Theta Scorpii

estrela

Theta Scorpii (θ Sco, θ Scorpii) é um sistema estelar binário da Constelação de Scorpius. Também é tradicionalmente conhecido pelos nomes de Sargas ou Girtab, ambos nomes de origem suméria, sendo o último deles com significado "o escorpião".[1] Esta situado a 270 anos-luz da Terra.[2]

Theta Scorpii
Representação artística do sistema
Dados observacionais (J2000)
Constelação Scorpius
Asc. reta 17h 37m 19,129s
Declinação –42° 59′ 52.1808″
Magnitude aparente 1.84 (1.862 + 6.22)
Características
Tipo espectral F0 II
Astrometria
Distância 270 anos-luz
Magnitude absoluta -2.71
Detalhes
Massa 5.66 ± 0.65 M
Raio 26 R
Luminosidade 1,834 L
Temperatura 7 268 K
Outras denominações
Sargas, Girtab, θ Scorpii, HD 159532, HIP 86228
Theta Scorpii
Scorpius constellation map.svg

Na bandeira do Brasil, representa o estado de Alagoas.[3]

NomenclaturaEditar

θ Scorpii (latinizado para Theta Scorpii) é a designação Bayer do sistema. As designações dos dois componentes como Theta Scorpii A e B derivam da convenção usada pelo Washington Multiplicity Catalog (WMC) para sistemas de múltiplas estrelas, e adotada pela União Astronômica Internacional (IAU).[4]

PropriedadesEditar

O elemento principal (φ Scorpii A) é uma estrela gigante luminosa evoluída, com uma classificação estelar de F0 II.[5] Com uma massa de 5,7 vezes a do nosso Sol, expandiu-se para cerca de 26 raios solares. Irradia 1.834 vezes mais luminosidade do que o Sol, com sua coroa solar a uma temperatura efetiva de 7.268 Kelvin, dando-lhe um brilho amarelo-branco característico de uma estrela de tipo F.[6] A estrela possui uma rotação acelerada, o que lhe proporciona uma forma achatada com um raio equatorial 19% maior que o raio polar.[7]

O elemento secundário (φ Scorpii B) possui uma magnitude de 5,36 e está em uma separação angular de 6.470 segundos.[8]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Jim Kaler. «GIRTAB (Theta Scorpii)». STARS. Consultado em 19 de agosto de 2011 
  2. van Leeuwen, F. (Novembro de 2007). «Validation of the new Hipparcos reduction». Astronomy and Astrophysics. 474: 653–664. Bibcode:2007A&A...474..653V. arXiv:0708.1752 . doi:10.1051/0004-6361:20078357 
  3. MrFlag. «The Stars on the Brazilian Flag» (em inglês). Consultado em 19 de agosto de 2011. Arquivado do original em 28 de junho de 2009 
  4. Hessman, F. V.; Dhillon, V. S.; Winget, D. E.; Schreiber, M. R.; Horne, K.; Marsh, T. R.; Guenther, E.; Schwope, A.; Heber, U. (3 de dezembro de 2010). «On the naming convention used for multiple star systems and extrasolar planets». astro-ph.SR. Consultado em 7 de novembro de 2021 
  5. Houk, Nancy (1 de janeiro de 1978). Michigan catalogue of two-dimensional spectral types for the HD stars. 2. Michigan: University of Michigan. Bibcode:1978mcts.book.....H 
  6. Hohle, M.M. Schutz; Neuhäuser, R.; Schutz, B. F. (Abril de 2010). «Massas e luminosidades de estrelas do tipo O e B e supergigadores vermelhos». Astronomische Nachrichten. 331: 349-360. arXiv:1003.2335 . doi:10.1002/asna.200911355 
  7. van Belle, Gerard T. (Março de 2012). «Interferometric observations of rapidly rotating stars». The Astronomy and Astrophysics Review. 20: 51. Bibcode:2012A&ARv..20...51V. arXiv:1204.2572 . doi:10.1007/s00159-012-0051-2 
  8. Eggleton, P. P.; Tokovinin, A. A. (Setembro de 2008). «A catalogue of multiplicity among bright stellar systems». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 389: 869–879. Bibcode:2008MNRAS.389..869E. arXiv:0806.2878 . doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13596.x