98 Octanas

filme de 2006 dirigido por Fernando Lopes

98 Octanas é um filme dramático português de 2006, realizado por Fernando Lopes, e co-escrito com crítico de cinema João Lopes a partir de uma história de Diogo Seixas Lopes. O filme de estrada é protagonizado por Rogério Samora e Carla Chambel, interpretando respetivamente Diniz e Maria, personagens que se encontram por acaso numa estação de serviço e partem juntos pela autoestrada[1].

98 Octanas
Portugal Portugal
2006 •  cor •  94 min 
Género drama
Direção Fernando Lopes
Produção Paulo Branco
Elenco Rogério Samora
Carla Chambel
Música Bernardo Sassetti
Cinematografia Edmundo Díaz
Direção de arte Zé Branco
Companhia(s) produtora(s) Clap Filmes, Madragoa Filmes
Distribuição Atalanta Filmes (Portugal)
Lançamento
  • 24 de maio de 2006 (CFF)
  • 14 de Setembro de 2006 (Portugal)
Idioma português

Sinopse editar

Ele e ela, Dinis e Maria, não se conhecem. Algures, numa área de serviço da autoestrada Lisboa - Porto, ele pára para descansar. Ela também lá está e parece tão à deriva quanto ele: é um encontro fortuito que talvez não tenha nada de fortuito. Quase sem palavras, partem os dois no carro dele. A partir daí, sucedem-se as áreas de serviço, os motéis, as conversas e os silêncios, os mistérios e as revelações. Ele e ela desenham o mapa de uma aventura interior cujo destino ambos desconhecem. Em todo o caso, ela espera que ele a conduza a um lugar primordial, quase mítico: a casa da avó. Na sua solidão, cada um deles pode, pura e simplesmente, perder-se... ou, talvez, encontrar o outro. [2]

Elenco editar

Dados técnicos editar

  • Produção: Clap Filmes
  • Formato: 35mm cor
  • Som: Dolby digital
  • Produtor: Paulo Branco
  • Cenografia: Zé Branco
  • Música: Bernardo Sassetti
  • Director de fotografia: Edmundo Díaz Sotelo[3]
  • Decoração: Maria José Branco
  • Director de som: Pedro Melo
  • Montagem: Miguel Ceitil e Fernando Lopes

Produção editar

Desenvolvimento editar

Trata-se de uma longa-metragem da Clap Filmes com a Madragoa Filmes, produzida de Paulo Branco, com fotografia de Edmundo Díaz e música de Bernardo Sassetti que, a partir da ideia de um fado, compôs um bolero.

O argumento de 98 Octanas resultou de uma parceria de Fernando Lopes com o crítico de cinema João Lopes e foi escrito a partir de um texto de Diogo Lopes, filho do realizador, que retrata o universo das autoestradas e das estações de serviço. Esta longa metragem marca a segunda colaboração de argumento do realizador e do crítico de cinema depois de Lá Fora.[4] O diálogo "- Vamos para onde? - Longe. - E onde é que isso fica? - Perto." é o mais célebre do filme.

Casting editar

Rogério Samora, colaborador frequente de Fernando Lopes desde Matar Saudades, foi convidado pelo realizador para protagonizar 98 Octanas. Rogério Samora havia sido o ator principal dos últimos filmes de Fernando Lopes ao lado de Alexandra Lencastre.[5] Para este filme, Fernando Lopes decidiu não renovar a contracena e apostar em Carla Chambel, que o impressionou pela "força e por ter um rosto de estranheza, quase de bicho".[4] A par de Samora e Chambel, três outros actores dão corpo ao filme: Márcia Breia, Fernando Heitor e Joaquim Leitão.[3]

Gravações editar

O filme foi rodado nos distritos de Brangança e Coimbra, em Mirandela e Penacova, em jeito de "road movie" e de forma cronológica, à medida que o enredo se ia desvendando, o que permitiu um maior envolvimento dos atores. A experiência de rodagem foi bastante intensa e cansativa para o realizador, que perdeu seis quilos no processo.[5]

Lançamento editar

98 Octanas estreou a 26 de maio na edição de 2006 do Festival de Cannes. O filme viria a estrear nos cinemas em Portugal a 14 de setembro de 2006.[6]

A longa metragem foi editada em DVD e distribuída pela Atalanta Filmes em março de 2007.[7]

Festivais editar

O filme fez parte da seleção dos seguintes Festivais internacionais de cinema:

Recepção editar

A crítica considerou a longa metragem um road movie enérgico e inteligente, ainda que tenham apontado algumas falhas à estrutura do guião.[10] Entre os mais críticos, Luís Miguel Oliveira (Ípsilon) refere a inexistência de um fio condutor que atribui aos diálogos uma artificialidade e deixa os protagonistas numa deriva que fica sempre por resolver.[11] Ariel Schweitzer (Cahiers du Cinéma) e Eduardo Prado Coelho (Público) ressalvaram a performance de Carla Chambel, não só caracterizando a sua sensualidade como explosiva, mas defendendo que a sua força impressionante a faz parecer romper a própria tela. [12] A banda sonora de Bernardo Sassetti foi também bastante elogiada.[13]

Premiações editar

Ano Premiação Categoria Trabalho Resultado Ref.
2007 Globos de ouro Melhor filme 98 Octanas, Fernando Lopes Indicado [14]
Melhor ator Rogério Samora Indicado
Melhor atriz Carla Chambel Indicado

Ver também editar

Referências editar

  1. Público. «98 Octanas». Cinecartaz. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  2. Leopardo Filmes - Produção e distribuição cinematográfica. «98 Octanas — Leopardo Filmes - Produção e distribuição cinematográfica». Leopardo Filmes - Produção e distribuição cinematográfica. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  3. a b Nascimento, Frederico Lopes / Marco Oliveira / Guilherme. «98 Octanas». CinePT-Cinema Portugues. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  4. a b Portugal, Rádio e Televisão de. «Estreia hoje "98 Octanas", filme-viagem de Fernando Lopes». Estreia hoje "98 Octanas", filme-viagem de Fernando Lopes. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  5. a b «″Vou para qualquer lugar com o Fernando″ - DN». www.dn.pt. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  6. «'98 octanas' estreia a 14 de Setembro - JN». www.jn.pt. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  7. cinematográfica, Leopardo Filmes-Produção e distribuição. «98 Octanas». Leopardo Filmes - Produção e distribuição cinematográfica. Consultado em 10 de abril de 2023 
  8. «Scheda film». Torino Film Fest (em italiano). Consultado em 7 de novembro de 2020 
  9. cinematográfica, Leopardo Filmes-Produção e distribuição. «98 Octanas». Leopardo Filmes - Produção e distribuição cinematográfica. Consultado em 10 de abril de 2023 
  10. innersmile (15 de setembro de 2006). «98 octanas». um voo cego a nada. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  11. Oliveira, Luís Miguel. «Estrada fora». PÚBLICO. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  12. «98 Octanas». FNAC 
  13. horizonte, Eduardo Prado Coelho o fio do. «A estrada sem fim». PÚBLICO. Consultado em 10 de abril de 2023 
  14. «"Globos de Ouro são cada vez mais os prémios da SIC" | Público». Consultado em 6 de novembro de 2020 

Ligações externas editar