Terapeuta respiratório

Terapeuta em respiração
Turkish pediatrician listens to a childs heartbeat in Afghanistan.jpg
Tipo
especialista
Setor de atividade
Campos de trabalho
Empregos relacionadas

Um terapeuta respiratório é um profissional de saúde especializado e treinado em medicina pulmonar, que se formou em uma universidade e foi aprovado por um exame nacional de certificação para exercer a profissão terapeuticamente em pessoas que sofrem de doença pulmonar. Os terapeutas respiratórios trabalham mais frequentemente em salas de cuidados intensivos e cirúrgicos, mas também são encontrados em clínicas ambulatoriais e ambientes de saúde em domicílio.

Os terapeutas respiratórios são especialistas e educadores em cardiologia e pneumologia. Além de serem clínicos treinados no manejo avançado das vias aéreas; estabelecendo e mantendo a via aérea durante o manejo de trauma, cuidados intensivos e pode administrar anestesias para cirurgias ou sedação consciente.

Os terapeutas respiratórios iniciam e gerenciam o suporte vital para pessoas em unidades de terapia intensiva e departamentos de emergência, estabilizando, tratando e gerenciando o transporte de pacientes pré-hospitalar ou de hospital para hospital por transporte aéreo ou terrestre.

No ambulatório, os terapeutas respiratórios trabalham como educadores em clínicas de asma, pessoal clínico auxiliar em clínicas pediátricas e diagnosticadores do transtorno do sono em clínicas de sono. Eles também servem como provedores clínicos em clínicas de cardiologia e laboratórios.

Prática clínicaEditar

Cuidados domiciliaresEditar

Fora de clínicas e hospitais, os terapeutas respiratórios geralmente gerenciam as necessidades de oxigênio domiciliares dos pacientes e suas famílias, fornecendo suporte para ventiladores domésticos e outros equipamentos para condições como a apneia do sono.

Na clínica ou no ambulatório, os terapeutas respiratórios auxiliam no diagnóstico e servem de educador para pacientes com doenças cardíacas e respiratórias.[1] Nos Estados Unidos, os terapeutas respiratórios com certificação registrado avaliam e tratam os pacientes com grande autonomia sob a direção de um pneumologista.[2] Em instalações que mantêm equipes de transporte de cuidados intensivos, os terapeutas respiratórios são uma adição preferencial a todos os tipos de transporte terrestre ou aéreo.[3]

Educação públicaEditar

Em diversos países, os terapeutas respiratórios são encontrados nas escolas como educadores de asma, trabalhando com professores e treinadores sobre sintomas de asma da infância e como detectar uma emergência. Nos Estados Unidos, a legislação foi introduzida várias vezes para permitir aos terapeutas respiratórios certificados como especialistas em asma com certificação registrada para prescrever e gerenciar pacientes respiratórios previamente diagnosticados em clínicas médicas.[4][5] Nas clínicas de sono, os terapeutas respiratórios trabalham com médicos no diagnóstico de doenças relacionadas ao sono. Nos Estados Unidos, os profissionais estão migrando para um papel com autonomia semelhante ao enfermeiro praticante ou uma extensão do médico, como o assistente médico.[6] Os terapeutas respiratórios são frequentemente utilizados como especialistas cardiovasculares completos e utilizados para colocar e gerenciar acessos arteriais juntamente com cateteres centrais inseridos perifericamente.[7]

Cuidados respiratórios internacionaisEditar

Com exceção dos Estados Unidos e do Canadá, poucos países têm um reconhecimento profissional dedicado à saúde respiratória. Nestes países, os fisioterapeutas, enfermeiros e médicos que optaram por se especializar neste campo proporcionam os cuidados respiratórios. Em muitos países, esse reconhecimento está em fase de transição; como exemplo, em 2011, os hospitais de Pequim, China, iniciaram uma campanha de recrutamento para adquirir terapeutas respiratórias para suas unidades de terapia intensiva, onde anteriormente os enfermeiros eram o único clínico.[8]

AlemanhaEditar

A Sociedade Respiratória Alemã emitiu uma resolução para desenvolver o papel dedicado pelo terapeuta respiratório (RT) em 2004, como um meio para aumentar a qualidade do atendimento ao paciente, delegar deveres médicos e responder ao aumento observado nas condições respiratórias e doenças. Em 2006, um programa de treinamento piloto de um ano foi oferecido a enfermeiros e fisioterapeutas estabelecidos.[9] Os pesquisadores relatam que é necessário um trabalho adicional significativo para definir e posicionar a profissão do terapeuta respiratório no sistema de saúde atual.[10]

FilipinasEditar

Nas Filipinas, os terapeutas respiratórios são clínicos que receberam no mínimo um Bacharel em Ciências de Cuidados Respiratórios.[11] As licenças para a prática de cuidados respiratórios são reguladas pelo Conselho Regulatório Profissional de Terapia Respiratória e Comissão de Regulação Profissional, que está estabelecido e legalmente mantido pela Lei de Terapia Respiratória das Filipinas (Lei No. 10024).[12]

Emirados Árabes UnidosEditar

Nos Emirados Árabes Unidos, os terapeutas respiratórios devem ser graduados com um Bacharel em Ciências de Cuidados Respiratórios. Além disso, são necessários mais dois anos de experiência para candidatos estrangeiros. As licenças são mantidas e concedidas pela Autoridade de Saúde de Dubai. A autoridade de saúde restringe os terapeutas respiratórios a trabalhar apenas em medicina física e em centros de reabilitação, hospitais, clínicas cirúrgicas com cirurgiões cardio-torácicos e com médicos em família, prática geral ou pneumologia.[13]

Especialistas em terapias respiratóriasEditar

Assistentes de anestesiaEditar

 
Vaporizador de anestesia

O papel tradicional do terapeuta respiratória na sala cirúrgica incluiu fornecer suporte técnico ao anestesiologista para o bom uso e manutenção da máquina de gás anestésico, além de também fornecer gerenciamento de vias aéreas. Após o passar do tempo, este papel nas salas cirúrgicas evoluiu para um papel mais avançado e especializado com responsabilidades crescentes para o profissional. Os terapeutas respiratórios estão preparados academicamente para realizar atividades como sedação por administração de gases anestésicos e medicamentos, inserção e manejo de acesso vascular (arterial e venoso) e avaliação da profundidade da anestesia sob orientação de um anestesista ou enfermeiro anestesista.[14] Esse papel é semelhante ao enfermeiro anestesista,[15] exceto que um auxiliar de anestesia deve ter um anestesista que o supervisiona e um enfermeiro anestesista, não.[16]

Especialistas em asmaEditar

Os especialistas em asma trabalham em clínicas, hospitais e escolas como educador para professores, pais, pacientes e profissionais de asma e alergias. Os terapeutas respiratórios no papel de educador de asma também ajudam a diagnosticar e tratar a asma e outras doenças respiratórias.[17] Além disso, um Educador de Asma é o clínico de recursos em ambientes ambulatoriais para avaliar e aconselhar médicos em planos de tratamento e ajudar a facilitar a compreensão do paciente e o cumprimento do plano.[18] Nos Estados Unidos, os educadores de asma certificados (AE-C) são credenciados pelo National Asthma Education Certification Board (NAECB).[19]

No Canadá, a Rede Canadense para Cuidados Respiratórios administra duas certificações para a especialização como Educadora de Asma Respiratória, o Educador Certificado de Asma (CAE) (preferido por profissionais com foco pediátrico) e o Educador Respiratório Certificado (CRE), que compreende o programa CAE com treinamento adicional em DPOC.[20]

Fibrose císticaEditar

Os terapeutas respiratórios trabalham com pessoas que sofrem de fibrose cística em clínicas e hospitais.[21]

Perfusionista cardiovascularEditar

 
Cirurgia cardiovascular.

Os terapeutas respiratórios são capazes de cumprir o papel de perfusionista com o treinamento apropriado. O perfusionista é um membro altamente treinado da equipe cirúrgico cardio-torácica que consiste em cirurgiões cardíacos, anestesiologistas, assistentes médicos, técnicos cirúrgicos, outros terapeutas respiratórios e enfermeiros. A principal responsabilidade do perfusionista é apoiar as necessidades fisiológicas e metabólicas do paciente cirúrgico cardíaco, de modo que o cirurgião cardíaco possa operar em um coração imóvel e não compulsivo. As certificações perfusionistas são mantidas e graduadas pela Academia Americana de Perfusão Cardiovascular.[22]

Oxigenação por membrana extracorpóreaEditar

 
Um terapeuta respiratório toma uma amostra de sangue de um bebê de 3 dias em preparação para a transferência para uma unidade de Oxigenação de Membrana Extracorpórea

Oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO) é uma técnica modificada de bypass cardiopulmonar utilizada para o tratamento de insuficiência cardíaca ou respiratória fatal. Um Especialista Clínico ECMO é um especialista técnico treinado para gerenciar o sistema ECMO, incluindo bomba de sangue, tubulação, oxigenador artificial e equipamentos relacionados.

O Especialista em ECMO também é responsável pelas necessidades clínicas do paciente, que pode incluir o gerenciamento de oxigênio e a remoção de dióxido de carbono, manutenção do equilíbrio ácido-base normal, administração de medicamentos, sangue e produtos sanguíneos e manutenção de terapias de anticoagulação apropriadas para o sangue.[23][24] Este Especialista Clínico ECMO pode ser o enfermeiro de cuidados intensivos da cabeceira, treinado especificamente no gerenciamento de pacientes e circuitos de ECMO.[25] ou o sistema pode ser administrado principalmente por um terapeuta respiratório registrado.[26]

Cuidados intensivos neonatais e pediátricosEditar

Tal como os terapeutas respiratórios intensivistas adultos, os especialistas neonatais e pediátricos lidam principalmente com a gestão do suporte vital para pacientes pediátricos ou neonatais.[27] Os terapeutas respiratórios pediátricos são treinados extensivamente em pacientes e familiares pré-natal e intra-parto.[27] Nos Estados Unidos existe uma certificação especializada e é concedida pelo Conselho Nacional de Cuidados Respiratórios, que é disponível para os terapeutas respiratórios que possuem certificação como Terapeuta Respiratório ou registrado, porém o registrado é preferido pela maioria das instituições.[27][28][29]

Referências

  1. «PCC Notes: Respiratory students train» (em inglês). The Reflector. Consultado em 6 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2016 
  2. Harbrecht BG, Delgado E, Tuttle RP, Cohen-Melamed MH, Saul MI, Valenta CA (2009). «Improved outcomes with routine Respiratory Therapist evaluation of non-intensive-care-unit surgery patients.» 7 ed. Respiratory Care. 54: 861–7. PMID 19558737 
  3. O'Malley RJ, Rhee KJ (1993). «Contribution of air medical personnel to the airway management of injured patients.» 11-12 ed. Air Med J. 12: 425–8. PMID 10130326. doi:10.1016/S1067-991X(05)80138-5 
  4. 112th Congress (2011) (8 de março de 2011). «H.R. 941». Legislação US (em inglês). GovTrack.us. Consultado em 28 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2011. Medicare Respiratory Therapy Initiative Act of 2011 
  5. 110th Congress (2007) (25 de outubro de 2007). «H.R. 3968». Legislação US (em inglês). GovTrack.us. Consultado em 28 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2011. Medicare Respiratory Therapy Initiative Act of 2007 
  6. Shelledy DC, Wiezalis CP (2005). «Education and credentialing in respiratory care: where are we and where should we be headed?» 3 ed. Respiratory Care Clinics of North America. 11: 517–30. PMID 16168918. doi:10.1016/j.rcc.2005.04.003 
  7. Rowley DD, Mayo DF, Durbin CG (maio de 2000). «Initial experience with a Respiratory Therapist arterial line placement service» 5 ed. Respiratory Care. 45: 482–5. PMID 10813223 
  8. Li J, Zhan QY, Liang ZA, Tu ML, Sun B, Yao XL; et al. (2011). «Respiratory Care Practices and Requirement for Respiratory Therapists in Beijing ICUs.» 3 ed. Respiratory Care. 57: 370–6. PMID 22005194. doi:10.4187/respcare.01093 
  9. Karg O, Bubulj C, Esche B, Geiseler J, Bonnet R, Mäder I. [The Respiratory Therapist]. Pneumologie. 2008;62(11):685-9.
  10. Karg, O., Bubulj, C., Esche, B., Geiseler, J., Bonnet, R., Mader, I., 2008. Karg, O., Bonnet, R., Magnussen, H., Kohler, D., 2008
  11. «Philippines Enacts Licensure for RTs» (em inglês). American Association for Respiratory Care. 12 de março de 2010. Consultado em 12 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 12 de maio de 2011 
  12. Kabiling, Genalyn (19 de março de 2010). «Gov't regulates practice of respiratory therapy». Manila Bulletin (em inglês). Filipinas: Manila Bulletin. Consultado em 10 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 26 de março de 2010 
  13. «Allied Healthcare Professionals' Licensure» (PDF) (em inglês). Autoridade de Saúde de Dubai. Consultado em 3 de fevereiro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 17 de abril de 2012 
  14. «Archived copy» (PDF) (em inglês). Consultado em 26 de março de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 27 de março de 2013 
  15. «Five facts about AAs» (em inglês). American Academy of Anesthesiologist Assistants. Consultado em 25 de novembro de 2010. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2006 
  16. United States Code of Federal Regulations (42 C.F.R. § 482.52 Condition of participation: Anesthesia services)
  17. «Archived copy» (em inglês). Consultado em 17 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 19 de março de 2012 
  18. Davis JJ, Bailey WC (2006). «Teach a man to fish and you have fed him for a lifetime» 2 ed. Chest (em inglês). 129: 220–1. PMID 16478832. doi:10.1378/chest.129.2.220 
  19. http://www.naecb.org Arquivado 2011-08-09 no Wayback Machine National Asthma Education Certification Board (NAECB)
  20. «Archived copy» (em inglês). Rede Canadense para Cuidados Respiratórios. Consultado em 7 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2012 
  21. «Archived copy» (em inglês). Consultado em 17 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 19 de março de 2012 
  22. «Clinical Perfusionists Currently Certified by the American Board of Cardiovascular Perfusion through December 31, 2010» (em inglês). American Board of Cardiovascular Perfusion. Consultado em 15 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2010 
  23. Dalton HJ (2011). Volume 9. «Extracorporeal life support: moving at the speed of light». Respiratory Care. 56: 1445-53; discussion 1453-6. PMID 21944690. doi:10.4187/respcare.01369 
  24. «Archived copy» (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2011 
  25. Extracorporeal Life Support Organization, ELSO. «ELSO Guidelines for ECMO Centers» (PDF) (em inglês). University of Michigan Health System. Consultado em 2 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 26 de abril de 2012 
  26. «Respiratory Therapists as Extracorporeal Membrane Oxygenation (ECMO) Specialists» (em inglês). American Association for Respiratory Care. 1998. Cópia arquivada em 5 de abril de 2012 
  27. a b c Kashani KB, Farmer JC (2006). «The support of severe respiratory failure beyond the hospital and during transportation» 1 ed. Curr Opin Crit Care (em inglês). 12: 43–9. PMID 16394783 
  28. Beninati W, Meyer MT, Carter TE (2008). «The critical care air transport program» 7 Suppl ed. Crit Care Med. 36: S370-6. PMID 18594265. doi:10.1097/CCM.0b013e31817e3143 
  29. DiBlasi RM, Cheifetz IM (2011). «Neonatal and pediatric respiratory care: what does the future hold?» 9 ed. Respiratory Care. 56: 1466–80. PMID 21944692. doi:10.4187/respcare.01505