Abrir menu principal

Society for Psychical Research

Logo.

A Society for Psychical Research (SPR) é uma organização sem fins lucrativos que se iniciou no Reino Unido e depois se constituiu em outros países. O seu fim declarado é a compreensão dos "eventos e habilidades comumente descritas como psíquicas ou paranormais através da promoção e apoio a importantes pesquisas nesta area" e "examinar alegados fenômenos paranormais de maneira científica e imparcial."[1]

HistóriaEditar

Foi fundada em 1882 por um grupo de eminentes pensadores, entre os quais Edmund Gurney, Frederic William Henry Myers, William Fletcher Barrett, Henry Sidgwick, e Edmund Dawson Rogers. O quartel-general da Sociedade era em Marloes Road, Londres. Ela publicou quadrimestralmente o Journal of the Society for Psychical Research (JSPR), o sem periodicidade Proceedings e a revista Paranormal Review. Manteve uma conferência anual, palestras regulares e dois dias de estudos por ano.

A sua equivalente francesa, a Société Française pour Recherche Psychique, publica o Journal de la Société Française pour Recherche Psychique (JSFRP). A sua equivalente estadunidense, a American Society for Psychical Research, publica o Journal of the American Society for Psychical Research (JASPR).

Proposta e organizaçãoEditar

A sua proposta foi a de encorajar a pesquisa científica dos fenómenos psíquicos ou paranormais, de modo a estebelecer a sua autenticidade. A pesquisa foi inicialmente focada em seis áreas: telepatia, mesmerismo e fenómenos similares, médiuns, aparições, fenómenos físicos associados às sessões espíritas e, finalmente, a história de todos esses fenómenos. A Sociedade é dirigida por um presidente e um concelho de vinte pessoas. A organização reparte-se entre Londres e Cambridge (onde se localizam os arquivos).

A Sociedade francesa foi constituída em 1885 como Société Française pour Recherche Psychique (SFRP). Posteriormente, um ramo estadunidense formou-se com o nome American Society for Psychical Research (ASPR) também em 1885, vindo a tornar-se afiliado à Sociedade original em 1890. Autores estadunidenses por vezes denominam incorretamente a SPR como British Society for Psychical Research (BSPR), para distinguí-la da dos Estados Unidos, mas essa modificação não deve ser feita.

HojeEditar

A Sociedade declara o seu principal objetivo como a "compreensão dos eventos e habilidades comumente descritas como psíquicas ou paranormais pela promoção e apoio de importante pesquisa nessa área." A Sociedade obteve e disseminou um grande número de dados relativos ao paranormal. A SPR publica o periódico Journal of the Society for Psychical Research que inclui artigos acerca de pesquisas tanto de laboratório como de campo, assim como trabalhos de natureza metodológica, histórica e teórica abrangendo um largo campo de especialidades concernentes ao campo da parapsicologia. A Sociedade construiu uma ampla biblioteca e arquivo, parte dos quais são mantidos na Universidade de Cambridge.[1][2]

A Sociedade conta com figuras bem conhecidas entre os seus membros, entre as quais se incluem Dean Radin, Peter Underwood, Charles Tart e Tom Ruffles. Investigadores de fenómenos espontâneos (fantasmas, etc.) incluem Maurice Grosse e Guy Lyon Playfair que investigaram os eventos do Enfield Poltergeist.[3]

PresidentesEditar

Segue a lista cronológica dos presidentes da Sociedade:

Society for Psychical Research
1882-1884   Henry Sidgwick (1838-1900)
1885-1887 Balfour Stewart (1827-1887)
1888-1892   Henry Sidgwick (→ 1882)
1893 Arthur Balfour (1848-1930),
1894-1895 William James (1842-1910)
1896-1899 Sir William Crookes (1832-1919)
1900 Frederick William Henry Myers (1843-1901)
1901-1903 Sir Oliver Lodge (1851-1940)
1904 Sir William Fletcher Barrett (1845-1926)
1905 Charles Richet (1850-1935)
1906-1907 Gerald Balfour (1853-1945)
1908-1909 Eleanor Sidgwick (1845-1936)
1910 Henry Arthur Smith (1848-1922)
1911 Andrew Lang (1844-1912)
1912 William Boyd Carpenter (1841-1918)
1913 Henri Bergson (1859-1941)
1914 Ferdinand Canning Scott Schiller (1864-1937)
1915-1916 Gilbert Murray (1866-1957)
1917-1918 Lawrence Pearsall Jacks (1860-1955)
1919 John Strutt, 3rd Baron Rayleigh (1842-1919)
1920-1921 William McDougall (1871-1938)
1922 Thomas Walter Mitchell (*1869; †1944)
1923 Camille Flammarion (1842-1925)
1924-1925 John George Piddington (1869-1952)
1926-1927 Hans Driesch (1867-1941)
1928-1929 Sir Lawrence Jones (1885-1955)
1930-1931 Walter Franklin Prince (*1863; †1934)
1932 Eleanor Sidgwick (→ 1908) und Oliver Lodge
1933-1934 Edith Lyttelton (geb. Balfour; 1865-1948)
1935-1936 C. D. Broad (1887-1971)
1937-1938 Robert Strutt, 4th Baron Rayleigh (1875-1947)
1939-1941 Henri Haberley Price (1899-1984)
1942-1944 Robert Henry Thouless (1894-1984)
1945-1946 George N. M. Tyrrell (1879-1952)
1947-1948 William Henry Salter (1880-1969)
1949 Gardner Murphy (1895-1979)
1950-1951 Samuel George Soal (1889-1975)
1952 Gilbert Murray (→ 1915)
1953-1955 Frederick Stratton (1881-1960)
1956-1958 Guy William Lambert (1889-1984)
1958-1960 C. D. Broad (→ 1935)
1960-1961 Henri Haberley Price (→ 1939)
1960-1963 Eric Robertson Dodds (1893-1979)
1963-1965 Donald James West (* 1924)
1965-1969 Sir Alister Hardy (1896-1985)
1969-1971 W. A. H. Rushton (1901-1980)
1971-1974 Clement William Kennedy Mundle (* 1920)
1974-1976 John Beloff (1920-2006)
1976-1979 Arthur J. Ellison (1920-2000)
1980 Joseph Banks Rhine (1895-1980)
1980 Louisa Ella Rhine (1891-1983)
1981-1983 Arthur J. Ellison (→ 1976)
1984-1988 Donald James West (→ 1963)
1988-1989 Ian Stevenson (1918-2007)
1992-1993 Alan Gauld
1993-1995 Archie Roy
1995-1998 David Fontana
1998-1999 Donald James West (→ 1963, → 1984)
2000-2004 Bernard Carr
2004-2007 John Poynton
2007-2011 Deborah Delanoy
2011- Richard S. Broughton


Referências

  1. a b «SPR website». Consultado em 10 de setembro de 2009. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007 
  2. «Edinburgh University Website». Consultado em 10 de setembro de 2009. Arquivado do original em 3 de março de 2007 
  3. Playfair, G. L. & Grosse, M. (1988). "Enfield Revisited: the evaporation of positive evidence". Journal of the Society for Psychical Research 55 pp. 208-219.

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar