Simão, o Sapateiro


Simão, o Sapateiro (em grego: Σίμων Ἀθηναῖος, σκυτοτόμος; fl. c. final do século V a. C.) era um associado de Sócrates e um "filósofo trabalhador". Ele é conhecido principalmente pelo relato de Diógenes Laércio em Vidas e Doutrinas dos Filósofos Ilustres. Ele também é mencionado de passagem por Plutarco[1] e Sinésio;[2] sabe-se que um aluno de Sócrates, Fédon de Elis, escreveu um diálogo chamado Simão.[3]

InfluênciaEditar

Xenofonte relata que, como os jovens não tinham permissão para entrar na Ágora, eles costumavam se reunir em oficinas ao redor.[4] Sócrates frequentava essas lojas para conversar com os comerciantes, sendo Simão um deles. Simão teria se dedicado a passar essas conversas à escrita, tanto quanto ele conseguia se lembrar delas. Estes foram os primeiros diálogos socráticos.[5] De fato, a excelência de Simão na arte de fabricar sapatos seria uma forma de conhecimento que Sócrates, da Apologia de Platão,[6] considerou o único exemplo de conhecimento genuíno.[7]

Os escritos de Simão atraíram a atenção de Péricles, que se ofereceu para provê-lo se Simão viesse e residisse com ele. O sapateiro recusou, alegando que não queria renunciar à sua independência.

PostmortemEditar

  "Para ti, não há ninguém maior em sabedoria, nem jamais haverá".  

Aristipo, para Antístenes sobre Simão, o Sapateiro.[8]

Vários filósofos posteriores associaram Simão a um certo modo de vida filosófico.[7]

Os cínicos parecem ter idealizado Simão. Entre as epístolas cínicas sobreviventes, existem algumas cartas socráticas espúrias, escritas no século II ou III, nas quais vários alunos de Sócrates, incluindo Antístenes, Aristipo e Xenofonte, debatem a filosofia do ponto de vista cínico. Simão é descrito nessas cartas como uma figura ideal do tipo cínico. Uma dessas cartas pretende vir do próprio Simão e é dirigida a Aristipo:

Ouvi dizer que você ridiculariza nossa sabedoria na presença de Dionísio. Admito que sou sapateiro e trabalho dessa natureza, e da mesma maneira, se necessário, cortaria tiras mais uma vez com a finalidade de advertir homens tolos que pensam que estão vivendo em grande luxo. Antístenes será o castigador de suas brincadeiras tolas. Pois você está escrevendo cartas que tiram sarro do nosso modo de vida. Mas deixe que o que eu lhe disse em tom de brincadeira seja suficiente. De qualquer forma, lembre-se da fome e da sede, pois elas valem muito para aqueles que buscam o autocontrole.[9]

No Cataplus de Luciano, um grupo de mortos, incluindo o tirano Megapentes, é transportado para o submundo no barco de Charonte. Luciano combina seu cínico ideal, Cyniscus, com o sapateiro Micyllus, que é o único que aceita seu destino - embora com resignação. Aqui, Luciano segue uma convenção literária de seu tempo ao emparelhar um cínico com um sapateiro.[10][nota 1] Da influência dos cínicos, os estoicos também se inspiraram em Simão. Diz-se que Zenão de Cítio produziu uma coleção de histórias sobre Crates.[11] Estobeu preserva um:[12]

Zeno disse que Crates estava sentado em uma sapateira e lendo em voz alta o Protréptico de Aristóteles, que ele havia escrito para Temison, o rei cipriota. Nele, ele disse que ninguém tinha mais vantagens por ser filósofo, pois possuía grande riqueza para poder gastar dinheiro com essa atividade e ainda manter sua reputação intacta. E Zenão disse que, enquanto Crates estava lendo, o sapateiro estava atento, mas continuou o tempo todo costurando. E Crates disse: "Parece-me, Filisco, que devo escrever um Protréptico para você, pois vejo que você tem mais vantagens em ser filósofo do que o homem para quem Aristóteles escreveu".

HistoricidadeEditar

DúvidaEditar

Alguns estudiosos sugeriram que Simão era uma figura puramente ficcional.[13][14] O argumento central de sua existência é sua omissão nas obras de Platão, Xenofonte e Aristófanes - as fontes primárias de Sócrates. Outros estudiosos[nota 2] apontam que a ausência de evidência não é evidência de ausência.[10]

Se ele é de fato fictício, ele provavelmente teria sido inventado por Fédon de Elis em seu diálogo Simão - do qual, apenas alguns fragmentos sobrevivem.[10]

Apoio, suporteEditar

Investigações arqueológicas revelaram os restos de uma loja perto do Tholos, no canto sudoeste da Ágora de Atenas, sendo recuperadas quantidades de tachas de sandálias e uma base de vasos com a palavra "De Simão" (em grego: ΣΙΜΟΝΟΣ) inscrito nele.[15] Os céticos afirmam que não se pode ter certeza se esta é a loja de Simão.[13]

Nas epístolas cínicas, Simão é referenciado por Antístenes e Aristipo, e até participa da troca. No entanto, essas cartas são criações romanas posteriores. [16]

Nos Héracles de Antístenes, faz-se referência a Simão. Assim, seria improvável que ele fosse uma criação literária de dois primeiros escritores: Antístenes e Fédon de Élis.[10]

No registro dos diálogos de Simão, a falta de ordem de Diógenes Laércio e a repetição de alguns títulos apontam contra as obras serem invenções.[7]

R. F. Hock conclui que a falta de informação e interesse em Simão, o Sapateiro, é atestada pelo fato de que "ele veio em função de um contexto muito específico" e que "era realmente admirado apenas por cínicos estritos".[10]

TrabalhoEditar

Diógenes atribui aos escritos de Simão como sendo os primeiros diálogos socráticos.[5] Foi sugerido que todos os seus trabalhos poderiam caber no comprimento de duas páginas de Stephanus.[7]

Assim como o próprio Simão, a realidade desses trabalhos perdidos também tem sido questionada, mas a falta de ordem na lista de Diógenes e a repetição de alguns títulos apontam para o fato de ser uma invenção.[7]

Diógenes Laércio lista trinta e três conversas (dialogi) que estavam contidas em um volume. Os títulos de suas obras são os seguintes:[17]

Notas

  1. Explicitamente, os pares que temos são Antístenes com Simão, Crates com Philiscus e Cyniscus com Micyllus.
  2. Referenciado no trabalho de R. F. Hock, R. Hirzel e H. Hobein, são oferecidos como exemplos de dissidentes de sua ficcionalização.[10]

Referências

  1. Plutarch, Maxime cum principibus philosopho esse disserendum, 776b
  2. Synesius, Dion, 14
  3. Diogenes Laërtius, Lives and Opinions of Eminent Philosophers, ii. 105; Suda, Phaidon
  4. Xenophon, Memorabilia. 4.2.1
  5. a b Diogenes Laërtius, Lives and Opinions of Eminent Philosophers, ii.123
  6. Plato, Apology 22c–e
  7. a b c d e J. Sellars, (2003), Simon the Shoemaker and the Problem of Socrates. Classical Philology 98, 207-216.
  8. L. Kohler, Die Briefe des Sokrates und der Sokratiker (Philologus Suppl. 20.2, Leipzig 1928) Ep.9.1. (p.24; lines 10-11)
  9. Socratic Epistle 12, in A. J. Malherbe, (1977) The Cynic Epistles, A Study Edition. SBL.
  10. a b c d e f R. F. Hock, (1976), Simon the Shoemaker as an ideal Cynic, Greek, Roman and Byzantine Studies 17. 41-53.
  11. Diogenes Laërtius, Lives and Opinions of Eminent Philosophers, vi.91
  12. Stobaeus. 4.32.21
  13. a b Kahn, Charles H. (2000). Plato and the Socratic Dialogue : the Philosophical Use of a Literary Form. [S.l.: s.n.] ISBN 9780521648301 
  14. E. Zeller, (1868), Socrates and the Socratic Schools, trans. O. J. Reichel. Longmans, Green & Co.
  15. D. B. Thompson, (1960), The House of Simon the Shoemaker, Archeology 13, 234-240.
  16. Abraham J. Malherbe, (1977), The Cynic Epistles: A Study Edition. SBL
  17. Predefinição:Cite LotEP

Leitura adicionalEditar

  • R. F. Hock, (1976), Simon the Shoemaker as an ideal Cynic, Greek, Roman and Byzantine Studies 17. 41-53.
  • J. Sellars, (2003), Simon the Shoemaker and the Problem of Socrates. Classical Philology 98, 207-216.