Surto de Ebola na África Ocidental

Surto de Ébola na África Ocidental em 2014
Disambig grey.svg Nota: Para o surto de ébola na República Democrática do Congo e Uganda, veja Surto de ébola em Kivu de 2018–2020.
Surto de Ebola na África Ocidental
2014 ebola virus epidemic in West Africa simplified.svg
Doença Ébola
Local Guiné, Libéria, Serra Leoa, Nigéria, Senegal, Mali, Estados Unidos e Espanha.
Estatísticas globais
País Casos Mortes Notas
Libéria 10,675 4,809 encerrada em 9 de maio de 2015[1]
Serra Leoa 14,124 3,956 encerrada em 17 de março de 2016[2]
Guiné 3,811 2,453 encerrada em 1 de junho de 2016[3]
Nigéria 20 8 encerrada em 19 de outubro de 2014
Mali 8 6 encerrada em 18 de janeiro de 2015
 Estados Unidos 4 1 encerrada em 21 de dezembro de 2014[4]
 Reino Unido 1 0 encerrada em 10 de março de 2015
Senegal 1 0 encerrada em 17 de outubro de 2014
Flag of Spain.svg Espanha 1 0 encerrada em 2 de dezembro de 2014[5]
 Itália 1 0 encerrada em 20 de julho de 2015
Total 28,646 11,323 a partir de 8 de Maio de 2016

O surto do vírus Ebola da África Ocidental (2013-2016) foi a epidemia que mais disseminou a doença pelo vírus Ebola (EVD) na história - causando grande perda de vidas e perturbações socioeconômicas na região, principalmente na Guiné, Libéria e Serra Leoa.

Os primeiros casos foram registrados na Guiné em dezembro de 2013. Mais tarde, a doença se espalhou para a vizinha Libéria e Serra Leoa,[6] com pequenos surtos ocorrendo em outros lugares. Causou mortalidade significativa, com uma taxa de mortalidade relatada inicialmente considerável[6][7][8][nota 1] , enquanto a taxa entre pacientes hospitalizados foi de 57 a 59%,[9] o número final de 28.616 pessoas, incluindo 11.310 mortes, para uma taxa de letalidade de 40%.[10] Pequenos surtos ocorreram na Nigéria e Mali,[11][12] e casos isolados foram registrados no Senegal,[13] no Reino Unido e na Itália.[8][14] Além disso, os casos importados levaram à infecção secundária de trabalhadores médicos nos Estados Unidos e na Espanha, mas não se espalharam mais.[15][16] O número de casos atingiu o pico em outubro de 2014 e começou a declinar gradualmente, após o comprometimento de recursos internacionais substanciais. Em 8 de maio de 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os respectivos governos notificaram um total de 28.646 casos suspeitos e 11.323 mortes[17] (39,5%), embora a OMS acredite que isso subestime substancialmente a magnitude do surto.[18][19]

Em 8 de agosto de 2014, foi declarada uma emergência de saúde pública de âmbito internacional[20] e em 29 de março de 2016, a OMS encerrou o status de emergência de saúde pública de âmbito internacional do surto.[21][22][23][24] Ocorreram crises subsequentes. O último foi declarado encerrado em 9 de junho de 2016, 42 dias após o último caso ser negativo em 28 de abril de 2016 em Monróvia.[25]

O surto deixou cerca de 17.000 sobreviventes da doença, muitos dos quais relatam sintomas pós-recuperação denominados síndrome pós-Ebola, muitas vezes graves o suficiente para exigir cuidados médicos por meses ou até anos. Uma causa adicional de preocupação é a aparente capacidade do vírus de "esconder-se" no corpo de um sobrevivente recuperado por um longo período de tempo e depois se tornar ativo meses ou anos depois, no mesmo indivíduo ou em um parceiro sexual.[26] Em dezembro de 2016, a OMS anunciou que um teste de dois anos da vacina rVSV-ZEBOV parecia oferecer proteção contra a variante do EBOV responsável pelo surto na África Ocidental. A vacina é considerada eficaz e é a única profilática que oferece proteção; portanto, 300.000 doses foram armazenadas.[27][28] O rVSV-ZEBOV recebeu aprovação regulatória em 2019.[29][30]

Visão geralEditar

A doença do vírus Ebola (vulgarmente conhecida como "Ebola") foi descrita pela primeira vez em 1976 em dois surtos simultâneos na República Democrática do Congo e no que hoje é o Sudão do Sul.[31] O surto de 2013–2016, causado pelo vírus Ebola (EBOV),[32] foi o primeiro em qualquer lugar do mundo a atingir proporções epidêmicas. Surtos anteriores foram controlados em um período muito menor de tempo. Pobreza extrema, sistemas de saúde disfuncionais, desconfiança do governo após anos de conflito armado e atraso na resposta por vários meses contribuíram para o fracasso no controle da epidemia. Outros fatores, segundo relatos da mídia, incluíam costumes funerários locais de lavagem do corpo e a disseminação sem precedentes do Ebola para cidades densamente povoadas.[33][34][35][36][37]

À medida que o surto progredia, os relatórios da mídia, muitos hospitais, com falta de pessoal e suprimentos, foram sobrecarregados e fechados, levando alguns especialistas em saúde a afirmar que a incapacidade de tratar outras necessidades médicas pode estar causando "um número adicional de mortes [que provavelmente excederá o surto propriamente dito ".[38][39] Os funcionários do hospital, que trabalhavam em estreita colaboração com os fluidos corporais altamente contagiosos das vítimas, eram especialmente vulneráveis à contração do vírus; em agosto de 2014, a OMS informou que dez por cento dos mortos eram trabalhadores da saúde.[40] Em setembro de 2014, estimou-se que a capacidade dos países afetados para tratar pacientes com Ebola era insuficiente pelo equivalente a 2.122 leitos; no entanto, em dezembro de 2014 havia leitos suficientes para tratar e isolar todos os casos relatados, embora a distribuição desigual de casos estivesse resultando em sérios déficits em algumas áreas.[41]

A OMS tem sido amplamente criticada por sua demora em tomar medidas para combater a epidemia.[42] Em 8 de agosto de 2014, declarou o surto uma emergência de saúde pública de interesse internacional.[43] Em setembro de 2014, os Médicos sem Fronteiras (MSF), a organização não governamental com a maior presença de trabalho nos países afetados, havia se tornado cada vez mais crítica em relação à resposta internacional. Em 3 de setembro, o Presidente Internacional de MSF falou sobre a falta de assistência dos países membros das Nações Unidas (ONU): "Seis meses após a pior epidemia de Ebola da história, o mundo está perdendo a batalha para contê-la".[44] Em uma declaração de 26 de setembro, a OMS afirmou que (a) "epidemia de Ebola que assola a África Ocidental é a mais grave emergência aguda de saúde pública vista nos tempos modernos" e seu Diretor-Geral chamou o surto de "o maior, mais complexo e mais grave que já vimos ".[45] Em março de 2015, o Grupo das Nações Unidas para o Desenvolvimento informou que, devido à diminuição do comércio, fechamento de fronteiras, cancelamentos de voos e queda no investimento estrangeiro e na atividade turística alimentada pelo estigma, a epidemia resultou em vastas conseqüências econômicas nas áreas afetadas na África Ocidental e mesmo em outras nações africanas sem casos de Ebola.[46]

Em 28 de janeiro de 2015, a OMS informou que, pela primeira vez desde a semana que terminou em 29 de junho de 2014, houve menos de 100 novos casos confirmados relatados em uma semana nos três países mais afetados. A resposta à epidemia passou para uma segunda fase, à medida que o foco passou de uma redução na transmissão para o fim da epidemia.[47] Em 8 de abril de 2015, a OMS relatou um total de apenas 30 casos confirmados,[48] e a atualização semanal de 29 de julho relatou apenas sete novos casos.[49] Os casos continuaram a diminuir gradualmente e, em 7 de outubro de 2015, todos os três países mais seriamente afetados, segundo relatos da mídia, registraram sua primeira semana conjunta sem novos casos..[50] No entanto, no final de 2015, embora a epidemia em larga escala tivesse terminado, segundo relatos da mídia, novos casos esporádicos ainda estavam sendo registrados, frustrando as esperanças de que a epidemia pudesse ser declarada encerrada.[51]

Em 31 de julho de 2015, a OMS anunciou "um desenvolvimento extremamente promissor" na busca de uma vacina eficaz para a doença pelo vírus Ebola. Embora a vacina tenha demonstrado alta eficácia em indivíduos, foram necessárias evidências mais conclusivas sobre sua capacidade de proteger populações através da imunidade do rebanho.[52][53] Em agosto de 2015, após um progresso substancial na redução da escala da epidemia, a OMS realizou uma reunião para elaborar um "Plano abrangente de assistência aos sobreviventes do Ebola" e identificar as pesquisas necessárias para otimizar o atendimento clínico e o bem-estar social. Afirmando que "o surto de Ebola dizimou famílias, sistemas de saúde, economias e estruturas sociais", a OMS classificou as consequências da epidemia de "uma emergência dentro de uma emergência". Uma preocupação especial é a pesquisa recente que mostra que alguns sobreviventes do Ebola experimentam a chamada "síndrome pós-Ebola", com sintomas tão graves que os sobreviventes podem precisar de cuidados médicos por meses e até anos.[54][55] Como a principal epidemia estava chegando ao fim em dezembro de 2015, a ONU anunciou que 22.000 crianças haviam perdido um ou ambos os pais para o Ebola.[56] Em 29 de março de 2016, o Diretor Geral da OMS encerrou o status de Emergência em Saúde Pública de Interesse Internacional da epidemia do vírus Ebola na África Ocidental.[21]

EpidemiologiaEditar

SurtoEditar

Geralmente, acredita-se que um garoto de um ano de idade,[57] identificado como Emile Ouamouno, que morreu em dezembro de 2013 na vila de Méliandou, na província de Guéckédou, na Guiné, foi o caso-índice da epidemia na África Ocidental.[58] Os cientistas deduziram que os morcegos estão envolvidos na disseminação do vírus,[59] e, aliás, a casa do garoto ficava nas proximidades de uma grande colônia de morcegos de cauda livre angolana, segundo relatos da mídia.[60] Sua mãe, irmã e avó, segundo relatos da mídia, mais tarde adoeceram com sintomas semelhantes e também morreram; as pessoas infectadas por esses casos iniciais espalham a doença para outras aldeias.[61][62] Havia conhecimento do vírus Tai Forest na Costa do Marfim, que resultou em uma transmissão humana em 1994. Assim, esses primeiros casos foram diagnosticados como outras condições mais comuns na região e a doença levou vários meses para se espalhar antes de ser reconhecida. como Ebola.[58][61]

Em 25 de março de 2014, a OMS indicou que o Ministério da Saúde da Guiné havia relatado um surto da doença pelo vírus Ebola em quatro distritos do sudeste e que estavam sendo investigados casos suspeitos nos países vizinhos da Libéria e Serra Leoa. Na Guiné, um total de 86 casos suspeitos, incluindo 59 mortes, havia sido relatado em 24 de março.[63] No final de maio, o surto se espalhou para Conacri, capital da Guiné - uma cidade de cerca de dois milhões de pessoas.[63] Em 28 de maio, o número total de casos notificados atingiu 281, com 186 mortes..[63]

Na Libéria, a doença foi relatada em quatro municípios em meados de abril de 2014 e casos na capital da Libéria, Monróvia, em meados de junho.[64] O surto então se espalhou para a Serra Leoa e progrediu rapidamente. Em 17 de julho, o número total de casos suspeitos no país era de 442, superando os da Guiné e da Libéria.[65] Em 20 de julho, casos adicionais da doença foram relatados pela mídia no distrito de Bo, enquanto o primeiro caso em Freetown, capital da Serra Leoa, foi relatado no final de julho.[66][67]

À medida que a epidemia progredia, ocorreu um pequeno surto na Nigéria, que resultou em 20 casos e outro no Mali, com 7 casos. Quatro outros países (Senegal, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos da América) também relataram casos importados da África Ocidental, com transmissão generalizada e intensa.[68][69][70]

Em 31 de março de 2015, um ano após o primeiro relato do surto, o número total de casos ultrapassava 25.000 - com mais de 10.000 mortes.[71]

À medida que a epidemia diminuiu, após os esforços internacionais de controle, a edição de 8 de abril de 2015 dos Relatórios de Situação da Ébola da OMS declarou que um total de 30 casos foram relatados[72] e, em 29 de julho de 2015, a atualização semanal da OMS relatou apenas 7 casos - o menor em mais de um ano.[49] Em outubro de 2015, a OMS registrou sua primeira semana sem novos casos[50] e, embora a epidemia em larga escala parecesse ter terminado no final de 2015, novos casos esporádicos continuaram sendo relatados.[51][73] Em 14 de janeiro de 2016, depois de todos os países previamente infectados terem sido declarados livres do Ebola, a OMS informou que "todas as cadeias de transmissão conhecidas foram interrompidas na África Ocidental", mas alertou que novos surtos da doença poderão ocorrer no futuro.[74] No dia seguinte, a Serra Leoa confirmou seu primeiro novo caso desde setembro de 2015.[23]

Países que experimentaram transmissão generalizadaEditar

 Ver artigo principal: Epidemia do vírus Ébola na Guiné

Em 25 de março de 2014, a OMS relatou um surto da doença pelo vírus Ebola em quatro distritos do sudeste da Guiné, com um total de 86 casos suspeitos, incluindo 59 mortes, e MSF ajudou o Ministério da Saúde ao estabelecer centros de tratamento para o Ebola no epicentro do surto.[63] Em 31 de março, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) enviaram uma equipe de cinco pessoas para ajudar na resposta ao surto.[63] Pensando que a propagação do vírus havia sido contida, MSF fechou seus centros de tratamento em maio, deixando apenas uma equipe de esqueletos para lidar com a região de Macenta. No entanto, no final de agosto, de acordo com relatos da mídia, um grande número de novos casos reapareceu na região.[75]

Em fevereiro de 2015, a mídia informou que a Guiné registrou um aumento de casos pela segunda semana consecutiva,[76] autoridades de saúde afirmaram que isso estava relacionado ao fato de que "apenas agora estavam tendo acesso a aldeias distantes", onde a violência havia ocorrido. impediu-os de entrar anteriormente.[77] Em 14 de fevereiro, a violência eclodiu e um centro de tratamento de Ebola perto do centro do país foi destruído. As equipes da Cruz Vermelha da Guiné disseram que sofreram uma média de 10 ataques por mês em relação ao ano anterior.[78] O MSF relatou que a aceitação da educação sobre o Ebola permaneceu baixa e que mais violência contra seus trabalhadores poderia forçá-los a sair.[79]

A resistência a intervenções de autoridades de saúde entre a população guineense permaneceu maior do que na Serra Leoa e na Libéria, segundo relatos da mídia, levantando preocupações sobre seu impacto nos esforços em andamento para deter a epidemia; em meados de março, houve 95 casos novos e em 28 de março, e uma "emergência de saúde" de 45 dias foi declarada em 5 regiões do país.[80][81] Em 22 de maio, a OMS relatou outro aumento de casos, segundo relatos da mídia,[82] que se acreditava serem devidos a transmissões funerárias.[83] Em 25 de maio, seis pessoas foram colocadas em isolamento na prisão depois que foram encontradas viajando com o cadáver de um indivíduo que morreu da doença.[84] Em 1º de junho, foi relatado que protestos violentos em uma cidade do norte da Guiné, na fronteira com a Guiné-Bissau, haviam feito a Cruz Vermelha retirar seus trabalhadores.[85]

No final de junho de 2015, a OMS informou que "a incidência semanal de casos parou entre 20 e 27 casos desde o final de maio, enquanto os casos continuam a surgir de fontes desconhecidas de infecção e a serem detectados somente após testes post mortem da comunidade". mortes ".[86] Em 29 de julho, foi relatado um declínio acentuado nos casos,[49] com apenas um caso, por relatórios de mídia deixados no final da semana,[87] o número de casos eventualmente se estabilizando em 1 ou 2 casos por semana após o início de agosto.[88]

Em 28 de outubro, outros 3 casos foram relatados na prefeitura de Forécariah pela OMS.[89] Em 6 de novembro, uma reportagem da mídia indicou que a vila de Tana era o último local conhecido com o Ebola no país,[90] e em 11 de novembro, a OMS indicou que não foram relatados casos de Ebola na Guiné; essa foi a primeira vez desde o início da epidemia, que nenhum caso havia sido relatado em nenhum país.[91] Em 15 de novembro, os últimos indivíduos em quarentena foram liberados, de acordo com relatos da mídia[92] e em 17 de novembro, o último paciente de Ebola na Guiné - um bebê de três semanas de idade - se recuperou; a contagem regressiva de 42 dias para o país declarado livre do Ebola começou em 17 de novembro, um dia após o paciente ter realizado um segundo exame de sangue negativo consecutivo.[93][94][95] O paciente recebeu alta do hospital em 28 de novembro, de acordo com relatos da mídia[96] em 29 de dezembro de 2015, após o término do período de espera de 42 dias, a OMS declarou a Guiné livre de Ebola.[97]

Em 17 de março de 2016, o governo da Guiné relatou, pela mídia, que duas pessoas haviam testado positivo novamente para o vírus Ebola em Korokpara,[98] também foi relatado que eles eram da aldeia onde membros de uma família haviam morrido recentemente. vômito (e diarreia).[99] Em 19 de março, também foi noticiado pela mídia que outro indivíduo havia morrido devido ao vírus no centro de tratamento em Nzérékoré,[100] consequentemente, o governo do país colocou em quarentena uma área ao redor da casa onde os casos ocorreram.[101] Em 22 de março, a mídia informou que as autoridades médicas da Guiné colocaram em quarentena 816 contatos suspeitos dos casos anteriores (mais de 100 indivíduos foram considerados de alto risco).[102][103] No mesmo dia, a Libéria ordenou o fechamento de sua fronteira com a Guiné.[104] A província de Macenta, a 200 quilômetros de Korokpara, registrou a quinta fatalidade da Guiné devido à doença pelo vírus Ebola no mesmo período.[105] Em 29 de março, foi relatado que cerca de 1.000 contatos foram identificados (142 deles de alto risco),[21] e em 30 de março 3 casos confirmados foram relatados pela subprefeitura de Koropara.[106] Em 1º de abril, foi relatado pela mídia que possíveis contatos, numerados às centenas, haviam sido vacinados com uma vacina experimental usando uma abordagem de vacinação em anel.[107][108]

Em 5 de abril de 2016, foi relatado pela mídia que houve 9 novos casos de Ebola desde que o vírus ressurgiu, dos quais 8 foram fatais.[109] Em 1 de junho, após o período de espera estipulado, a OMS declarou novamente Guiné-livre de Ebola,[110] após o qual o país entrou em um período de 90 dias de vigilância intensificada, que foi concluída em 30 de agosto de 2016.

Em setembro de 2016, foram publicadas descobertas sugerindo que o ressurgimento na Guiné foi causado por um sobrevivente do Ebola que, após oito meses de abstinência, teve relações sexuais com vários parceiros, incluindo a primeira vítima do novo surto.[111][112] A doença também se espalhou para a Libéria por uma mulher que foi para lá depois que o marido morreu de Ebola.[113]

Serra LeoaEditar

 
Hospital de Kenema, Serra Leoa

A primeira pessoa relatada infectada na Serra Leoa, de acordo com relatos da mídia, era um curandeiro tribal que estava tratando pacientes com Ebola do outro lado da fronteira com a Guiné e morreu em 26 de maio de 2014; de acordo com a tradição tribal, seu corpo foi lavado para enterro, e isso parece ter levado a infecções em mulheres de cidades vizinhas.[114] Em 11 de junho, Serra Leoa fechou suas fronteiras para o comércio com a Guiné e a Libéria e fechou algumas escolas, na tentativa de retardar a propagação do vírus.[115] Em 30 de julho, o governo começou a enviar tropas para impor quarentenas[116] e Em 15 de outubro, o último distrito da Serra Leoa, anteriormente intocado pela doença, havia declarado casos de Ebola.[117]

Durante a primeira semana de novembro, houve relatos de um agravamento da situação devido à intensa transmissão em Freetown. De acordo com o Comitê de Emergência em Desastres, a escassez de alimentos resultante de quarentenas agressivas estava piorando a situação[118] e, em 4 de novembro, a mídia relatou que milhares haviam violado a quarentena em busca de alimentos na cidade de Kenema.[119] Com o número de casos continuando a aumentar, um coordenador de MSF descreveu a situação na Serra Leoa como "catastrófica", dizendo: "existem várias aldeias e comunidades que foram basicamente exterminadas ... Comunidades inteiras desapareceram, mas muitas delas são não nas estatísticas."[120] Em meados de novembro, a OMS informou que, embora houvesse alguma evidência de que o número de casos não estava mais aumentando na Guiné e na Libéria, aumentos acentuados persistiram na Serra Leoa.[68]

 
Crise do Ebola: Mais ajuda do Reino Unido chega à Serra Leoa

Em 9 de dezembro de 2014, as notícias descreviam a descoberta de "uma cena sombria" - pilhas de corpos, pessoal médico sobrecarregado e equipes de enterro esgotadas - no remoto distrito oriental de Kono.[121] Em 15 de dezembro, o CDC indicou que sua principal preocupação era a Serra Leoa, onde a epidemia não mostrava sinais de diminuir, pois os casos continuavam a aumentar exponencialmente; na segunda semana de dezembro, Serra Leoa havia registrado quase 400 casos - mais de três vezes o número relatado pela Guiné e pela Libéria juntos. De acordo com o CDC, "o risco que enfrentamos agora [é] que o ebola irá ferver, se tornar nativo e ser um problema para a África e o mundo nos próximos anos".[122] Em 17 de dezembro, o Presidente Koroma, da Serra Leoa, lançou a "Operação Surto na Área Oeste" e os trabalhadores foram de porta em porta na capital, procurando possíveis casos.[123][124] A operação levou a um aumento nos relatos de casos, com 403 novos casos relatados entre 14 e 17 de dezembro.[123][125]

De acordo com o Relatório da Situação da OMS de 21 de janeiro de 2015, a incidência de casos estava diminuindo rapidamente na Serra Leoa.[126][127][128] No entanto, em fevereiro e março, os relatórios indicaram um aumento novamente no número de casos.[129][130][131][132] No mês seguinte, o relatório da OMS de 5 de abril divulgou novamente uma tendência de queda[133] e a atualização semanal da OMS de 29 de julho registrou um total de apenas 3 novos casos, o menor em mais de um ano.[49] [54] Em 17 de agosto, o país marcou sua primeira semana sem novos casos,[134] e uma semana depois os últimos pacientes foram liberados.[135] No entanto, um novo caso surgiu em 1º de setembro, quando uma paciente da vila de Sella Kafta, no distrito de Kambia, deu positivo para a doença após sua morte.[136] Seu caso acabou resultando em três outras infecções entre seus contatos.[137]

Em 14 de setembro de 2015, o Centro Nacional de Resposta ao Ebola da Serra Leoa confirmou a morte de uma criança de 16 anos em uma vila no distrito de Bombali.[138] Suspeita-se que ela tenha contraído a doença no sêmen de uma sobrevivente do Ebola que recebeu alta em março de 2015.[139] Em 27 de setembro, uma nova contagem regressiva de 42 dias começou a declarar o país livre do Ebola,[140] que ocorreu em 7 de novembro de 2015; a partir de então, o país aumentou sua vigilância na fronteira com a Guiné.[141][142]

A Serra Leoa havia entrado em um período de 90 dias de vigilância aprimorada que estava programada para terminar em 5 de fevereiro de 2016, quando, em 14 de janeiro, uma nova morte por Ebola foi relatada no distrito de Tonkolili.[143][144] Antes desse caso, a OMS havia aconselhado que "ainda antecipamos mais surtos e devemos estar preparados para eles. Está em andamento um grande esforço para garantir capacidade robusta de prevenção, vigilância e resposta nos três países até o final de março".[145]

Em 16 de janeiro, os trabalhadores humanitários relataram que uma mulher havia morrido do vírus e que ela pode ter exposto vários indivíduos; o governo anunciou mais tarde que 100 pessoas haviam sido colocadas em quarentena.[146] As investigações indicaram que o falecido era uma aluna de Lunsar, no distrito de Port Loko, que havia ido ao distrito de Kambia em 28 de dezembro de 2015 antes de retornar sintomática. Ela também visitou o distrito de Bombali para consultar um herbalista e depois foi para um hospital do governo em Magburaka. A OMS indicou que havia 109 contatos (28 deles de alto risco), que havia outros 3 contatos ausentes e que a fonte ou via de transmissão que causou a fatalidade era desconhecida.[147]

Um segundo novo caso - confirmado pelo porta-voz da OMS Tarik Jasarevic para envolver um parente de 38 anos e cuidador da vítima de Ebola acima mencionada - tornou-se sintomático em 20 de janeiro enquanto estava sob observação em um centro de quarentena.[148][149] Em 22 de janeiro, foi relatado que esse paciente estava respondendo ao tratamento.[150] Em 26 de janeiro, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, confirmou oficialmente que o surto ainda não havia terminado.[23]

Naquele mesmo dia, também foi relatado que as restrições ao Ebola haviam interrompido a atividade de mercado no distrito de Kambia em meio a protestos.[151] Em 7 de fevereiro, 70 indivíduos foram liberados da quarentena,[152] e em 8 de fevereiro o último paciente de Ebola também foi liberado.[153] Em 17 de fevereiro, a OMS indicou que 2.600 sobreviventes do Ebola haviam acessado avaliações de saúde e exames oftalmológicos.[154]

Em 4 de fevereiro de 2016, o último caso conhecido apresentou resultado negativo pela segunda vez consecutiva e a Serra Leoa iniciou outra contagem regressiva de 42 dias para ser declarada livre do Ebola.[155][156] Em 17 de março de 2016, a OMS anunciou que o surto de Serra Leoa havia terminado e que não se sabia que outras cadeias de transmissão estavam ativas naquele momento.[157] A mídia informou que a Serra Leoa entrou em um período de 90 dias de vigilância intensificada, concluída em 15 de junho de 2016, e foi relatado que em 15 de julho o país havia interrompido o teste de cadáveres para o vírus.[158]

LibériaEditar

 Ver artigo principal: Epidemia do vírus Ebola na Libéria

Na Libéria, a doença foi relatada nos municípios de Lofa e Nimba no final de março de 2014.[159] Em 27 de julho, a Presidente Ellen Johnson Sirleaf anunciou que a Libéria fecharia suas fronteiras, com exceção de alguns pontos de passagem, como o aeroporto, onde seriam estabelecidos centros de triagem.[160]] Escolas e universidades foram fechadas,[161][162] e as áreas mais afetadas do país foram colocadas em quarentena.[163]

Com apenas 50 médicos em todo o país - um para cada 70.000 cidadãos - a Libéria já estava em crise de saúde.[164] Em setembro, o CDC informou que alguns hospitais haviam sido abandonados, enquanto os que ainda funcionavam careciam de instalações e suprimentos básicos.[165] Em outubro, o embaixador da Libéria em Washington teria dito que temia que seu país estivesse "quase em colapso".[166] Até 24 de outubro, todos os 15 municípios haviam relatado casos de Ebola.[167][168]

Em novembro de 2014, a taxa de novas infecções na Libéria parecia estar em declínio e o estado de emergência foi levantado. Acredita-se que a queda nos casos esteja relacionada a uma estratégia integrada que combina isolamento e tratamento com mudança de comportamento da comunidade, incluindo práticas de enterro seguras, busca de casos e rastreamento de contatos.[169][170]

Em janeiro de 2015, o coordenador de campo de MSF informou que a Libéria reduziu para apenas 5 casos confirmados.[171] Em março, depois de duas semanas sem relatar novos casos, três novos casos foram confirmados.[172] Em 8 de abril, um novo ministro da saúde foi nomeado em um esforço para acabar com o Ebola no país e, em 26 de abril, MSF entregou a instalação de tratamento do Ebola, ELWA-3, ao governo.[173] Em 30 de abril, os EUA fecharam uma unidade especial de tratamento de Ebola na Libéria.[174] O último caso conhecido de Ebola morreu em 27 de março[175] e o país foi oficialmente declarado livre do Ebola em 9 de maio de 2015, após 42 dias, sem que nenhum outro caso fosse registrado. A OMS felicitou a Libéria dizendo: "alcançar esse marco é um testemunho da forte liderança e coordenação da Presidente da Libéria Ellen Johnson Sirleaf e do Governo da Libéria, da determinação e vigilância das comunidades liberianas, do amplo apoio de parceiros globais e do incansável e heróico trabalho das equipes de saúde locais e internacionais ".[176] Em maio de 2015, o país permaneceu em alerta máximo contra a recorrência da doença.[177][178][179]

Depois de três meses sem novos relatos de casos, em 29 de junho, a Libéria informou que o corpo de um menino de 17 anos de idade, que havia sido tratado para malária, apresentou resultado positivo para o Ebola. A OMS disse que o garoto estava em contato próximo com pelo menos 200 pessoas,[180] que estavam acompanhando, e que "o caso não tinha histórico recente de viagens, contato com visitantes das áreas afetadas ou participação em funerais". Um segundo caso foi confirmado em 1º de julho.[181][182]

Depois que um terceiro novo caso foi confirmado em 2 de julho e foi descoberto que todos os três novos casos haviam compartilhado uma refeição de carne de cachorro, os pesquisadores analisaram a possibilidade de que a carne estivesse envolvida na transferência do vírus.[183][184] O teste dos restos mortais do cão, no entanto, foi negativo para o vírus Ebola.[185] Em 9 de julho, mais 3 casos foram descobertos, elevando o número total de novos casos para 5, todos da mesma área.[186] Em 14 de julho, uma mulher morreu da doença no município de Montserrado, elevando o total para 6.[187] Em 20 de julho, os últimos pacientes receberam alta,[188] e em 3 de setembro de 2015, a Libéria foi declarada livre do Ebola novamente.[189]

Depois de dois meses livres do Ebola, um novo caso foi confirmado em 20 de novembro de 2015, quando um menino de 15 anos foi diagnosticado com o vírus[190][191] e dois membros da família também tiveram resultados positivos.[192][193] As autoridades de saúde estavam preocupadas porque a criança não havia viajado recentemente ou sido exposta a alguém com Ebola e a OMS afirmou que "acreditamos que isso provavelmente seja novamente, de alguma forma, alguém que entrou em contato com um vírus que persistia em um indivíduo , que haviam sofrido a doença meses atrás. " Dois funcionários do CDC foram enviados ao país para ajudar a determinar a causa dos novos casos.[194] O garoto infectado morreu em 24 de novembro[195] e em 3 de dezembro 2 casos restantes foram liberados após a recuperação da doença.[196]

A contagem regressiva de 42 dias para a Libéria, declarada livre do Ebola, pela terceira vez, começou em 4 de dezembro de 2015.[197] Em 16 de dezembro, a OMS reafirmou que os casos na Libéria foram o resultado do ressurgimento do vírus em uma pessoa previamente infectada[198] e houve especulações de que o menino pode ter sido infectado por um indivíduo que se tornou infeccioso mais uma vez. devido à gravidez, o que pode ter enfraquecido seu sistema imunológico.[199] Em 18 de dezembro, a OMS indicou que ainda considerava o Ebola na África Ocidental uma emergência de saúde pública, embora houvesse progresso.[200]

Depois de completar o período de 42 dias, a Libéria foi declarada livre do vírus em 14 de janeiro de 2016, encerrando efetivamente o surto que havia começado na vizinha Guiné 2 anos antes. A Libéria iniciou um período de 90 dias de vigilância reforçada, programada para terminar em 13 de abril de 2016,[201] mas em 1 de abril, foi relatado que havia ocorrido uma nova fatalidade do Ebola,[202] e em 3 de abril, um segundo caso foi relatado em Monróvia.[203] Em 4 de abril, foi relatado que 84 indivíduos estavam sob observação devido ao contato com os dois casos confirmados de Ebola.[204] Em 7 de abril, a Libéria havia confirmado 3 novos casos desde que o vírus ressurgiu e um total de 97 contatos, incluindo 15 profissionais de saúde, estavam sendo monitorados.[205] O caso-índice da nova crise foi relatado como sendo a esposa de um paciente que morreu de Ebola na Guiné; ela viajou para Monróvia após o funeral, mas sucumbiu à doença.[206] O surto na Guiné, por sua vez, começou quando um homem, que havia sobrevivido ao Ebola, teve relações sexuais com uma mulher e passou o vírus para ela, mesmo que ele tivesse se recuperado mais de um ano antes.[111][112]

Em 29 de abril, a OMS informou que a Libéria havia dado alta ao último paciente e começado a contagem regressiva de 42 dias para ser declarada livre do Ebola mais uma vez. De acordo com a OMS, os testes indicaram que o surto provavelmente ocorreu devido ao contato com os fluidos corporais infectados por um sobrevivente de Ebola anterior.[113] [117] Em 9 de junho, o surto foi declarado terminado e o país livre do Ebola, devido à passagem do período de 42 dias.[207][208] A Libéria entrou em um período de 90 dias de vigilância intensificada, que terminou em 7 de setembro de 2016. No início de julho de 2016, foi iniciado um teste para homens com RNA detectável do Ebola no sêmen.[209]

Países da África Ocidental com casos locais limitadosEditar

SenegalEditar

Em março de 2014, o Ministério do Interior do Senegal fechou sua fronteira sul com a Guiné,[210] mas em 29 de agosto, o ministro da Saúde anunciou o primeiro caso do país - um estudante universitário da Guiné que estava sendo tratado em um hospital de Dakar.[211] O paciente era natural da Guiné e viajou para Dakar, chegando em 20 de agosto. Em 23 de agosto, ele procurou atendimento médico para sintomas como diarréia e vômitos, além de sinais de febre. Ele recebeu tratamento para a malária, mas não melhorou e deixou a instalação. Ainda com os mesmos sintomas, em 26 de agosto, ele foi encaminhado para uma unidade especializada em doenças infecciosas e posteriormente hospitalizado.[211]

Em 28 de agosto de 2014, as autoridades da Guiné emitiram um alerta informando seus serviços médicos e países vizinhos de que uma pessoa que estava em contato próximo com um paciente infectado pelo Ebola havia escapado do sistema de vigilância. O alerta levou ao teste do Ebola no laboratório de Dakar e o resultado positivo iniciou uma investigação, desencadeando o rastreamento urgente de contatos.[211] Em 10 de setembro, foi relatado que o estudante havia se recuperado, mas as autoridades de saúde continuaram monitorando seus contatos por 21 dias.[212] Não foram relatados casos adicionais[213] e, em 17 de outubro de 2014, a OMS declarou oficialmente que o surto no Senegal havia terminado.[167]

A OMS elogiou oficialmente o governo senegalês e, em particular, o Presidente Macky Sall e o Ministro da Saúde, Dr. Awa Coll-Seck, por sua resposta em isolar rapidamente o paciente e rastrear e acompanhar 74 contatos, bem como por sua conscientização pública. campanha. Esse reconhecimento também foi estendido a MSF e ao CDC por sua assistência.[214]

NigériaEditar

 Ver artigo principal: Ébola na Nigéria

O primeiro caso na Nigéria foi um liberiano-americano, que voou da Libéria para a cidade mais populosa de Lagos em 20 de julho de 2014. Em 6 de agosto de 2014, o ministro da Saúde da Nigéria disse a repórteres que uma das enfermeiras que atendeu ao liberiano havia morrido. da doença. 5 casos recém-confirmados estavam sendo tratados em uma ala de isolamento.[215]

Em 22 de setembro de 2014, o Ministério da Saúde da Nigéria anunciou: "Atualmente, não há nenhum caso de Ebola na Nigéria". Segundo a OMS, foram confirmados 20 casos e 8 óbitos, incluindo o caso importado, que também morreu. 4 dos mortos eram profissionais de saúde que cuidaram do caso-índice.[216]

O representante da OMS na Nigéria declarou oficialmente o país livre do Ebola em 20 de outubro de 2014, depois que nenhum novo caso ativo foi relatado nos contatos de acompanhamento, afirmando que era uma "espetacular história de sucesso".[217] A Nigéria foi o primeiro país africano a ser declarado livre do Ebola.[218] Isso ocorreu em grande parte devido aos esforços de quarentena do Dr. Ameyo Stella Adedovah no First Consultants Medical Center, em Lagos.[219]

MaliEditar

 Ver artigo principal: Doença pelo vírus Ébola no Mali

Em 23 de outubro de 2014, o primeiro caso da doença pelo vírus Ebola no Mali foi confirmado na cidade de Kayes - uma menina de dois anos que chegou com um grupo familiar da Guiné e morreu no dia seguinte.[220][221] Seu pai havia trabalhado para a Cruz Vermelha na Guiné e também em uma clínica de saúde privada; ele havia morrido no início do mês, provavelmente devido a uma infecção por Ebola contraída na clínica particular. Mais tarde, foi estabelecido que vários membros da família também haviam morrido de Ebola. A família retornou ao Mali após o funeral do pai em ônibus e táxi públicos - uma viagem de mais de 1.200 quilômetros (750 milhas). Todos os contatos foram seguidos por 21 dias, sem a disseminação da doença relatada.[222]

Em 12 de novembro de 2014, o Mali registrou mortes por Ebola em um surto não relacionado ao primeiro caso em Kayes. O primeiro caso provável foi um imã que adoeceu em 17 de outubro na Guiné e foi transferido para a Clínica Pasteur na capital do Mali, Bamako, para tratamento. Ele foi tratado para insuficiência renal, mas não foi testado para o Ebola; ele morreu em 27 de outubro e seu corpo retornou à Guiné para ser enterrado.[223] Uma enfermeira e um médico que trataram o imã subsequentemente adoeceram com o ebola e morreram.[224][225] Os três casos seguintes também foram relacionados ao imã: um homem que o visitou enquanto ele estava no hospital, sua esposa e seu filho. Em 22 de novembro, foi relatado o caso final relacionado ao imã - um amigo da enfermeira da Clínica Pasteur que havia morrido pelo vírus Ebola.[226] Em 12 de dezembro, o último caso em tratamento se recuperou e teve alta ", para que não haja mais pessoas doentes com Ebola no Mali", segundo uma fonte do Ministério da Saúde.[227] Em 16 de dezembro, o Mali lançou os 13 indivíduos finais que estavam em quarentena[228] e 24 dias depois (18 de janeiro de 2015) sem novos casos, o país foi declarado livre do Ebola.[11]

Outros países com casos locais limitadosEditar

Reino UnidoEditar

Em 29 de dezembro de 2014, Pauline Cafferkey, uma funcionária humanitária britânica que acabara de voltar de Serra Leoa para Glasgow, foi diagnosticada com Ebola.[229] Ela foi tratada e declarada livre de infecção e liberada do hospital em 24 de janeiro de 2015.[230][231] Em 8 de outubro, ela foi readmitida por complicações causadas pelo vírus[232] e estava em estado "sério", segundo um relatório do hospital. Em 14 de outubro, sua condição foi listada como "crítica"[233] e 58 indivíduos estavam sendo monitorados e 25 receberam uma vacinação experimental, sendo contatos próximos.[234][235] Em 21 de outubro, foi relatado que ela havia sido diagnosticada com meningite causada pelo vírus persistente em seu cérebro.[236] Em 12 de novembro, ela foi liberada do hospital após uma recuperação completa.[237] No entanto, em 23 de fevereiro, Cafferkey foi internada pela terceira vez, "sob monitoramento de rotina da Unidade de Doenças Infecciosas ... para investigações adicionais", segundo um porta-voz.[238][239]

ItáliaEditar

Em 12 de maio de 2015, foi relatado que uma enfermeira, que trabalhava na Serra Leoa, foi diagnosticada com Ebola depois de voltar para casa na ilha italiana da Sardenha. Ele foi tratado no Hospital Spallanzani, o centro nacional de referência para pacientes com Ebola.[240] Em 10 de junho, foi relatado que ele havia se recuperado e estava livre de doenças e foi liberado do hospital.[241]

EspanhaEditar

 Ver artigo principal: Doença pelo vírus Ebola na Espanha

Em 5 de agosto de 2014, os Irmãos Hospitalários de São João de Deus confirmaram que o irmão Miguel Pajares, voluntário na Libéria, havia sido infectado. Ele foi evacuado para a Espanha e morreu em 12 de agosto.[242] Em 21 de setembro, foi anunciado que o irmão Manuel García Viejo, outro cidadão espanhol que era diretor médico do Hospital San Juan de Dios em Lunsar, havia sido evacuado da Serra Leoa para a Espanha depois de ter sido infectado pelo vírus. Sua morte foi anunciada em 25 de setembro.[243]

Em outubro de 2014, uma assistente de enfermagem, Teresa Romero, que cuidou desses pacientes ficou doente e em 6 de outubro deu positivo para o Ebola,[244][245] tornando este o primeiro caso confirmado de transmissão do Ebola fora da África. Em 19 de outubro, foi relatado que Romero havia se recuperado e, em 2 de dezembro, a OMS declarou a Espanha livre do Ebola após 42 dias desde que Teresa Romero foi curada.[246]

Estados UnidosEditar

Em 30 de setembro de 2014, o CDC declarou seu primeiro caso de doença pelo vírus Ebola. Ele revelou que Thomas Eric Duncan foi infectado na Libéria e viajou para Dallas, Texas, em 20 de setembro. Em 26 de setembro, ele ficou doente e procurou tratamento médico, mas foi enviado para casa com antibióticos. Ele voltou ao hospital de ambulância em 28 de setembro e foi isolado e testado para o Ebola.[247][248] Ele morreu em 8 de outubro.[249] Dois casos resultaram de Duncan, quando duas enfermeiras que o trataram apresentaram resultado positivo para o vírus nos dias 10 e 14 de outubro[250][251] e terminaram quando foram declaradas livres do Ebola nos dias 24 e 22 de outubro, respectivamente.[252][253]

Um quarto caso foi identificado em 23 de outubro de 2014, quando Craig Spencer, um médico americano que havia retornado aos Estados Unidos após o tratamento de pacientes com Ebola na África Ocidental, deu positivo para o vírus.[254] Este caso, no entanto, não teve relação com os originários de Duncan. Spencer se recuperou e foi liberado do hospital em 11 de novembro.[255]

Países com casos medicamente evacuadosEditar

Várias pessoas infectadas pelo Ebola foram medicamente evacuadas para tratamento em enfermarias isoladas na Europa ou nos EUA. Eles eram principalmente trabalhadores da saúde de uma das ONGs da África Ocidental. Com exceção de um único caso isolado na Espanha, nenhuma infecção secundária ocorreu como resultado das evacuações médicas. Os EUA aceitaram quatro evacuados e três foram levados de avião para a Alemanha.[256][257][258] França,[259][260] Itália,[261] Países Baixos,[262] Noruega,[263][264] Suíça,[265] e Reino Unido receberam dois pacientes (e cinco expostos).[266][267]

Surto não relacionado na República Democrática do CongoEditar

Em agosto de 2014, a OMS relatou um surto do vírus Ebola no distrito de Boende, parte da província de Équateur, norte da República Democrática do Congo (RDC), onde 13 pessoas morreram de sintomas semelhantes ao Ebola.[268] O sequenciamento genético revelou que esse surto foi causado pela espécie Zaire Ebola, que é nativa da RDC; houve sete surtos anteriores de Ebola no país desde 1976. Os resultados de virologia e os resultados epidemiológicos não indicaram nenhuma conexão com a epidemia na África Ocidental.[269][270]

O caso-índice foi inicialmente relatado como sendo uma mulher da vila de Ikanamongo, que adoeceu com os sintomas do Ebola depois que ela matou um animal do mato.[271][272] No entanto, descobertas posteriores sugeriram que pode ter havido vários casos anteriores, e foi relatado que porcos da vila podem ter sido infectados com o Ebola algum tempo antes do primeiro caso humano.[273] A OMS declarou o surto encerrado em 21 de novembro de 2014, após um total de 66 casos e 49 mortes.[274][275]

VirologiaEditar

 
Partículas do vírus Ebola usando micrografia eletrônica
 
Partículas do vírus Ebola

A doença pelo vírus Ebola é causada por quatro dos cinco vírus classificados no gênero Ebolavírus. Dos quatro vírus causadores de doenças, o vírus Ebola (anteriormente e muitas vezes ainda chamado vírus Zaire Ebola) é perigoso e é o vírus responsável pela epidemia na África Ocidental.[276][277] Desde a descoberta dos vírus em 1976, quando ocorreram surtos no Sudão do Sul (então Sudão) e na República Democrática do Congo (então Zaire), a doença pelo vírus Ebola ficou confinada a áreas da África Central, onde é nativa. Com o surto atual, inicialmente pensou-se que uma nova espécie nativa da Guiné poderia ser a causa, em vez de ser importada do Oriente para a África Ocidental.[58] No entanto, estudos posteriores mostraram que o surto provavelmente foi causado por uma linhagem do vírus Ebola que se espalhou da África Central por meio de um hospedeiro animal na última década, com a primeira transferência viral para seres humanos na Guiné.[276][278]

Em um estudo realizado pela Universidade Tulane, o Instituto Broad e a Universidade Harvard, em parceria com o Ministério da Saúde e Saneamento de Serra Leoa, os pesquisadores forneceram informações sobre a origem e transmissão do vírus Ebola que diferencia o surto da África Ocidental dos anteriores, incluindo 341 alterações genéticas no virion.[276] Cinco membros da equipe de pesquisa adoeceram e morreram de Ebola antes da publicação do estudo em agosto de 2014.[276]

Em um relatório divulgado em agosto de 2014, os pesquisadores rastrearam a propagação do Ebola na Serra Leoa do grupo infectado pela primeira vez - 13 mulheres que compareceram ao funeral do curandeiro tradicional, onde contraíram a doença -, dando-lhes uma oportunidade única de rastrear como o vírus havia mudado. Isso proporcionou "a primeira vez que a verdadeira evolução do vírus Ebola [pode] ser observada em humanos". A pesquisa mostrou que o surto na Serra Leoa foi desencadeado por pelo menos duas linhagens distintas introduzidas na Guiné na mesma época. Não está claro se o curandeiro tradicional foi infectado com ambas as variantes, ou se talvez uma das mulheres que compareceu ao funeral foi infectada independentemente. À medida que a epidemia de Serra Leoa progredia, uma linhagem de vírus desapareceu das amostras dos pacientes, enquanto uma terceira apareceu.[279][280][281][282]

Em janeiro de 2015, a mídia afirmou que pesquisadores na Guiné haviam relatado mutações nas amostras de vírus que estavam examinando. Segundo eles, "já vimos vários casos que não apresentam nenhum sintoma, casos assintomáticos. Essas pessoas podem ser as pessoas que podem espalhar melhor o vírus, mas ainda não sabemos disso. Um vírus pode mudar a si mesmo para se tornar menos mortal, mas mais contagioso, e é disso que temos medo."[283] Um estudo de 2015 sugeriu que acelerar a taxa de mutação do vírus Ebola poderia tornar o vírus menos capaz de infectar seres humanos. Neste estudo com animais, o vírus tornou-se praticamente inviável, consequentemente aumentando a sobrevivência.[284]

TransmissãoEditar

Transmissão de animal para humanoEditar

Acredita-se que a infecção inicial ocorra após a transmissão do vírus Ebola a um ser humano pelo contato com os fluidos corporais de um animal infectado. As evidências implicam fortemente os morcegos, pois o reservatório hospeda os ebolavírus (no entanto, apesar de pesquisas consideráveis, os ebolavírus infecciosos nunca foram recuperados dos morcegos).[285][286] Os morcegos jogam frutas e polpas parcialmente comidas e, em seguida, mamíferos terrestres como gorilas e duikers se alimentam dessa fruta caída. Essa cadeia de eventos forma um possível meio indireto de transmissão do hospedeiro natural para as populações animais.[287] Como não foram encontrados primatas na área infectados e os morcegos frutíferos não moram perto do local do evento inicial de transmissão zoonótica em Meliandou, Guiné, suspeita-se que o caso índice tenha ocorrido depois que uma criança teve contato com um morcego insetívoro de um colônia de morcegos de cauda livre angolanos perto da vila.[288]

Em 12 de janeiro, a revista Nature informou que o surgimento do vírus poderia ser encontrado estudando como os caçadores de carne de animais selvagens interagiam com o ecossistema. O continente africano experimentou o desmatamento em várias áreas ou regiões; isso pode contribuir para surtos recentes, incluindo essa epidemia de EVD, já que casos iniciais ocorreram nas proximidades de terras desmatadas onde o habitat natural de morcegos frutíferos pode ser afetado, embora 100% de evidências ainda não existam.[289][290]

Transmissão humano a humanoEditar

Antes desse surto, acreditava-se que a transmissão de humano para humano ocorresse apenas através do contato direto com sangue ou fluidos corporais de uma pessoa infectada que estivesse apresentando sintomas de infecção, pelo contato com o corpo de uma pessoa que havia morrido de Ebola, ou pelo contato com objetos recentemente contaminados com os fluidos corporais de uma pessoa infectada ativamente doente.[291][292] Sabe-se agora que o vírus Ebola pode ser transmitido sexualmente. Com o tempo, estudos sugeriram que o vírus pode persistir no líquido seminal, com um estudo divulgado em setembro de 2016 sugerindo que o vírus pode sobreviver mais de 530 dias após a infecção.[112] O RNA do EBOV no sêmen não é a mesma situação que a perseverança do EBOV no sêmen, no entanto, o "significado clínico de baixos níveis de RNA do vírus em indivíduos convalescentes" saudáveis é desconhecido.[293][294]

Em setembro de 2014, a OMS havia relatado: "Não existe evidência formal de transmissão sexual, mas a transmissão sexual de pacientes convalescentes não pode ser descartada. Há evidências de que o vírus Ebola vivo pode ser isolado nos fluidos seminais de homens convalescentes por 82 dias após o início. Os sintomas ainda não estão disponíveis após 82 dias."[295] Em abril de 2015, após um relatório de que o vírus RNA foi detectado em uma amostra de sêmen seis meses após a recuperação de um homem, a OMS emitiu uma declaração:" Para maior segurança e prevenção de outras infecções sexualmente transmissíveis, os sobreviventes do ebola devem considerar o uso correto e consistente de preservativos para todos os atos sexuais além de três meses até que mais informações estejam disponíveis. "[296][297]

A OMS baseou suas novas recomendações em um caso de março de 2015, no qual uma mulher liberiana que não teve contato com a doença além de ter tido relações sexuais desprotegidas com um homem que teve a doença em outubro de 2014 foi diagnosticada com Ebola. Embora nenhuma evidência do vírus tenha sido encontrada em seu sangue, seu sêmen revelou o RNA do vírus Ebola que se aproxima da variante que infectou a mulher. No entanto, "os médicos não sabem se havia algum vírus totalmente formado (e, portanto, infeccioso) no sêmen do sujeito". Sabe-se que os testículos são protegidos do sistema imunológico do corpo para proteger os espermatozoides em desenvolvimento, e acredita-se que essa mesma proteção possa permitir que o vírus sobreviva nos testículos por um tempo desconhecido.[298]

Em 14 de setembro de 2015, o corpo de uma menina que havia morrido na Serra Leoa deu positivo para o Ebola[138] e suspeitava-se de que ela tivesse contraído a doença no sêmen de uma sobrevivente do Ebola que recebeu alta em março de 2015.[139] De acordo com algumas reportagens, um novo estudo a ser publicado no New England Journal of Medicine indicou que o vírus RNA pode permanecer no sêmen dos sobreviventes por até seis meses[299][300] e, de acordo com outros pesquisadores, o O vírus RNA pode continuar no sêmen por 82 dias e talvez mais. Além disso, o RNA do Ebola foi encontrado até 284 dias após o início dos sintomas virais.[301]

Dificuldades de contençãoEditar

Uma das principais razões para a disseminação da doença são os sistemas de saúde de baixa qualidade e funcionais nas partes da África onde a doença ocorre.[302] O risco de transmissão aumenta entre aqueles que cuidam de pessoas infectadas. As medidas recomendadas ao cuidar de pessoas infectadas incluem isolamento médico através do uso adequado de botas, aventais, luvas, máscaras e óculos de proteção e esterilização de todos os equipamentos e superfícies.[303]

Um dos maiores perigos de infecção enfrentados pela equipe médica exige que eles aprendam a se vestir adequadamente e remover o equipamento de proteção individual. O treinamento completo para o uso de roupas protetoras para o corpo pode levar de 10 a 14 dias.[304] Mesmo com o equipamento adequado de isolamento disponível, condições de trabalho como falta de água corrente, controle climático e piso dificultam o atendimento direto. Dois profissionais de saúde norte-americanos que contraíram a doença e mais tarde se recuperaram disseram que, segundo o seu conhecimento, sua equipe de funcionários seguia "à risca todos os protocolos de segurança desenvolvidos pelo [CDC] e pela OMS", incluindo um macacão de corpo inteiro, várias camadas de luvas e proteção facial, incluindo óculos de proteção. Um dos dois, um médico, havia trabalhado com pacientes, mas o outro estava ajudando os trabalhadores a entrar e sair de seus equipamentos de proteção enquanto usavam equipamentos de proteção.[305]

As dificuldades na tentativa de interromper a transmissão também incluíram os múltiplos surtos de doenças nas fronteiras dos países.[306] O Dr. Peter Piot, o cientista que co-descobriu o vírus Ebola, afirmou que o surto não seguia seus padrões lineares usuais, como mapeado em surtos anteriores - desta vez, o vírus estava "pulando" por toda a região epidêmica da África Ocidental.[75] Além disso, a maioria das epidemias passadas ocorreu em regiões remotas, mas esse surto se espalhou para grandes áreas urbanas, o que aumentou o número de contatos que uma pessoa infectada poderia ter e dificultou o rastreamento e a interrupção da transmissão.[307] Em 9 de dezembro, um estudo indicou que um único indivíduo introduziu o vírus na Libéria, causando a maioria dos casos da doença naquele país.[308]

Notas

  1. A mortalidade (número de mortos por número de saudáveis por período de tempo) registrada na Libéria até 26 de agosto de 2014 foi de 70%.[7] No entanto, devido ao método de estimativa usado, a taxa estimada de mortalidade de casos ( 70,8%) para esta epidemia específica difere da proporção real entre o número de mortes e o número de casos.

Referências

  1. Brice, Makini (9 de junho de 2016). «WHO declares Liberia free of active Ebola virus transmission» (em inglês). Thomson Reuters Foundation. Consultado em 20 de março de 2020 
  2. «Ebola Situation Report – 16 March 2016» (em inglês). Organização Mundial da Saúde. Consultado em 20 de março de 2020 
  3. «End of Ebola transmission in Guinea» (em inglês). WHO Regional Office for Africa. 2015. Consultado em 20 de março de 2020 
  4. «Ebola response roadmap - Situation report 24 December 2014». World Health organization. 26 de dezembro de 2014. Consultado em 29 de dezembro de 2014 
  5. «Situation summary Data published on the 4th of December 2014». World Health organization. 5 de dezembro de 2014. Consultado em 6 de dezembro de 2014 
  6. a b WHO Ebola Response Team (23 de setembro de 2014). «Ebola virus disease in West Africa – the first 9 months of the epidemic and forward projections». New England Journal of Medicine. 371 (16): 1481–1495. PMC 4235004 . PMID 25244186. doi:10.1056/NEJMoa1411100. ... we estimate that the case fatality rate is 70.8% (95% confidence interval [CI], 69 to 73) among persons with known clinical outcome of infection. 
  7. a b «Case Fatality Rate for ebolavirus». University of Edinburgh. 2015. Consultado em 28 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 29 de agosto de 2014 
  8. a b Ebola response roadmap situation report (PDF) (Relatório). WHO. 31 de dezembro de 2014. Consultado em 1 de janeiro de 2015. The reported case fatality rate in the three intense-transmission countries among all cases for whom a definitive outcome is known is 71%. 
  9. Ebola Situation report (Relatório). WHO. 12 de janeiro de 2015. Consultado em 28 de janeiro de 2015 
  10. Wappes, Jim. «US health worker monitored as DRC Ebola nears 600 cases» (em inglês). CIDRAP. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  11. a b End of Ebola transmission in Guinea (Relatório) (em inglês). WHO Regional Office for Africa. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  12. «Update: Mali confirms new case of Ebola, locks down Bamako clinic». Reuters. 12 de novembro de 2014. Consultado em 15 de novembro de 2014 
  13. Ebola response roadmap situation report update (PDF) (Relatório). WHO. 7 de novembro de 2014. Consultado em 7 de novembro de 2014 
  14. «Ebola virus disease – Italy». WHO. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  15. «Una enfermera que atendió al misionero fallecido García Viejo, contagiada de ébola». El Mundo (em Spanish). 6 de outubro de 2014. Consultado em 6 de outubro de 2014 
  16. Ebola outbreak situation report (PDF) (Relatório). WHO. 8 de outubro de 2014. Consultado em 15 de outubro de 2014 
  17. Ebola virus disease (Relatório). World Health Organization. Consultado em 6 de junho de 2019 
  18. Meltzer, Martin I.; Atkins, Charisma Y.; Santibanez, Scott; et al. (26 de setembro de 2014). «Estimating the future number of cases in the Ebola epidemic – Liberia and Sierra Leone, 2014–2015». Morbidity and Mortality Weekly Report. 63 (3): 1–14. PMID 25254986 
  19. Worl, Justin (2014). «New Ebola Cases Could Hit 10,000 Per Week». Time. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  20. Statement on the 1st meeting of the IHR Emergency Committee on the 2014 Ebola outbreak in West Africa (Relatório). WHO. Consultado em 13 de janeiro de 2019 
  21. a b c WHO Director-General briefs media on outcome of Ebola Emergency Committee (Relatório) (em inglês). WHO. Consultado em 2 de abril de 2016 
  22. Interim advice on the sexual transmission of the Ebola virus disease (Relatório). WHO. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  23. a b c WHO Director-General addresses the Executive Board (Relatório). WHO. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  24. «First FDA-approved vaccine for the prevention of Ebola virus disease, marking a critical milestone in public health preparedness and response». FDA. 19 de dezembro de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2020 
  25. WHO (10 de junho de 2016). Situation Report Ebola (PDF) (Relatório). WHO. Consultado em 11 de novembro de 2016 
  26. Yasmin, Seema (29 de fevereiro de 2016). «Why Ebola Survivors Struggle with New Symptoms». Scientific American. Consultado em 9 de setembro de 2016 
  27. Geisbert, Thomas W. (dezembro de 2016). «First Ebola virus vaccine to protect human beings?». The Lancet. 389 (10068): 479–480. PMID 28017402. doi:10.1016/S0140-6736(16)32618-6 
  28. «Ebola vaccine results are encouraging – but preliminary». PBS. 23 de dezembro de 2016 
  29. «Ervebo». EMA. 12 de dezembro de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2020 
  30. «First FDA-approved vaccine for the prevention of Ebola virus disease, marking a critical milestone in public health preparedness and response». FDA. 19 de dezembro de 2019. Consultado em 2 de fevereiro de 2020 
  31. «Ebola haemorrhagic fever in Zaire, 1976». Bulletin of the World Health Organization. 56 (2): 271–293. 1978. PMC 2395567 . PMID 307456 
  32. Becker, Stephan; Matrosovich, Mikhail; Krähling, Verena; Schudt, Gordian; Dietzel, Erik (15 de janeiro de 2017). «Functional Characterization of Adaptive Mutations during the West African Ebola Virus Outbreak». Journal of Virology. 91 (2): e01913–e01916. PMC 5215343 . PMID 27847361. doi:10.1128/JVI.01913-16 
  33. Ebola response roadmap situation report (PDF) (Relatório). WHO. p. 6. Consultado em 25 de setembro de 2014 
  34. «Runaway doctors and missing supplies cripple care in Ebola-hit Liberia». NBC News. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  35. Ebola virus disease, West Africa (Relatório). WHO. 3 de julho de 2014. Consultado em 18 de setembro de 2014. Arquivado do original em 28 de julho de 2014 
  36. «8 Ebola suspects freed by relatives in Sierra Leone». Global Post. Xinhua. 28 de maio de 2014. Consultado em 21 de junho de 2014 
  37. «Growing Ebola outbreak threatens to overwhelm volunteers». Today Health. 8 de junho de 2014. Consultado em 21 de junho de 2014 
  38. Cooper, Charlie (27 de outubro de 2014). «Ebola outbreak: Deaths from malaria and other diseases could soar while Africa's over-stretched healthcare systems fight the virus, expert warns». The Independent. London. Consultado em 28 de outubro de 2014 
  39. Farmer, Paul (23 de outubro de 2014). «Diary». London Review of Books. Consultado em 25 de outubro de 2014 
  40. McCauley, Lauren (3 de setembro de 2014). «As Ebola outbreak surges, health officials slam international 'Coalition of Inaction'». Common Dreams. Consultado em 7 de setembro de 2014 
  41. Ebola response roadmap situation report (PDF) (Relatório). WHO. 10 de dezembro de 2014. Consultado em 11 de dezembro de 2014 
  42. Cheng, Maria; Satter, Raphael (20 de março de 2015). «Emails: UN health agency resisted declaring Ebola emergency». Associated Press. Consultado em 21 de março de 2015 
  43. WHO Statement on the Meeting of the International Health Regulations Emergency Committee Regarding the 2014 Ebola Outbreak in West Africa (Relatório). WHO. 8 de agosto de 2014. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  44. «Ebola: the failures of the international outbreak response» (em inglês). Médecins Sans Frontières. Consultado em 5 de março de 2019 
  45. «UN senior leaders outline needs for global Ebola response» (Nota de imprensa). WHO. 3 de setembro de 2014. Consultado em 7 de setembro de 2014 
  46. «West African economies feeling ripple effects of Ebola, says UN» (Nota de imprensa). United Nations Development Programme. 12 de março de 2015. Consultado em 20 de março de 2015 
  47. Ebola situation report (Relatório). WHO. 28 de janeiro de 2015. Consultado em 5 de fevereiro de 2015 
  48. Ebola situation report (PDF) (Relatório). WHO. 8 de abril de 2015. Consultado em 14 de abril de 2015 
  49. a b c d «Ebola numbers drop sharply in Guinea, Sierra Leone». CIDRAP. Consultado em 30 de julho de 2015 
  50. a b «Ebola countries record first week with no new cases». BBC News. 7 de outubro de 2015. Consultado em 8 de outubro de 2015 
  51. a b «Liberian official urges calm as three new Ebola cases confirmed». The Guardian. Consultado em 21 de novembro de 2015 
  52. Henao-Restrepo, Ana Maria; Longini, Ira M; Egger, Matthias; Dean, Natalie E; Edmunds, W John; Camacho, Anton; Carroll, Miles W; Doumbia, Moussa; Draguez, Bertrand; Duraffour, Sophie; Enwere, Godwin; Grais, Rebecca; Gunther, Stephan; Hossmann, Stefanie; Kondé, Mandy Kader; Kone, Souleymane; Kuisma, Eeva; Levine, Myron M; Mandal, Sema; Norheim, Gunnstein; Riveros, Ximena; Soumah, Aboubacar; Trelle, Sven; Vicari, Andrea S; Watson, Conall H; Kéïta, Sakoba; Kieny, Marie Paule; Røttingen, John-Arne (agosto de 2015). «Efficacy and effectiveness of an rVSV-vectored vaccine expressing Ebola surface glycoprotein: interim results from the Guinea ring vaccination cluster-randomised trial». The Lancet. 386 (9996): 857–866. PMID 26248676. doi:10.1016/S0140-6736(15)61117-5. hdl:10144/575218 
  53. «World on the verge of an effective Ebola vaccine» (Nota de imprensa). WHO. Consultado em 31 de julho de 2015 
  54. «An emergency within an emergency: caring for Ebola survivors» (Nota de imprensa). WHO. 7 de agosto de 2015. Consultado em 19 de agosto de 2015. Arquivado do original em 13 de agosto de 2015 
  55. Burki, Talha Khan (1 de julho de 2016). «Post-Ebola syndrome». The Lancet Infectious Diseases. 16 (7): 780–781. PMID 27352759. doi:10.1016/S1473-3099(15)00259-5. Consultado em 6 de março de 2019 
  56. «UN declares end to Ebola virus transmission in Guinea; first time all three host countries free». UN News Center. Consultado em 30 de dezembro de 2015 
  57. Kevin Sack; Sheri Fink; Pam Belluck; Adam Nossiter (29 de dezembro de 2014). «How Ebola Roared Back». The New York Times. Consultado em 30 de dezembro de 2014. The messages about don't touch the dead, wash your hands, if somebody is sick, leave them—these were all strange things, completely contrary to our tradition and culture. 
  58. a b c Baize, Sylvain; Pannetier, Delphine; Oestereich, Lisa; Rieger, Toni (16 de abril de 2014). «Emergence of Zaire Ebola Virus Disease in Guinea – Preliminary Report». New England Journal of Medicine. 371 (15): 1418–1425. PMID 24738640. doi:10.1056/NEJMoa1404505 
  59. «Scientists Discover Ebola Virus in West African Bat». www.mailman.columbia.edu. Columbia University Mailman School of Public Health. Consultado em 26 de janeiro de 2019 
  60. «Hollow tree in Guinea was Ebola's Ground Zero, scientists say». Mail & Guardian Africa. AFP. 30 de dezembro de 2014. Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  61. a b Grady, Denise; Fink, Sheri (9 de agosto de 2014). «Tracing Ebola's Breakout to an African 2-Year-Old». The New York Times. Consultado em 11 de abril de 2015 
  62. Nassos Stylianou (27 de novembro de 2014). «How world's worst Ebola outbreak began with one boy's death». BBC News. Consultado em 11 de abril de 2015 
  63. a b c d e Previous Updates: 2014 West Africa Outbreak (Relatório). CDC. Consultado em 11 de abril de 2015 
  64. Ebola virus disease, West Africa (Situation as of 16 April 2014) (Relatório). WHO. Consultado em 18 de setembro de 2014. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014 
  65. Ebola virus disease, West Africa (Relatório). WHO. 18 de julho de 2014. Consultado em 18 de setembro de 2014. Arquivado do original em 25 de julho de 2014 
  66. «Sierra Leone hunts Ebola patient kidnapped in Freetown». BBC News. 25 de julho de 2014. Consultado em 27 de julho de 2014 
  67. «Ebola outbreak: Sierra Leone escaped patient dies». BBC News. 27 de julho de 2014. Consultado em 27 de julho de 2014 
  68. a b Ebola response roadmap situation report (Relatório). WHO. 12 de novembro de 2014. Consultado em 16 de novembro de 2014 
  69. Ebola response roadmap situation report (PDF) (Relatório). WHO. 26 de novembro de 2014. Consultado em 27 de novembro de 2014 
  70. Situation summary Data published on 2 December 2014 (Relatório). WHO. 2 de dezembro de 2014. Consultado em 2 de dezembro de 2014 
  71. Ebola data and statistics (Relatório). WHO. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  72. Ebola Situation Report (Relatório). WHO. 8 de abril de 2015. Consultado em 29 de outubro de 2016 
  73. Flare up of Ebola in Liberia (Relatório). WHO. Consultado em 26 de novembro de 2015 
  74. «West Africa declared free of Ebola transmission, but UN health agency warns new flare-ups possible». UN News (em inglês). United Nations. 14 de janeiro de 2016. Consultado em 6 de março de 2019 
  75. a b «Ebola virus is surging in places where it was beaten back: experts». CTV News. 8 de setembro de 2014. Consultado em 8 de setembro de 2014 
  76. «Ebola cases double in Guinea in second week, says WHO». International Business Times UK. 12 de fevereiro de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2015 
  77. «In Guinea, Ebola Infections Double as Hidden Cases Discovered». VOA. Consultado em 8 de fevereiro de 2015 
  78. «Crowds attack Ebola facility, health workers in Guinea». Reuters. 14 de fevereiro de 2015. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  79. «Guinea declares Ebola 'health emergency' in five regions». BBC News. 29 de março de 2015. Consultado em 29 de março de 2015 
  80. «Guinea declares Ebola 'health emergency' in five regions». BBC News. 29 de março de 2015. Consultado em 29 de março de 2015 
  81. Fox, Maggie (13 de maio de 2015). «Ebola Epidemic Slows Even More, WHO Says». NBC News 
  82. «Guinea Families Transport Bodies in Public Taxis». ABC News. Consultado em 23 de maio de 2015 
  83. «Guinea Ebola cases climb due to transmissions at funerals | Fox News». web.archive.org. 29 de maio de 2015. Consultado em 27 de março de 2019. Cópia arquivada em 29 de maio de 2015 
  84. «Ebola crisis: Guineans jailed for putting corpse in taxi». BBC News. 25 de maio de 2015. Consultado em 27 de maio de 2015 
  85. «Ebola threat to Guinea Bissau rises as border zone heats up». Yahoo! News. 2 de junho de 2015. Consultado em 3 de junho de 2015 
  86. «United Nations News Centre». UN News Service Section. 24 de junho de 2015. Consultado em 28 de junho de 2015 
  87. Maggie Fox. «Ebola Rates Plummet, But WHO Says More to Come». NBC News. Consultado em 7 de agosto de 2015 
  88. Ebola situation reports Archive (Relatório). WHO. 17 de setembro de 2015. Consultado em 20 de setembro de 2015 
  89. Ebola Situation Report (PDF) (Relatório). WHO. 28 de outubro de 2015 
  90. Searcey, Dionne (6 de novembro de 2015). «The Last Place on Earth With Ebola: Getting Guinea to Zero». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 8 de novembro de 2015 
  91. Ebola Situation Report (Relatório). WHO. 11 de novembro de 2015. Consultado em 6 de março de 2019 
  92. «Guinea releases last 68 people from Ebola quarantine». Yahoo! News. 14 de novembro de 2015 
  93. Reuters Editorial (28 de novembro de 2015). «Guinea's last Ebola case, a baby girl, leaves hospital». Reuters. Consultado em 29 de novembro de 2015 
  94. Ebola Situation Report (Relatório). WHO. 2 de dezembro de 2015 
  95. Criteria for declaring the end of the Ebola outbreak in Guinea, Liberia or Sierra Leone (Relatório). WHO. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  96. Zoroya, Greg (17 de novembro de 2015). «Last known Ebola patient in West Africa recovers». USA Today. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  97. «End of Ebola transmission in Guinea» (em inglês). WHO. Consultado em 6 de março de 2019 
  98. «Guinea says two people tested positive for Ebola». Reuters. 17 de março de 2016 
  99. Reilly, Katie. «2 Test Positive for Ebola in Guinea». Time. Consultado em 2 de abril de 2016 
  100. «Fourth person dies of Ebola in Guinea» (em inglês). ABC News Australia. 19 de março de 2016. Consultado em 2 de abril de 2016 
  101. «Ebola clinic reopens in Guinea after virus resurfaces». Yahoo! news. Consultado em 2 de abril de 2016 
  102. Hundreds of contacts identified and monitored in new Ebola flare-up in Guinea (Relatório) (em inglês). WHO. Consultado em 2 de abril de 2016 
  103. «Africa highlights: Tuesday 22 March 2016 as it happened». BBC News. Consultado em 2 de abril de 2016 
  104. «Liberia Closes Border With Guinea After Ebola Flare-up». Voice of America. Consultado em 2 de abril de 2016 
  105. «Fifth person dies in Guinea Ebola flare-up». Reuters. 22 de março de 2016. Consultado em 2 de abril de 2016 
  106. Ebola Situation Report (Relatório). WHO. 30 de março de 2016. Consultado em 9 de junho de 2016 
  107. «Hundreds in Guinea get Ebola vaccine in fight against flare-up» (em inglês). Fox News. 1 de abril de 2016. Consultado em 2 de abril de 2016 
  108. Kucharski, Adam J.; Eggo, Rosalind M.; Watson, Conall H.; Camacho, Anton; Funk, Sebastian; Edmunds, W. John (2016). «Effectiveness of Ring Vaccination as Control Strategy for Ebola Virus Disease». Emerging Infectious Diseases. 22 (1): 105–108. PMC 4696719 . PMID 26691346. doi:10.3201/eid2201.151410 
  109. «Ebola claims another victim in Guinea as vaccinations ramped up» (em inglês). Yahoo! News. 5 de abril de 2016. Consultado em 6 de abril de 2016 
  110. «2 Test Positive for Ebola in Guinea». Time (em inglês). Consultado em 31 de outubro de 2018 
  111. a b Duraffour, Sophie; Rambaut, Andrew; Günther, Stephan; Keïta, Sakoba; Formenty, Pierre; Diarra, Abdoulaye; Djingarey, Mamoudou Harouna; Aylward, Raymond Bruce; Carroll, Miles W. (15 de novembro de 2016). «Resurgence of Ebola Virus Disease in Guinea Linked to a Survivor With Virus Persistence in Seminal Fluid for More Than 500 Days». Clinical Infectious Diseases. 63 (10): 1353–1356. PMC 5091350 . PMID 27585800. doi:10.1093/cid/ciw601 
  112. a b c Diallo, Boubacar; Sissoko, Daouda; Loman, Nicholas J.; Bah, Hadja Aïssatou; Bah, Hawa; Worrell, Mary Claire; Conde, lya Saidou; Sacko, Ramata; Mesfin, Samuel; Loua, Angelo; Kalonda, Jacques Katomba; Erondu, Ngozi A.; Dahl, Benjamin A.; Handrick, Susann; Goodfellow, Ian; Meredith, Luke W.; Cotten, Matthew; Jah, Umaru; Guetiya Wadoum, Raoul Emeric; Rollin, Pierre; Magassouba, N'Faly; Malvy, Denis; Anglaret, Xavier; Carroll, Miles W.; Aylward, Raymond Bruce; Djingarey, Mamoudou Harouna; Diarra, Abdoulaye; Formenty, Pierre; Keïta, Sakoba; Günther, Stephan; Rambaut, Andrew; Duraffour, Sophie (15 de novembro de 2016). «Resurgence of Ebola Virus Disease in Guinea Linked to a Survivor With Virus Persistence in Seminal Fluid for More Than 500 Days». Clinical Infectious Diseases. 63 (10): 1353–1356. PMC 5091350 . PMID 27585800. doi:10.1093/cid/ciw601 
  113. a b Liberia and Guinea discharge final Ebola patients in latest flare-up and begin 42 days of heightened surveillance (Relatório). WHO. Consultado em 9 de junho de 2016 
  114. «Sierra Leone 'hero' doctor's death exposes slow Ebola response». Fox News. 25 de agosto de 2014. Consultado em 25 de agosto de 2014 
  115. «Sierra Leone shuts borders, closes schools to fight Ebola». Reuters. 11 de junho de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015 
  116. «Sierra Leone, Liberia deploy troops for Ebola». News 24. 4 de agosto de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015 
  117. «Ebola cases appear in last untouched district in Sierra Leone». Fox News. 16 de outubro de 2014. Consultado em 16 de outubro de 2014 
  118. «The Ebola Outbreak Is Getting Worse in Sierra Leone». VICE News. 6 de novembro de 2014. Consultado em 10 de novembro de 2014 
  119. DiLorenzo, Sarah (4 de novembro de 2014). «Thousands in Sierra Leone break Ebola quarantine». Associated Press. Consultado em 5 de novembro de 2014 
  120. «'Entire villages disappeared': Ebola deaths in Sierra Leone 'underreported'». Russia Today. Consultado em 7 de novembro de 2014 
  121. «Ebola crisis: Sierra Leone hit by largely hidden outbreak; WHO says scores of bodies piled up». ABC News. 10 de dezembro de 2014. Consultado em 11 de dezembro de 2014 
  122. «Endless Ebola Epidemic? That's The 'Risk We Face Now,' CDC Says». NPR. 15 de dezembro de 2014. Consultado em 18 de dezembro de 2014 
  123. a b Sierra Leone: Ebola Virus Disease – Situation Report (PDF) (Relatório). Sierra Leone Ministry of Health and Sanitation. 15 de dezembro de 2014. Consultado em 15 de dezembro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 20 de dezembro de 2014 
  124. «Ebola: Sierra Leone begins house-to-house searches». BBC News. 17 de dezembro de 2014. Consultado em 18 de dezembro de 2014 
  125. Ebola Virus Disease – Situation Report (PDF) (Relatório). Sierra Leone Ministry of Health and Sanitation. 18 de dezembro de 2014. Consultado em 19 de dezembro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 19 de dezembro de 2014 
  126. «Ebola Could be 'Levelling Off' in Sierra Leone: WHO». Newsweek. 8 de janeiro de 2015. Consultado em 11 de janeiro de 2015 
  127. «Sierra Leone predicts no new Ebola cases by March end (+video)». Christian Science Monitor. The Christian Science Monitor. 14 de janeiro de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2015 
  128. Ebola Situation Report (Relatório). WHO. 21 de janeiro de 2015. Consultado em 27 de janeiro de 2019 
  129. Gregg Zoroya (5 de fevereiro de 2015). «Downward Ebola trend suddenly reverses itself». USA Today. Consultado em 6 de fevereiro de 2015 
  130. «Ebola-hit Sierra Leone to Reopen Schools March 30». VOA. Consultado em 7 de fevereiro de 2015 
  131. «Decline in Ebola cases flattens, raising UN concern». Philadelphia Star. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  132. «More Ebola in Guinea, Sierra Leone last week, no Liberia cases says WHO». gnnliberia.com. Consultado em 7 de março de 2015. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  133. «Lowest Weekly Figure of Ebola Cases Reported in Nearly a Year». VOA. Consultado em 10 de abril de 2015 
  134. Alexandra Sifferlin (17 de agosto de 2015). «Sierra Leone Has First Week of No New Ebola Cases». Time. Consultado em 19 de agosto de 2015 
  135. Sierra Leone begins 42-day countdown to be declared free of Ebola virus transmission. UN News Centre. 26 August 2015.
  136. «New Ebola death in Sierra Leone sets back efforts to beat epidemic». News 24. 1 de setembro de 2015. Consultado em 1 de setembro de 2015 
  137. «Sierra Leone officials confirm 3 new cases of Ebola among high risk contacts with fatal case». Associated Press. 8 de setembro de 2015. Consultado em 9 de setembro de 2015. Arquivado do original em 21 de novembro de 2015 
  138. a b «New Ebola death reported in northern Sierra Leone». CTV News. 14 de setembro de 2015. Consultado em 14 de setembro de 2015 
  139. a b «Hundreds quarantined as Ebola returns to north Sierra Leone district». Reuters. 14 de setembro de 2015. Consultado em 14 de setembro de 2015 
  140. «Sierra Leone Begins New Ebola 42-day Countdown». VOA. Consultado em 30 de setembro de 2015 
  141. «Anticipation Grows as Sierra Leone Readies to be Declared Ebola-free». VOA. Consultado em 8 de novembro de 2015 
  142. Ebola Situation Report (Relatório). WHO. 11 de novembro de 2015. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  143. «Ebola Situation Report». 9 de dezembro de 2015. Consultado em 17 de dezembro de 2015 
  144. «Ebola virus: New case emerges in Sierra Leone». BBC News. 15 de janeiro de 2016 
  145. Latest Ebola outbreak over in Liberia; West Africa is at zero, but new flare-ups are likely to occur (Relatório). WHO 
  146. «Sierra Leone puts more than 100 people in quarantine after new Ebola death». The Guardian. 17 de janeiro de 2016 
  147. Government Press Statement: Confirmation of EVD Death in Sierra Leone (Relatório). WHO. 16 de janeiro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2016 
  148. «Sierra Leone confirms second case of Ebola in a week». Yahoo! News. 20 de janeiro de 2016. Consultado em 21 de janeiro de 2016 
  149. Ebola in Sierra Leone: New case spreads community fear (Relatório). WHO. Consultado em 22 de janeiro de 2016 
  150. «New Sierra Leone Ebola case responding to treatment». Yahoo! News. 22 de janeiro de 2016. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  151. «Health Index». ABC News. Consultado em 9 de junho de 2016 
  152. «Sierra Leone Releases 70 from Ebola Quarantine». VOA. Consultado em 9 de junho de 2016 
  153. «Sierra Leone discharges last known Ebola patient». Reuters. 8 de fevereiro de 2016. Consultado em 9 de junho de 2016 
  154. Latest Ebola outbreak over in Liberia; West Africa is at zero, but new flare-ups are likely to occur (Relatório). WHO. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  155. Ebola Situation Report (Relatório). WHO. 17 de fevereiro de 2016. Consultado em 9 de junho de 2016 
  156. WHO statement on end of Ebola flare-up in Sierra Leone (Relatório). WHO. Consultado em 9 de junho de 2016 
  157. «Sierra Leone Ebola flare-up over, virus no longer spreading: WHO». Yahoo! News. Consultado em 17 de março de 2016 
  158. «Sierra Leone Stops Mandatory Testing Of Corpses For Ebola». Agence France Presse. Consultado em 1 de agosto de 2016 
  159. «2 of 5 Test Positive for Ebola in Liberia». Liberian Observer. 31 de março de 2014. Consultado em 6 de julho de 2014. Arquivado do original em 9 de julho de 2014 
  160. «Ebola outbreak: Liberia shuts most border points». BBC News. 28 de julho de 2014. Consultado em 28 de julho de 2014 
  161. Kwanue, C.Y. (1 de agosto de 2014). «In Compliance with Sirleaf's Mandate, UL Closed». Liberian Observer. Consultado em 2 de agosto de 2014. Arquivado do original em 8 de agosto de 2014 
  162. «Liberia shuts schools, quarantines communities in bid to halt Ebola». Reuters. 30 de julho de 2014. Consultado em 30 de julho de 2014 
  163. «Ebola outbreak: Liberia shuts most border points». BBC News. 28 de julho de 2014. Consultado em 28 de julho de 2014 
  164. Katty, Kay (7 de outubro de 2014). «Ebola outbreak: Liberia 'close to collapse' – ambassador». BBC News Africa. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  165. «Runaway Doctors and Missing Supplies Cripple Care in Ebola-Hit Liberia». NBC News. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  166. Katty, Kay (7 de outubro de 2014). «Ebola outbreak: Liberia 'close to collapse' – ambassador». BBC News Africa. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  167. a b Ebola Response Roadmap Situation Report (PDF) (Relatório). WHO. 22 de outubro de 2014. Consultado em 22 de outubro de 2014 
  168. Liberia Ebola SitRep no. 157 (PDF) (Relatório). Liberia Ministry of Health and Social Welfare. 24 de outubro de 2014. Consultado em 24 de outubro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 4 de dezembro de 2014 
  169. Cumming-Bruce, Nick (29 de outubro de 2014). «Ebola Slowing in Liberia, WHO Says, but International Support Is Still Necessary». The New York Times. Consultado em 3 de novembro de 2014 
  170. «Ebola state of emergency lifted in Liberia». CBS News. 14 de novembro de 2014. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  171. «Ebola outbreak eases as world's largest treatment centre dismantled». ABC News. 29 de janeiro de 2015. Consultado em 29 de janeiro de 2015 
  172. «Three New Ebola Cases in Liberia». The Disease Daily. 27 de março de 2015. Consultado em 28 de março de 2015. Arquivado do original em 30 de março de 2015 
  173. «allAfrica.com: Liberia: MSF Hands Over ELWA – 3 to Liberian Ministry of Health». allAfrica.com. Consultado em 29 de abril de 2015 
  174. «US Shuts Down Ebola Treatment Center in Liberia». ABC News. Consultado em 2 de maio de 2015 
  175. «Liberia names new health minister as it seeks to beat Ebola». Yahoo! News. 8 de abril de 2015. Consultado em 16 de abril de 2015 
  176. How Liberia got to zero cases of Ebola (Relatório). WHO. 9 de maio de 2015. Consultado em 10 de maio de 2015 
  177. Fink, Sheri (9 de maio de 2015). «Liberia Is Declared Free of Ebola, but Officials Sound Note of Caution». The New York Times 
  178. Ebola situation report (PDF) (Relatório). WHO. 8 de abril de 2015 
  179. Ebola situation report (PDF) (Relatório). WHO. 6 de maio de 2015 
  180. Gladstone, Rick (3 de julho de 2015). «Liberia: 200 Reportedly Had Contact With Ebola Victim». The New York Times 
  181. «Ebola Returns To Liberia With A Mysterious Case Near Monrovia». NPR. 30 de junho de 2015. Consultado em 1 de julho de 2015 
  182. «Liberia Reports Second Case of Ebola». NBC News. 1 de julho de 2015 
  183. «Liberia investigating animal link after Ebola re-emerges». Reuters. 2 de julho de 2015 
  184. Sena Quashie (2 de julho de 2015). «In Liberia: Dog meat identified as possible source of Ebola». pulse.com.gh. Consultado em 4 de julho de 2015 
  185. Reuters. (7 July 2015)."Liberia: Dog Suspected in New Ebola Case Tests Negative for the Virus". The New York Times.
  186. «Liberia Confirms 2 New Ebola Cases». ABC News. 9 de julho de 2015. Consultado em 9 de julho de 2015 
  187. Tanya Basu (14 de julho de 2015). «Ebola». Time 
  188. Reuters. (20 July 2015)."Liberia: Ebola Patients Discharged, Last of the Country's Latest Wave". The New York Times.
  189. Ebola transmission in Liberia over: Nation enters 90-day intensive surveillance period (Relatório). WHO. 3 de setembro de 2015 
  190. «New Ebola case confirmed in Liberia». Los Angeles Times. 20 de novembro de 2015. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  191. «Liberia: Fears of Deadly Ebola Virus Reportedly Resurface in Liberia». allAfrica.com. Consultado em 21 de novembro de 2015 
  192. Maggie Fox. «Ebola Returns to Liberia, Again». NBC News. Consultado em 21 de novembro de 2015 
  193. «Liberian health officials move to control Ebola outbreak in Monrovia». The Guardian. 22 de novembro de 2015. Consultado em 23 de novembro de 2015 
  194. «Liberia Seeks US Help to Determine Cause of New Ebola Cases». Associated Press. 23 de novembro de 2015. Consultado em 24 de novembro de 2015 
  195. «Liberia Records 1st Ebola Death Since July». ABC News. Consultado em 26 de novembro de 2015 
  196. «Liberia's last two Ebola patients recover, leave hospital». Yahoo! News. 3 de dezembro de 2015. Consultado em 4 de dezembro de 2015 
  197. Reuters Editorial (11 de dezembro de 2015). «Liberia's last Ebola contacts finish quarantine». Reuters. Consultado em 12 de dezembro de 2015 
  198. Ebola Situation Report (Relatório). WHO. 16 de dezembro de 2015. Consultado em 25 de dezembro de 2015 
  199. Emma Farge; James Harding Giahyue (17 de dezembro de 2015). «Female survivor may be cause of Ebola flare-up in Liberia». Reuters. Consultado em 22 de dezembro de 2015 
  200. Statement on the 8th meeting of the IHR Emergency Committee regarding the Ebola outbreak in West Africa (Relatório). WHO. Consultado em 23 de dezembro de 2015 
  201. Alexandra Sifferlin. «West Africa to Be Declared Ebola-Free, Health Officials Say». Time. Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  202. Foundation, Thomson Reuters. «Liberia records new Ebola death, months after end of its outbreak». Reuters. Consultado em 9 de junho de 2016 
  203. «International News | World News». ABC News. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  204. Emergency response to Ebola flare underway in Liberia. Case investigation widens to Guinea (Relatório). WHO. Consultado em 9 de junho de 2016 
  205. «Liberia records 97 Ebola contacts». The New Dawn Liberia. 7 de abril de 2016. Consultado em 7 de abril de 2016. Arquivado do original em 9 de abril de 2016 
  206. Liberia and Guinea step up coordination to stem new cases of Ebola (Relatório). WHO. 8 de abril de 2016. Consultado em 7 de abril de 2016 
  207. Farge, Emma. «Female survivor may be cause of Ebola flare-up in Liberia». Reuters. Consultado em 30 de outubro de 2018 
  208. WHO declares the end of the most recent Ebola virus disease outbreak in Liberia (Relatório). WHO. Consultado em 9 de junho de 2016 
  209. PREVAIL treatment trial for men with persistent Ebola viral RNA in semen opens in Liberia (Relatório). NIH. 5 de julho de 2016. Consultado em 1 de agosto de 2016 
  210. Camara, Ougna (29 de março de 2014). «Ebola Death Toll in Guinea Rises to 70 as Senegal Closes Border». Bloomberg News. Consultado em 31 de março de 2014 
  211. a b c Ebola virus disease – Senegal (Relatório). WHO. 29 de março de 2014. Consultado em 1 de setembro de 2014. Arquivado do original em 5 de setembro de 2014 
  212. «Guinean Who Brought Ebola To Senegal Recovers From Virus». Business Insider. Consultado em 20 de setembro de 2014 
  213. Ebola Response Roadmap Update, 22 September 2014 (PDF) (Relatório). WHO. 22 de setembro de 2014. Consultado em 22 de setembro de 2014 
  214. «WHO congratulates Senegal on ending Ebola transmission». 17 de outubro de 2014. Consultado em 20 de outubro de 2014 
  215. Mark, Monica (6 de agosto de 2014). «Ebola Outbreak: Nurse who Treated First Victim in Nigeria Dies». The Guardian (Nigeria). Consultado em 7 de agosto de 2014 
  216. «Nigeria in first step towards all-clear on Ebola». Yahoo News. 23 de setembro de 2014. Consultado em 26 de setembro de 2014 
  217. Nigeria is now free of Ebola virus transmission (Relatório). WHO. 20 de outubro de 2014. Consultado em 20 de maio de 2015 
  218. WHO Declares Nigeria Ebola-Free (Relatório). WHO. Consultado em 22 de julho de 2016 
  219. Green, Andrew (2014). «Remembering health workers who died from Ebola in 2014». The Lancet (em inglês). 384 (9961): 2201–2206. PMID 25625389. doi:10.1016/S0140-6736(14)62417-X 
  220. Mali case, Ebola imported from Guinea Ebola situation assessment – 10 November 2014 (Relatório). WHO. Consultado em 11 de novembro de 2014 
  221. «Ebola Outbreak 2014». NBC News. Consultado em 24 de outubro de 2014 
  222. «Mali : Situation de la lutte contre la maladie à virus Ebola au Mali à la date du mercredi 19 novembre 2014» (em French). maliactu. 19 de novembro de 2014. Consultado em 26 de novembro de 2014 
  223. Mali confirms its second fatal case of Ebola virus disease (Relatório). WHO. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  224. «Update 2 – Doctor who treated source of second Mali Ebola outbreak dies». Reuters. 21 de novembro de 2014. Consultado em 21 de novembro de 2014 
  225. «Ebola crisis: Third death confirmed in Mali». BBC News. 12 de novembro de 2014. Consultado em 12 de novembro de 2014 
  226. «Mali records new Ebola case, linked to dead nurse». Reuters. 22 de novembro de 2014. Consultado em 22 de novembro de 2014 
  227. «Africa – Mali nears Ebola-free status as last patient leaves hospital». France 24. Consultado em 12 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 27 de dezembro de 2014 
  228. «Mali ends quarantines, could be Ebola-free soon». News24. 16 de dezembro de 2014. Consultado em 17 de dezembro de 2014 
  229. Cooper, Charlie (31 de dezembro de 2014). «Ebola in the UK: Infected nurse Pauline Cafferkey treated with survivors' blood plasma and experimental drugs». The Independent. London. Consultado em 1 de janeiro de 2015 
  230. United Kingdom is declared free of Ebola virus disease (Relatório). WHO Europe. Consultado em 11 de março de 2015 
  231. «Ebola nurse: Pauline Cafferkey 'happy to be alive'». BBC News. 24 de janeiro de 2015. Consultado em 11 de abril de 2015 
  232. «Ebola nurse Pauline Cafferkey 'in serious condition'». BBC News. 9 de outubro de 2015. Consultado em 9 de outubro de 2015 
  233. Botelho, Greg (14 de outubro de 2015). «UK's first Ebola patient 'critically ill,' in isolation». CNN. Consultado em 16 de outubro de 2015 
  234. «Ebola nurse's close contacts identified». BBC News. 12 de outubro de 2015. Consultado em 16 de outubro de 2015 
  235. «Ebola Nurse: 58 Monitored For Deadly Virus». Yahoo! News UK. 13 de outubro de 2015. Consultado em 16 de outubro de 2015 
  236. «U.K. Ebola nurse has meningitis caused by persisting Ebola, doctors say». CBC. 21 de outubro de 2015. Consultado em 27 de outubro de 2015 
  237. Wilcock, David (12 de novembro de 2015). «Ebola nurse Pauline Cafferkey released from London hospital after 'full recovery'». The Independent 
  238. «Ebola nurse Pauline Cafferkey flying back to Royal Free Hospital amid ongoing tests». The Telegragh. 23 de fevereiro de 2016. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  239. «Ebola nurse Pauline Cafferkey 'stable' after night in London hospital». BBC News. 24 de fevereiro de 2016. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  240. «Nurse in Italy tests positive for Ebola; was in Sierra Leone». The San Diego Union-Tribune. 12 de maio de 2015. Consultado em 13 de maio de 2015 
  241. Italian nurse cured of Ebola, AFP, 10 June 2015
  242. «Muere el religioso español Miguel Pajares a causa del ébola». RTVE. 12 de agosto de 2014. Consultado em 12 de agosto de 2014 
  243. «Ebola Outbreak: Spanish Missionary Manuel Garcia Viejo Dies of Deadly Virus in Madrid». International Business Times. 25 de setembro de 2014. Consultado em 25 de setembro de 2014 
  244. «Nurse 'infected with Ebola' in Spain». BBC News. Consultado em 6 de outubro de 2014 
  245. «La enfermera ingresada en Alcorcón da positivo por ébola – La segunda prueba ha dado positivo y confirma el diagnóstico». Cadena Ser. 6 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015 
  246. «WHO Says Spain Ebola-Free Following Nurse Recovery». ABC News. 2 de dezembro de 2014. Consultado em 2 de dezembro de 2014 
  247. CDC and Texas Health Department Confirm First Ebola Case Diagnosed in the U.S. (Relatório). CDC. 1 de outubro de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2014 
  248. Nick Allen (1 de outubro de 2014). «First Ebola victim in America was sent home with antibiotics». The Telegraph. London. Consultado em 11 de abril de 2015 
  249. «Thomas Eric Duncan: First Ebola death in U.S.». CNN. 8 de outubro de 2014. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  250. Fernandez, Manny (12 de outubro de 2014). «Texas Health Worker Tests Positive for Ebola». The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  251. «Second Ebola-infected nurse ID'd; flew domestic flight day before diagnosis». Fox News. 15 de outubro de 2014. Consultado em 15 de outubro de 2014 
  252. «Virus Free: Ebola-Infected Nurse Nina Pham to Go Home». NBC News. 24 de outubro de 2014. Consultado em 11 de abril de 2015 
  253. «Nurse Amber Vinson free of Ebola virus, family says». Yahoo! News. 23 de outubro de 2014. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  254. «New York Doctor Just Back From Africa Has Ebola». NBC News. 23 de outubro de 2014. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  255. Hartocollis, Anemona (10 de novembro de 2014). «Craig Spencer, New York Doctor With Ebola, Will Leave Bellevue Hospital». The New York Times. Consultado em 11 de abril de 2015 
  256. «Infektion: Ebola-Patient in Leipziger Klinik gestorben». De Zeit. 14 de outubro de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  257. «Ugandan doctor cured of Ebola in German hospital». Yahoo! News. 4 de dezembro de 2014. Consultado em 4 de dezembro de 2014 
  258. «Ugandan doctor cured of Ebola in German hospital». Yahoo! News. 4 de dezembro de 2014. Consultado em 4 de dezembro de 2014 
  259. «French MSF nurse cured of Ebola». Consultado em 4 de outubro de 2014. Arquivado do original em 4 de outubro de 2014 
  260. «Ebola: l'agent de l'Unicef soigné à l'hôpital Bégin a quitté la France "guéri"» (em French). Consultado em 24 de novembro de 2014 
  261. «Italy doctor with Ebola has recovered: reports». Deccan Chronicle. 2 de janeiro de 2015. Consultado em 2 de janeiro de 2015 
  262. «UN: Nigerian peacekeeper recovers from Ebola». The San Diego Union-Tribune. 23 de dezembro de 2014. Consultado em 28 de dezembro de 2014 
  263. «– Jeg er utrolig takknemlig» (em Norwegian). 20 de outubro de 2014. Consultado em 20 de outubro de 2014 
  264. «Norwegian Ebola Patient Cured». Yahoo! News. 20 de outubro de 2014. Consultado em 20 de outubro de 2014 
  265. «Felix Baez, Cuban doctor with Ebola, recovers in Geneva». CBC News. 6 de dezembro de 2014. Consultado em 6 de dezembro de 2014 
  266. «BBC News – Ebola: Seventh British health worker sent home». BBC News. 16 de março de 2015. Consultado em 19 de março de 2015 
  267. «British medic declared free of Ebola». BBC News. 27 de março de 2015. Consultado em 27 de março de 2015 
  268. Ebola virus disease – Democratic Republic of Congo E-mail Print Epidemiology and surveillance (Relatório). WHO (WHO). Consultado em 11 de abril de 2015 
  269. Ebola virus disease – Democratic Republic of Congo E-mail Print Epidemiology and surveillance (Relatório). WHO (WHO). Consultado em 11 de abril de 2015 
  270. Virological analysis: no link between Ebola outbreaks in west Africa and Democratic Republic of Congo (Relatório). WHO. 2 de setembro de 2014. Consultado em 7 de setembro de 2014 
  271. Ebola virus disease – Democratic Republic of Congo E-mail Print Epidemiology and surveillance (Relatório). WHO (WHO). Consultado em 11 de abril de 2015 
  272. Outbreaks Chronology: Ebola Virus Disease (Relatório). CDC. Consultado em 31 de maio de 2015 
  273. «Ebola sleuths scour DR Congo jungle for source of outbreak». Yahoo! News. 23 de outubro de 2014. Consultado em 23 de outubro de 2014 
  274. WHO declares end of Ebola outbreak in the Democratic Republic of Congo (Relatório). WHO. Consultado em 22 de novembro de 2014 
  275. Ebola response roadmap situation report update (PDF) (Relatório). WHO. 29 de outubro de 2014. Consultado em 3 de novembro de 2014 
  276. a b c d Gire, S. K.; Goba, A.; Andersen, K. G.; Sealfon, R. S. G.; Park, D. J.; Kanneh, L.; Jalloh, S.; Momoh, M.; Fullah, M.; Dudas, G.; Wohl, S.; Moses, L. M.; Yozwiak, N. L.; Winnicki, S.; Matranga, C. B.; Malboeuf, C. M.; Qu, J.; Gladden, A. D.; Schaffner, S. F.; Yang, X.; Jiang, P.-P.; Nekoui, M.; Colubri, A.; Coomber, M. R.; Fonnie, M.; Moigboi, A.; Gbakie, M.; Kamara, F. K.; Tucker, V.; Konuwa, E.; Saffa, S.; Sellu, J.; Jalloh, A. A.; Kovoma, A.; Koninga, J.; Mustapha, I.; Kargbo, K.; Foday, M.; Yillah, M.; Kanneh, F.; Robert, W.; Massally, J. L. B.; Chapman, S. B.; Bochicchio, J.; Murphy, C.; Nusbaum, C.; Young, S.; Birren, B. W.; Grant, D. S.; Scheiffelin, J. S.; Lander, E. S.; Happi, C.; Gevao, S. M.; Gnirke, A.; Rambaut, A.; Garry, R. F.; Khan, S. H.; Sabeti, P. C. (28 de agosto de 2014). «Genomic surveillance elucidates Ebola virus origin and transmission during the 2014 outbreak». Science. 345 (6202): 1369–1372. Bibcode:2014Sci...345.1369G. PMC 4431643 . PMID 25214632. doi:10.1126/science.1259657 
  277. Kuhn, Jens H.; Becker, Stephan; Ebihara, Hideki; Geisbert, Thomas W.; Johnson, Karl M.; Kawaoka, Yoshihiro; Lipkin, W. Ian; Negredo, Ana I.; Netesov, Sergey V.; Nichol, Stuart T.; Palacios, Gustavo; Peters, Clarence J.; Tenorio, Antonio; Volchkov, Viktor E.; Jahrling, Peter B. (30 de outubro de 2010). «Proposal for a revised taxonomy of the family Filoviridae: classification, names of taxa and viruses, and virus abbreviations». Archives of Virology. 155 (12): 2083–2103. PMC 3074192 . PMID 21046175. doi:10.1007/s00705-010-0814-x 
  278. Schoepp, Randal J.; Rossi, Cynthia A.; Khan, Sheik H.; Goba, Augustine; Fair, Joseph N. (2014). «Undiagnosed Acute Viral Febrile Illnesses, Sierra Leone». Emerging Infectious Diseases. 20 (7): 1176–1182. PMC 4073864 . PMID 24959946. doi:10.3201/eid2007.131265 
  279. Vogel, Gretchen (29 de agosto de 2014). «Genomes reveal start of Ebola outbreak». Science. 345 (6200): 989–990. Bibcode:2014Sci...345..989V. PMID 25170128. doi:10.1126/science.345.6200.989 
  280. Public Health England. PHE study finds Ebola virus mutated slower than first thought (Relatório). Public Health England. Consultado em 15 de julho de 2015 
  281. «Scientists Release Ebola Sequencing Data to Global Research Community Online». Drug Discovery & Development. 3 de junho de 2015. Consultado em 7 de junho de 2015 
  282. Simon-Loriere, Etienne; Faye, Ousmane; Faye, Oumar; Koivogui, Lamine; Magassouba, Nfaly; Keita, Sakoba; Thiberge, Jean-Michel; Diancourt, Laure; Bouchier, Christiane; Vandenbogaert, Matthias; Caro, Valérie; Fall, Gamou; Buchmann, Jan P.; Matranga, Christan B.; Sabeti, Pardis C.; Manuguerra, Jean-Claude; Holmes, Edward C.; Sall, Amadou A. (6 de agosto de 2015). «Distinct lineages of Ebola virus in Guinea during the 2014 West African epidemic». Nature. 524 (7563): 102–104. Bibcode:2015Natur.524..102S. PMID 26106863. doi:10.1038/nature14612 
  283. Kevin McSpadden (29 de janeiro de 2015). «Ebola Virus has Mutated, Scientists Say». Time. Consultado em 31 de janeiro de 2015 
  284. Alfson, K. J.; Worwa, G.; Carrion Jr, R.; Griffiths, A. (16 de dezembro de 2015). «Determination of the Spontaneous Mutation Frequency of Ebola virus and Exploitation of this Therapeutically». Journal of Virology. 90 (5): 2345–2355. PMC 4810732 . PMID 26676781. doi:10.1128/JVI.02701-15 
  285. Griensven, Johan van; Günther, Stephan; Clerck, Hilde de; McElroy, Anita K.; Malvy, Denis (2 de março de 2019). «Ebola virus disease». The Lancet. 393 (10174): 936–948. PMID 30777297. doi:10.1016/S0140-6736(18)33132-5 
  286. Ng, Melinda; Ndungo, Esther; Kaczmarek, Maria E; Herbert, Andrew S; Binger, Tabea; Kuehne, Ana I; Jangra, Rohit K; Hawkins, John A; Gifford, Robert J (23 de dezembro de 2015). «Filovirus receptor NPC1 contributes to species-specific patterns of ebolavirus susceptibility in bats». eLife. 4: e11785. PMC 4709267 . PMID 26698106. doi:10.7554/eLife.11785 
  287. Gonzalez, J. P.; Pourrut, X.; Leroy, E. (2007). «Ebolavirus and Other Filoviruses». In: Childs, J. E.; Mackenzie, J. S.; Richt, J. A. Wildlife and Emerging Zoonotic Diseases: The Biology, Circumstances and Consequences of Cross-Species Transmission. Col: Current Topics in Microbiology and Immunology. 315. [S.l.: s.n.] pp. 363–387. ISBN 978-3-540-70961-9. PMID 17848072. doi:10.1007/978-3-540-70962-6_15 
  288. Mari Saez, A.; Weiss, S.; Nowak, K.; Lapeyre, V.; Zimmermann, F.; Dux, A.; Kuhl, H. S.; Kaba, M.; Regnaut, S.; Merkel, K.; Sachse, A.; Thiesen, U.; Villanyi, L.; Boesch, C.; Dabrowski, P. W.; Radonic, A.; Nitsche, A.; Leendertz, S. A. J.; Petterson, S.; Becker, S.; Krahling, V.; Couacy-Hymann, E.; Akoua-Koffi, C.; Weber, N.; Schaade, L.; Fahr, J.; Borchert, M.; Gogarten, J. F.; Calvignac-Spencer, S.; Leendertz, F. H. (30 de dezembro de 2014). «Investigating the zoonotic origin of the West African Ebola epidemic». EMBO Molecular Medicine. 7 (1): 17–23. PMC 4309665 . PMID 25550396. doi:10.15252/emmm.201404792. The severe Ebola virus disease epidemic occurring in West Africa likely stems from a single zoonotic transmission event involving a 2‐year‐old boy in Meliandou, Guinea, who might have been infected by hunting or playing with insectivorous free‐tailed bats living in a nearby hollow tree 
  289. D’Odorico, Paolo; Hayman, David T. S.; Santini, Monia; Rulli, Maria Cristina (14 de fevereiro de 2017). «The nexus between forest fragmentation in Africa and Ebola virus disease outbreaks». Scientific Reports (em inglês). 7. 41613 páginas. Bibcode:2017NatSR...741613R. ISSN 2045-2322. PMC 5307336 . PMID 28195145. doi:10.1038/srep41613 
  290. Nasi, Robert; Sheil, Douglas; Leendertz, Siv Aina; King, Shona; Suter, Jamison; Park, Douglas; Salim, Mohammad A.; Gaveau, David; Vargas, J. Mario; Farfán, Miguel A.; Márquez, Ana L.; Real, Raimundo; Fa, John E.; Olivero, Jesús (30 de outubro de 2017). «Recent loss of closed forests is associated with Ebola virus disease outbreaks». Scientific Reports (em inglês). 7 (1). 14291 páginas. Bibcode:2017NatSR...714291O. ISSN 2045-2322. PMC 5662765 . PMID 29085050. doi:10.1038/s41598-017-14727-9 
  291. CDC Telebriefing on Ebola outbreak in West Africa (Relatório). CDC. 28 de julho de 2014. Consultado em 3 de agosto de 2014 
  292. Osterholm, MT; Moore, KA; Kelley, NS; Brosseau, LM; Wong, G; Murphy, FA; Peters, CJ; LeDuc, JW; Russell, PK; Van Herp, M; Kapetshi, J; Muyembe, JJ; Ilunga, BK; Strong, JE; Grolla, A; Wolz, A; Kargbo, B; Kargbo, DK; Formenty, P; Sanders, DA; Kobinger, GP (19 de fevereiro de 2015). «Transmission of Ebola viruses: what we know and what we do not know». mBio. 6 (2): e00137. PMC 4358015 . PMID 25698835. doi:10.1128/mBio.00137-15 
  293. Broadhurst, M. Jana; Brooks, Tim J. G.; Pollock, Nira R. (outubro de 2016). «Diagnosis of Ebola Virus Disease: Past, Present, and Future». Clinical Microbiology Reviews. 29 (4): 773–793. PMC 5010747 . PMID 27413095. doi:10.1128/CMR.00003-16 
  294. Bausch, Daniel G. (2017). «West Africa 2013 Ebola: From Virus Outbreak to Humanitarian Crisis». In: Mühlberger, Elke; Hensley, Lisa L.; Towner, Jonathan S. Marburg- and Ebolaviruses: From Ecosystems to Molecules. Col: Current Topics in Microbiology and Immunology. 411. [S.l.]: Springer. p. 79. ISBN 978-3-319-68948-7. PMID 29071473. doi:10.1007/82_2017_69. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  295. Ebola media centre fact sheets (Relatório). WHO. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  296. Interim advice on the sexual transmission of the Ebola virus disease (Relatório). WHO. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  297. Deen, Gibrilla F.; Knust, Barbara; Broutet, Nathalie; Sesay, Foday R.; Formenty, Pierre; Ross, Christine; Thorson, Anna E.; Massaquoi, Thomas A.; Marrinan, Jaclyn E.; Ervin, Elizabeth; Jambai, Amara; McDonald, Suzanna L.R.; Bernstein, Kyle; Wurie, Alie H.; Dumbuya, Marion S.; Abad, Neetu; Idriss, Baimba; Wi, Teodora; Bennett, Sarah D.; Davies, Tina; Ebrahim, Faiqa K.; Meites, Elissa; Naidoo, Dhamari; Smith, Samuel; Banerjee, Anshu; Erickson, Bobbie Rae; Brault, Aaron; Durski, Kara N.; Winter, Jorn; Sealy, Tara; Nichol, Stuart T.; Lamunu, Margaret; Ströher, Ute; Morgan, Oliver; Sahr, Foday (14 de outubro de 2015). «Ebola RNA Persistence in Semen of Ebola Virus Disease Survivors — Preliminary Report». New England Journal of Medicine. 377 (15): 1428–1437. PMC 5798881 . PMID 26465681. doi:10.1056/NEJMoa1511410 
  298. «Why Testicles Are The Perfect Hiding Spot For Ebola». Popular Science. Consultado em 7 de maio de 2015 
  299. «Sex and masturbation may hamper Ebola eradication efforts». Reuters. 9 de setembro de 2015. Consultado em 14 de setembro de 2015 
  300. Deen, Gibrilla F.; Broutet, Nathalie; Xu, Wenbo; Knust, Barbara; Sesay, Foday R.; McDonald, Suzanna L.R.; Ervin, Elizabeth; Marrinan, Jaclyn E.; Gaillard, Philippe; Habib, Ndema; Liu, Hongtu; Liu, William; Thorson, Anna E.; Yamba, Francis; Massaquoi, Thomas A.; James, Faustin; Ariyarajah, Archchun; Ross, Christine; Bernstein, Kyle; Coursier, Antoine; Klena, John; Carino, Marylin; Wurie, Alie H.; Zhang, Yong; Dumbuya, Marion S.; Abad, Neetu; Idriss, Baimba; Wi, Teodora; Bennett, Sarah D.; Davies, Tina; Ebrahim, Faiqa K.; Meites, Elissa; Naidoo, Dhamari; Smith, Samuel J.; Ongpin, Patricia; Malik, Tasneem; Banerjee, Anshu; Erickson, Bobbie R.; Liu, Yongjian; Liu, Yang; Xu, Ke; Brault, Aaron; Durski, Kara N.; Winter, Jörn; Sealy, Tara; Nichol, Stuart T.; Lamunu, Margaret; Bangura, James; Landoulsi, Sihem; Jambai, Amara; Morgan, Oliver; Wu, Guizhen; Liang, Mifang; Su, Qiudong; Lan, Yu; Hao, Yanzhe; Formenty, Pierre; Ströher, Ute; Sahr, Foday (12 de outubro de 2017). «Ebola RNA Persistence in Semen of Ebola Virus Disease Survivors — Final Report». New England Journal of Medicine. 377 (15): 1428–1437. PMC 5798881 . PMID 26465681. doi:10.1056/NEJMoa1511410 
  301. Broutet, Nathalie; Lofthouse, Clare; Formenty, Pierre; Thorson, Anna (2016). «Systematic review of the literature on viral persistence and sexual transmission from recovered Ebola survivors: evidence and recommendations». BMJ Open. 6 (1): e008859. PMC 4716240 . PMID 26743699. doi:10.1136/bmjopen-2015-008859 
  302. Salaam-Blyther, Tiaji (26 de agosto de 2014). «The 2014 Ebola Outbreak: International and U.S. Responses» (PDF). Consultado em 9 de setembro de 2014 
  303. Prevention of Ebola Hemorrhagic Fever (Relatório). CDC. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  304. Ebola medics 'better trained in Sierra Leone than Spain' The Telegraph, by Fiona Govan, 11 October 2014
  305. «Two Americans Stricken With Deadly Ebola Virus in Liberia». NBC News. 28 de julho de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2014 
  306. «Doctors Without Borders: West Africa's Ebola Outbreak is Totally Out of Control». CTVNews. 20 de junho de 2014. Consultado em 21 de junho de 2014 
  307. Unprecedented number of medical staff infected with Ebola (Relatório). WHO. 25 de agosto de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2014 
  308. Ladner, Jason T; Wiley, Michael R; Mate, Suzanne; Dudas, Gytis; Prieto, Karla; Lovett, Sean; Nagle, Elyse R; Beitzel, Brett; Gilbert, Merle L; Fakoli, Lawrence; Diclaro, Joseph W; Schoepp, Randal J; Fair, Joseph; Kuhn, Jens H; Hensley, Lisa E; Park, Daniel J; Sabeti, Pardis C; Rambaut, Andrew; Sanchez-Lockhart, Mariano; Bolay, Fatorma K; Kugelman, Jeffrey R; Palacios, Gustavo (2015). «Evolution and Spread of Ebola Virus in Liberia, 2014–2015». Cell Host & Microbe. 18 (6): 659–669. PMC 4711363 . PMID 26651942. doi:10.1016/j.chom.2015.11.008