Utu é o deus (dingir) do Sol na mitologia Suméria. Filho do deus da Lua, Nana, e da deusa Ningal. Seu irmão e irmãs são Iscur, e os gêmeos Inana e Eresquigal.

Utu é o deus do Sol, da justiça, da aplicação da lei, e da dispensação do destino dos mortos. Ele é comumente descrito usando um capacete com chifres e carregando uma arma com uma serra na ponta. Pensava-se que todo dia, Utu emergia de uma montanha no leste, simbolizando a aurora, e viajava ou de carruagem ou de bote através da Terra, retornando a um buraco em uma montanha ao oeste, simbolizando o por do sol. Toda noite, Utu descia ao submundo para decidir o destino dos mortos. É também representado carregando uma clava, ereto com um dos pés sobre uma montanha.

O deus-sol é mencionado modestamente na mitologia suméria, com a notável exceção do Épico de Gilgamés. No mito, Gilgamés busca estabelecer seu nome com a ajuda de Utu, devido a sua conexão com a Montanha de Cedros. Gilgamés e seu pai, Lugalbanda eram reis da primeira dinastia de Uruque, uma linhagem que Jeffrey H. Tigay sugere poder ser traçada ao próprio Utu. Adicionalmente, ele sugere que na versão babilônica do épico, a associação de Lugalbanda com o deus-sol é fortalecida.[1]

Julga-se que seria uma divindade anterior à chegada dos próprios Sumérios e grande senhor dos seuses. Seu culto era temido e venerado até na Grécia. Na Acádia, foi venerado sob o nome semita de Samas.

Utu é deus da magia do Universo e senhor dos Astros, também conhecido como Bel.

ReferênciasEditar

  1. Jeffrey H. Tigay (novembro de 2002). The evolution of the Gilgamesh epic. [S.l.]: Bolchazy-Carducci Publishers. pp. 76–. ISBN 978-0-86516-546-5. Consultado em 29 de junho de 2011 
  Este artigo sobre mitologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.