Théophile Steinlen

Théophile Steinlen
Nascimento 10 de novembro de 1859
Lausana
Morte 14 de dezembro de 1923 (64 anos)
Paris
Sepultamento Cemitério de Saint-Vincent
Cidadania Suíça, França
Alma mater Universidade de Lausanne
Ocupação pintor, ilustrador, cartazista, escultor, artista gráfico, litógrafo, designer
Movimento estético Art nouveau

Théophile Alexander Steinlen (10 de Novembro de 1859 - 13 de Dezembro de 1923) foi um pintor e gravador suiço.

BiografiaEditar

Nascido em Lausanne [1] , Steinlen estudou na Universidade de Lausanne antes de começar a trabalhar como designer aprendiz em uma fábrica textil em Mulhouse, leste da França.Nos seus vinte e pouco anos, quando ainda estava desenvolvendo suas habilidades , foi encorajado , pelo pintor François Bocion a se mudar junto com a esposa para a comunidade artística de Montmartre Quarte em Paris [2]. Uma vez lá, Steinlen se tornou amigo do artista Adolpho Willete que o apresentou, então, ao seu grupo artístico do Le Chat Noir. Tal amizade o levou a receber encomendas pra fazer posters para o dono e animador do cabaret Aristide Bruart, entre outros projetos comerciais. No inicio dos anos 1890, as pinturas de Steinlen de paisagens, flores e nus eram expostas no Salon des Indepéndants.

Sua litografia de 1895 chamada Les Chanteurs des Rues foi capa da um trabalho intitulado Chanson de Montmatre publicado pela Éditions Flamarion composta por 16 litografias originais que ilustravam as canções Belle Époque de Paul Delmet. Sua casa, Montmarre e a vizinhança foram temas favoritos por toda a vida de Steinlen e ele frequentemente pintava cenas de alguns dos aspectos mais da vida da região. Sua filha Colette foi tratada em muitos de seus trabalhos [3]. Para além de pinturas e desenhos, ele também fazia, em um menor escala, esculturas. Com destaque para as de gatos pelos quais ele nutria grande afeto [4]. Steinlen incluiu gatos em muitas das suas ilustrações e chegou mesmo a publicar um livro de seus desenhos de felinos "Dessin sans Paroles des chats" [5].

Steinlen se tornou um colaborador regular das revistas Le Rire e Gil Blas, além de inúmeras outras publicações incluindo L'assiette au Béurre e Les Humoristes, uma revista de curta duração que ele e uma duzia de outros artistas fundaram conjuntamente em 1911 [6]. Entre 1883 e 1920, ele produziu centenas de ilustrações, muitas das quais foram feitas sob um pseudônimo de modo a evitar perseguição politica dada as ferrenhas criticas que Steinlen fazia às mazelas sociais de sua época. Sua arte influenciou o trabalho de muitos outros artistas incluindo Pablo Picasso [7] [8].

Théophile Steinlen morreu em 1923 em Paris e foi sepultado no Cimetière Saint Vincent em Montmartre. Atualmente, seus trabalhos podem ser encontrados em muitos museus ao redor do mundo entre eles o Hermitage Museum em São Petersburgo na Russia e na National Gallery of Art em Washington, Estados Unidos. Um monumento em pedra feito por Pierre Vannier em 1936 em homenagem a Steinlen está localizado na praça Joel le Tac em Paris [9].

Referências