Cahiers du Cinéma

revista francesa de cinema

Cahiers du Cinéma (lit. "cadernos de cinema") é uma das mais celebradas revistas de crítica cinematográfica do mundo. Foi estabelecida na França em abril de 1951 por André Bazin, Jacques Doniol-Valcroze, Joseph-Marie Lo Duca e Léonide Keigel.

Cahiers du Cinéma
Cahiers-du-cinema
Redator Chefe Marcos Uzal
Diretor de publicação Éric Lenoir
Diretora de redação Julie Lethiphu
Categoria crítica de cinema
Frequência mensal
Circulação 13.483 (2022)
Fundador(a) André Bazin, Jacques Doniol-Valcroze, Joseph-Marie Lo Duca, Léonide Keigel
Fundação 1° de abril de 1951
País França
Idioma francês
ISSN 0008-011X
cahiersducinema.com

História editar

A história dos Cahiers está parcialmente ligada à da sétima arte, em particular por causa de uma geração de cinéfilos entusiasmados e provocadores que deu origem à Nova Onda francesa, ao estabelecer previamente a política de auteurs.[1]

Criado em 1951 por Joseph-Marie Lo Duca, Jacques Doniol-Valcroze e André Bazin,[2] com o apoio financeiro de Léonide Keigel, os Cahiers sucederam a La Revue du cinema de Jean George Auriol, que cessou a publicação em outubro de 1949 e da qual Doniol e Bazin foram os colaboradores. A capa e o conteúdo permanecem no mesmo espírito.[3]O título da revista é proposto por Doniol-Valcroze em 10 de fevereiro de 1951, que a princípio tem dificuldade em convencer Bazin e Keigel. Os títulos mais considerados foram Cinématographe, Du cinéma ou Objectif. O nome dos Cahiers é validado mesmo em caso de dúvidas dos membros, sob risco de confusão com os Cahiers de la Pléiade (que deixou de ser publicados em 1952) e os Cahiers de la Quinzaine.[a]

Jovens cinéfilos, Jean-Luc Godard, François Truffaut, Éric Rohmer, Jacques Rivette, Claude Chabrol e muitos outros, escreveram suas primeiras críticas lá, antes de se tornarem cineastas.[4]

Os fundadores editar

Jacques Doniol-Valcroze começou como secretário editorial da Cinémonde (fundada em 1928), depois vice-editor-chefe da Revue du Cinéma de 1947 a 1949. Dirigiu o cineclube Objectif 49, do qual participava André Bazin. Era também crítico de cinema do Le Nouvel Observateur e editor-chefe da revista Monsieur. Em 1949, criou o Festival de Cinema Madito de Biarritz. Também foi autor (Les Portes du baptistère, 1955) e diretor (L'Eau à la bouche, 1959; Le Rape, 1967; L'Homme au tête graphé, 1971…).[5]

 
André Bazin

Bazin abordou o cinema através de debates em cineclubes, cursos e conferências. Ele não quer, na crítica de um filme, contentar-se em

recontar o cenário ou opinar sobre seus possíveis significados. Ele pratica uma análise detalhada das sequências. Sua ideia central é que a crítica deve levar em consideração a evolução de uma cultura cada vez mais "cinéfila". Escreveu em revistas, nomeadamente em L'Écran français (criado em 1945), La Revue du cinema, Le Parisien Libéré (criado em 1944) e Radio-Cinéma-Télévision (criado em 1947).[6][7]

Joseph-Marie Lo Duca (Giuseppe Maria Lo Duca) também é ex-membro da La Revue du Cinéma. Jornalista, escritor, historiador, crítico, operador e diretor, publicou, entre outras coisas , Histoire du cinema (“O que eu sei?"), Technique du cinéma e The Cartoon at Prisma, com prefácio de Walt Disney. Na década de 1960, dirigiu o colleção "Bibliothèque internationale d’érotologie" publicado por Pauvert.[8][9]

Engenheiro químico de origem georgiana, Léonide Keigel chegou a Paris em 1933. Ele operou cinemas lá (como o Broadway na Champs-Élysées) antes de se tornar um distribuidor, à frente do circuito Cinéphone.[10]

Linha editorial editar

O conteúdo é composto por entrevistas, documentos, com amplo espaço para técnica cinematográfica. Apesar de tudo, a linha editorial não era realmente fixa naquela época. Foi em 1952 que os Cahiers deram uma guinada decisiva.

na 21ª edição dos Cahiers, François Truffaut começa a contribuir com os artigos. Seu primeiro artigo afirma um distanciamento do cinema francês conhecido como "qualidade" em benefício do cinema de auteurs, em particular do cinema americano (Howard Hawks, Alfred Hitchcock). Os novos colaboradores da revista, apelidados de "jovens turcos" por Bazin, chegam a se opor aos fundadores de Les Cahiers. Eles são Éric Rohmer, Jacques Rivette, Claude Chabrol e Jean-Luc Godard.

Um artigo de Truffaut em particular completa a afirmação da nova linha dos Cahiers, em janeiro de 1954, "Uma certa tendência no cinema francês", no qual critica fortemente o conformismo do cinema francês. A política de auteurs, que apresentava cineastas americanos (Hitchcock, Hawks) e alguns europeus (Jean Renoir, Roberto Rossellini), estava no auge quando, em 1957, Éric Rohmer substituiu Lo Duca como editor.

Em 1959, havia quatro revistas principais de cinema: os Cahiers du Cinéma, em “guerra" com Positif; Cinéma e Image et Son. Muitos periódicos surgem então, mas a maioria não vai até a quarta edição. Naquela época, muitos críticos de cinema, futuros diretores, escreviam para revistas (Bertrand Tavernier, Jean Eustache, etc.). Os semanários ( L'Express, Le Nouvel Observateur ) também têm seus críticos, em sua maioria homens de letras.

Abertura à modernidade editar

No início dos anos 1960, enquanto alguns editores da Cahiers deixaram a revista para fazer seus filmes, Éric Rohmer ocupou o cargo de editor-chefe até sua demissão por Jacques Rivette em 1963.

Em 1964, quando o jovem Serge Daney, que se tornaria o crítico mais influente de sua geração, ingressou na Cahiers, as ações da revista foram compradas por Daniel Filipacchi,[1] que entrou em conflito com a redação por querer impor seu projeto editorial: não há mais capa amarela, novo formato de 22×27,5. "Porém, foi sob sua liderança (...) e com críticos como Jean-Louis Comolli e Jean-André Fieschi, marcou a melhor época dos Cahiers." explica Antoine de Baecque em março de 2020.[1] Uma nova geração de críticos se impõe e abre a crítica à modernidade, às novas cinematografias e às correntes teóricas que perturbavam a vida intelectual da época. : estruturalismo, psicanálise, marxismo, semiótica. Os Cahiers encontram Jacques Lacan, Michel Foucault, Roland Barthes… e gradualmente se politizam.

O início de 1968 foi marcado pelo apoio a Henri Langlois, ameaçado na Cinémathèque Française, então "estados gerais do cinema" e finalmente os eventos de maio.

O período "Mao" editar

Na década de 1970, a revista radicalizou e, assim, politizou o debate estético, querendo participar da reformulação dos vínculos entre política e estética (na esteira dos filmes militantes de Jean-Luc Godard). O jornal apoia o maoísmo, fala de "frente cultural revolucionária", não considera mais a notícia de filmes (com exceção dos filmes militantes), não publica mais fotos de filmes, a capa torna-se um resumo austero, os colaboradores que discordam dessa linha são demitidos e sua circulação torna-se confidencial. Segundo Serge Daney, haviam menos de 2000 assinantes, um quarto dos quais provenientes de universidades norte-americanas que rematriculam automaticamente em seus quiosques. O equilíbrio financeiro foi ameaçado. Os Cahiers então se consideram os "especialistas em reprodução de filmes vermelhos". Segundo Serge Toubiana,[11] o jornalista responsável por essa deriva é o sindicalista Philippe Pakradouni, que deixou a revista assim que voltou ao cinema.[b]

Daney mais tarde afirma que este foi "o período não lendário dos Cahiers".

Renascimento: década de 1980 editar

 
Coleção de Cahiers du Cinéma da Cinemateca de Grenoble.

No final da década de 1970, Serge Daney e Serge Toubiana assumiram a revista e impuseram uma "volta aos filmes", mas também às imagens, à cor e ao cinema americano. A dupla sabia desse distanciamento, bem como de vir de uma geração que não passou para a direção, daí o título do artigo “O período não lendário dos Cahiers". Menos política e mais dirigida a amadores e cinéfilos, a revista rejuvenesceu, mais acessível, na década de 1980, quando muitas outras desapareceram por não terem conseguido evoluir com os tempos (promoção televisiva, público mais jovem).

Em 1981, Serge Daney deixou os Cahiers pela Libération. Dez anos depois, fundaria a revista trimestral Trafic.[14] Em outubro de 1987, a 400ª edição foi celebrada no L'Entrepôt, Paris.[15]

Em outubro de 1992, Thierry Jousse sucedeu Serge Toubiana. Ele saiu em 1996. Os editores que se sucedem são: Antoine de Baecque (1996-1998), Charles Tesson (1998-2001, quando a revista foi assumida pelo grupo Le Monde), Charles Tesson e Jean-Marc Lalanne (2001-2003), Emmanuel Burdeau (2003 -2009) depois Stéphane Delorme.

2008-2020: mudanças acionárias editar

Em abril de 2008, o grupo La Vie-Le Monde colocou à venda a editora dos Cahiers, a l'Étoile. Este anúncio desperta grande preocupação entre os editores e funcionários da revista.[16] Um projeto de recuperação interna é então considerado, apoiado por muitos cineastas (como Quentin Tarantino, Hou Hsiao-hsien, Chantal Akerman, Xavier Beauvois e Barbet Schroeder), é realizado por Emmanuel Burdeau e Thierry Lounas e apoiado pela maioria do editorial pessoal.[17][18]

Em janeiro de 2009, o grupo editorial de arte Phaidon, com sede em Londres, tornou-se o proprietário.[19] Em julho do mesmo ano, Stéphane Delorme foi nomeado editor-chefe[20] e Jean-Philippe Tessé, vice-editor. (Em junho de 2020, o Liberation afirma retrospectivamente que o time estava defendendo "uma linha política muito de esquerda.")[21]

Dez anos depois, em fevereiro de 2019, Richard Schlagman, que entretanto vendeu a Phaidon,[22] anunciou que procurava um comprador para o título, que distribuiu 13.000 exemplares.[23][24] Uma oferta do grupo Hildegarde e Grégoire Chertok foi anunciada em junho de 2019.[c][25] Richard Schlagman é, no entanto, levado a suspender a operação, "os valores ofertados mostraram-se bem abaixo do esperado".[26]

O título foi finalmente comprado no final de janeiro de 2020 por um grupo de proprietários de mídia (particularmente em relação ao cinema como o grupo Hildegarde)[27], industriais e produtores de cinema.[d][e][30] Segundo Marcos Uzal, os acionistas ligados ao mundo do cinema não passariam de 12% das ações, e não haveria acionista majoritário.[31]

A maioria da equipe editorial anuncia sua saída em 27 de fevereiro de 2020,[32][33] usando a cláusula de atribuição.[34][35] Quase vinte assinaturas, que entraram na redação nas décadas de 1990, 2000 e 2010, saíram da revista em bloco.[36] Três autores decidem ficar do seu lado (Vincent Malausa, Louis Séguin e Ariel Schweitzer).[1] Para Stéphane Delorme, foi sobretudo a presença de produtores de cinema que motivou a sua saída.[37] No entanto, ele também acusou Éric Lenoir e Grégoire Chertok de procurar outra equipe e montar um projeto para a revisão sem envolvê-los na consulta.[38] A nomeação de Julie Lethiphu, ex-delegada geral da Société des réalisateurs de films, como gerente geral, também contribui para a relutância da equipe.[39] Finalmente, Stéphane Delorme está alarmado com as declarações dos acionistas na imprensa anunciando seu desejo de criar uma revisão "chique", "amigável" e "reorientada para o cinema francês".[40]

Éric Lenoir menciona na imprensa seu desejo de que a revista volte a ser "um pouco elegante, como tem sido por décadas", ele também anuncia que este vai se reconectar com sua "tradição de abertura", e especifica que "franqueza não significa morno, claro, mas pode-se ser amigável sem ser consensual".[41] "Esses dois termos serão retomados pela Lundi matin, Europe 1 e La Dépêche sob a fórmula 'chique e amigável'".[42][43][44] Para Stéphane Delorme e Lundi matin, esses termos são uma negação da história dos Cahiers, "[que] sempre tiraram sarro do chique e falso".[40]

2020: assumido por uma nova equipe editar

Em maio de 2020, o diretor da publicação, Éric Lenoir, anunciou a nomeação de uma nova equipe editorial, composta por Marcos Uzal, Charlotte Garson e Fernando Ganzo.[45] Esta equipa é responsável pela edição do número de junho da revista, não tendo o número de maio saído devido à crise sanitária.

O comitê editorial, composto na época por doze editores, é paritário.[46] É uma vontade da redação-chefe que vê nela uma importante questão crítica.[31] A primeira edição da nova equipe editorial foi saudada por Jean-Michel Frodon (ex-diretor de publicação da revista de 2003 a 2009) como "singular em mais de uma maneira", e prometendo um possível "renascimento".[47] Ele lamenta "entre si" da redacção anterior e deseja ver a revista evoluir, nomeadamente através da publicação de livros e da retoma do website.[47] Segundo ele, a participação dos produtores de filmes dentro da nova gestão é insuficiente para criar um risco real de interferência. Recorda também o importante lugar de Léonide Keigel, expositor, produtor e distribuidor, na fundação da revista em 1951.[47]

Em junho de 2020, Marcos Uzal afirma que a revista "continuará sendo uma revisão crítica";[48] ele afirma em outubro de 2020 que "se houver diferenças, provavelmente, de gosto, há uma extensão real" e que a revista sempre defendeu, e sempre defenderá "autores, pesquisas e sempre se opôs a qualquer forma de academicismo".[43] Também garante a independência de sua equipe, afirmando que os novos proprietários não tiveram voz na constituição da edição de junho de 2020.[48][31][49] Ele também anuncia que uma carta de independência foi elaborada e deve ser publicada no site da revista; no entanto, este não é o caso em 2022.[48][50]

Em outubro de 2022, questionado por Philippe Vandel sobre o personagem "chique e amigável" da capa do nº769 dedicada a Frederick Wiseman, Marcos Uzal afirma que esses dois termos "não são de forma alguma palavras de ordem da nova redação".[43] explica, porém, que essa fórmula diz respeito mais ao modelo e ao desejo da nova redação de se interessar de perto pelo trabalho dos profissionais do cinema.[43] Ele lamenta um "grampo"[43] e uma tentativa de intenção, mas reconhece a estranheza da fórmula.[51]

Marcos Uzal anuncia que quer abrir as páginas críticas da revista para livros e DVDs, mas também para pontos de vista estrangeiros.[51] Ele também afirma o desejo de adicionar uma "dimensão jornalística e investigativa do Cahiers".[51]

Na direção geral dos Cahiers, Uzal explica para onde a revista deve ir:

Os novos proprietários terão também investidos 2,5 milhões de euros na revista.[52] Marcos Uzal nega esses números e evoca uma economia modesta.[46] No entanto, partilha das novas ambições da revista, que pretende relançar a edição de livros, lançar uma versão digital e programar filmes.[43][48] Essas atividades seriam "extensões do gesto crítico".[46]

Em 2020, a revista relançou Le Goût de la beauté de Éric Rohmer, bem como os cenários de Les Contes des quatre saisons e Six contes moraux.[53] Em 2022, o livro de Michel Ciment , Jane Campion, par Jane Campion, também é republicado.[54]

Em outubro de 2020, a revista se une ao Centro Pompidou para oferecer um ciclo Le cinema comme il va, cuja ambição é fazer um balanço da produção cinematográfica contemporânea;[55] em outubro de 2022, este ciclo é renovado para uma terceira edição.[56]

Em 20 de setembro de 2022, a revista anunciou a criação do Prêmio André-Bazin em parceria com a Chanel . Este prémio visa premiar uma longa-metragem distribuída na França, qualquer que seja a sua nacionalidade.[57]

Redação editar

 
Éric Rohmer na cinemateca francesa em 2004

Editores-chefes editar

Edição Web:

Colaboradores atuais editar

Conselho Editorial:[58]

Ex-colaboradores editar

Edições excepcionais editar

  • Nº 1, abril de 1951: primeira edição do Cahiers, com o subtítulo "Revue du cinéma et du télécinema", com capa de Crepúsculo dos Deuses.
  • Nº 159, Outubro de 1964: última edição com a encadernação amarela, dedicando O Deserto Vermelho.
  • Nº 300, maio de 1979: edição do centenário, Jean-Luc Godard é o editor-chefe.
  • Nº 312/313, junho de 1980: edição especial intitulada Les Yeux Verts, Marguerite Duras é a editora-chefe.
  • Novembro de 1984: emissão de homenagem intitulada Le roman de François Truffaut.
  • Nº 362/363: Edição homenageando Made in Hong Kong.
  • Nº 400: edição do centenário, Wim Wenders é o editor-chefe.
  • Nº 452, julho de 1992: edição em homenagem a Serge Daney.
  • Nº 500, março de 1996: edição do centenário, Martin Scorsese é o editor.
  • Nº 600, abril de 2005: edição do centenário, tópico especial "Ciné-manga" de Takeshi Kitano.
  • N.º 700, maio de 2014: edição do centenário “L'émotion qui vous hante”, vários realizadores e atores dão testemunhos sobre a emoção cinematográfica que os tem perturbado.
  • N.º 708, fevereiro de 2015: edição especial com desenho de Blutch e análise do tratamento mediático dos atentados do mês anterior.
  • Nº 791, outubro de 2022: emissão de homenagem dedicada a Jean-Luc Godard, falecido a 13 de setembro.

Ranking anual editar

Todos os anos, Les Cahiers du Cinéma estabelece um ranking dos 10 melhores filmes da safra, publicado na edição de dezembro. Eles também publicam um top 10 anual resultante da votação dos leitores.

Difusão editar

Abaixo, a distribuição paga na França de Cahiers du cinéma.[59]

Título 2017 2018 2019 2020 2021
Cahiers du cinéma 13.540 12.427 12.200 11.041 10.049

O Cahiers du Cinéma é a segunda maior revista de cinema francesa em termos de vendas atrás somente da Première.[60]

Les éditions de l'Étoile editar

Em 1979, a editora dos Cahiers du Cinéma, les éditions de l'Étoile, começou a publicar livros especializados no 7º art, com entrevistas e comentários de Jean Renoir.[61] Seguiram-se muitos livros dedicados ao cinema ou à fotografia, como Correspondance new-yorkaise de Alain Bergala e Raymond Depardon (1981, co-publicado com a Liberation).[61]

Entre os títulos estão compilações de textos dos primeiros editores do jornal, por exemplo Le Goût de la beauté de Éric Rohmer (1984, textos coletados e apresentados por Jean Narboni; coleção "Écrits" ).[61]

Os livros são divididos em treze coleções: "Albums", "La Petite Bibliothèque", "Les Petits Cahiers", "Collection littéraire", "Auteurs", "Essais, atelier", "Coédition festival de Locarno", "Écrit sur l’image", "Hors-collection", "21e siècle", "Grand Cinéaste".

Álbuns fac-símiles compilando as edições dos primeiros anos em capas amarelas — 14 volumes cobrindo o período 1951-1964 — foram publicados entre 1987 e 1994.[61]

A especificidade da editora não necessariamente a torna acessível. As incertezas financeiras levaram as edições da l'Étoile a serem compradas pelo grupo Le Monde em 1998, depois pela editora de livros de arte Phaidon em 2009.[61]

Notas editar

  1. Este episódio é relatado por Doniol-Valcroze em seu diário, em uma entrada intitulada "Les titres auquel vous avez échappé", publicada no primeiro volume da antologia fac-símile dos Cahiers.
  2. Philippe Pakradouni é o pseudônimo de Philippe Zarifian, irmão do diretor Christian Zarifian.[12] Sindicalista comprometido e maoísta, suas contribuições distanciaram a crítica do cinema, tornando-a mais austera, comprometendo-se com a política cultural revolucionária.[13]
  3. Proprietário do Film français, Première e Studio Ciné Live.
  4. Sob a liderança de Grégoire Chertok, banqueiro da Rothschild, estão empresários como Xavier Niel e Marc Simoncini, um industrial como Frédéric Jousset ou Éric Lenoir, gerente geral de uma empresa de móveis urbanos e que se tornará o novo gerente da empresa , oito produtores, como Pascal Caucheteux (Why Not Productions), Toufik Ayadi e Christophe Barral. Julie Lethiphu, delegada geral da Society of Film Directors, assumirá a liderança por escrito.[28]
  5. Este grupo de acionistas inclui: Grégoire Chertok, Xavier Niel, Éric Lenoir e Marc Simoncini (12% das ações), Reginald de Guillebon-Hildegarde group (8% das ações), Corentin Petit, Stéphane Courbit e Alain Weill (6% das ações), Pascal Breton, Xavier de Boissieu e Jacques Veyrat (4% das ações), e Angélique Bérès, Pascal Caucheteux, Christophe Barral e Toufik Ayadi, Frédéric Jouve e Marie Lecoq, Frédéric Jousset, Marc du Pontavice e Hugo Rubini (2% das ações).[29]

Referências

  1. a b c d Sandrine Cassini (2020). «Cahiers du cinéma : promesse de l'aube ou opération crépuscule ?». Le Monde (em francês) .
  2. «Mort de l'érudit Lo Duca». Libération (em francês). 2004 .
  3. «Cahiers du cinéma». Encyclopedia Universalis (em francês) .
  4. Antoine de Baecque, Cahiers du cinéma, histoire d'une revue, 2 vol., Paris, Éd. des Cahiers du cinéma, 1991
  5. «Jacques Doniol-Valcroze esprit tolérant». Le Monde (em francês). 1989 .
  6. «André Bazin». Esprit (em francês) .
  7. Mathieu Macheret (2019). «Cinéma : André Bazin, l'art de la critique». Le Monde (em francês) .
  8. Jean-François Rauger (2004). «Joseph-Marie Lo Duca, historien du cinéma». Le Monde (em francês) .
  9. Pascal Ory (2013). «Lo Luca Joseph-Marie». Dictionnaire des étrangers qui ont fait la France (em francês). [S.l.]: Robert Laffont .
  10. Jacques Doniol-Valcroze, "Léonide Keigel", Cahiers du cinéma, n°74, setembro de 1957.
  11. Serge Toubiana. «Apprentissage». Les Fantômes du Souvenir. [S.l.: s.n.] .
  12. Daniel Fairfax (2016). «"L'espace". Présentation». 1895 (79) 
  13. Anna Svenbro (2004). Des Cahiers jaunes aux Petits Cahiers rouges (PDF). [S.l.]: IEP Paris, Histoire des Médias 
  14. Jean-François Rauger (2001). «Serge Daney, penseur intuitif du cinéma». Le Monde (em francês) .
  15. «L'Entrepôt : des films indés et de la food inventive en plein coeur de Paris». www.cgcinema.eu (em francês). Consultado em 23 de junho de 2023 
  16. Croiset, Laure (15 de abril de 2008). «État d'alerte aux Cahiers du cinéma». Challenges (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  17. Roussel, Frédérique; Icher, Bruno. «Gros plan sur les Cahiers du cinéma». Libération (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  18. Croiset, Laure (9 de maio de 2008). «Projet de reprise interne aux Cahiers du cinéma». Challenges (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  19. «Les Cahiers du cinéma rachetés». Challenges (em francês). 9 de fevereiro de 2009. Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  20. «Stéphane Delorme, le nouveau rédacteur en chef des Cahiers du cinéma». Le Film français (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  21. ««Les "Cahiers du cinéma" doivent rester une revue de critique»». Libération (em francês). Consultado em 23 de junho de 2023 
  22. veja em phaidon.com.
  23. Chiffres ACPM.
  24. Madelaine, Marina Alcaraz Nicolas (12 de fevereiro de 2019). «Les "Cahiers du cinéma" sont à vendre». lesechos.fr (em francês). Consultado em 15 de fevereiro de 2019 .
  25. «Un banquier "cinéphile" pour racheter les "Cahiers du cinéma" ?». Les Inrocks (em francês). Consultado em 2 de março de 2020 .
  26. Challenges, n°628, 31 de outubro de 2019, p. 10.
  27. «Vingt actionnaires rachètent Les Cahiers du cinéma». LesInrocks.com. 4 de fevereiro de 2020. Consultado em 5 de maio de 2020 .
  28. «L'intégralité de la rédaction des « Cahiers du cinéma » démissionne». Le Monde.fr (em francês). 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 27 de junho de 2023 
  29. «Qui sont les millionnaires qui rachètent Les Cahiers du cinéma ? - 17/03/2020». La Lettre A (em francês). 17 de março de 2020. Consultado em 27 de junho de 2023 
  30. «Rachat des Cahiers du cinéma». Le Parisien .
  31. a b c «Marcos Uzal, rédacteur en chef des "Cahiers du cinéma" : "On a fait ce numéro en complète liberté"». Télérama (em francês). 3 de junho de 2020. Consultado em 3 de outubro de 2022 
  32. Lefilliâtre, Jérôme. «Cahiers du cinéma : "Nous démissionnons pour défendre l'idée de la critique"». Libération (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  33. «La rédaction quitte les Cahiers du cinéma (communiqué)». Acrimed | Action Critique Médias (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  34. Sandrine Cassini (2020). «L'intégralité de la rédaction des Cahiers du cinéma démissionne». Le Monde (em francês). Consultado em 28 de fevereiro de 2020 .
  35. Croiset, Laure (28 de fevereiro de 2020). «Pourquoi la rédaction des "Cahiers du Cinéma" démissionne». Challenges (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  36. «Cinéma : Des cahiers... et des doléances ?». France Inter (em francês). 4 de março de 2020. Consultado em 27 de junho de 2023 
  37. Lefilliâtre, Jérôme. «Cahiers du cinéma : "Nous démissionnons pour défendre l'idée de la critique"». Libération (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 
  38. Lefilliâtre, Jérôme. «Cahiers du cinéma : "Nous démissionnons pour défendre l'idée de la critique"». Libération (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 
  39. Chaverou, Éric (28 de fevereiro de 2020). «Cahiers du cinéma : l'ensemble de la rédaction claque la porte». France Culture (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 
  40. a b Stéphane Delorme, "The End", Cahiers du cinéma nº764,‎ março de 2020, p. 5 - Cahiers du Cinéma - n° 764 no Wayback Machine (arquivado em 2020-03-10)
  41. «Rachat des "Cahiers du cinéma" : tous les journalistes de la rédaction quittent le titre». www.telerama.fr (em francês). 28 de fevereiro de 2020. Consultado em 23 de junho de 2023 
  42. «Les misérables du cinéma». Lundi matin. 13 de março de 2020. Consultado em 26 de janeiro de 2023 
  43. a b c d e f «Les Cahiers du Cinéma relancent la branche livre de leur édition». Europe 1 (em francês). Consultado em 26 de janeiro de 2023 
  44. «Suite au rachat des Cahiers du Cinéma, la rédaction annonce son départ». ladepeche.fr (em francês). Consultado em 26 de janeiro de 2023 
  45. a b «"Cahiers du cinéma" : le nouveau rédacteur en chef confirmé». Les Inrocks (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  46. a b c d Lefilliâtre, Jérôme. «Les "Cahiers du cinéma" doivent rester une revue de critique». Libération (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  47. a b c Frodon, Jean-Michel (10 de junho de 2020). «Cahiers du cinéma, le retour». Slate.fr (em francês). Consultado em 26 de janeiro de 2023 .
  48. a b c d Lefilliâtre, Jérôme (3 de junho de 2020). «Les "Cahiers du cinéma" doivent rester une revue de critique». Libération (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 
  49. Marcos Uzal (junho de 2020). «Sur le pont». Cahiers du cinéma: 5 .
  50. «"Cahiers du cinéma" : le nouveau rédacteur en chef confirmé». Les Inrocks (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 
  51. a b c «Marcos Uzal, rédacteur en chef des "Cahiers du cinéma" : "On a fait ce numéro en complète liberté"». telerama.fr (em francês). 3 de junho de 2020. Consultado em 26 de janeiro de 2023 
  52. «Vingt actionnaires rachètent Les Cahiers du cinéma». LesInrocks.com. 4 de fevereiro de 2020. Consultado em 5 de maio de 2020 .
  53. Rohmer, Éric (2020). Le Goût de la beauté. Col: Petite bibliothèque. [S.l.]: Cahiers du cinéma. ISBN 978-2-37716-048-8. Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  54. «Jane Campion par Jane Campion, de Michel Ciment (nouvelle édition augmentée)». Cahiers du cinéma (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  55. «Le cinéma comme il va - Une programmation avec les Cahiers du cinéma». Centre Pompidou (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  56. «Le cinéma comme il va #3». Centre Pompidou (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  57. parfus, fanny (20 de setembro de 2022). «Les Cahiers du cinéma lancent le prix Bazin». Cahiers du cinéma (em francês). Consultado em 3 de outubro de 2022 .
  58. Cahiers du Cinéma, n°767, julho-agosto de 2020.
  59. «Fiche de Cahiers du cinéma». Alliance pour les chiffres de la presse et des médias - ACPM (em francês) .
  60. «Classement diffusion presse magazine 2021». Alliance pour les chiffres de la presse et des médias - ACPM (em francês) .
  61. a b c d e Renoir, Jean (1979). Narboni, Jean; Bazin, Janine; Gauteur, Claude; Cahiers du cinéma, eds. Entretiens et propos. Paris: Éditions de l'Étoile 

Ligações externas editar

cahiersducinema.com - site oficial.