Yitzhak Ben-Zvi

Yitzhak Ben-Zvi (Poltava, 24 de novembro de 1884Jerusalém, 23 de abril de 1963) foi o segundo presidente da história de Israel. Foi, também, o político que por mais tempo ocupou o cargo.[1][2]

Yitzhak Ben-Zvi
Nascimento 24 de novembro de 1884
Poltava
Morte 23 de abril de 1963 (78 anos)
Jerusalém
Sepultamento Monte dos Descansos
Cidadania Israel
Cônjuge Rachel Yanait Ben-Zvi
Irmão(s) Aharon Reuveni
Alma mater
Ocupação político, historiador, escritor
Prêmios
  • Prêmio Bialik (1953)
  • honorary citizen of Jerusalem
Religião Judaísmo
Assinatura
Yitzhak Ben-Zvi signature.svg

BiografiaEditar

Nascido em Poltava, no Império Russo (hoje na Ucrânia), Ben-Zvi era o filho mais velho de Zvi Shimshelevich, que mais tarde adotou o nome de Shimshi. Shimshi foi um importante ativista sionista e um dos organizadores do primeiro Congresso Sionista em 1897, que em 1952 foi homenageado pelo primeiro Knesset israelense com o título de "Pai do Estado de Israel".

Ben-Zvi era ativo nas unidades de autodefesa judaicas organizadas na Ucrânia para defender os judeus durante os pogroms de 1905, e juntou-se ao partido político sionista Poale Zion. Ele imigrou para a Palestina em 1907, estabelecendo-se em Jaffa, e mais tarde no mesmo ano foi representante no Congresso Sionista de Haia. Foi lá que ele conheceu Israel Shochat. "Bar-Giora", o precursor clandestino de Hashomer, foi criado em seu apartamento em 1907. Em 1909, ele organizou a escola secundária Gymnasia Rehavia no bairro de Bukharim de Jerusalém, juntamente com Rachel Yanait.

Em 1910, Yanait, Ben-Zvi e Ze'ev Ashur fundaram o Ahdut, o primeiro periódico socialista hebreu. Após seus estudos na Galatasaray High School em Istambul, Ben-Zvi estudou direito na Universidade de Istambul de 1912 a 1914, junto com o futuro primeiro-ministro israelense David Ben-Gurion. Eles retornaram à Palestina em agosto de 1914, mas foram expulsos pelas autoridades otomanas em 1915. Os dois se mudaram para a cidade de Nova York, onde se envolveram em atividades sionistas e fundaram o movimento HeHalutz (Pioneiro). Juntos, eles também escreveram o livro em iídiche The Land of Israel: Past and Present para promover a causa sionista entre os judeus americanos.

Ao retornar à Palestina em 1918, Ben-Zvi se casou com Yanait. Eles tiveram dois filhos: Amram e Eli. Eli morreu na Guerra Árabe-Israelita de 1948, defendendo seu kibutz, Beit Keshet.

Carreira políticaEditar

Ben-Zvi serviu na Legião Judaica (1º batalhão da Judéia 'KADIMAH') junto com Ben-Gurion. Ele ajudou a fundar o partido Ahdut HaAvoda em 1919 e tornou-se cada vez mais ativo no Haganah. Ele foi mais tarde eleito para o Conselho da Cidade de Jerusalém e em 1931 serviu como presidente do Conselho Nacional Judaico, o governo paralelo da comunidade judaica na Palestina Obrigatória.

Assassinato de Jacob Israël de HaanEditar

De acordo com Avraham Tehomi, Ben-Zvi ordenou o assassinato de Jacob Israël de Haan em 1924.[3]

De Haan viera à Palestina como um sionista fervoroso, mas tornara-se cada vez mais crítico das organizações sionistas, preferindo uma solução negociada para a luta armada entre judeus e árabes. Foi assim que Tehomi reconheceu sua própria parte no assassinato mais de sessenta anos depois, em uma entrevista à televisão israelense em 1985: "Fiz o que o Haganah decidiu que deveria ser feito. E nada foi feito sem a ordem de Yitzhak Ben-Zvi. Não me arrependo porque ele [de Haan] queria destruir toda a nossa ideia de sionismo".[3]

PresidênciaEditar

 
Selo israelense de 1964 em homenagem a Yitzhak Ben-Zvi

Quando Israel conquistou sua independência, Ben-Zvi estava entre os signatários de sua Declaração de Independência em 14 de maio de 1948. Ele serviu no Primeiro e no Segundo Knessets para o partido Mapai. Em 1951, Ben-Zvi foi nomeado um dos membros em exercício do Comitê de Nomenclatura do Governo, cujo dever era decidir sobre os nomes apropriados para assentamentos recém-construídos.[4] Ele foi eleito presidente de Israel em 8 de dezembro de 1952, assumiu o cargo em 16 de dezembro de 1952 e continuou a exercer o cargo até sua morte.

Ben-Zvi acreditava que o presidente deveria dar o exemplo para o público e que sua casa deveria refletir a austeridade da época. Por mais de 26 anos, ele e sua família viveram em uma cabana de madeira no bairro de Rehavia, em Jerusalém. O Estado de Israel se interessou pela casa adjacente, construída e de propriedade de Nissim e Esther Valero, e a comprou, após a morte de Nissim, para fornecer espaço adicional para a residência do presidente.[5] Duas estruturas maiores de madeira no pátio foram usadas para recepções oficiais.

PesquisaEditar

Em 1948, Ben-Zvi chefiou o Instituto para o Estudo das Comunidades Judaicas Orientais no Oriente Médio, mais tarde denominado Instituto Ben-Zvi (Yad Ben-Zvi) em sua homenagem. O Instituto Ben-Zvi ocupa a casa de Nissim Valero.[6] Seu principal campo de pesquisa foram as comunidades judaicas e seitas da Ásia e da África, incluindo os samaritanos e caraítas.

FamíliaEditar

O pai de Yitzhak Ben-Zvi, Zvi Shimshi (Shimshelevitch), foi um importante ativista sionista no século XIX. Membro dos movimentos B'ne Moshe e Hoveve Zion na Ucrânia, ele foi (com Theodore Herzl) um dos organizadores do primeiro Congresso Sionista em Basel, Suíça, no outono de 1897. Nesse Congresso, a Organização Sionista Mundial foi fundada, e a intenção de restabelecer um estado judeu foi anunciada. Shimshi foi o único organizador do primeiro Congresso Sionista a viver para ver o nascimento do moderno Estado de Israel em 1948. Em 10 de dezembro de 1952, Zvi Shimshi foi homenageado pelo primeiro Knesset (parlamento) israelense com o título de "Pai do Estado de Israel".

O irmão de Ben-Zvi era o autor Aharon Reuveni, e seu cunhado era o arqueólogo israelense Benjamin Mazar.[7]


Referências

  1. Shlomo Nakdimon; Shaul Mayzlish (1985). דה האן : הרצח הפוליטי הראשון בארץ ישראל Deh Han : ha-retsah ha-politi ha-rishon be-Erets Yisraʼel / De Haan: The first political assassination in Israel (em Hebrew) 1st Edition ed. Tel Aviv: Modan Press. OCLC 21528172 
  2. Neturei Karta – Jews Against Zionism Zionism-Israel
  3. a b Shlomo Nakdimon; Shaul Mayzlish (1985). דה האן : הרצח הפוליטי הראשון בארץ ישראל Deh Han : ha-retsah ha-politi ha-rishon be-Erets Yisraʼel / De Haan: The first political assassination in Israel (in Hebrew) (1st ed.). Tel Aviv: Modan Press. OCLC 21528172
  4. "State of Israel Records", Collection of Publications, no. 152 (PDF) (in Hebrew), Jerusalem: Government of Israel, 1951, p. 845
  5. Eilat Gordin Levitan. "Shimshelevitz Family". Eilatgordinlevitan.com.
  6. Ben Zvi Institute, 12 Abarbanel St., Jerusalem
  7. Dan Mazar (1994) Jerusalem Christian Review

Precedido por
Chaim Weizmann
Presidente de Israel
19521963
Sucedido por
Zalman Shazar