Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados de vetor, veja Vetor.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Janeiro de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Vector é todo ser vivo capaz de transmitir um agente infectante, de maneira ativa ou passiva.

Um agente infectante é qualquer parasita, protozoário, bactéria ou vírus capaz de infectar um organismo. A transmissão ativa ocorre quando o vector é infectado e então infecta outra espécie de organismo. A maneira passiva ocorre quando o vcetor não é infectado pelo agente infectante, mas causa a infecção de outra espécie de organismo.

O mosquito comum (Culex) é capaz de transmitir encefalites como a causada pelo vírus do Nilo Ocidental e filaríases (à direita) e um dos transmissores da malária (Anopheles)(à esquerda)

Um bom exemplo de transmissão mecânica ou passiva são os patogénicos transmitidos pela mosca doméstica. O Aedes aegypti, é o mosquito transmissor do vírus flaviviridae, causador da dengue que também não desenvolve o germe que transmite por seu adoecimento, ocorre apenas a passagem pelo seu trato gastrointestinal ou probóscida.

Segundo Benenson (1983) a transmissão por vetor biológico distingue-se da mecânica ou passiva porque na transmissão ativa por vetor biológico é necessária a propagação (multiplicação), o desenvolvimento cíclico ou a combinação desses processos (ciclo propagativo) para que o artrópode (ou outra espécie de vetor) possa transmitir a forma infectante do agente infeccioso ao homem. A transmissão pode ser feita pela saliva durante a picada ou mordedura, tal como na transmissão do vírus da raiva, ou pela regurgitação, deposição na pele de fezes (feito na transmissão do Trypanosoma cruzi pelo barbeiro (triatoma).

A disciplina entomologia médica estuda os insetos capazes de transmitir infecções entre animais e para os seres humanos (zoonoses) com seus hábitos, nem sempre hematófagos, mas capazes de produzir lesões através das quais os agentes patogénicos que hospedam são transmitidos.

Vectores mais conhecidosEditar

BibliografiaEditar

Benenson, Abram S. (Ed.) Controle das doenças transmissíveis no homem (Public. Científica nº 442). México, OPAS/OMS, 1983

Berlinguer, Giovanni. Minhas Pulgas. SP, Hucitec, 1991

Consoli, Rotraut A. G. B.; Oliveira, Ricardo Lourenço de. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. RJ, FIOCRUZ, 1994. Disponível no Scielo Books Acesso, Jan. 2015

Forattini, O.P. - Entomologia médica. Parte geral, Diptera, Anophelini. v. 1, São Paulo, Faculdade de Saúde Pública da USP, 1962.

Forattini, O.P. - Entomologia médica. Culicini: Culex, Aedes e Psorophora. v. 2, São Paulo, Ed. da Universidade de São Paulo, 1965.

Forattini, O.P. - Entomologia médica. Culicini: Haemagogus, Mansonia, Culiseta, Sabethini, Toxorhynchitini, Arboviroses, Filariose bancroftiana, Genética. v. 3, São Paulo, Ed. da Universidade de São Paulo, 1965.

Forattini, O.P. - Entomologia médica. Psychodidae, Phlebotominae, Leishmanioses, Bartonelose. v. 4, São Paulo, Ed. Edgard Blücher/Ed. Univ. S.Paulo, 1973.

Ver tambémEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Vetor (epidemiologia)
  Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.