The Express: The Ernie Davis Story

filme de 2008 dirigido por Gary Fleder

The Express: The Ernie Davis Story (The Express: A História de Ernie Davis (português europeu) ou No Limite, a História de Ernie Davis (português brasileiro)) é um filme norte-americano de 2008. ele foi produzido por John Davis e dirigido por Gary Fleder, com enredo concebido no livro de 1983 de Charles Leavitt, Ernie Davis: The Elmira Express. O filme narra a vida do jogador de futebol da Universidade de Syracuse, Ernie Davis, o primeiro afro-americano a ganhar o Troféu Heisman, interpretado pelo ator Rob Brown. The Express explora tópicos de direitos civis, como racismo, discriminação e atletismo.

The Express: The Ernie Davis Story
The Express: A História de Ernie Davis[1] (PRT)
No Limite, a História de Ernie Davis[2] (BRA)
Estados Unidos
2008 •  cor •  130 min 
Direção Gary Fleder
Produção John Davis
História Baseado em Ernie Davis: The Elmira Express por Robert C. Gallagher
Elenco Dennis Quaid
Rob Brown
Omar Benson Miller
Clancy Brown
Charles S. Dutton
Música Mark Isham
Companhia(s) produtora(s) Relativity Media
Davis Entertainment
Distribuição Universal Pictures
Lançamento 10 de outubro de 2008
Idioma inglês

SinopseEditar

Baseado na história real de Ernie Davis (1939-1963), um jogador de futebol afro-americano que conquistou o Troféu Heisman. No entanto, para alcançar a conquista, esteve exposto ao racismo de vizinhos na Pensilvânia, onde morava com seus avós durante a infância. Mais tarde, mudou-se com sua mãe para Nova Iorque e integrou a equipe da Universidade de Syracuse, sendo treinado por Ben Schwartzwalder. Conhecido também pela defesa dos direitos civis e pela igualdade dentro e fora do campo, Ernie Davis é considerado uma fonte de inspiração.[1]

ElencoEditar

Os seguintes interpretes atuaram no filme:[3]

ProduçãoEditar

DesenvolvimentoEditar

A premissa de The Express é baseada na história real de Ernie Davis, o atleta carismático que se tornou o primeiro afro-americano a ganhar o Troféu Heisman, a maior conquista do futebol universitário. Destacando-se no futebol desde o ensino médio, Davis foi posteriormente recrutado por dezenas de universidades predominantemente brancas. Um colunista de esportes local o apelidou de Elmira Express.[4] Davis foi informado de sua doença terminal, leucemia, durante o verão de 1962. De acordo com Art Modell, entristecido, ele disse: "Disseram-lhe o mais gentilmente possível que era um caso incurável de leucemia. Foi horrível, mas do jeito que ele recebeu, parecia muito mais um golpe para mim e seus colegas de equipe do que para ele."[4]

Após o período de draft da NFL, o Washington Redskins enviou Davis para Cleveland em troca do consagrado Bobby Mitchell; ele assinou um contrato de cem mil dólares com os Browns.[5] Em 16 de maio de 1963, visitou o proprietário do Cleveland Browns, Art Modell, prometendo voltar à carreira, apesar de parecer terminalmente doente. Dois dias depois, em 18 de maio, Davis morreu da doença então incurável.[5] O companheiro de equipe e amigo de Davis, John Brown, lembrou-o como um "homem genuíno e gentil, além de cavalheiro." O presidente John F. Kennedy chamou Davis de "um jovem notável de grande caráter" e "uma inspiração para os jovens". deste país." O livro intitulado Ernie Davis: The Elmira Express, de autoria do escritor Robert C. Gallagher, tornou-se a base do filme.[5]

FilmagemEditar

As filmagens começaram em abril de 2007, realizadas em locais da área de Chicago, incluindo os colégios Lane Technical, Amundsen e J. Sterling Morton em Berwyn; a Universidade do Noroeste em Evanston; o Museu Illinois Railway em Union, o Memorial Park, a rua Walnut e a avenida Olde Western.[6] Concluiu sua sessão de cinquenta e três dias na Universidade de Syracuse.[7]

Trilha sonoraEditar

A trilha sonora original do filme The Express foi lançada pela gravadora Lakeshore Records em 28 de outubro de 2008. Apresenta músicas compostas com considerável uso de violino, trombone e violoncelo. A partitura do filme foi orquestrada por Mark Isham.[8] Michael Bauer editou as músicas do filme, que foram escritas pelos artistas Vaughn Horton, Frankie Miller, Ralph Bass, Ray Charles e Lonnie Brooks.[3]

The Express: Original Motion Picture Soundtrack
N.º Título Duração
1. "Prologue"   1:31
2. "Jackie Robinson"   2:06
3. "Elmira"   1:57
4. "Lacrosse"   2:07
5. "Training"   4:17
6. "A Meeting"   1:17
7. "A Good Man"   5:45
8. "I'm Staying In"   1:18
9. "Cotton Bowl"   7:36
10. "Don't Lose Yourselves"   4:43
11. "Ernie Davis"   1:37
12. "Heisman"   1:12
13. "Draft"   2:35
14. "Rain"   1:51
15. "I'm An Optimist"   2:46
16. "What Kind of Bottle"   1:49
17. "The Express"   5:02
Duração total:
49:28

Imprecisões históricasEditar

Jornalistas e críticos de cinema observaram que uma cena de "vitríolo racista" envolvendo o jogo de 24 de outubro de 1959 entre Syracuse e a West Virginia era fictícia e, como observou o contribuinte do Film Journal International, Frank Lovece, "transforma notavelmente em uma calúnia."[9][10] Ele ressalta ainda que o jogo foi "falsamente mostrado como sendo disputado no Mountaineer Field da WVU em Morgantown, e não no Archbold Stadium de Syracuse", o campo de origem dos Orangemen na época. O quarterback de Syracuse, Dick Easterly, que jogou com Davis, disse logo após o lançamento do filme: "Não culpo as pessoas da Virgínia Ocidental por terem ficado confusas. A cena é completamente fictícia."[11]

Bobby Lackey, zagueiro do Texas Longhorns de 1959, afirmou em 2008 que as tensões raciais e o comportamento de Longhorn retratados no clássico Cotton Bowl de ano novo de 1960 eram "histórias para tentar vender mais ingressos de cinema" e justificam a ação de seu colega de quarto, Larry Stephens, como apenas "tentando levar o cara (Davis) para uma briga, para que ele fosse jogado para fora do jogo porque seus atletas eram muito melhores que os nossos."[12] No entanto, John Brown, atacante negro da Syracuse, afirmou que havia "adversários que os chamavam de nomes racistas em campo", incluindo um atacante do Texas que o chamou de "grande pedaço de [palavrão] suja."[13] Brown diz que o jogador pediu desculpas e ele o perdoou. Além disso, Al Baker, o zagueiro negro de Syracuse, disse após o jogo: "Oh, eles eram ruins. Um deles cuspiu na minha cara enquanto eu carregava a bola pela linha."[14][15] Patrick Whelan e Dick Easterly, dois jogadores brancos de Syracuse, disseram que, embora o filme possa ter ficcionalizado partes da história, a partida de 1960 foi o pior confronto da equipe contra o racismo.[16]

RepercussãoEditar

Resposta críticaEditar

No agregador de críticas Rotten Tomatoes, o filme tem uma classificação de aprovação de 61%, com base em 114 críticas. A classificação média é de 6.2 de 10 e o consenso crítico diz: "Este cenário biográfico esportivo inspirado na era dos direitos civis é interessante até para os que não são jogadores de futebol e apresenta um ótimo desempenho de Dennis Quaid como treinador de futebol rigoroso, mas justo".[17] No Metacritic, que atribui uma média ponderada às críticas, o filme recebeu uma pontuação de 58 com base em 27 revisões, indicando "críticas mistas."[18]

Referências

  1. a b «THE EXPRESS - A HISTÓRIA DE ERNIE DAVIS». Mag.sapo.pt. Consultado em 30 de junho de 2020. Cópia arquivada em 30 de junho de 2020 
  2. «NO LIMITE, A HISTÓRIA DE ERNIE DAVIS». AdoroCinema. Consultado em 30 de junho de 2020. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2019 
  3. a b «The Express (2008)» (em inglês). Yahoo! Movies. Consultado em 8 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 16 de março de 2011 
  4. a b «Ernie Davis' legacy lives on long after his death» (em inglês). National Football League. Consultado em 11 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 15 de julho de 2019 
  5. a b c «Why Ernie Davis Matters» (em inglês). History News Network. Consultado em 11 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2016 
  6. Salles, Andre (13 de junho de 2007). «'The Express' stops in Aurora» (em inglês). The Beacon News. Consultado em 13 de junho de 2007. Arquivado do original em 16 de junho de 2007 
  7. «The Express' to Film Scenes on Campus Next Week; Extras Needed» (em inglês). suathletics.com. Consultado em 30 de junho de 2020. Arquivado do original em 7 de janeiro de 2008 
  8. «Express Original Motion Picture Soundtrack» (em inglês). Barnes & Noble. Consultado em 8 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 14 de março de 2016 
  9. Anderson, John (28 de setembro de 2008). «'The Express'». Variety (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2010. Arquivado do original em 15 de outubro de 2008 
  10. Lovece, Frank (Outubro de 2008). «'The Express'». Film Journal International (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2010. Arquivado do original em 22 de setembro de 2018 
  11. Thompson, Matthew (8 de outubro de 2008). «New movie shows WVU fans in false, ugly light». Charleston Daily Mail (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2010. Arquivado do original em 11 de outubro de 2008 
  12. Golden, Cedric (10 de outubro de 2008). «The Express isn't a flattering portrait of Texas football». statesman.com. Consultado em 8 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 7 de junho de 2011 
  13. Cogill, Gary (15 de outubro de 2009). «The Express (PG)» (em inglês). dWFAA. Consultado em 8 de agosto de 2010. Arquivado do original em 1 de março de 2012 
  14. Krizak, Gaylon (17 de setembro de 2008). «Utility Infielder: 'The Express' unenlightens Horns». San Antonio Express-News (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2010. Arquivado do original em 15 de julho de 2009 
  15. Merron, Jeff (9 de outubro de 2008). «'The Express' in real life» (em inglês). ESPN. Consultado em 8 de agosto de 2010. Arquivado do original em 22 de setembro de 2018 
  16. Persall, Steve (5 de outubro de 2008). «Teammates say 'The Express' changes history». St. Petersburg Times (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2010. Arquivado do original em 17 de outubro de 2008 
  17. «The Express (2008)» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 8 de agosto de 2010 
  18. «The Express» (em inglês). Metacritic. Consultado em 8 de agosto de 2010 

Leituras posterioresEditar

Ligações externasEditar