Abrir menu principal

Wanderley Guilherme dos Santos

Wanderley Guilherme dos Santos
Nascimento 13 de outubro de 1935
Rio de Janeiro, RJ,  Brasil
Morte 25 de outubro de 2019 (84 anos)
Rio de Janeiro, RJ,  Brasil
Prémios Prêmio ABL de Ensaio crítica e história literária (2004)

Prémio Casa de las Américas (2008)

Magnum opus O ex-leviatã brasileiro. Do voto disperso ao clientelismo concentrado

Wanderley Guilherme dos Santos (Rio de Janeiro, 13 de outubro de 1935[1] - Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2019[2]) foi um cientista político brasileiro, autor de vários livros e artigos na área de Ciências Sociais. Notabilizou-se inicialmente a partir do texto "Quem vai dar o golpe no Brasil" - que prenunciou o golpe de Estado e a possível derrubada do presidente João Goulart em 1964. Tornou-se referência bibliográfica nos meios acadêmicos por conta de textos como Sessenta e quatro: anatomia da crise, Cidadania e justiça, Razões da desordem, Horizonte do desejo, dentre outros escritos. [3] Foi fundador do Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro (Iuperj), da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS) e editor da Revista Dados. Tanto pela sua atuação institucional, quanto pelo ensino e orientação de gerações de cientistas políticos no país, bem como pelos seus escritos, Santos pode ser considerado como um dos pais-fundadores dessa ciência no país, que acadêmica e institucionalmente começa a se consolidar no fim dos anos 60. Morreu em 25 de Outubro de 2019.

Formação acadêmicaEditar

Graduou-se em Filosofia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1958, tendo concluído seu Doutorado em Ciência Política, mediante bolsa da Fundação Ford, na Stanford University em 1979, com a Tese Impass and Crisis in Brazilian Politics.[1] Fez seu Pós-Doutorado em Teoria Antropológica na UFRJ em 1986.

Livros publicados

Wanderley publicou mais de 30 livros, sendo um dos mais recentes, publicado em 2019, pela Editora UFRJ, intitulado A difusão parlamentar do sistema partidário: exposição do caso brasileiro.

Seu primeiro trabalho publicado foi um panfleto, Quem Dará o Golpe no Brasil, publicado em fevereiro de 1962, no volume cinco da coleção Cadernos do Povo Brasileiro, dirigida por Álvaro Vieira Pinto e Ênio Silveira (ed. Civilização Brasileira), no qual Santos antecipava e explicava o golpe militar que viria a ocorrer dois anos depois. Publicou também Décadas de Espanto e uma Apologia Democrática, Roteiro Bibliográfico do Pensamento Político-Social Brasileiro, O Ex-Leviatã Brasileiro: do Voto Disperso ao Clientelismo Concentrado e Paradoxos do Liberalismo: Teoria e História, dentre outros livros.

Prêmios recebidos

O pesquisador recebeu 15 prêmios, entre eles a Medalha Minerva (2004) e o Prêmio Literário na categoria Ensaio, Crítica e História Literária, da Academia Brasileira de Letras (2004). Santos, durante sua carreira de escritor, recebeu da Associação Brasileira de Ciência Política o Prêmio Victor Nunes Leal, no Concurso Brasileiro de Livros em Ciência Política e Relações Internacionais, por seu livro Horizonte do Desejo – Instabilidade, fracasso coletivo e inércia social, (Rio, Editora FGV, 2006) e da Academia Brasileira de Letras. em 2004, o prêmio na categoria Ensaio, com seu livro O cálculo do conflito: estabilidade e crise na política brasileira, publicado pela UFMG.[4]

ReferênciasEditar

  1. a b Forjaz, Maria Cecília Spina. «A emergência da Ciência Política acadêmica no Brasil: aspectos institucionais». Revista Brasileira de Ciências Sociais. 12 (35). ISSN 0102-6909. doi:10.1590/S0102-69091997000300007 
  2. [1]Morre Wanderley Guilherme dos Santos. O Globo, 26 de outubro de 2019, Lauro Jardim.
  3. Currículo: Wanderley Guilherme dos Santos, Sistema Currículo Lattes.].
  4. SILVA, Deonísio da. Wanderley Guilherme dos Santos: Um prêmio muito bem dado. São Paulo: Armazém Literário, Observatório da Imprensa, 9 de agosto de 2006]

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar