Abrir menu principal
Tsuguharu Foujita
em japonês: 藤田 嗣治
Retrato de Tsuguharu Foujita feito por Ismael Nery
Nascimento 27 de novembro de 1886
Tóquio
Morte 29 de janeiro de 1968 (81 anos)
Zurique
Nacionalidade  Japão
Ocupação Pintor
Movimento estético Modernismo

Tsugouharu Foujita[1] ou em japonês: Tsuguharu Fujita, transl. Fujita Tsuguharu (Tóquio, 27 de novembro de 1886Zurique, 29 de janeiro de 1968) foi um pintor modernista japonês que se naturalizou francês e converteu-se ao catolicismo. Nascido em Tóquio, ficou conhecido por aplicar técnicas japonesas em pinturas de estilo ocidental. Ele foi considerado "o mais importante artista japonês atuando no Ocidente durante o século 20".[2]

Seu Livro dos Gatos, publicado em Nova York por Covici Friede, 1930, com 20 desenhos gravados em chapa de Foujita, é um dos 500 livros raros mais vendidos no mercado e é classificado por negociantes de livros raros como "o livro sobre gatos mais popular e desejável já publicado".[3]

BiografiaEditar

Tsuguharu Fujita era filho de um médico e general do exército imperial japonês. Ele estudou na Universidade de Artes de Tóquio até se formar em 1910.[4]

Três anos depois, foi a Montparnasse, em Paris, na França. Quando ele chegou lá, sem conhecer ninguém, encontrou-se com Amedeo Modigliani, Pascin, Chaim Soutine e Fernand Léger e se tornou amigo de Juan Gris, Pablo Picasso e Henri Matisse. Foujita afirmou em suas memórias ter conhecido Picasso menos de uma semana após sua chegada, mas um biógrafo recente, confiando nas cartas que Foujita enviou para sua primeira esposa no Japão, mostra claramente que passaram-se vários meses até ele conhecer Picasso. Ele também teve aulas de dança com Isadora Duncan.[5]

Depois de ter residido no Hotel Odessa (em 1913), Foujita dividiu o estúdio com seu primeiro amigo japonês em Paris, Kawashima, em uma área mal definida perto das fortificações ao sul de Montparnasse. Eles seguem o ensinamento neo-grego de Raymond Duncan. Ele hesita entre dança e pintura. Depois de uma estadia em Londres em 1914, ele retornou a Falguière, perto de Soutine e Modigliani, até conhecer sua primeira esposa, Fernande Barrey, em 1917, e montar seu estúdio em seu quintal, no número 5. da rue Delambre, onde ficaria até 1924.[carece de fontes?]

Foujita se tornou invejado quando finalmente conseguiu dinheiro suficiente para instalar uma banheira com água quente corrente em seu estúdio. Muitas modelos vieram desfrutar desse luxo, entre elas Alice Prin, a Kiki de Montparnasse, que posou nua para Foujita no pátio ao ar livre. Outro retrato de Kiki intitulado "Nu Reclinado com Toile de Jouy", mostra-a deitada nua contra um fundo branco-marfim. Esse quadro foi a sensação de Paris no Salon d'Automne em 1922, vendido por mais de 8.000 francos. Em 2013, a pintura foi vendida na Christie's em Nova York por US$ 1.205.000.[6] Sua vida em Montparnasse está documentada em várias de suas obras, incluindo a gravura A la Rotonde ou Café de la Rotonde de 1925/7, parte da série Tableaux de Paris publicada em 1929.[carece de fontes?]

Passagem pelo BrasilEditar

Foujita viveu no Rio de Janeiro durante o ano de 1931 e o início de 1932, curto período durante o qual entrou em contato com artistas e poetas modernistas do período,como Portinari e Ismael Nery, expôs no Palace Hotel no Rio de Janeiro e, em São Paulo, no espaço expositivo à praça Ramos de Azevedo.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Rubrique Vie des arts du magazine La Vie
  2. «Foujita's Great Rare Book Of Cats Est. $60K-$80K At Bonham's». www.booktryst.com. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  3. «Rare "Book of Cats" Always an Auction Favorite - The Fine Books Blog». www.finebooksmagazine.com. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  4. «Wikiwix's cache» (PDF). archive.wikiwix.com. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  5. Dan,, Franck, (2001). Bohemian Paris : Picasso, Modigliani, Matisse, and the birth of modern art. New York: Grove Press. ISBN 0802116973. OCLC 47971831 
  6. «Leonard Tsuguharu Foujita (1886-1968) , Nu allongé à la toile de Jouy» (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2018 
  7. Amaral, Aracy A. (2006). «Foujita no Brasil:Pesquisa em andamento». Textos do Trópico de Capricórnio: Modernismo, arte moderna e o compromisso com o lugar. [S.l.]: Editora 34. ISBN 9788573263640 

BibliografiaEditar

  • AMARAL, Aracy A. - Textos do Trópico de Capricórnio ISBN 85-7326-364-4
  • LE THOREL-DAVIOT, Pascale. Petit Dictionnaire des artistes modernes: Paris, Larousse, 1999.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.