Abrir menu principal
Zarah Leander
Zarah Leander no filme "Zu neuen Ufern" (1937)
Nome completo Zarah Stina Hedberg
Nascimento 15 de março de 1907
Karlstad, Reino da Suécia e Noruega
Morte 23 de junho de 1981 (74 anos)
Estocolmo, Suécia
Ocupação Atriz e cantora
Atividade 1929–1979
Cônjuge
  • Nils Leander (1926–1930)
  • Vidar Forsell (1932–1943)
  • Arne Hülphers (1956–1978)

Zarah Leander, nascida Zarah Stina Hedberg (Karlstad, 15 de março de 1907Estocolmo, 23 de junho de 1981) foi uma atriz e cantora sueca de sucesso na Europa, entre a década de 1930 e 1940, principalmente nos países de influência alemã e escandinava.

BiografiaEditar

Zarah Leander nasceu em Karlstad, condado de Varmlândia, Suécia, em 1907. Era filha de Lorentz Hedberg e de Mathilda Wikstroem. Estudou piano, violino e canto desde muito pequena, tendo se apresentado como pianista com apenas seis anos. Inicialmente Zarah não pretendia ser artista profissional e levou uma vida normal por vários anos.[1]

Ainda na adolescência, morou por dois anos em Riga, onde aprendeu o idioma alemão. Lá trabalhou como secretária, depois de terminas os estudos e conheceu seu primeiro marido, Nils Leander, com quem teve dois filhos. Em 1929 decidiu dedicar-se à carreira artística, apresentando-se como cantora e atriz. No mesmo ano gravou o seu primeiro disco. Separada de Nils Leander, casou-se, em 1934, com o jornalista Vidar Forsell, que adotou os seus dois filhos. Pouco tempo depois também se separaram.[1]

CinemaEditar

Em 1930 começa sua carreira cinematográfica, com uma participação no filme Dantes Mysterier. Após o êxito de Dantes Mysterier, Zarah foi convidada para participar na Opereta de Benatzky, em Viena, iniciando assim a sua carreira na Großdeutschland. Ainda em Viena filmou Premiere, para logo ingressar na Universum Film AG, onde, entre 1937 e 1943, interpretou várias personagens no estilo femme fatale, uma de suas marcas registradas. O seu sucesso entre o público alemão a transformou em uma grande estrela cinematográfica da Alemanha Nazista.[2] A sua voz melodiosa e rouga, aliada à sua beleza, a transformou na diva preferida dos alemães e do regime. Substituiu no imaginário popular figuras como Marlene Dietrich ou Greta Garbo, que tinham emigrado para os Estados Unidos.[1][2]

Zarah Leander e Marika Rökk foram os ícones femininos do cinema alemão na época. Em 1943, as dificuldades econômicas da UFA, obrigaram-na a regressar à Suécia, onde continuou a sua carreira profissional. Contudo, nunca recuperou o êxito dos seus anos na Alemanha, que muito a marcaram. Em 1956 casou-se com o pianista Arne Huelphers.[1] Apesar de ser a garota propaganda de vários filmes que enalteciam o regime nazista, Zarah não participava de eventos do partido e afirmou não ter compactuado com a ideologia nazista.[1][2]

MorteEditar

Zarah Leander morreu em 23 de junho de 1981, Estocolmo, depois de sofrer um AVC, aos 74 anos.[1]

FilmografiaEditar

 
Zarah Leander na capa da revista sueca Se, 1941

Suécia

    • 1930 – Dantes Mysterier
    • 1931 – Falska Millionären
    • 1935 – Äktenskapsleken
    • 1958 - Jazzgossen

Áustria

    • 1936 – Premiere

Alemanha

    • 1937 – Zu neuen Ufern
    • 1937 – La Habanera
    • 1938 – Heimat
    • 1938 – Der Blaufuchs
    • 1939 – Es war eine rauschende Ballnacht
    • 1939 – Das Lied der Wüste
    • 1940 – Das Herz der Königin
    • 1941 – Der Weg ins Freie
    • 1942 – Die große Liebe
    • 1942 – Damals

Alemanha Ocidental

    • 1950 – Gabriela
    • 1952 – Cuba Cabana
    • 1953 – Ave Maria
    • 1954 – Bei Dir war es immer so schön
    • 1959 – Der blaue Nachtfalter
    • 1964 – Das Blaue vom Himmel

França

    • 1946 - Tant que je vivrai

Itália

    • 1948 - Totò al giro d'Italia
    • 1966 – Come imparai ad amare le donne

Referências

  1. a b c d e f Jens Teschke (ed.). «1907: Nascia a atriz e cantora Zarah Leander». DW. Consultado em 14 de junho de 2019 
  2. a b c Benjamin G. Martin (ed.). «Zarah Leander and the Dream of a (Nazi) European Cinema». The International Association for Media and History. Consultado em 14 de junho de 2019 

Ligações externasEditar