Abrir menu principal

Sociedade Secreta Silvestre

Sociedade Secreta Silvestre (SSS)
Datas das operações 2011 - Presente
Líder Anhangá(nome real desconhecido),[1] Gestão horizontal
Motivos Luta contra a civilização e o progresso científico e tecnológico
Área de atividade Brasil
Ideologia Ecoterrorismo, Ecocentrismo, Neo-ludismo, Anarcoprimitivismo, Anarquismo individualista
Efetivo (Desconhecido)
Principais ações Incêndio (crime), Explosões.
Status Ecoterrorista
Tamanho (Desconhecido)
Relação com outros grupos
Aliados Individualistas que Tendem ao Selvagem

A Sociedade Secreta Silvestre é um grupo ecoterrorista brasileiro ligado ao grupo terrorista Individualistas que Tendem ao Selvagem - ITS (mexicano) que se autodefinem como eco-extremistas[2].

As autoridades brasileiras vem investigando o grupo terrorista[3] depois que o presidente e ministros receberam ameaças[4]. Segundo a revista Veja a SSS possivelmente já cometeram pelo menos uns três atentados de menor intensidade no Brasil[1]. Em outros países o ITS são acusados de planejar e executar ataques a políticos, empresários e professores universitários, principalmente enviado a essas pessoas pacotes explosivos pelo correio, por exemplo, o ocorrido no Instituto Tecnológico e de Estudos Superiores de Monterrey (ITESM), onde o professor e cientista mexicano Armando Herrera Corral sofreu ferimentos nas suas pernas, e como sequela ficou surdo[5].

Através do seu blog Maldição eco-extremista (Maldición Eco-extremista em espanhol) o grupo terroristas fazem vários comunicados e alguns deles foram referentes a ameaças de morte ao o Presidente Jair Bolsonaro e aos ministros, Ricardo de Aquino Salles e Damares Alves[6].

A Sociedade Secreta Silvestre revindica vários atentados no Brasil como sendo de sua autoria, como por exemplo, a explosão de uma bomba em um estacionamento de Shopping em Brasilia onde um eletricista ficou gravemente ferido em 2014[7][8], A SSS também teria planejado metralhar ministros do STF,[9] teriam também colocado uma bomba na porta do Santuário Menino Jesus em Brasilia,[10] e também teriam incendiado carros do Ibama em Brasília.[11][1]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «Líder de grupo terrorista revela plano para matar Bolsonaro». VEJA.com. Consultado em 19 de julho de 2019 
  2. «Carta ao Leitor: o dever de informar». VEJA.com. Consultado em 19 de julho de 2019 
  3. «PF investiga grupo que ameaça Bolsonaro e ministros». Valor Econômico. 17 de maio de 2019. Consultado em 19 de julho de 2019 
  4. Derosa, Cristian (17 de maio de 2019). «Grupo ecoterrorista e anticristão ameaça Bolsonaro e ministros alinhados a ele». Estudos Nacionais. Consultado em 19 de julho de 2019 
  5. Phillips, Leigh (30 de agosto de 2012). «Nanotechnology: Armed resistance». Nature News (em inglês). 488 (7413). 576 páginas. doi:10.1038/488576a 
  6. Inteligentes, PDi Publicador Digital Inteligente-MSWI Soluções Web. «Grupo extremista faz nova ameaça pública: "Damares no vale da morte"». agoraparana.uol.com.br. Consultado em 19 de julho de 2019 
  7. DF, Do G1 (25 de agosto de 2014). «Vítima de explosão em shopping está em estado 'gravíssimo', diz GDF». Distrito Federal. Consultado em 19 de julho de 2019 
  8. «Grupo eco-extremista reivindica autoria de explosão em estacionamento de Brasília». www.novanews.com.br. Consultado em 19 de julho de 2019 
  9. «Bolsonaro está na mira de grupo terrorista, aponta revista». JBr. 19 de julho de 2019. Consultado em 19 de julho de 2019 
  10. «Polícias Civil e Federal investigam bomba deixada em igreja de Brazlândia». JBr. 31 de dezembro de 2018. Consultado em 19 de julho de 2019 
  11. Braziliense, Correio; Braziliense, Correio (19 de julho de 2019). «Integrante da Sociedade Secreta Silvestre tem plano para matar Bolsonaro». Correio Braziliense. Consultado em 19 de julho de 2019 
  Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.