Uiraçu-falso

O uiraçu-falto,[2][3] uiraçu,[4] gavião-de-penacho ou gavião-real-falso[5] (Morphnus guianensis) é uma águia neotropical da família dos acipitrídeos (Accipitridae), a única espécie do gênero Morphnus. É endêmica da América Central e América do Sul.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaUiraçu-falso
Predando araramboia (Corallus caninus) na Bolívia
Predando araramboia (Corallus caninus) na Bolívia
Juvenil em Darién, Panamá
Juvenil em Darién, Panamá
Estado de conservação
Quase ameaçada
Quase ameaçada (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Accipitriformes
Família: Accipitridae
Gênero: Morphnus
(Dumont, 1816)
Espécie: M. guianensis
Nome binomial
Morphnus guianensis
(Daudin, 1800)
Distribuição geográfica
Distribuição do uiraçu-falso
Distribuição do uiraçu-falso

DistribuiçãoEditar

Apesar de não haver consenso absoluto entre os órgãos sobre sua distribuição, as observações disponíveis indicam que o uiraçu está esparsamente distribuído, desde o norte da Guatemala e Belize até ao sul do Brasil (onde ocorre quase integralmente na bacia amazônica devido à perda de habitat[6]) e norte da Argentina, ocorrendo em Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá,[7] os Andes subtropicais da Colômbia, nordeste da Venezuela, Guiana, Suriname, Guiana Francesa, leste do Equador, Peru, Bolívia e Paraguai.[8]

DescriçãoEditar

O uiraçu-falso é uma águia grande, mas esbelta. Mede de 71 a 89 cm de comprimento e tem uma envergadura de 138 a 176 cm. Um pequeno punhado de águias com crista foram pesadas e escaladas de 1,2 a três kg. O peso médio das águias com crista em Tikal, Guatemala, foi reivindicado ser de apenas 1,75 kg, com um macho relatado para pesar 1,27 kg e um punhado de fêmeas de 1,85 a 1,98 kg. As medições padrão indicaram que as fêmeas são cerca de 14% maiores em média do que os machos.[9] O uiraçu-falso tem uma cabeça grande, um efeito reforçado pelo penacho muitas vezes estendido em seu nome. Tem pernas nuas, com um comprimento considerável de tarso de 10,3 a 11,2 cm. A cauda é bastante longa, medindo 34 a 43 cm de comprimento, em parte explicando os pesos consideravelmente baixos citados para uma águia desse tamanho.[10][11] Esta espécie muitas vezes se sobrepõe ao alcance do gavião-real (Harpia harpyja) menos escasso, que provavelmente é seu parente próximo e é um pouco semelhante em aparência. Há evidências de uma relação interespecífica entre um uiraçu-falso adulto alimentando uma gavião-real juvenil no Panamá, enquanto os gaviões-real adultos estavam ausentes. Durante essas interações, o uiraçu-falso trouxe novo material de nidificação para o ninho e, em algumas ocasiões, trouxe comida para o gavião-real juvenil.[7]

EcologiaEditar

O uiraçu-falso observa empoleirado por longos períodos de tempo enquanto examina visualmente a floresta ao seu redor. Pode evitar a competição direta com o gavião-real, pegando presas geralmente menores. No entanto, é certamente um poderoso predador aviário por direito próprio e a maioria dos estudos indicou que é principalmente um predador de pequenos mamíferos. Muitas vezes refletidos na dieta estão pequenos macacos, como macacos-prego (cebíneos), micos (Saguinus),[12] e macacos-barrigudos (Lagothrix). Dados da Mata Atlântica do Brasil indicam que macacos de pequeno e médio porte parecem ser o foco, sejam adultos de macacos pequenos como saimiris e micos ou espécimes pequenos e jovens de espécies maiores como Pithecia pithecia e Macaco-aranha-preto (Ateles paniscus), com os macacos atacados estimados em geralmente 0,3 a 3 kg.[13] Outras presas de mamíferos podem incluir numerosos roedores arborícolas, bem como gambás (didelfiídeos), preguiças-comuns (Bradypus variegatus) e juparás (Potos flavus).[14][15] Outros estudos indicam que o uiraçu-falso é especializado em caçar macacos de pequeno e médio porte em relação a outras aves de rapina da floresta, mas que o uiraçu-falso prefere atacar os filhotes de espécies de macacos ainda menores, como os micos.[16][17] Em Tikal, as presas primárias parecem ser didelfiídeos, desde minúsculos Marmosa a Didelphis de tamanho médio, e as presas noturnas de uiraçu-falso indicaram uma técnica de caça profundamente pesquisada, que se sobrepôs ao gavião-pega-macaco (Spizaetus tyrannus) na região, mas não com o gavião-de-penacho (Spizaetus ornatus), que, apesar de seu tamanho menor, tendia a pegar presas maiores e ser mais oportunista, além de ter uma predileção mais forte pela caça de pássaros.[11] Os achados de presas primárias na floresta amazônica brasileira foram quase os mesmos, com preferência por pequenos gambás e animais noturnos (cerca de 70% da dieta) com cerca de 69% da dieta sendo mamíferos, seguidos por répteis e pássaros.[18]


Vários estudos também apontaram a abundância de cobras (variedades arbóreas e terrestres com vários casos de predação em jiboias relatados) e outros répteis (principalmente lagartos, incluindo iguanas) em sua base de presas, mas a frequência relativa de diferentes tipos de presas aparentemente varia muito no nível individual e os répteis parecem ocupar uma posição secundária aos mamíferos.[19][20] As aves podem compreender uma porção maior da dieta para uiraçus-falsos do que para gaviões-reais. Aves como gaios, jacamins (Psophia) e jacus foram observados sendo predados em árvores frutíferas e machos de Rupicola (galo-da-serra) foram predados enquanto se apresentavam visivelmente em seus leks. No entanto, estudos dietéticos indicaram que as aves são ainda menos importantes na dieta do que os répteis.[11][14] Incidentes de uiraçus-falsos inspecionando ninhos de gaviões-reais foram relatados e, impressionantemente, uma incidência de um uiraçu-falso matando um gavião-real jovem após o nascimento foi relatada.[21]

 
Ilustração do pé e garras de um uiraçu-falso

O uiraçu-falso é quase sempre observado sozinho ou em pares, sendo solitário como a maioria das aves de rapina.[10] A época de reprodução é de março a abril (a fronteira entre a estação seca e a estação chuvosa nos neotrópicos) em diante. Os ninhos estão normalmente na bifurcação principal de uma grande árvore da floresta emergente.[20] O ninho geralmente é enorme, mas tem uma copa relativamente rasa e geralmente fica escondido perto do dossel na vegetação.[10] O tamanho da ninhada parece ser tipicamente dois, mas apenas um uiraçu-falso já foi conhecido por eclodir desses ninhos. Os ovos são ovais brancos opacos. Descobriu-se que um ovo da espécie pode medir 64 × 50,7 mm e pesar 90,5 g. As taxas de crescimento parecem ser típicas para uma águia da floresta, com os espinhos iniciais das asas emergindo em cerca de 21 dias, as penas primárias emergindo de suas bainhas em cerca de quatro semanas e a emplumagem ocorre em cerca de 100 a 110 dias.[14] Diz-se que os uiraçus-falsos fêmeas são diligentes em sentar e alimentar os filhotes, também protegendo o filhote do sol forte ou da chuva, enquanto o macho da espécie fornece principalmente comida, anunciando sua presença com um chamado alto. Mesmo após o nascimento, o jovem uiraçu-falso ainda é conhecido por ser totalmente dependente de seus pais e evidências indicam que pode levar de 16 até talvez 30 meses antes que a águia seja totalmente independente, indicando que normalmente podem se reproduzir apenas a cada dois anos.[11] A reprodução a cada dois anos é típica em águias tropicais, especialmente nas florestas.[22][23]

ConservaçãoEditar

O uiraçu-falso sempre pareceu ocorrer em baixas densidades e pode ocasionalmente iludir a detecção em áreas onde ocorrem. Embora ainda tenham uma grande distribuição, são atualmente classificados como quase ameaçados pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN / IUCN). A população total de adultos reprodutores é estimada em apenas entre 1000 e 10 mil indivíduos.[1] Devido à sua dependência aparentemente alta da floresta em expansão, são altamente afetados pela destruição de habitat. Florestas tropicais como a Amazônia são tão fortemente degradadas e exploradas que são consideradas incapazes de sustentar de forma sustentável a maioria das aves de rapina nativas delas.[24][25] Acredita-se que o uiraçu-falso não ocorra mais em várias antigas áreas de reprodução onde extensas florestas foram desmatadas. Pensa-se que são ocasionalmente caçados pela população local e, em alguns casos, são abatidos à vista. Se descobertos empoleirados, são relativamente fáceis de atirar, já que geralmente ficam empoleirados por longos períodos de tempo.[1][10] No México, acredita-se que a espécie tenha sido reduzida pela metade em população, em grande parte devido à perda de habitat.[26] Os dados indicam que a espécie está diminuindo essencialmente em toda a sua extensão.[14]<[27]

 
Espécime museológico

Em 2005 foi classificado como criticamente em perigo na Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo;[28] em 2010, como criticamente em perigo na Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna do Estado de Minas Gerais[29] e regionalmente extinto no Livro Vermelho da Fauna Ameaçada no Estado do Paraná;[30] em 2011, como criticamente em perigo na Lista das Espécies da Fauna Ameaçada de Extinção em Santa Catarina;[31] em 2014, como vulnerável na Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Rio Grande do Sul,[32][33] em perigo no Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo[34] e vulnerável na Portaria MMA N.º 444 de 17 de dezembro de 2014;[35] em 2017, como criticamente em perigo na Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia;[36] e em 2018, como vulnerável no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)[37][38] e possivelmente extinto na Lista das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Estado do Rio de Janeiro.[39]

Referências

  1. a b c BirdLife International (2012). «Morphnus guianensis». Consultado em 26 de novembro de 2013 
  2. Pacheco, J. F.; Silveira, L. F.; Aleixo, A.; Agne, C. E.; Bencke, G. A.; Bravo, G. A.; Brito, G. R. R.; Cohn-Haft, M.; Maurício, G. N.; Naka, L. N.; Olmos, F.; Posso, S.; Lees, A. C.; Figueiredo, L. F. A.; Carrano, E.; Guedes, R. C.; Cesari, E.; Franz, I.; Schunck, F.; Piacentini, V. Q. (2021). «Annotated checklist of the birds of Brazil by the Brazilian Ornithological Records Committee» 2.ª ed. Ornithology Reserach. doi:10.1007/s43388-021-00058-x. Consultado em 26 de abril de 2022. Cópia arquivada em 13 de março de 2022 
  3. Alves, Thais (2012). «Filhote de espécie rara de gavião é resgatado no Pará». Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente 
  4. Paixão, Paulo (Verão de 2021). «Os Nomes Portugueses das Aves de Todo o Mundo» (PDF) 2.ª ed. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. p. 154. ISSN 1830-7809. Consultado em 13 de janeiro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 23 de abril de 2022 
  5. «Uiraçu-falso». Michaelis. Consultado em 26 de abril de 2022 
  6. «Uiraçu-falso». Brasil 500 pássaros. Consultado em 26 de abril de 2022. Cópia arquivada em 6 de julho de 2011 
  7. a b Vargas G., Jose de J. «Crested Eagle (Morphnus Guianensis) Feeding a Post-Fledged Young Harpy Eagle (Harpia Harpyja) in Panama.» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 29 de junho de 2020 
  8. Albuquerque, Jorge Luiz B. (2006). «Águia-cinzenta (Harpyhaliaetus coronatus) e o Gavião-real-falso (Morphnus guianensis) em Santa Catarina e Rio Grande do Sul: prioridades e desafios para sua conservação». Revista Brasileira de Ornitologia. 14 (4): 411–415 
  9. Hilty, Steven L. (2002). Birds of Venezuela. Princeton, Nova Jérsei: Imprensa da Universidade de Princeton 
  10. a b c d Ferguson-Lees, James; Christie, David A.; Kim, Franklin (2005). Raptors of the world: a Field Guide. Londres: Christopher Helm. pp. 2–. ISBN 0-7136-6957-8. Consultado em 23 de agosto de 2012 
  11. a b c d Whitacre, D. F.; López, J.; López, G. (2013). «13. Crested Eagle». Neotropical birds of prey: biology and ecology of a forest raptor community. Ítaca, Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Cornell. p. 164-184 
  12. Oversluijs Vasquez, M. R.; Heymann, E. W. (2001). «Crested Eagle (Morphnus guianensis) Predation on Infant Tamarins (Saguinus mystax) and Saguinus fuscicollis, Callitrichinae)». Folia Primatologica. 72 (5): 301–3. PMID 11805427. doi:10.1159/000049952 
  13. Araújo, R. C.; Silveira, L. F.; da Luz, D. E. (2015). «Rediscovery of the Crested Eagle Morphnus guianensis (Daudin, 1800) in the fragmented Atlantic Forest of Bahia, Brazil». Revista Brasileira de Ornitologia. 23 (1): 25-28. Cópia arquivada em 26 de abril de 2022 
  14. a b c d Smith, J. W. (2020). «Crested Eagle (Morphnus guianensis), version 1.0». In: Schulenberg, T. S. Birds of the World. Ítaca, Nova Iorque: Laboratório Cornell de Ornitologia. doi:10.2173/bow.creeag1.01 
  15. Canassa, N.; Lisboa, T.; Gomes, Felipe (2016). «Registros de predação do Uiraçu-falso (Morphnus guianensis) sobre preguiça-bentinho (Bradypus variegatus) e mico-de-cheiro (Saimiri ustus) na Amazônia». Spizaetus. 21: 7-11 
  16. Libório, R. Aparecido; Martins, M. Moura (2013). «Body size in predator–prey interactions: an investigation of Neotropical primates and their predators». Studies on Neotropical Fauna and Environment. 48 (1): 81-87 
  17. Ferrari, S. F. (2009). «Predation risk and antipredator strategies». South American Primates (PDF). Nova Iorque: Springer. p. 251-277 
  18. Gomes, F. B. R.; Sanaiotti, T. M.; Bantel, C. (2021). «Diet and feeding strategies of the crested eagle (Morphnus guianensis) in the Brazilian Amazon». Journal of Raptor Research. 55 (2): 211-219 
  19. Menq, Willian (fevereiro de 2018). «Uiraçu Morphnus guianensis (Daudin, 1800)». Aves de Rapina do Brasil. Consultado em 26 de abril de 2022. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2022 
  20. a b Bierregaard Jr., R. O. (1984). «Observations of the nesting biology of the Guiana Crested Eagle (Morphnus guianensis (PDF). The Wilson Bulletin. 96 (1): 1-5. Cópia arquivada (PDF) em 26 de abril de 2022 
  21. Silva, F. H. A. D.; Sanaiotti, T. M.; Jaudoin, O.; Souza, R. P.; Castro, J. M.; Quibilan, R.; Bainora, E. (2019). «Photographic records of Crested Eagle Morphnus guianensis and Harpy Eagle Harpia harpyja interactions». 211: 26-27 
  22. Immelmann, K. (1971). «Ecological aspects of periodic reproduction». In: Donalds, D. S.; King, J. R. Avian biology. Londres: Academic Press. p. 341–389 
  23. Brown, L. (1977). Eagles of the World. Nova Iorque: Universe Books 
  24. Bildstein, K. L.; Schelsky, W.; Zalles, J; Ellis, S. (1998). «Conservation status of tropical raptors» (PDF). Journal of raptor research. 32: 3-18. Cópia arquivada (PDF) em 26 de abril de 2022 
  25. Peres, C. A. (2005). «Why we need megareserves in Amazonia». Conservation Biology. 19 (3): 728-733 
  26. Berlanga, H.; Kennedy, J. A.; Rich, T. D. (2010). «Saving Our Shared Birds: Partners in Flight Tri-NationalVision for Landbird Conservation». US Fish & Wildlife Publications. 376 
  27. Marini, M. A.; Garcia, F. I. (2005). «Bird conservation in Brazil». Conservation Biology. 19 (3): 665-671 
  28. «Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas do Espírito Santo». Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), Governo do Estado do Espírito Santo. Consultado em 7 de julho de 2022. Cópia arquivada em 24 de junho de 2022 
  29. «Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna do Estado de Minas Gerais» (PDF). Conselho Estadual de Política Ambiental - COPAM. 30 de abril de 2010. Consultado em 2 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 21 de janeiro de 2022 
  30. Livro Vermelho da Fauna Ameaçada. Curitiba: Governo do Estado do Paraná, Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná. 2010. Consultado em 2 de abril de 2022 
  31. Lista das Espécies da Fauna Ameaçada de Extinção em Santa Catarina - Relatório Técnico Final. Florianópolis: Governo do Estado de Santa Catarina, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Fundação do Meio Ambiente (FATMA). 2010 
  32. de Marques, Ana Alice Biedzicki; Fontana, Carla Suertegaray; Vélez, Eduardo; Bencke, Glayson Ariel; Schneider, Maurício; Reis, Roberto Esser dos (2002). Lista de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção no Rio Grande do Sul - Decreto Nº 41.672, de 11 de junho de 2002 (PDF). Porto Alegre: Museu de Ciências e Tecnologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; PANGEA - Associação Ambientalista Internacional; Fundação Zoo-Botânica do Rio Grande do Sul; Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA); Governo do Rio Grande do Sul. Consultado em 2 de abril de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 31 de janeiro de 2022 
  33. «Decreto N.º 51.797, de 8 de setembro de 2014» (PDF). Porto Alegre: Estado do Rio Grande do Sul Assembleia Legislativa Gabinete de Consultoria Legislativa. 2014. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2022 
  34. Bressan, Paulo Magalhães; Kierulff, Maria Cecília Martins; Sugleda, Angélica Midori (2009). Fauna Ameaçada de Extinção no Estado de São Paulo - Vertebrados (PDF). São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SIMA - SP), Fundação Parque Zoológico de São Paulo. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 25 de janeiro de 2022 
  35. «PORTARIA N.º 444, de 17 de dezembro de 2014» (PDF). Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente (MMA). Consultado em 24 de julho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 12 de julho de 2022 
  36. «Lista Oficial das Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção do Estado da Bahia.» (PDF). Secretaria do Meio Ambiente. Agosto de 2017. Consultado em 1 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de abril de 2022 
  37. «Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção» (PDF). Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ministério do Meio Ambiente. 2018. Consultado em 3 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2018 
  38. «Morphnus guianensis (Daudin, 1838)». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Consultado em 26 de abril de 2022. Cópia arquivada em 10 de julho de 2022 
  39. «Texto publicado no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro contendo a listagem das 257 espécies» (PDF). Rio de Janeiro: Governo do Estado do Rio de Janeiro. 2018. Consultado em 2 de maio de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 2 de maio de 2022 

Ligações externasEditar


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Uiruçu-falso:
  Categoria no Commons
  Diretório no Wikispecies