Abrir menu principal

William O. Douglas

William Orville Douglas (16 de outubro de 189819 de janeiro de 1980) foi um jurista e político estado-unidense que atuou como Juiz Associado da Suprema Corte dos Estados Unidos. Indicado pelo presidente Franklin D. Roosevelt, Douglas foi confirmado pelo aos 40 anos de idade, sendo um dos juízes mais jovens a entrar na Suprema Corte. Seu mandato, que foi de trinta e seis anos e duzentos e onze dias (1939–1975), é o mais longo da história da Suprema Corte. Em 1975, a Revista Time chamou Douglas de "o libertário mais doutrinador e comprometido que já chegou a estar na corte".[1]

William O. Douglas
William O. Douglas
Juiz Associado da Suprema Corte dos Estados Unidos
Nome completo: William Orville Douglas
Mandato: 15 de abril de 1939 - 12 de novembro de 1975
Nomeação por: Franklin Roosevelt
Antecessor(a): Louis Brandeis
Sucessor(a): John Paul Stevens
3° presidente da Comissão de Títulos e Câmbio
Mandato: 17 de agosto de 1937 - 15 de abril de 1939
Nomeação por: Franklin Roosevelt
Antecessor(a): James Landis
Sucessor(a): Jerome Frank
Dados pessoais
Nascimento: 16 de outubro de 1898
Maine Township, Minnesota
Falecimento: 16 de outubro de 1898 (-82 anos)
Bethesda, Maryland
Esposa: Mildred Riddle (1923-1953)
Mercedes Hester Davidson (1954-1963)
Joan Martin (1963-1966)
Cathleen Heffernan (1966-1980)
Alma mater: Whitman College
Columbia Law School
Religião: Presbiteriano

Após passar a sua infância como um itinerante, Douglas estudou na Whitman College através de uma bolsa de estudos. Ele se formou na Columbia Law School em 1925 e se juntou ao corpo docente da Yale Law School. Após servir como o terceiro presidente da Comissão de Títulos e Câmbio, Douglas foi nomeado de forma bem sucedida para a Suprema Corte, sucedendo o juiz associado Louis Brandeis. Ele foi seriamente considerado como um candidato para vice-presidente da candidatura democrata na eleição presidencial de 1944 e pressionado (o nome dado ao ato de pressionar uma pessoa para lançar uma candidatura a um cargo político nos Estados Unidos é draft) de forma mal sucedida para se candidatar na eleição de 1948. Douglas trabalhou na Suprema Corte até a sua aposentadoria em 1975, e foi sucedido por succeeded by John Paul Stevens. Douglas possui inúmeros recordes como juiz associado, incluindo o de maior número de opiniões em casos na corte.

Douglas escreveu a opinião da ala majoritária da corte em casos importantes; tais como Griswold v. Connecticut, United States v. Paramount Pictures, Inc., Brady v. Maryland e Terminiello v. City of Chicago. Ele também escreveu opiniões dissidentes em casos como Dennis v. United States, Brandenburg v. Ohio, e Terry v. Ohio. Ele também era conhecido por ser um opositor ferrenho da Guerra do Vietnã e um forte advogado do ambientalismo.

Referências

  1. «The Law: The Court's Uncompromising Libertarian». Time (em inglês). 24 de novembro de 1975. ISSN 0040-781X. Consultado em 4 de maio de 2019 

Ligações externasEditar