Abrir menu principal

Wikipédia β

Terminal Rodoviário da Luz

Nota: Este artigo se refere ao terminal rodoviário. Se procura a estação ferroviária homônima, consulte Estação da Luz.

O Terminal Rodoviário da Luz foi o principal terminal rodoviário da cidade de São Paulo até o ano de 1982, quando foi construído o Terminal Rodoviário Tietê. Ficava localizado na Praça Júlio Prestes, na região da Luz, no centro de São Paulo.

Terminal Rodoviário da Luz
Uso atual Imóvel demolido
Informações históricas
Inauguração 1961
Fechamento 1982
Localização
Coordenadas Gnome-globe.png Rodoviária da Luz
Localização Avenida Duque de Caxias, 907 - Luz, São Paulo, SP

HistóriaEditar

Já houvera intenção, no início dos anos 1950, de se fazer uma estação rodoviária em São Paulo na região da Luz, mas em pleno Parque da Luz, ideia que acabaria rejeitada.[1] O terminal de passageiros da Luz, com dezenove mil metros quadrados,[2] foi inaugurado em 25 de janeiro de 1961,[3] próximo às estações ferroviárias da Luz e Júlio Prestes, centralizando o transporte intermunicipal da cidade na mesma região. A obra foi construída durante a gestão do governador Ademar de Barros, pela parceria dos empresários Carlos Caldeira Filho e Octávio Frias de Oliveira com a prefeitura de São Paulo. Destacavam-se em sua arquitetura o chafariz no hall central e as pastilhas coloridas nas paredes internas, que foram eliminados quando o local foi reformado para abrigar um shopping, anos mais tarde.[2] A rodoviária foi um dos primeiros locais na cidade a receber aparelhos de televisão em cores, na primeira metade dos anos 1970, o que atraiu muitos interessados em assistir a jogos de futebol.[2]

Já no primeiro mês de funcionamento moradores do bairro de Campos Elísios, no entorno da estação, reclamara de um suposto aumento na criminalidade da região e do "trânsito infernal".[3] Os 2,5 mil ônibus que passavam diariamente pela rodoviária chegavam a levar até uma hora para percorrer um trecho que não chegava a ter duzentos metros.[3] Para aliviar o trânsito da região, em outubro de 1977 a CMTC transferiu diversos pontos de ônibus que ficavam na Praça Júlio Prestes para a Praça Princesa Isabel, a duas quadras da estação.[4] "O terminal urbano da Praça Júlio Prestes afetava diretamente a circulação dos ônibus de transporte intermunicipal e interestadual", explicou à época o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de São Paulo.[4] Dois meses depois houve outra tentativa de aliviar o trânsito na região, com a abertura de uma rua particular que dava aos ônibus acesso direto às plataformas 21 a 25.[5]

Para o urbanista Jorge Wilheim, em entrevista publicada no Jornal da Tarde em 2010, faltou planejamento: "Historicamente, rodoviárias já contribuem pela degradação da região. Depois, com a desativação, houve uma estrutura ociosa de hotéis e bares que se tornaram alvo fácil para a degradação da área."[3] Com o crescimento da cidade e o aumento considerável do transporte rodoviário de passagem pela cidade, a Rodoviária da Luz tornou-se saturada. Assim, em 1977 foi inaugurado o Terminal Intermunicipal Jabaquara, para descentralizar as operações.[6] Em 9 de maio de 1982 o governador Paulo Maluf inaugurou o novo terminal de passageiros, o Tietê, desativando o antigo.[6] Após a desativação da estação o prédio foi vendido a um grupo de empresários e no local passou a funcionar a partir de 1988[6] o shopping popular Fashion Center Luz.

Em 2007 o governador José Serra anunciou que iria desapropriar o antigo prédio para a instalação de um centro cultural público, com a inclusão de um teatro e uma escola de dança. O projeto de construção do Complexo Cultural Luz, que já foi alvo de críticas do Instituto de Arquitetos do Brasil, é a principal obra com o objetivo de recuperar a região da Luz, conhecida como "Cracolândia", tem orçamento de seiscentos milhões de reais — o dobro do custo inicial estimado — e abrigará o Teatro da Dança de São Paulo.[3] O teatro deverá ter três teatros, incluindo um com capacidade para 1 750 pessoas e ainda será a sede do Centro de Estudos Musicais Tom Jobim e da São Paulo Companhia de Dança.

O prédio foi desocupado já em 2007,[6] mas a demolição só começou em 12 de abril de 2010, e prevê-se que as obras começarão em janeiro de 2011, com inauguração do complexo em 2014.[3] As obras ficaram interrompidas por cerca de um mês no segundo semestre, por causa de uma liminar impetrada por uma das empresas que perderam a licitação para a demolição.[7]

Referências

  1. «'Não deve o Jardim da Luz ser sacrificado para dar lugar à Estação Rodoviária'». Folha de S. Paulo (9 029). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A. 2 de setembro de 1953. pp. pág. 8 
  2. a b c «Pastilhas coloridas, chafariz e TVs eram a 'marca registrada'». Jornal da Tarde (14 477). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. 13 de abril de 2010. pp. pág. 4A. ISSN 1516-294X. Consultado em 13 de abril de 2010 
  3. a b c d e f Vitor Hugo Brandalise (13 de abril de 2010). «Rodoviária da Luz começa a ser demolida». Jornal da Tarde (14 477). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. pág. 4A. ISSN 1516-294X. Consultado em 13 de abril de 2010 
  4. a b «Ônibus urbanos deixam a Estação Rodoviária». Folha de S. Paulo (17 723). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A. 11 de outubro de 1977. pp. pág. 19 
  5. «Nova travessa junto à Estação Rodoviária». Folha de S. Paulo (17 793). São Paulo: Empresa Folha da Manhã S.A. 20 de dezembro de 1977. pp. pág. 17 
  6. a b c d Vitor Hugo Brandalise (13 de abril de 2010). «Demolição de rodoviária começa a mudar a Luz». O Estado de S. Paulo (42 546). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. pág. C12. ISSN 1516-2931. Consultado em 13 de abril de 2010 
  7. Rodrigo Burgarelli e Diego Zanchetta (1 de outubro de 2010). «Recomeça demolição da rodoviária». Jornal da Tarde (14 648). São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. pp. pág. 5A. ISSN 1516-294X 

Ligações externasEditar