Tonalidade paralela

Na teoria musical, tonalidade paralela ou homônima (também chamadas tônica maior paralela e menor paralela), indica tonalidades/escala musicais que possuem o mesmo nome, que iniciam com a mesta nota tônica (ou fundamental), mas que possuem modos diferentes (modo maior e modo menor).

SignificadoEditar

Uma tonalidade diz-se homônima quando o nome da nota musical que a representa é o mesmo para mais de uma tonalidade, cujas formações distinguem entre uma e outra. Tal termo só passa a ser empregado quando consideramos a existência de uma organização musical, geralmente por meio de uma escala musical, ou do temperamento definido.

ExemplosEditar

A tonalidade de Dó maior (C) compreende a existência sem acidentes das seguintes notas musicais, nesta ordem: C - D - E - F - G - A - B. Sua correspondente homônima seria a de Dó menor (C m), cujas notas componentes são, nesta ordem, C - D - E♭ - F - G - A♭ - B♭.

No início do século XIX, compositores (principalmente Robert Schumann) começaram a experimentar acordes vagamente retirados da chave de mesmo nome.

 
Escalas paralelas em C: modo maior (C)  ? Play e modo menor (Cm)  ? Play; notas comuns conectada por uma linha vertical.

Calculo da armadura paralelaEditar

 
Notas tônicas paralelas de C maior (C),  ? Play e C menor (Cm)  ? Play.

Para encontrar a armadura de clave do modo menor paralela de uma tonalidade do modo maior, adicione 3 bemóis (b) à armadura de clave. Por exemplo, a Fá maior (F) tem 1 bemol... adicionando 3 bemóis, obteremos 4 bemóis; significa que Fá menor (F m) tem 4 bemóis em sua armadura de clave (si, mi, la e ré).

Para encontrar a armadura de clave do maior homônimo de um tom do modo menor, adicione 3 sustenidos (#). Por exemplo, de Fá menor (F m) para Fá Maior (F): a Fá menor tem 4 bemóis (si, mi, la e ré)... ao adicionando 3 sustenidos (#), obteremos apenas 1 bemol (si).

ReferênciasEditar

  • Lacerda, Osvaldo. Compendio de Teoria Elementar da Música. Ricordi S.A. 11ª Edição, São Paulo, SP.

Ver TambémEditar