Um sermão é um discurso dado em circunstâncias religiosas.

CristianismoEditar

O sermão das várias Igrejas cristãs tem sua origem na homilia da sinagoga que existia no mundo judeu no tempo de Jesus. [1] Jesus costumava dar sermões para ensinar seus discípulos, incluindo o sermão da Montanha ao ar livre. [2] Jesus também deu sermões em sinagogas, incluindo o de Nazaré, narrado no Evangelho segundo Lucas no capítulo 4. [3] O propósito do sermão é ensinar um ou mais textos da Bíblia para crescer crentes. [4]

CatolicismoEditar

No catolicismo, o sermão ocorre após a leitura do Evangelho durante a Missa. [5] Também é chamada de a homilia - especialmente desde a reforma litúrgica do Concílio Ecumênico Vaticano II - como parte de uma celebração Eucaristia: a homilia explica os mistérios da fé e os preceitos da vida cristã a partir dos textos da liturgia do momento.

ProtestantismoEditar

Na protestantismo, o culto protestante centra-se na leitura da Bíblia. [6]

Cristianismo evangélicoEditar

Em Cristianismo evangélico, o sermão é frequentemente chamado de "mensagem". Ele ocupa um lugar importante na culto, metade do tempo, cerca de 45 a 60 minutos. [7] [8][9] Esta mensagem pode ser apoiada por um powerpoint, imagens e vídeos. [10] Em algumas igrejas, as mensagens são agrupadas em séries temáticas. [11] Aquele que traz a mensagem é geralmente um pastor formada em um Instituto Teológico.[12] Sermões evangélicos são transmitidos na rádio, nos canais de televisão (televangelismo), na Internet, no portais web, no site das igrejas [13] [14]e através das mídias sociais como YouTube e Facebook. [15]

ReferênciasEditar

  1. Hughes Oliphant Old, The Reading and Preaching of the Scriptures in the Worship of the Christian Church: The biblical period, Wm. B. Eerdmans Publishing, USA, 1998, p. 94
  2. George Thomas Kurian, James D. Smith III, The Encyclopedia of Christian Literature, Volume 2, Scarecrow Press, USA, 2010, p. 143
  3. Everett Ferguson, Encyclopedia of Early Christianity, Routledge, USA, 2013, p. 539
  4. Richard A. Lischer, A Theology of Preaching: The Dynamics of the Gospel, Wipf and Stock Publishers, USA, 2001, p. 60
  5. Frank K. Flinn, Encyclopedia of Catholicism, Infobase Publishing, USA, 2007, p. 527
  6. Hans J. Hillerbrand, Encyclopedia of Protestantism: 4-volume Set, Routledge, USA, 2016, p. 1843
  7. Bruce E. Shields, David Alan Butzu, Generations of Praise: The History of Worship, College Press, USA, 2006, p. 307-308
  8. Franklin M. Segler, Randall Bradley, Christian Worship: Its Theology and Practice, B&H Publishing Group, USA, 2006, p. 145
  9. Pew Research Center, The Digital Pulpit: A Nationwide Analysis of Online Sermons, pewforum.org, USA, 16 de dezembro de 2019
  10. Christina L. Baade, James Andrew Deaville, Music and the Broadcast Experience: Performance, Production, and Audience, Oxford University Press, USA, 2016, p. 300
  11. Susan Cartmell, UnCommon Preaching: An Alternative to the Lectionary, Wipf and Stock Publishers, USA, 2015, p. 27
  12. Michel Deneken, Francis Messner, Frank Alvarez-Pereyre, La théologie à l'Université: statut, programmes et évolutions, Editions Labor et Fides, França, 2009, p. 61
  13. Sébastien Fath, Dieu XXL, la révolution des mégachurches, Éditions Autrement, França, 2008, p. 151-153
  14. Christine Gudorf, Zainal Abidin, Mathen Tahun, "Aspirations for Modernity and Prosperity", Casemate Publishers, USA, 2015, p. 82
  15. Mark Ward Sr., The Electronic Church in the Digital Age: Cultural Impacts of Evangelical Mass Media , ABC-CLIO, USA, 2015, p. 78