Abrir menu principal

Tritão (anfíbio)

tipo de anfíbio
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTritão
Um Notophthalmus viridescens exibindo coloração aposemática para avisar os predadores sobre a sua pele altamente tóxica.
Um Notophthalmus viridescens exibindo coloração aposemática para avisar os predadores sobre a sua pele altamente tóxica.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Amphibia
Ordem: Caudata
Família: Salamandridae
Subfamília: Pleurodelinae

Tritão é o nome comum dado a anfíbios pertencentes à subfamília Pleurodelinae (família Salamandridae). A característica comum a todas as espécies de tritão é a sua permanência prolongada em pontos de água doce durante a época de reprodução. Esta pode durar vários meses por ano, dependendo da espécie em questão.

Os tritões são todos os membros da família Salamandridae excluindo as "verdadeiras" salamandras: os géneros Salamandra, Chioglossa, Mertensiella, Lyciasalamandra e Salamandrina.

Estão presentes em toda a Europa, Ásia, América do Norte e norte de África. Em Portugal podem ser encontradas as duas espécies de tritão-marmoreado (Triturus marmoratus e T. pygmaeus), o tritão-ibérico (Lissotriton boscai), o tritão-palmado (Lissotriton helveticus) e a salamandra-de-costelas-salientes (Pleurodeles waltl).

CaracterísticasEditar

Tal como todos os membros da ordem Caudata, os tritões são caracterizados por um corpo semelhante ao dos lagartos, com quatro membros de tamanho idêntico e uma cauda distintiva. As larvas aquáticas possuem dentes verdadeiros em ambas as maxilas, e guelras externas.[1]

Têm a capacidade de regenerar membros, olhos, espinal medula, coração, intestinos, e maxilas superior e inferior. As células no local da lesão têm a capacidade de se diferenciar, reproduzir rapidamente, e se diferenciar novamente, criando um novo membro ou órgão.

Muitos tritões produzem toxinas nas secreções da pele como mecanismo de defesa contra predadores. Os tritões Taricha do oeste da América do Norte são particularmente tóxicos; o Taricha granulosa do noroeste do Pacífico produz tetrodotoxina mais do que suficiente para matar um ser humano adulto. Para provocar danos, as toxinas têm que penetrar no organismo sendo ingeridas ou através de um lesão da pele.[2]

 
Larva de tritão-palmado. De notar as guelras externas

TaxonomiaEditar

Sub-família PleurodelinaeEditar

Género CynopsEditar

Género EchinotritonEditar

Género EuproctusEditar

Género LissotritonEditar

Género MesotritonEditar

Género NeurergusEditar

Género NotophthalmusEditar

Género OmmatotritonEditar

Género PachytritonEditar

Género ParamesotritonEditar

Género PleurodelesEditar

Género TarichaEditar

Género TriturusEditar

Género TylototritonEditar

Referências