Abrir menu principal

Usina Elevatória de Traição

Usina Elevatória de Traição
Usina Elevatória de Traição.jpg
Torres de energia da Usina Elevatória de Traição
Localização
Localização Rio Pinheiros
Rio Córrego da Traição
Coordenadas 23°35'42.5274"S, 46°41'39.4933"W
Dados gerais
Proprietário São Paulo Tramway, Light and Power Company
(1926 - 1981)
LIght Paulistana SA
(1981 - 1995)
AES Eletropaulo
(1995 - 1998)
EMAE
(1998 - atualmente)
Período de construção 1917 ou 1926 - 1934
Data de inauguração 1940 (79 anos)
Características
Tipo barragem
Altura 45 m
Reservatório
Área alagada não tem km²
Capacidade de geração 945.000 MW

A Usina Elevatória de Traição ou Usina de Traição, construída sobre o Rio Pinheiros e localizada perto da Ponte Engenheiro Ari Torres, foi inaugurada em 1940 para aumentar a capacidade de geração de eletricidade da Usina Hidrelétrica Henry Borden, localizado no sopé da Serra do Mar, em Cubatão. A usina, mantida pela Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE), foi batizada com esse nome devido à sua proximidade ao Córrego da Traição.

O objetivo da usina era acabar com as inundações, canalizar as águas e direcioná-las para a Represa Billings, invertendo o sentido das águas dos rios Tietê e Pinheiros, para serem encaminhadas à Usina Elevatória de Pedreira, construída em 1939. Atualmente a usina serve no controle de enchentes.[1]

A usina faz parte de um extenso projeto de alteração hidrográfica, sendo diretamente responsável por reverter o curso do Rio Pinheiros, que passa de afluente do Tietê para um canal que conduz água para a represa Billings, de acordo com seu estado de funcionamento.

O nome vem por estar localizada próxima a um córrego de mesmo nome, Traição, à época de sua construção.

Referências

  1. emae.com.br: Sistema Hidráulico: Usinas Elevatórias, acessado em 10 de dezembro de 2009

Ligações externasEditar