Abrir menu principal

Wikipédia β

Sing for Me

canção por Christina Aguilera

"Sing for Me" é uma canção da cantora norte-americana Christina Aguilera, gravada para o seu sétimo álbum de estúdio Lotus. Foi escrita pela própria em conjunto com Aeon "Step" Manhan e Ginny Blackmore, sendo que a produção também ficou a cargo de Manhan. Embora não tenha recebido qualquer tipo de lançamento em destaque, devido às vendas digitais após a edição do trabalho de originais, conseguiu entrar e alcançar a 125.ª posição na tabela musical da Coreia do Sul, South Korea Gaon International Chart, com 2 306 cópias vendidas no país.

"Sing for Me"
Canção de Christina Aguilera
do álbum Lotus
Gravação 2012
Duração 4:00
Editora(s) RCA
Composição Christina Aguilera, Aeon "Step" Manhan, Ginny Blackmore
Produção Aeon "Step" Manhan
Faixas de Lotus
"Let There Be Love"
(6)
"Blank Page"
(8)

A canção é classificada musicalmente como uma balada, sendo que o seu arranjo musical consiste no uso de fortes vocais, acordes de guitarra e acompanhamento de piano. Liricamente, o tema foi descrito com um dos mais emotivos no trabalho pela própria Aguilera, sendo que também revelou que a sua inspiração partiu de músicas que costumava ouvir enquanto estava a crescer, de artistas como Whitney Houston, Mariah Carey e Etta James. "Sing for Me" recebeu análises positivas por parte dos profissionais devido aos vocais demonstrados pela cantora. Chegou a ser comparada e denominada como uma nova versão de "Beautiful" enquanto que alguns analistas consideraram que era a resposta ao fraco desempenho comercial do disco antecessor, Bionic.

Índice

Antecedentes e desenvolvimentoEditar

Após o lançamento do sexto álbum de estúdio de Christina, Bionic, em 2010, que falhou em obter um desempenho comercial positivo,[1] sucedeu-se o divórcio do seu ex-marido Jordan Bratman, a sua estreia em cinema com o musical Burlesque e a gravação da banda sonora de acompanhamento.[2] Posteriormente, a cantora tornou-se treinadora no concurso The Voice transmitido pela NBC, e foi convidada para colaborar com a banda Maroon 5 em "Moves like Jagger", que esteve durante quatro semanas na liderança da Billboard Hot 100 dos Estados Unidos.[3] Após estes acontecimentos, Aguilera anunciou que queria gravar o seu sétimo disco de originais, afirmando que ambicionava por faixas "pessoais" e de excelente qualidade.[3] Numa entrevista, a intérprete falou sobre o significado do trabalho e revelou o seguinte:[4]

A cantora manifestou ainda que o disco seria sobre "auto-expressão e liberdade" por causa dos problemas pessoais que tinha superado durante o último par de anos.[5] No programa The Tonight Show with Jay Leno em 2012, Christina falou sobre o seu novo material e confirmou que estava a demorar a gravar porque "não gostava de apenas obter as músicas a partir dos produtores". "Gosto que venham de um lugar pessoal... Estou muito animada, rematou, "É divertido, emocionante, introspetivo, e vai ser extraordinário".[6]

Conceção e inspiraçãoEditar

Whitney Houston (esquerda), Mariah Carey (direita) e Etta James, artistas que afirmou ouvir bastante durante a sua infância e crescimento, ajudaram Aguilera na sua inspiração.

Ao falar sobre Lotus, Christina afirmou ter escrito e gravado muitas canções, esperando "que inspirassem a próxima geração de vocalistas".[7] A artista revelou que a sua experiência como treinadora no The Voice levou a "procurar mais profundamente" e encontrar uma nova inspiração, devido à forma como se sente quando precisa de "manter um certo padrão vocal".[7] Em entrevista com a Billboard, Aguilera comentou de que forma o facto de participar no concurso a encorajou a gravar "Sing for Me", e por isso considera ser especial para si:[8]

Estilo musical e letraEditar

 
Demonstração de 27 segundos de "Sing for Me", que foi construída através de "suaves" sintetizadores, uma melodia "delicada" de piano e sons de bateria ao estilo "dos anos 80".

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

"Sing for Me" é uma canção classificada como uma balada poderosa,[9] com a produção de Aeon "Step" Manhan[10] e uma duração de quatro minutos (4:00).[11] A sua gravação decorreu em 2012, sendo que Oscar Ramirez tratou da gravação dos vocais no estúdio The Red Lip's Room em Beverly Hills, na Califórnia.[10] Step, além de produzir o tema, realizou toda a sua programação, arranjos e instrumental.[10] A sua composição foi construída através de "suaves" sintetizadores, com uma melodia "delicada" de piano e um "estilo a anos 80" através do uso da bateria no final.[12] O desempenho vocal de Christina foi comparado aos movimentos projetados pela ginasta Gabrielle Douglas por Mike Wass do portal Idolator.[13] O analista considerou que, mesmo com Carey a considerar o melisma projectado de uma forma "exagerada", as notas "encaixam na natureza da melodia".[13]

A letra foi escrita por Aguilera, Manhan e Ginny Blackmore.[10] Liricamente, Andrew Hampp da Billboard considerou que o tema tem um "estrondoso" refrão irónico e destacou a frase "Porque quando eu abro a minha boca, todo o meu coração sai".[14] De acordo com Chris Younie do canal 4Music, Aguilera projeta a canção como "se a sua vida dependesse disso", considerando que a "balada reflexiva" podia ser o resultado criado pela cantora "a interpretar "Beautiful" sozinha no seu quarto após o fraco desempenho comercial de Bionic".[12] Segundo os especialistas, a obra representa uma "linha ténue" entre a "sua mágoa sobre a reação" ao seu disco anterior "e a desgraça pessoal que ocasionalmente coloca [como inspiração] em algumas das piores faixas do álbum".[13] O excerto "Eu não me importo com o que o mundo pensa ou como eu soou" foi descrito como uma forma da artista "expressar as suas inseguranças".[15]

Receção pela críticaEditar

Após o lançamento do disco, a canção recebeu análises geralmente positivas por parte dos média especializados. Andrew Hampp da revista Billboard considerou que se "Army of Me" era a resposta de Lotus para o trabalho de 2003, "Fighter", então "Sing for Me" tem "como objetivo ser uma nova versão de "Beautiful" de 2002".[14] Hampp escreveu ainda que a sua melodia era "um dom para fãs obstinados" de Aguilera.[14] Robert Copsey do sítio Digital Spy afirmou que estava "realmente impressionado com a balada" e realçou a palavra "destino" e a frase "não há lugar para te esconderes" como uma maneira de "afastar as inseguranças".[15] Chris Younie do canal 4Music expressou admiração pela obra, assinalando que "mostra o valor como cantora" de Christina, além de que não precisa de "roupas justas" para causar uma boa impressão.[12] Sarah Godfrey do jornal The Washington Post classificou a música, em conjunto com "Blank Page", como "vulneráveis" e cheias "de grandes notas e metáforas banais, combinação que poderia chamar a atenção dos fãs e relembrar "Beautiful"".[16] Annie Zaleski do The A.V. Club relatou que em "Sing for Me", a artista "discute o seu trabalho através dos arrependimentos e recuperando a sua própria consciência, respectivamente". Zaleski disse ainda que o tema "permite que sua voz, ainda potente, domine e a sua entrega apaixonada transmita o quão significativo é para ela".[17]

Melinda Newman do portal HitFix opinou que a canção começa de uma forma "defensiva", mas à medida que vai progredindo, torna-se "gloriosa",[18] além de que Mike Wass, do sítio Idolator, destacou como um dos pontos altos no álbum.[13] Mesfin Fekadu pelo The Huffington Post nomeou o facto de a faixa ser um "hino pessoal" de Aguilera.[19] Caomhan Keane do Entertainment.ie sublinhou que em "Sing for Me" e "Best of Me", a intérprete "mantém-se friamente longe da introspeção, regressando ao foco nos seus próprios demónios e como tem sido difícil superá-los".[20] Jim Farber do Daily News realçou que Christina "enfatiza que nada nem ninguém pode tirar a sua glória e o poder que deriva da sua voz", mas criticou a forma como "esmurra as notas contra o chão enquanto fala sobre o seu triunfo".[21] A obra provocou um certo desapontamento a Sal Cinquemani, da revista Slant, que embora tenha considerado os vocais da cantora "bonitos", também escreveu que a balada era "demasiado bombástica".[9]

Desempenho nas tabelas musicaisEditar

Após o lançamento do disco, a faixa conseguiu entrar e alcançar a 125.ª posição na tabela musical da Coreia do Sul, South Korea Gaon International Chart, com vendas avaliadas em 2,306 cópias.[22]

PosiçõesEditar

Tabela musical (2012) Melhor
posição
  Coreia do Sul - Gaon International Chart[22] 125

CréditosEditar

Todo o processo de elaboração da canção atribui os seguintes créditos pessoais:[10]

Referências

  1. Becky Bain (23 de Agosto de 2012). «Christina Aguilera's Demo Of New Single 'Your Body' Surfaces: Listen» (em inglês). Idolator. Consultado em 27 de Março de 2013 
  2. Andrew Hampp (21 de Setembro de 2012). «Christina Aguilera: Billboard Cover Story» (em inglês). Billboard. Consultado em 27 de Março de 2013 
  3. a b Marc Schneider (11 de Abril de 2012). «Christina Aguilera, Cee Lo Hit the Studio» (em inglês). Billboard. Consultado em 27 de Março de 2013 
  4. Lynn Elber (28 de Agosto de 2012). «Christina Aguilera: New album is a 'rebirth'» (em inglês). Yahoo! Music. Consultado em 27 de Março de 2013 
  5. Gerrick Kennedy D. (13 de Setembro de 2012). «Christina Aguilera readies new album 'Lotus'» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 27 de Março de 2013 
  6. «Christina Aguilera: 'New album is quality over quantity'» (em inglês). Digital Spy. 27 de Maio de 2012. Consultado em 27 de Março de 2013 
  7. a b Lewis Corner (5 de Novembro de 2012). «Christina Aguilera unveils new ballad 'Blank Page' – listen» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 1 de Outubro de 2013 
  8. Andrew Hampp (21 de Setembro de 2012). «Christina Aguilera: Billboard Cover Story (Part. 2) – Billboard» (em inglês). Billboard. Consultado em 1 de Outubro de 2013 
  9. a b Sal Cinquemani (4 de Novembro de 2012). «Christina Aguilera: Lotus» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  10. a b c d e (2012) Créditos do álbum Lotus por Christina Aguilera, pg. 13. RCA Records.
  11. «Lotus by Christina Aguilera» (em inglês). iTunes Store. Consultado em 12 de Abril de 2013 
  12. a b c Chris Younie (2 de Novembro de 2012). «News: Review: Christina Aguilera – Lotus» (em inglês). 4Music. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  13. a b c d Mike Wass (13 de Novembro de 2012). «Christina Aguilera's 'Lotus': Album Review» (em inglês). Idolator. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  14. a b c Andrew Hampp (12 de Novembro de 2012). «Christina Aguilera, 'Lotus': Track-By-Track Review» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de Abril de 2013 
  15. a b Robert Copsey (2 de Novembro de 2012). «Christina Aguilera's new album 'Lotus': First listen» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  16. Sarah Godfrey (12 de Novembro de 2012). «Album review: 'Lotus' by Christina Aguilera» (em inglês). The Washington Post. Consultado em 6 de Junho de 2013 
  17. Annie Zaleski (13 de Novembro de 2012). «Christina Aguilera: Lotus» (em inglês). The A.V. Club. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  18. Melinda Newman (12 de Novembro de 2012). «Album Review: Christina Aguilera blooms on 'Lotus'» (em inglês). HitFix. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  19. Mesfin Fekadu (12 de Novembro de 2012). «Christina Aguilera, 'Lotus' Review: Good, But Not Great» (em inglês). The Huffington Post. Consultado em 21 de Setembro de 2013 
  20. Caomhan Keane (27 de Novembro de 2012). «Music Review - Christina Aguilera - Lotus» (em inglês). Entertainment.ie. Consultado em 6 de Junho de 2013 
  21. Jim Farber (13 de Novembro de 2012). «Album review: Christina Aguilera's 'Lotus'» (em inglês). Daily News. Consultado em 6 de Junho de 2013 
  22. a b «다운로드 순위집계 : 온라인 음원 다운로드 수» (em coreano). Gaon Chart. Consultado em 21 de Setembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de Julho de 2013