Voodoo (empresa)

empresa de videojogos

A Voodoo SAS, também referida como Voodoo.io ou simplesmente Voodoo, é uma desenvolvedora e publicadora de jogos eletrônicos com sede em Paris, França. A empresa foi fundada em 2013 por Alexandre Yazdi e Laurent Ritter, com foco em jogos hipercasuais para Android e iOS. Em dezembro de 2019, os jogos lançados pela Voodoo foram baixados coletivamente mais de 2,6 bilhões de vezes.

Voodoo SAS
Privada
Atividade Jogos eletrônicos
Fundador(es)
  • Alexandre Yazdi
  • Laurent Ritter
Sede Paris, França
Área(s) servida(s) Mundialmente
Presidente Alexandre Yazdi
Vice-presidente Gabriel Rivaud
Empregados 60 (2018)
Produtos Hole.io
Acionistas Tencent (participação minoritária)
Website oficial voodoo.io

HistóriaEditar

A Voodoo foi fundada em 2013 por Alexandre Yazdi e Laurent Ritter.[1] Os dois fundadores, que eram amigos do ensino médio, já haviam fundado a empresa de serviços de aplicativos móveis Studio Cadet em 2012, com a intenção de se tornar uma publicadora posteriormente.[2] Yazdi é o diretor executivo da Voodoo, enquanto Gabriel Rivaud é o vice-presidente de jogos. De acordo com Rivaud, a empresa passou por turbulências nos primeiros quatro anos de operação e optou por mudar sua estratégia de negócios a partir de então. Usando dados coletados de seus jogos anteriores, projetou seus jogos mais recentes para atrair mais jogadores.[3]

Até 2017, a Voodoo quadruplicou em número de funcionários, chegando a oitenta funcionários, e esperava crescer para 150 pessoas até o final de 2018. Em maio de 2018, a empresa bancária americana Goldman Sachs, por meio de seu fundo West Street Capital Partners VII, investiu duzentos milhões de dólares na Voodoo. Foi a maior arrecadação de fundos no setor de tecnologia francês desde 2015. Yazdi e Ritter mantiveram o controle da empresa. Na época, a Voodoo tinha, além de sua sede em Paris, escritórios em Montpellier e Estrasburgo.[1] Um estúdio de desenvolvimento em Berlin, Alemanha, foi estabelecido em dezembro de 2018, chefiado por gerente-geral Alexander Willink. Começou com cerca de dez pessoas, procurando expandir para quarenta funcionários.[4] Mais tarde, este estúdio contratou funcionários importantes de desenvolvedores Blizzard Entertainment, King, e Mamau.[5] Um escritório de publicação em Istambul, Turquia, foi anunciado em agosto de 2019 e é chefiado pelo diretor de publicação Corentin Selz.[6] Isso continuou com a abertura de um estúdio de desenvolvimento em Montreal em novembro de 2019, liderado por Mehdi El Moussali, um ex-produtor para a Gameloft.[7] A Voodoo também adquiriu a desenvolvedora de Shoreditch Gumbug em dezembro daquele ano.[8]

Em julho de 2020, a Tencent estava procurando adquirir uma participação minoritária na Voodoo, que na época ainda era de propriedade majoritária de Yazdi e Ritter.[9] A Tencent adquiriu uma participação minoritária em termos não divulgados em agosto. Nesta época, a Voodoo era avaliada em 1,4 bilhões de dólares.[10] De acordo com Yazdi, este acordo ajudaria a Voodoo a estender seus jogos para o mercado da Ásia-Pacífico.[11] A Voodoo posteriormente abriu escritórios na Singapura e no Japão no final daquele mês, chefiados por Julian Corbett e Ben Fox, respectivamente.[12]

JogosEditar

Os jogos publicados pela Voodoo tiveram um total de dois bilhões de downloads até abril de 2019.[13] Em dezembro de 2019, seus jogos tinham 2,6 bilhões de downloads, trezentos milhões de usuários ativos mensais e um bilhão de jogadores individuais.[8]

Jogos lançados pela Voodoo incluem Helix Jump, Baseball Boy, Snake vs Block, Hole.io, Aquapark.io, e Purple Diver.[8] São, em sua maioria, jogos hipercasuais, publicados para Android e iOS.[14] A Voodoo anunciou em novembro de 2019 que pretendia parar com os jogos hipercasuais com a abertura de seu estúdio em Montreal.[7]

CríticasEditar

A Voodoo já foi criticada por produzir clones de jogos indie. Tais jogos incluem Infinite Golf (copiado de Desert Golfing), Twisty Road (de Impossible Road), The Fish Master (de Ridiculous Fishing), Flappy Dunk! (de Flappy Bird), Rolly Vortex (de Rolling Sky), The Cube (de Curiosity: What's Inside the Cube?), e Hole.io (de Donut County).[15][16][17] No caso de Hole.io, o jogo copiou a mecânica principal de Donut County, em que o jogador controla um buraco no chão para consumir objetos dentro do ambiente, crescendo progressivamente para poder consumir objetos maiores.[15][18] Ben Esposito estava trabalhando em Donut County por mais de cinco anos quando Hole.io foi lançado em meados de 2018, antes do próprio lançamento de Donut County.[17][19] Em resposta a um inquérito da Variety, a Voodoo afirmou que Hole.io não era um clone de Donut County, embora ambos estivessem no mesmo subgênero de jogos.[17]

Prêmios e indicaçõesEditar

A Voodoo foi indicada à categoria de melhor publicadora da Mobile Games Awards de 2018,[20] e ganhou a de 2019.[21] A empresa ficou em vigésimo lugar na lista dos cinquenta melhores desenvolvedores mobile da Pocket Gamer.biz em 2018[22] e, em 2019, ficou em quinto lugar na categoria de melhores criadores de jogos mobile do mesmo site.[23]

Referências

  1. a b Dèbes, Florian (28 de maio de 2018). «Levée de fonds record pour la PME française du jeu vidéo Voodoo». Les Echos Start (em francês). Consultado em 28 de agosto de 2019. Arquivado do original em 28 de agosto de 2019 
  2. Colas des Francs, Ophélie (3 de setembro de 2014). «Quiz Run lève 280.000€ en crowdequity». Les Echos Entrepreneurs (em francês). Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2019 
  3. Takahashi, Dean (29 de maio de 2018). «Voodoo raises estimated $200 million from Goldman Sachs for mobile games». VentureBeat. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2019 
  4. Valentine, Rebekah (12 de dezembro de 2018). «The search for creativity at Voodoo's new Berlin studio». GamesIndustry.biz. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2019 
  5. Forde, Matthew (2 de julho de 2019). «Voodoo brings on Blizzard, King and Mamau hires for Berlin studio». Pocket Gamer.biz. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 3 de julho de 2019 
  6. Forde, Matthew (1 de agosto de 2019). «Interview: Hyper-casual specialist Voodoo opens new Istanbul studio». Pocket Gamer.biz. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2019 
  7. a b Batchelor, James (13 de novembro de 2019). «Voodoo opens Montreal studio as it expands beyond hypercasual games». GamesIndustry.biz. Consultado em 13 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2019 
  8. a b c Takahashi, Dean (11 de dezembro de 2019). «Voodoo acquires mobile game studio Gumbug in London as it exploits hypercasual growth». VentureBeat. Consultado em 11 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 11 de dezembro de 2019 
  9. Betz, Brandy (14 de julho de 2020). «Tencent eyes stake in game developer Voodoo – Bloomberg». Seeking Alpha. Consultado em 15 de julho de 2020. Cópia arquivada em 15 de julho de 2020 
  10. Liao, Rita (17 de agosto de 2020). «Tencent takes minority stake in French casual games maker Voodoo». TechCrunch. Consultado em 17 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 17 de agosto de 2020 
  11. McAloon, Alissa (18 de agosto de 2020). «Tencent picks up minority stake in hyper casual game publisher Voodoo». Gamasutra. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  12. Valentine, Rebekah (26 de agosto de 2020). «Voodoo opens Singapore, Japan offices». GamesIndustry.biz. Consultado em 27 de agosto de 2020 }
  13. Chapple, Craig (9 de abril de 2019). «Voodoo racks up two billion mobile game downloads». Pocket Gamer.biz. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 16 de abril de 2019 
  14. McAloon, Alissa (29 de maio de 2018). «Mobile dev Voodoo secures an estimated $200M investment from Goldman Sachs». Gamasutra. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2019 
  15. a b D'Anastasio, Cecilia (25 de junho de 2018). «Indie Games Are Getting Cloned Before They're Even Out». Kotaku. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2019 
  16. Valentine, Rebekah (26 de junho de 2018). «Donut County developer speaks out on frustration of app store clones». GamesIndustry.biz. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2019 
  17. a b c Futter, Michael (6 de julho de 2018). «Goldman Sachs-Backed Cloner Uses War Chest, Ad Buys to Overshadow Original Games». Variety. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 16 de julho de 2019 
  18. Radulovic, Petrana (6 de julho de 2018). «Donut County lookalike is number one on the App Store». Polygon. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2019 
  19. Conditt, Jessica (11 de julho de 2018). «Mobile-gaming titans keep ripping off indies». Engadget. Consultado em 28 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2018 
  20. «The winners of 2018». Mobile Games Awards. 23 de janeiro de 2019. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2020 
  21. «The winners of 2019». Mobile Games Awards. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2020 
  22. «Top 50 Mobile Game Developers of 2018». Pocket Gamer.biz. 21 de agosto de 2018. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 
  23. «The Top 50 Mobile Game Makers of 2019». Pocket Gamer.biz. 1 de outubro de 2019. Consultado em 5 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 

Ligações externasEditar