Abrir menu principal
Um monte de térmitas feito pelo cupim catedral
Uma colônia de coral

Um superorganismo ou supraorganismo (este último é menos frequentemente usado, mas mais etimologicamente correto)[1] é um grupo de organismos sinergeticamente interativos da mesma espécie. Uma comunidade de organismos sinergeticamente interativos de diferentes espécies é chamada de holobionte.

Índice

ConceitoEditar

O termo superorganismo é usado com mais frequência para descrever uma unidade social de animais eusociais, onde a divisão do trabalho é altamente especializada e onde os indivíduos não são capazes de sobreviver sozinhos por longos períodos. As formigas são o exemplo mais conhecido desse superorganismo. Um superorganismo pode ser definido como "uma coleção de agentes que podem atuar em conjunto para produzir fenômenos governados pelo coletivo",[2] sendo qualquer fenômeno "a colmeia quer", como formigas coletando comida e evitando predadores,[3][4] ou abelhas escolhendo um novo local de nidificação.[5] Superorganismos tendem a exibir homeostase, escalonamento da lei de potência, desequilíbrio persistente e comportamentos emergentes.[6]

O termo foi cunhado em 1789 por James Hutton, o "pai da geologia", para se referir à Terra no contexto da geofisiologia. A hipótese de Gaia de James Lovelock[7] e Lynn Margulis, bem como o trabalho de Hutton, Vladimir Vernadsky e Guy Murchie, sugeriram que a própria biosfera pode ser considerada um superorganismo, embora isso tenha sido contestado.[8] Esta visão refere-se à teoria de sistemas e à dinâmica de um sistema complexo.

O conceito de superorganismo levanta a questão do que deve ser considerado um indivíduo. A crítica de Toby Tyrrell à hipótese de Gaia argumenta que o sistema climático da Terra não se parece com o sistema fisiológico de um animal. As biosferas planetárias não são rigidamente reguladas da mesma maneira que os corpos animais são: "os planetas, diferentemente dos animais, não são produtos da evolução. Portanto, temos o direito de ser altamente céticos (ou até mesmo desdenhosos) sobre esperar algo semelhante a um 'superorganismo'". Ele conclui que "a analogia do superorganismo é injustificada".[8]

Alguns cientistas sugeriram que seres humanos individuais podem ser considerados "superorganismos";[9] como um sistema digestivo humano típico contém 1013 a 1014 de microrganismos cujo genoma coletivo, o microbioma estudado pelo Projeto Microbioma Humano, contém pelo menos 100 vezes mais genes do que o próprio genoma humano.[10][11] Salvucci escreveu que o superorganismo é outro nível de integração que é observado na natureza. Esses níveis incluem os níveis genômico, orgânico e ecológico. A estrutura genômica do organismo revela o papel fundamental da integração e do rearranjo genético ao longo da evolução.[12]

Na teoria socialEditar

O pensador do século XIX, Herbert Spencer, cunhou o termo super-orgânico para se concentrar na organização social (o primeiro capítulo dos Princípios de Sociologia é intitulado "Evolução Super-orgânica"[13]), embora aparentemente fosse uma distinção entre o orgânico e o social, não uma identidade: Spencer explorou a natureza holística da sociedade como um organismo social, enquanto distinguia as maneiras pelas quais a sociedade não se comportava como um organismo.[14] Para Spencer, o super-orgânico era uma propriedade emergente de organismos interagentes, isto é, seres humanos. E, como foi argumentado por D. C. Phillips, existe uma "diferença entre emergência e reducionismo".[15]

O economista Carl Menger expandiu a natureza evolutiva de grande parte do crescimento social, mas sem nunca abandonar o individualismo metodológico. Muitas instituições sociais surgiram, argumentou Menger, não como "o resultado de causas socialmente teleológicas, mas o resultado não intencional de inúmeros esforços de sujeitos econômicos perseguindo interesses 'individuais'".[16]

Spencer e Menger argumentaram que, por serem indivíduos que escolhem e agem, qualquer todo social deve ser considerado menos que um organismo, embora Menger tenha enfatizado isso mais enfaticamente. Spencer usou a ideia organística para se envolver em uma análise ampliada da estrutura social, admitindo que era principalmente uma analogia. Assim, para Spencer, a ideia do super-orgânico melhor designava um nível distinto de realidade social acima da biologia e da psicologia, e não uma identidade de um-para-um com um organismo. No entanto, Spencer afirmava que "todo organismo de tamanho apreciável é uma sociedade", sugerindo a alguns que a questão pode ser terminológica.[17]

O termo superorgânico foi adotado pelo antropólogo Alfred L. Kroeber em 1917.[18] Os aspectos sociais do conceito de superorganismo são analisados em Marshall (2002).[19] Por fim, trabalhos recentes em psicologia social ofereceram a metáfora do superorganismo como uma estrutura unificadora para compreender diversos aspectos da sociabilidade humana, como religião, conformidade e processos de identidade social.[20]

Na cibernéticaEditar

Os superorganismos são importantes na cibernética, particularmente na biocibernética. Eles exibem uma forma de "inteligência distribuída", um sistema no qual muitos agentes individuais com inteligência e informações limitadas são capazes de reunir recursos para atingir uma meta além das capacidades dos indivíduos. A existência de tal comportamento nos organismos tem muitas implicações para aplicações militares e de gestão, e está sendo ativamente pesquisada.[21]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Lüttge, Ulrich (ed.); Cánovas, Francisco M. (ed.); Matyssek, Rainer (ed.). Progress in Botany 77. Springer, 2016, p. 223. “Note that etymologically, the Latin word ‘supra’ means ‘higher’ in the sense of ordination, whereas ‘super’ implies a spatial order. Thus, in contrast to the mainly used notion of ‘superorganism’, we prefer to stay with the notion of a ‘supraorganism’.”
  2. Kelly, Kevin (1994). Out of control: the new biology of machines, social systems and the economic world (em inglês). Boston: Addison-Wesley. p. 98. ISBN 978-0-201-48340-6 
  3. «The Self-Organizing Exploratory Pattern of the Argentine Ant». Journal of lnsect Behavior (em inglês). 3 (2): 159-168. 1989. CiteSeerX 10.1.1.382.9846 . doi:10.1007/BF01417909  Parâmetro desconhecido |citeseerx= ignorado (ajuda)
  4. «Differentiated Anti-Predation Responses in a Superorganism». PLOS ONE (em inglês). 10 (11): e0141012. 2015. PMC 4641648 . PMID 26558385. doi:10.1371/journal.pone.0141012 
  5. «Deciding on a new home: how do honeybees agree?». Proceedings of the Royal Society B (em inglês). 269 (1498): 1383-1388. 2002. PMC 1691030 . PMID 12079662. doi:10.1098/rspb.2002.2001 
  6. «Kevin Kelly: Technium Unbound - The Long Now». longnow.org. Consultado em 12 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2019 
  7. Gaia: A New Look at Life on Earth, James Lovelock, Oxford University Press, 1979
  8. a b Tyrrell, Toby (2013). On Gaia: A Critical Investigation of the Relationship between Life and Earth (em inglês). Princeton: Princeton University Press. p. 209. ISBN 9780691121581 
  9. Kramer, Peter; Bressan, Paola (2015). «Humans as Superorganisms: How Microbes, Viruses, Imprinted Genes, and Other Selfish Entities Shape Our Behavior». Perspectives on Psychological Science (em inglês). 10 (4): 464-481. ISSN 1745-6916. PMID 26177948. doi:10.1177/1745691615583131 
  10. Gill, S. R.; Pop, M.; Deboy, R. T.; Eckburg, P. B.; Turnbaugh, P. J.; Samuel, B. S.; Gordon, J. I.; Relman, D. A.; et al. (2 de junho de 2006). «Metagenomic Analysis of the Human Distal Gut Microbiome». Science (em inglês). 312 (5778): 1355-1359. PMC 3027896 . PMID 16741115. doi:10.1126/science.1124234 
  11. Salvucci, E. (1 de maio de 2012). «Selfishness, warfare, and economics; or integration, cooperation, and biology». Frontiers in Cellular and Infection Microbiology (em inglês). 2: 54. PMC 3417387 . PMID 22919645. doi:10.3389/fcimb.2012.00054 
  12. Salvucci, E. (Maio de 2016). «Microbiome, Holobiont and the net of life». Crit Rev Microbiol (em inglês). 42 (3): 485-494. PMID 25430522. doi:10.3109/1040841X.2014.962478 
  13. The Principles of Sociology, Vol. 1, Part 1. "The Data of Sociology", Herbert Spencer, 1876
  14. The Principles of Sociology, Vol. 1, Part 2, Chapter II, "A Society Is an Organism" (sections 222 and 223), Herbert Spencer, 1876
  15. Holistic Thought in Social Science, D. C. Phillips, Stanford University Press, 1976, p. 123
  16. Investigations into the Method of the Social Sciences with Special Reference to Economics, Carl Menger, Louis Schneider (translator), New York University Press, 1985
  17. The Political Philosophy of Herbert Spencer, Tim S. Gray, 1996, p. 211
  18. Patterns of Culture, Ruth Benedict, Houghton Mifflin, 1934, p. 231
  19. Marshall, Alan (2002). «THE UNITY OF NATURE: Wholeness and Disintegration in Ecology and Science» (em inglês). Londres: Imperial College Press. Consultado em 12 de agosto de 2019. Arquivado do original em 6 de julho de 2007 
  20. Kesebir, Selin (26 de setembro de 2011). «The Superorganism Account of Human Sociality: How and When Human Groups are Like Beehives». Rochester, NY. Personality and Social Psychology Review (em inglês) (16): 233-261. Consultado em 12 de agosto de 2019 
  21. Kelly, Kevin (1994). Out of control: the new biology of machines, social systems and the economic world (em inglês). Boston: Addison-Wesley. p. 251. ISBN 978-0-201-48340-6. If Col. Thorpe [of the US DARPA] has his way, the four divisions of the US military and hundreds of industrial subcontractors will become a single interconnected superorganism. The immediate step to this world of distributed intelligence is an engineering protocol developed by a consortium of defense simulation centers in Orlando Florida ... 

LiteraturaEditar

Ligações externasEditar