Abrir menu principal

Taça Geraldo Cleofas Dias Alves

A Taça Geraldo Cleofas Dias Alves foi uma partida disputada no dia 6 de outubro de 1976 entre a Seleção Brasileira de Futebol e o Clube de Regatas do Flamengo, em homenagem ao ex-jogador do Flamengo Geraldo Cleofas Dias Alves, mais conhecido como Geraldo Assoviador, morto dias antes da partida. Toda a renda desta partida - cerca de 3 milhões de cruzeiros - foi doada à família do Geraldo, que era considerado uma grande promessa do Flamengo e da Seleção Brasileira, e que morreu precocemente na mesa de cirurgia, devido a um choque anafilático, quando operava as amídalas.

Taça Geraldo Cleofas Dias Alves
Evento
Data 6 de outubro de 1976
Local Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro
Árbitro BrasilBRA Armando Marques
Público 142.404

Entre os 142.404 presentes no estádio estavam Eurico Gaspar Dutra, o governador do Rio, Faria Lima, e o presidente do Brasil Ernesto Geisel. Na sua comitiva também estavam cinco ministros, entre eles o chefe da Casa Civil, Hugo de Abreu, e os presidentes da Câmara dos Deputados, Célio Borja, e do Congresso, senador Magalhães Pinto. Também participou do encontro o presidente da CBD, almirante Heleno Nunes, além de presidentes de empresas estatais.[1]

A PartidaEditar

Para esta partida, o Flamengo entrou em campo vestindo calções negros, que a equipe utilizava apenas em sinal de luto, como nos jogos subsequentes à morte do presidente Gilberto Ferreira Cardoso, em 1955. O time era comandado há pouco menos de um mês pelo então novato Cláudio Coutinho, que substituiu no cargo o veterano Carlos Froner.

Para homenagear Geraldo, a Seleção Brasileira - que nesta partida fora dirigida por Mário Travaglini, que substituiu Oswaldo Brandão, que se recuperava de uma cirurgia - foi formada por vários campeões do mundo em 1970. Entre os veteranos do tricampeonato do México, estavam em campo craques como Rivelino, Paulo César Caju, Jairzinho e até Pelé, que jogou apenas um tempo. Já no grupo dos mais jovens vestiram a camisa amarelinha Leão, Zé Maria, Gil e Valdomiro, entre outros.[1]

No intervalo do jogo, Pelé, ao lado de Carlos Alberto Torres e Leão, entregou uma placa de prata a Geisel. Era um agradecimento dos jogadores brasileiros pela regulamentação da profissão.[1]

Comandado por Zico, destaque da noite no Maracanã, o Flamengo abriu o placar logo aos cinco minutos de jogo. Após um passe em profundidade do Galinho de Quintino, Paulinho entrou pela direita e, diante da saída do goleiro Félix, tocou para as redes. E aos 11 minutos Luís Paulo marcou o segundo gol na equipe desentrosada dirigida por Mário Travaglini. Do outro lado do campo, Cantareli teve pouco trabalho, exceto numa cabeçada de Pelé que lhe obrigou a fazer boa defesa.

Ficha Técnica da PartidaEditar

6 de outubro de 1976 Flamengo   2 – 0   Brasil Maracanã, Rio de Janeiro

Paulinho   5'
Luís Paulo   11'
Público: 142,404
Árbitro:   Armando Marques
     
 
 
Flamengo
     
 
 
  Brasil
G 1 Cantareli
LD 2 Dequinha
Z 3 Jaime de Almeida  
Z 4 Rondinelli  
LE 5 Júnior
V 6 Merica  
V 8 Tadeu  
M 10 Zico  
A 7 Luís Paulo  
A 9 Paulinho  
A 11 Luisinho  
Substituições:
Andrade  
Paolino  
Zé Roberto  
Dendê  
Júlio César Uri Geller  
Adílio  
Júnior Brasília  
Marciano  
Treinador:
  Cláudio Coutinho
G 1 Félix  
LD 2 Carlos Alberto Torres  
Z 3 Marinho Peres  
Z 4 Piazza  
LE 5 Marco Antônio  
V 6 Clodoaldo
M 8 Rivelino  
M 7 Jairzinho  
A 10 Pelé  
A 9 Paulo César Cajú  
A 11 Edu Coimbra  
Substituições:
G 12 Emerson Leão  
' Wladimir  
' Zé Maria  
' Beto Fuscão  
' Rodrigues Neto  
' Ademir da Guia  
' Gil  
' Dario  
' Neca  
' Valdomiro  
Treinador:
Mário Travaglini

Referências

  1. a b c acervo.oglobo.globo.com/ Flamengo derrotou seleção brasileira com Rivelino e Pelé no Maracanã, em 1976

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.