2 785+18.9%
1890 3 029+8.8%
1900 3 837+26.7%
1911 4 723+23.1%
1920 4 925+4.3%
1930 4 438−9.9%
1940 5 156+16.2%
1950 3 508−32.0%
1960 3 218−8.3%
1970 2 745−14.7%
1981 2 471−10.0%
1991 2 291−7.3%
2001 2 253−1.7%
2011 2 076−7.9%
2021 1 879−9.5%
Distribuição da População por Grupos Etários[4]
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 253 303 1082 615
2011 260 193 1049 574
2021 195 170 870 644

Geografia

editar

Está limitada a norte pela freguesia de Caxarias, a este pelas freguesias de Rio de Couros e da Sabacheira (concelho de Tomar), a sul pela freguesia de Alburitel, a oeste pela de Nossa Senhora da Piedade e, por fim, a sudoeste pela de Nossa Senhora das Misericórdias.

Lugares da freguesia

editar

A sua população encontra-se distribuída por trinta e dois lugares: Pêras Ruivas, Pedreiras, Olaia, Valada, Fontainhas, Chão de Maçãs, Estremadouro, Carvalhal, Outeiro, Alqueidão, Tacoaria, Carrascal da Tacoaria, Vale Verde, Serradas, Pombalinho, Seiça, Vale do Pico, Moinho de Areia, Coroados, Quintas, Painel, Cristóvãos, Casal do Pisco, Mosqueiro, Covas da Raposa, Lameirinha, Vale da Cordela, Sorieira, Carrascal do Pombalinho, Sobrais, Cabeço do Alqueidão e Casal Canudo.

História e património

editar

Plantada ao longo da lezíria, Seiça tem uma longa história, dada a sua atratividade como local central de Portugal e como freguesia rica na lavoura, pesca e comércio.

Na ribeira de Seiça habita a rara lampreia de riacho (Lampreta planeri), e abastece de água a agricultura de regadio e a vigorosa vegetação ribeirinha. Alguns autores sugerem mesmo que o topónimo derive de salix, palavra latina que se associa à existência de salgueiros.

Ao longo da ribeira podem ser vistos alguns moinhos, sendo que a maioria deles se encontra em fraco estado de conservação.

Seiça é uma das freguesias mais antigas do concelho de Ourém, com data de fundação em 1517 por foral de D. João III, obtendo também nessa altura um clérigo tendo em vista o exercício de diferentes atos religiosos.

As referências documentais mais antigas, essas remontam a 1225 onde se fala da Ermida de Santa Maria de Seiça. Por lá terá passado Dom Nuno Álvares Pereira em 1385, onde terá pedido á Virgem pela vitória da Batalha de Aljubarrota, regressando ao templo depois da batalha em gesto de agradecimento pelos resultados alcançados.

A Igreja Matriz de Seiça concentra um importante espólio carregado de história e simbolismo, que para além de um púlpito oriundo a antiga Capela de S. Sebastião (Atouguia) e de uma imagem seiscentista em pedra, integra uma imagem de Cristo, em retábulo, provavelmente do século XV. Tem ainda uma imagem de Nossa Senhora da Purificação, do Séc. XIV e de pedra, tendo no braço esquerdo o Menino Jesus alimentando-se do seu peito.

A existência de várias Quintas (casas senhoriais), mostram a história e o desenvolvimento desta freguesia. Destaca-se a Quinta de Seiça, de 1606, pertencente à família Alvim, descendentes de Nuno Álvares Pereira, família que tem também nesta freguesia a Quinta da Mota e a Quinta da Olaia. Outras ainda existem que merecem destaque: a Quinta da Alcaidaria-Mor, a Quinta da Tacoaria, a Quinta da Sorieira, a Quinta de Alquidão e a Quinta do Engenho, parte da casa dos Pinheiros, turismo Rural.

Outros acontecimentos marcaram a história desta freguesia, tal como as Invasões Francesas (1810), que tudo destruíram, roubaram e incendiaram. Esta foi liderada por um General de Napoleão, Louis Henri Loison, mais conhecido como "O Terrível Maneta", o qual, segundo a tradição oral, cometeu muitas atrocidades na região.

A Seiça dos dias de hoje tem, como os povoados modernos, as suas casa alinhadas ao longo da Estrada Nacional 113 e dos seus ramais, visto que a maioria destas tem pouco mais de meio século de construção.

Referências

  1. «Carta Administrativa Oficial de Portugal CAOP 2013». descarrega ficheiro zip/Excel. IGP Instituto Geográfico Português. Consultado em 10 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2013 
  2. a b Instituto Nacional de Estatística (23 de novembro de 2022). «Censos 2021 - resultados definitivos» 
  3. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  4. INE. «Censos 2011». Consultado em 11 de dezembro de 2022 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Seiça

Ligações externas

editar
  Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.