Abrir menu principal
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2009)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Silvino Jacques, nascido em São Borja (RS), foi um militar brasileiro.

Afilhado do presidente Getúlio Vargas, participou como capitão na Revolução Constitucionalista de 1932, em favor do padrinho. Depois de terminado o conflito, por ordem do presidente, começou a perseguir os paraguaios radicados na região Sul do Brasil e se colocou a serviço dos latifundiários.

Recebeu apoio do Exército, que lhe fornecia armamento. Tornou-se bandoleiro perigoso, tendo-se juntado a Raída, em cujos braços morreu em 1939, aos 33 anos de idade, vitimado por uma bala de fuzil. O projétil que vitimou Silvino partiu do delegado de captura Orcíro, pai do ex-governador de Mato Grosso do Sul Zeca do PT.

BibliografiaEditar

  • IBANHES, Brígido. Silvino Jacques, o Último dos Bandoleiros.
  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.